Hillary Clinton

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página atravessa um processo de expansão ou reestruturação. A informação presente poderá mudar rapidamente, podendo conter erros que estão a ser corrigidos. Todos estão convidados a contribuir e a editar esta página. Caso esta não tenha sido editada durante vários dias, retire esta marcação.

Esta página foi editada pela última vez por Érico Júnior Wouters (D C) 2 dias atrás. (Recarregar)

Hillary Clinton
67ª Secretária de Estado dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 21 de janeiro de 2009
a 1 de fevereiro de 2013
Presidente Barack Obama
Antecessor(a) Condoleezza Rice
Sucessor(a) John Kerry
Senadora por Nova Iorque Nova Iorque (estado)
Período 3 de janeiro de 2001
a 21 de janeiro de 2009
Antecessor(a) Daniel Patrick Moynihan
Sucessor(a) Kirsten Gillibrand
44° Primeira-Dama dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 20 de janeiro de 1993
a 20 de janeiro de 2001
Presidente Bill Clinton
Antecessor(a) Barbara Pierce Bush
Sucessor(a) Laura Bush
Vida
Nome completo Hillary Diane Rodham Clinton
Nascimento 26 de outubro de 1947 (67 anos)
Chicago, Illinois,
 Estados Unidos
Progenitores Mãe: Dorothy Howell Rodham
Pai: Hugh E. Rodham
Dados pessoais
Alma mater Wellesley College
Yale Law School
Marido Bill Clinton (1975–presente)
Partido Democrata (1968–presente)
Republicano (antes de 1968)
Religião Metodista
Profissão Advogada
Assinatura Assinatura de Hillary Clinton

Hillary Diane Rodham Clinton, (Chicago, 26 de outubro de 1947) foi a 67ª Secretária de Estado dos Estados Unidos, servindo no governo do presidente estadunidense Barack Obama. Foi senadora de Nova Iorque de 2001 a 2009 e, como esposa do ex-presidente norte-americano Bill Clinton, foi também a 44ª Primeira-dama dos Estados Unidos, de 1993 a 2001. Foi uma das principais candidatas nas prévias do partido democrata na eleição presidencial norte-americana de 2008.

Nativa de Illinois, Hillary Rodham atraiu primeiramente a atenção nacional em 1969 por seus comentários como a primeira aluna a remeter o discurso de formatura no Wellesley College. Ingressou na carreira de direito após sua graduação na Faculdade de Direito de Yale em 1973. Sendo advogada legal congressional, mudou-se para o Arkansas em 1974 e casou-se com William Jefferson Clinton em 1975. Em 1977, Rodham co-fundou o Arkansas Advocates for Children and Families. Em 1978, tornou-se a primeira presidente mulher do Legal Services Corporation. Foi nomeada a primeira sócia mulher da Rose Law Firm em 1979, e foi duas vezes listada como uma das cem advogadas mais influentes dos EUA. Foi primeira-dama do Arkansas de 1979 a 1981 e de 1983 a 1992, conseguindo reformar o sistema de educação do estado. Hillary foi do conselho de administração do Wal-Mart e de diversas outras empresas.

Em 1994, como primeira-dama dos Estados Unidos, sua maior iniciativa, que visava reformar a saúde do país, não conseguiu obter aprovação do Congresso norte-americano. Em 1997 e 1999, Clinton defendeu o estabelecimento do State Children's Health Insurance Program, o Adoption and Safe Families Act, e o Foster Care Independence Act. Seu mandato como primeira-dama polarizou a opinião do povo americano. A única primeira-dama a ser intimada testemunhou perante um grande júri federal, devido à controvérsia Whitewater em 1996. Clinton nunca foi acusada de qualquer irregularidade nessa e várias outras investigações durante o governo de seu marido. O seu casamento com Bill Clinton foi o tópico de consideráveis discussões públicas após o escândalo Lewinsky em 1998.

Após mudar-se para Nova Iorque, Clinton foi eleita senadora norte-americana do estado de Nova Iorque em 2000. Esta eleição marcou a história, já que pela primeira vez, uma primeria-dama estadunidense concorreu a um cargo público; Clinton foi também a primeira senadora feminina a representar Nova Iorque. No Senado, inicialmente apoiou a administração de George Walker Bush em algumas questões políticas externas, nas quais incluíam a votação para a resolução da Guerra do Iraque. Posteriormente, opôs-se à condução da guerra do Iraque, e opôs-se a Bush em muitas decisões internas. Foi reeleita por uma ampla margem em 2006. Na candidatura presidencial de 2008, Clinton venceu mais primárias que qualquer outra candidata feminina na história americana, porém perdeu a vaga para o senador Barack Obama. Como Secretária de Estado de Obama, Clinton foi a primeira primeira-dama a servir em um gabinete presidencial.

Em abril de 2015, anunciou formalmente que iria novamente tentar conquistar a candidatura do Partido Democrata para o cargo de presidente dos Estados Unidos nas eleições de 2016.[1]

Início de vida e educação[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Hillary ainda criança, em fotografia de cerca de 1950.

Hillary Diane Rodham nasceu em 26 de outubro de 1947 no Hospital Edgewater em Chicago, Illinois.[2] [3] Ela foi criada em uma família metodista, primeiramente em Chicago, e, após completar três anos de idade, no subúrbio de Park Ridge, Illinois.[4] Seu pai, Hugh Ellsworth Rodham (1911–1993), era descendente de galeses e ingleses,[5] e abriu um pequeno negócio bem sucedido na indústria têxtil.[6] Sua mãe, Dorothy Emma Howell (1919–2011), era uma dona de casa com descendência inglesa, escocesa, francesa e galesa.[5] [7] [8] Hillary tem dois irmãos mais novos: Hugh (nascido em 1950) e Tony (nascido em 1954).[9]

Criada em uma família politicamente conservadora,[8] voluntariou-se nos esforços do Partido Republicano para comprovar que os democratas haviam fraudado a eleição presidencial de 1960 na cidade de Chicago. Hillary chegou a conclusão de que os apoiadores de John Kennedy fraudaram a eleição, desfavorecendo o republicano Richard Nixon.[10] Ela também voluntariou-se na campanha presidencial do republicano Barry Goldwater em 1964.[11] O desenvolvimento político inicial da jovem foi moldado mais por seu professor de história do ensino médio (como seu pai, um anticomunista fervoroso), que a apresentou ao livro de Goldwater A Consciência de um conservador,[12] e por seu pastor (como sua mãe, preocupado com questões de justiça social), com quem ela conheceu o ativista Martin Luther King, Jr. em 1962.[13]

Quando criança, praticava esportes, participava de várias atividades em sua igreja e ganhou inúmeros prêmios como escoteira.[14] [15] [14] Estudou na Maine East High School, onde participou da associação de estudantes, do jornal da escola e foi selecionada para a National Honor Society.[2] [16] No seu último ano de ensino secundário, foi transferida para a recém criada Maine South High School, onde foi finalista do Programa de Bolsas de Mérito Nacional, concorreu sem sucesso contra sete rapazes ao grêmio estudantil, fez parte do Comitê de Organizações, e graduou-se como um dos cinco melhores alunos da turma de 1965.[17] [18] Sua mãe queria que ela tivesse uma carreira profissional independente, e seu pai sentiu que as habilidades e oportunidades de sua filha não deveriam ser limitadas por seu gênero.[19]

Anos em Wellesley College[editar | editar código-fonte]

Lembranças da juventude de Hillary expostas no Centro Presidencial Bill Clinton.

Em 1965, matriculou-se no curso de ciência política da Wellesley College.[20] Durante o seu primeiro ano, presidiu a ala jovem dos republicanos em Wellesley.[21] [22] Ela identificava-se com o grupo de Nelson Rockefeller, considerado mais moderado e liberal.[23] [24] Mais tarde, a medida que suas opiniões sobre o movimento dos direitos civis dos negros e a Guerra do Vietnã alteraram-se, mudou de ideia em relação aos republicanos.[21] Em uma carta enviada a seu pastor da época em que era mais jovem, descreveu-se como "uma mente conservadora e um coração liberal".[25] Em contraste com os anos 1960, que preconizavam ações radicais contra o sistema político, procurou trabalhar para a mudança dentro dele.[26] Em 1968, tornou-se apoiadora da candidatura presidencial do democrata anti-guerra Eugene McCarthy.[27] Após o assassinato de Martin Luther King, Jr., organizou uma greve estudantil de dois dias e trabalhou com colegas negras para recrutar mais estudantes negros e professores.[27] No início de 1968, foi eleita presidente da Associação de Governo de Wellesley e permaneceu neste cargo até o início de 1969.[26] [28] Para ajudá-la a entender melhor sua mudança de pontos de vista políticos, o professor Alan Schechter ofereceu-lhe um estágio na Conferência Republicana da Câmara; Hillary aceitou o convite e participou do Programa de Estágio de verão da "Wellesley em Washington".[27] Ainda em 1968, foi convidada pelo representante republicano moderado Charles Goodell, que conheceu no estágio em Washington, a ajudar na campanha presidencial de Rockefeller durante as primárias.[27] Como voluntária de Rockefeller, participou da Convenção Nacional Republicana em Miami. No entanto, ficou chateada pela forma em que a campanha de Richard Nixon e Rockefeller retrataram o que ela percebeu como mensagens racistas na convenção do partido, e acabou trocando os republicanos por seu maior rival, o Partido Democrata, naquele mesmo ano.[27] Em sua autobiografia Vivendo a História, escreveu: "Às vezes penso que não fui eu quem deixou o Partido Republicano, mas sim o contrário".[29]

Hillary escreveu sua tese, uma crítica às táticas do organizador comunitário radical Saul Alinsky, sob a orientação do professor Schechter.[30] Em maio de 1969, graduou-se como um bacharel de artes com honras departamentais em ciência política.[31] [30] Pressionada por algumas colegas,[32] tornou-se, em 31 de maio de 1969, a primeira aluna na história da Wellesley College a proferir o discurso de formatura.[28] Em seu discurso afirmou que "o medo está sempre conosco, mas simplesmente não temos tempo para ele. Não agora.",[33] sendo em seu final aplaudida de pé durante sete minutos.[26] [34] [35] Hillary foi destaque em um artigo publicado na revista Life,[36] devido a uma parte do seu discurso em que criticou o senador Brooke, que havia falado antes dela.[32] Também apareceu nacionalmente no talk show televisivo de Irv Kupcinet.[37] Naquele verão, viajou para o Alaska, onde lavou pratos no Parque Nacional e Reserva de Denali e limpou peixes em uma fábrica temporária de salmão localizada em Valdez, que a despediu após ela queixar-se das condições insalubres.[38]

Yale Law School e estudos de pós-graduação[editar | editar código-fonte]

Ainda em Wellesley, foi aprovada nas faculdades de direito de Harvard e Yale.[39] Optou pela segunda e ingressou na Yale Law School no outono de 1969.[40] Lá atuou no conselho editorial da publicação Yale Review of Law and Social Action.[41] Durante o seu segundo ano, trabalhou no Centro de Estudos sobre a Criança da Universidade de Yale como assistente de pesquisas para o livro "Além dos Melhores Interesses da Criança" (1973).[42] [43] [44] Também trabalhou com casos de abuso infantil no Hospital Yale–New Haven e prestou assessoria jurídica gratuita para os pobres.[43] [42] No verão de 1970, conseguiu um emprego no Projeto de Pesquisas de Washington, criado por Marian Wright Edelman, onde foi designada para pesquisar a habitação, saneamento, educação e saúde dos filhos de migrantes. Neste emprego também assistiu as audiências do subcomitê do Senado sobre trabalho migratório.[45] Edelman mais tarde se tornou uma importante mentora.[46] Ainda em 1970, foi recrutada pelo conselheiro político Anne Wexler para trabalhar na campanha do candidato democrata ao Senado por Connecticut Joseph Duffey; mais tarde, afirmou que Wexler ofereceu o seu primeiro trabalho na política.[47]

No final da primavera de 1971, começou a namorar com Bill Clinton, também um estudante de direito de Yale. Naquele verão, estagiou no escritório de advocacia Treuhaft, Walker e Burnstein, de Oakland, Califórnia.[48] O escritório ficou conhecido por seu apoio aos direitos constitucionais, liberdades civis e causas radicais de extrema-esquerda;[48] Hillary trabalhou com guarda de filhos e outros casos.[49] [50] [51] Bill cancelou seus planos originais de verão para acompanhar sua namorada na Califórnia;[52] o casal continuou vivendo juntos em New Haven quando voltaram para a faculdade.[49] No verão de 1972, Hillary e Bill fizeram campanha no Texas para o candidato democrata George McGovern, que foi derrotado pelo presidente Richard Nixon na eleição geral.[53] Na primavera de 1973, recebeu o grau de Juris Doctor em direito, tendo escrito uma tese sobre direitos das crianças.[54] [31] [55] Após a formatura, viajou pela primeira vez a Europa com Bill, que a propôs em casamento pela primeira vez, mas ela recusou com um "não, não agora".[55] [56] [57] Logo em seguida começou um ano de estudos de pós-graduação sobre crianças e medicina no Centro de Estudos sobre a Criança da Universidade de Yale.[58] Seu primeiro artigo acadêmico, "As crianças nos termos da lei", foi publicado na Harvard Educational Review no final de 1973.[59]

Casamento e família, carreira jurídica e primeira-dama do Arkansas[editar | editar código-fonte]

Da Costa Leste para o Arkansas[editar | editar código-fonte]

Durante os seus estudos de pós-graduação, trabalhou como advogada pessoal do recém criado Fundo de Defesa das Crianças de Edelman em Cambridge, e como consultora do Conselho de Carnegie sobre Crianças.[60] [61] Em 1974, trabalhou na equipe de investigação do impeachment do presidente Nixon em Washington, D.C., assessorando o Comitê Judiciário da Câmara dos Representantes durante o Caso Watergate.[62] Sob a orientação do Conselheiro Chefe John Doar e do membro sênior Bernard Nussbaum,[43] trabalhou com os procedimentos de investigação, os fundamentos históricos e as regras de um impeachment.[62] O trabalho da comissão culminou com a renúncia do presidente Nixon em agosto de 1974.[62]

Até então, Hillary era vista como alguém com um futuro político brilhante: a consultora democrata Betsey Wright havia se mudado do Texas para Washington no ano anterior para ajudar a orientar sua carreira,[63] e Wright pensou que Hillary tinha o potencial para se tornar uma senadora ou presidente no futuro.[64] Enquanto isso, Bill tinha repetidamente pedido Hillary em casamento, mas ela continuou objetando.[65] Depois de falhar no exame para advogar do Distrito de Colúmbia e passar no exame de Arkansas,[66] chegou a uma decisão-chave de sua vida. Como mais tarde escreveu, "Eu escolhi seguir o meu coração em vez da minha cabeça".[67] Ela decidiu ir com Bill para o Arkansas, em vez de ficar em Washington, onde as perspectivas de carreira eram mais brilhantes. Já no Arkansas, Bill estava lecionando direito e concorrendo a uma vaga na Câmara dos Representantes. Em agosto de 1974, mudou-se para Fayetteville, e tornou-se uma das duas únicas mulheres que integravam o corpo docente da Faculdade de Direito da Universidade do Arkansas em Fayetteville.[68] [69] Hillary deu aulas de direito penal, sendo considerada uma professora rigorosa, e foi a primeira diretora da clínica de assistência jurídica da escola.[70] Ela ainda tinha dúvidas sobre o casamento por estar preocupada que sua identidade seria perdida e que suas realizações seriam vistas à luz da outra pessoa.[71] Em novembro de 1974, Bill perdeu a eleição para o Congresso por uma pequena diferença.[72]

Primeiros anos no Arkansas[editar | editar código-fonte]

Hillary Rodham e Bill Clinton viveram nesta casa de 980 pés quadrados (91 m2) em Hillcrest, um bairro de Little Rock, Arkansas, entre 1977 a 1979, enquanto ele era o procurador-geral do estado.[73]

Hillary Rodham e Bill Clinton compraram uma casa em Fayetteville no verão de 1975 e Hillary finalmente concordou em se casar.[74] O casamento foi realizado em 11 de outubro de 1975, em uma cerimônia metodista em sua sala de estar.[75] Uma notícia sobre o casamento publicada no Arkansas Gazette indicou que ela decidiu continuar utilizando o seu nome de nascimento.[75] [76] A motivação era manter suas vidas profissionais separadas e evitar aparentes conflitos de interesses.[77] A decisão chateou sua mãe e sua sogra.[78] Em novembro de 1976, Bill foi eleito procurador-geral do Arkansas, e com isso o casal se mudou para Little Rock, a capital do estado.[79] Em fevereiro de 1977, tornou-se uma advogada do respeitável escritório Rose Law Firm, uma advocacia com bastante poder político e econômico no estado.[80] Especializou-se em violação de patentes e direitos de propriedade intelectual enquanto também trabalhava pro bono em defesa de crianças;[41] [81] raramente trabalhava com litígios nos tribunais.[82]

Hillary manteve seu interesse em direito das crianças e política da família, e publicou os artigos acadêmicos "Políticas para crianças: abandono e negligência" em 1977 e "Direitos das Crianças: Uma Perspectiva Legal" em 1979.[83] [84] Este último continuou seu argumento de que a competência legal das crianças dependia de sua idade e outras circunstâncias e que, em casos graves, a intervenção judicial é justificada.[85] A American Bar Association mais tarde disse: "Seus artigos eram importantes, não porque eles eram radicalmente novos, mas porque eles ajudaram a formular algo que tinha sido incipiente."[85] O historiador Garry Wills viria a descrevê-la como "uma das mais importantes ativistas das duas últimas décadas",[86] enquanto alguns conservadores disseram que suas teorias iriam usurpar a autoridade tradicional dos pais.[87] [88]

Em 1977, co-fundou a associação Advogados em Defesa das Crianças e Famílias do Arkansas, uma aliança em nível estadual com o Fundo de Defesa das Crianças.[41] [89] Mais tarde naquele ano, o presidente Jimmy Carter (para quem Hillary tinha sido a diretora de operações de campo da campanha presidencial de 1976 em Indiana)[90] a nomeou para o conselho de administração da Legal Services Corporation,[91] onde trabalhou de 1978 até o final de 1981.[92] A partir de meados de 1978 a meados de 1980,[nb 1] atuou como presidente do conselho, sendo a primeira mulher a ocupar este cargo.[93] Durante seu período como presidente, o financiamento para a Legal Services Corporation foi ampliado de $90 milhões para $300 milhões; posteriormente, lutou com sucesso contra as tentativas do presidente Ronald Reagan de reduzir o financiamento e mudar a natureza da organização.[81]

Em novembro de 1978, seu marido foi eleito governador do Arkansas, e Hillary se tornou a primeira-dama do estado em janeiro de 1979. Bill a nomeou presidente do Comitê Consultivo de Saúde Rural no mesmo ano,[94] onde ela garantiu fundos federais para expandir as instalações médicas nas áreas mais pobres de Arkansas sem afetar os honorários médicos.[95] Em 1979, se tornou a primeira sócia da Rose Law Firm.[96] De 1978 até entrar na Casa Branca, recebeu um salário mais elevado do que o de seu marido.[97] Durante os anos de 1978 e 1979, tentando complementar sua renda, obteve um lucro espetacular ao negociar contratos futuros de gado bovino;[98] um investimento inicial de $1,000 gerou cerca de $100,000 dez meses após ela parar de negociar.[99] O casal também começou a investir, juntamente com Jim e Susan McDougal, na Whitewater Development Corporation. A sociedade foi criada com o objetivo de comprar terras na margem sul do rio White, subdividi-las para residências de férias e depois vender os lotes com lucro.[98] A Whitewater não prosperou.[100]

Últimos anos no Arkansas[editar | editar código-fonte]

O governador Bill Clinton e Hillary Clinton durante um jantar com o presidente Ronald Reagan e a primeira-dama Nancy Reagan em fevereiro de 1987.

Em 27 de fevereiro de 1980, nasceu sua primeira e única filha Chelsea. Em novembro daquele ano, Bill foi derrotado em sua tentativa de se reeleger.[101] Bill retornou ao cargo de governador depois de vencer a eleição de 1982. Durante a campanha de seu marido, começou a usar o nome Hillary Clinton, e as vezes "Sra Bill Clinton", para amenizar as preocupações dos eleitores do estado;[nb 2] também tirou uma licença de tempo integral da Rose Law Firm para fazer campanha para o marido.[106] Como primeira-dama do Arkansas, utilizou Hillary Rodham Clinton como seu nome.[nb 2] Foi nomeada presidente do Comitê de Normas Educacionais do Arkansas em 1983, onde tentou reformar o sistema público de educação.[107] [108] Em uma das iniciativas mais importantes do governo Clinton, travou uma batalha prolongada, mas finalmente bem sucedida, contra a Associação de Educação do Arkansas para estabelecer testes obrigatórios para os professores, normas estaduais para o currículo escolar e o tamanho das salas de aula.[94] [107] Em 1985, apresentou o Programa de Instrução Domiciliar Pré-escolar, um programa que ajudava os pais a trabalhar com seus filhos na preparação pré-escolar e alfabetização.[109] Em 1983, foi nomeada a Mulher do Ano de Arkansas e em 1984 a Mãe do Ano de Arkansas.[110] [111]

Hillary continuou trabalhando na Rose Law Firm em seu segundo período como primeira-dama do Arkansas. Ela ganhava menos do que os outros sócios, mas ainda assim ganhou $200.000 dólares em seu último ano na empresa.[112] [113] O escritório a considerava uma "rainmaker", porque ela trouxe novos clientes e em parte graças ao prestígio que deu para a empresa.[113] Hillary também foi muito influente na nomeação de juízes estaduais.[113] O oponente republicano de Bill Clinton em sua campanha a reeleição em 1986 acusou os Clinton de conflito de interesses, porque a Rose Law Firm fez negócios com o estado; os Clinton rebataram a acusação, dizendo que as taxas estaduais foram pagas pela empresa perante os seus lucros.[114]

De 1982 a 1988, fez parte do conselho de administração, as vezes como sua diretora, da New World Foundation,[115] que financiou uma variedade de grupos de interesse da nova Esquerda.[116] De 1987 a 1991, foi a primeira presidente da comissão sobre mulheres na profissão de advocacia da American Bar Association.[117] A comissão foi criada para abordar os preconceitos de gênero na carreira de advocacia e induzir a associação a adotar medidas para combatê-la.[117] Foi duas vezes nomeada pelo The National Law Journal como um dos 100 advogados mais influentes dos Estados Unidos: em 1988 e em 1991.[118] Quando Bill Clinton pensou em não concorrer novamente para governador em 1990, considerou concorrer para sucedê-lo, mas pesquisas privadas indicaram números desfavoráveis. Apesar disso, Bill concorreu novamente e foi reeleito.[119]

Hillary fez parte dos conselhos de administração do Hospital da Criança do Arkansas (1988–1992) e do Fundo de Defesa das Crianças (como presidente, 1986–1992).[120] [2] [121] Além dos cargos que ocupou em organizações sem fins lucrativos, também ocupou cargos no conselho de diretoria das empresas TCBY (1985–1992),[122] Wal-Mart Stores (1986–1992)[123] e Lafarge (1990–1992).[124] TCBY e Wal-Mart também eram clientes da Rose Law Firm.[113] [125] Foi a primeira mulher a integrar o conselho da Wal-Mart, sendo nomeada após a pressão que o presidente Sam Walton estava tendo para nomear uma mulher para o conselho.[125] Como membro do conselho da Wal-Mart Stores, ajudou com sucesso na adoção de práticas ambientalmente mais amigáveis, mas foi muito mal sucedida em uma campanha para que mais mulheres pudessem fazer parte da empresa, e ficou em silêncio sobre a empresa ter a fama de práticas anti-sindicais.[123] [125] [126]

Campanha presidencial de Bill Clinton em 1992[editar | editar código-fonte]

Hillary Rodham Clinton em 1992.

Hillary Clinton recebeu atenção nacional pela primeira vez quando seu marido se tornou um candidato para a nomeação presidencial democrata de 1992. Antes da primária de Nova Hampshire, publicações impressas de tablóides alegaram que Bill havia se envolvido em um caso extraconjugal com a cantora do Arkansas Gennifer Flowers.[127] Em resposta, os Clinton apareceram juntos no programa 60 Minutes, onde Bill negou o caso, mas reconheceu que "causou dor no meu casamento".[128] Esta aparição conjunta foi creditada como o resgate de sua campanha.[129] Durante a campanha, Hillary fez observações depreciativas sobre Tammy Wynette e sua visão sobre o casamento;[130] [131] em um programa televisivo, declarou: "Eu não estou aqui sentada como uma mulherzinha apoiando o meu homem como Tammy Wynette (referência à imagem de sofredora da cantora). Eu estou sentada aqui porque eu o amo." Hillary acabou pedindo desculpas a Tammy.[132] Bill afirmou que se ele fosse eleito, o país "teria dois pelo preço de um", referindo-se ao papel de destaque que Hillary teria em um eventual governo.[133] O artigo The Lady Macbeth of Little Rock, escrito por Daniel Wattenberg em agosto de 1992 para a revista The American Spectator, explorou seu passado ideológico e ético, que foram atacados pelos conservadores.[87] Pelo menos outros vinte artigos das principais publicações também fizeram comparações entre ela e Lady Macbeth.[134]

Primeira-dama dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Papel como primeira-dama[editar | editar código-fonte]

Quando Bill Clinton tomou posse como presidente em 20 de janeiro de 1993, Hillary Rodham Clinton tornou-se a 44ª primeira-dama dos Estados Unidos, e seu secretário de imprensa reiterou que ela estaria usando os seus três nomes.[nb 2] Foi a primeira primeira-dama a ter uma pós-graduação e ter sua própria carreira profissional até o momento em que tornou-se moradora da Casa Branca.[135] Também foi a primeira a ter um escritório na Ala Oeste da Casa Branca, além dos escritórios habituais da primeira-dama na Ala Leste.[58] [136] Hillary ajudou seu marido nas nomeações feitas para a nova administração, e escolheu pelo menos onze posições de nível superior e vários outros cargos de nível inferior.[137] Depois de Eleanor Roosevelt, é considerada a mais poderosa esposa de um presidente na história americana.[138] [139]

A família Clinton chega a Casa Branca no Marine One, em 1993.

Alguns críticos consideraram inadequado que a primeira-dama desempenhasse um papel central em questões de política pública. Os defensores argumentaram que o papel de Hillary na política não foi diferente do de outros assessores da Casa Branca e que os eleitores estavam bem cientes de que ela iria desempenhar um papel ativo na presidência de seu marido.[140] A promessa de campanha de Bill de que o país teria "dois pelo preço de um" levou seus adversários a referirem-se pejorativamente aos Clinton como "co-presidentes" ou, em algumas vezes, "Billary", um apelido que eles receberam ainda no Arkansas.[94] [141] [142] As ideias conflitantes sobre o papel que uma primeira-dama deveria desempenhar fez com que tivesse "discussões imaginárias" com a também politicamente ativa Eleanor Roosevelt.[nb 3] Desde quando passou a morar em Washington, também encontrou refúgio em um grupo de oração, que contou com muitas esposas de figuras conservadoras da capital federal.[146] [147] Desencadeado em parte pela morte de seu pai em abril de 1993 e de um assessor e amigo pessoal de longa data, procurou publicamente encontrar uma síntese dos ensinamentos metodistas, e a "política de sentido" do editor Michael Lerner para superar o que viu como um "vazio espiritual no coração da sociedade americana"; o que a levaria a ter a vontade de "remodelar a sociedade pela redefinição do que significa ser um ser humano no século XX, na passagem para um novo milênio".[148] [149] Outros seguimentos do público focaram em sua aparência, que tinha evoluído consideravelmente desde a campanha de seu marido à presidência,[150] o que lhe rendeu uma capa na revista Vogue em 1998.[151] [152] [153]

Saúde pública e outras iniciativas políticas[editar | editar código-fonte]

Aprovação de Hillary Clinton como primeira dama, 1992-1996[154]
  favoráveis
  desfavoráveis
  sem opinião

Em janeiro de 1993, o presidente Bill Clinton indicou sua esposa para encabeçar o projeto de reforma do sistema de saúde americano.[155] Ela pediu para que a saúde pública deveria receber maior prioridade do Tratado Norte-Americano de Livre Comércio (NAFTA).[156] [157] A recomendação da força-tarefa tornou-se conhecida como Clinton health care plan, uma proposta abrangente que obrigaria os empregadores a fornecer um serviço de saúde aos seus funcionários por meio de organizações de manutenção de saúde individuais. Seus opositores rapidamente ridicularizaram o plano como "Hillarycare", alguns manifestantes contrários ao plano surgiram em todo o país, e durante um passeio de ônibus em julho de 1994, a fim de conseguir apoio para o plano, ela foi forçada a usar um colete à prova de balas.[158] [159]

O projeto falhou ao não ganhar apoio suficiente para por sua votação na pauta do Congresso, embora os Democratas tivessem a maioria, e então foi arquivado em Setembro de 1994.[158] No seu livro Living History, Hillary reconheceu que sua inexperiência política contribuiu para a derrota, mas que outros fatores também foram responsáveis.[160] Na época, os republicanos tiveram a impopularidade do projeto como principal fator da campanha para as eleições de 1994,[161] na qual conquistaram 53 cadeiras a mais no Câmara e sete a mais no Senado.[162] A Casa Branca posteriormente procurou minimizar o papel de Hillary Clinton na formulação da política.[163] Mais tarde os opositores continuaram a a usar o "Hillarycare" como um rótulo pejorativo para planos semelhantes.[164]

Clinton lê a uma criança durante uma visita a uma escola.

Junto com os senadores Ted Kennedy e Orrin Hatch, ela de um grande apoio na passagem do State Children's Health Insurance Program em 1997, um esforço federal que forneceu o apoio as crianças cujos pais não puderam fornecer algum plano de saúde, e realizou esforços para que as crianças se inscrevessem no programa, uma vez que se tornou lei.[165] Ela promoveu a imunização em todo o país contra doenças infantis e incentivou as mulheres mais velhas a procurar o exame de mamografia para detectar câncer de mama, com a cobertura fornecida pelo Medicare.[166] Ela ajudou a aumentar o financiamento nas pesquisas sobre o câncer de próstata e asma na infância no National Institutes of Health.[58] Ela ajudou a investigar a cura de uma doença que os veteranos da Guerra do Golfo tinham sido afetado, que se tornou conhecida como a síndrome da Guerra do Golfo.[58] Juntamente com o procurador-geral Janet Reno, Clinton ajudou a criar o Instituto de Violência contra a Mulher do Departamento de Justiça.[58] Em 1997, ela iniciou e conduziu Adoption and Safe Families Act, que ela considerava como sua maior conquista como primeira-dama.[58] [167] Em 1999, ela foi fundamental na aprovação da Foster Care Independence Act, que dobrou as verbas federais para adolescentes órfãos.[167] Como primeira-dama, Clinton recebeu numerosas conferências na Casa Branca, entre elas: Cuidados com as crianças (1997),[168] Desenvolvimento da Primeira Infância e Aprendizagem (1997),[169] Crianças e Adolescentes (2000).[170] Ela também organizou a primeira Conferência da Casa Branca sobre os adolescentes (2000)[171] e a primeira Conferência da Casa Branca sobre Filantropia (1999).[172]

Clinton viajou para 79 países durante este período,[173] quebrando o recorde estabelecido por Pat Nixon.[174] Ela não participou de reuniões do Conselho de Segurança Nacional, mas desempenhou um papel "soft power" na diplomacia dos Estados Unidos.[175] Em 1995 viajou para cinco países do sul da Ásia, por ordem do Departamento de Estado dos Estados Unidos e sem o marido, procurou melhorar as relações com a Índia e o Paquistão.[176] Clinton ficou preocupada com a situação das mulheres nos países que viajou, mas encontrou uma resposta morna das pessoas dos países que visitou e ganhou um melhor relacionamento com a imprensa americana.[176] [177] A viagem foi uma experiência transformadora para ela e pressagiava sua carreira na diplomacia.[178] Em setembro de 1995, durante um discurso antes da Quarta Conferência Mundial sobre a Mulher em Pequim, Clinton foi contra como as mulheres eram tratadas em todo o mundo e na República Popular da China,[179] declarando "que não é mais aceitável discutir os direitos das mulheres separado dos direitos humanos".[179] Delegados de mais de 180 países a ouviu dizer: "Se há uma mensagem que ecoa diante desta conferência, que seja que os direitos humanos são os direitos das mulheres e direitos das mulheres são direitos humanos."[180] Ao fazer isso, ela resistiu tanto a administração interna, quanto á pressão chinesa para amenizar seus comentários.[173] [180] Ela foi uma das figuras internacionais mais proeminentes durante a década de 1990 que lutou contra o modo de como as mulheres eram tratadas pelo islamismo.[181] [182] Ela ajudou a criar o Vital Voices, uma iniciativa internacional patrocinado pelos Estados Unidos para promover a participação das mulheres nos processos políticos de seus países.[183] [184]

Escândalo Monica Lewinski[editar | editar código-fonte]

Aprovação de Hillary Clinton como primeira-dama, 1997-2000[154]
  favoráveis
  desfavoráveis
  sem opinião

Em 1998, a relação do casal Clinton se tornou um assunto de muita especulação quando investigações revelaram que o Presidente tinha tido relações extraconjugais com estagiária da Casa Branca Monica Lewinsky.[185] As investigações do escândalo Lewinsky levaram ao impeachment de Bill Clinton pela Câmara dos Representantes. Quando as acusações contra seu marido tinha se tornado público, Hillary Clinton afirmou que eles eram o resultado de uma "conspiração de direita",[186] dizendo que o escândalo Lewinsky tinha sido montado por inimigos políticos de Bill Clinton.[187] [188] Após a confirmação dos encontros do presidente Clinton com Lewinsky, ela emitiu uma declaração pública reafirmando seu compromisso com o casamento,[189] mas pessoalmente foi relatado que ela estava furiosa com Bill[190] e ela não tinha certeza se queria ficar casada.[191]

Houve uma variedade de reações públicas sobre a posição que Hillary Clinton durante o escândalo, entre elas: algumas mulheres admirava sua força e equilíbrio em assuntos privados, alguns simpatizavam com ela como vítima de um comportamento insensível de seu marido, outros a criticaram por não ter se separado, enquanto outros acusaram de cinismo por permanecer em um casamento fracassado, como forma de manter ou mesmo promover a sua própria influência política.[192] Seus índices de aprovação pública, na sequência do escândalo disparou para cerca de 70%, sendo o maior índice registrado.[192] Em seu livro de memórias de 2003, ela atribuiria a sua decisão de permanecer casada como "um amor que tem persistido ao longo de décadas" e disse: "Ninguém me entende melhor e ninguém pode me fazer rir da forma como Bill faz. Mesmo depois de todos esses anos, ele ainda é a pessoa mais interessante, energizado e plenamente vivo que eu já conheci."[193]

Eleição para o Senado em 2000[editar | editar código-fonte]

Quando o senador Daniel Patrick Moynihan de Nova Iorque anunciou sua aposentadoria em novembro de 1998, várias figuras proeminentes democratas, incluindo o representante Charles B. Rangel de Nova Iorque, pediram para que Clinton concorresse à cadeira vaga de Moynihan no senado.[194] Quando ela decidiu concorrer, os Clinton compraram uma casa em Chappaqua, Nova Iorque, em setembro de 1999.[195] Ela se tornou a primeira primeira-dama dos Estados Unidos a se candidatar a cargos eletivos.[196] Inicialmente, a expectativa era que Clinton enfrentasse Rudy Giuliani, o prefeito de Nova Iorque, como seu adversário republicano na eleição. No entanto, Giuliani desistiu da eleição em maio de 2000 após ser diagnosticado com câncer de próstata, sendo substituído por Rick Lazio, membro republicano da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos pelo 2º distrito congressional. Ao longo da campanha, os adversários acusaram Clinton de ser um candidato carpetbagging (aquele candidato que se candidata em vários estados), como ela nunca havia residido em Nova Iorque, nem participado na política do estado antes da eleição. Clinton começou a sua campanha, visitando todos os municípios do estado, na qual ela chamou de "turnê de ouvidoria".[197] Durante a campanha, ela dedicou um tempo considerável em regiões tradicionalmente republicanas de Nova Iorque.[198] Clinton prometeu melhorar a situação econômica nessas áreas, prometendo gerar 200.000 empregos para o estado durante seu mandato. Seu plano incluía créditos fiscais para premiar a criação de empregos e incentivar o investimento empresarial, especialmente no setor comercial e tecnológico.[198]

A eleição atraiu a atenção nacional.[199] As campanhas de Clinton e Lazio, juntamente com a campanha inicial de Giuliani, atingiram um recorde de 90 milhões de dólares gastos.[200] Clinton ganhou a eleição em 7 de novembro de 2000, com 55% dos votos, contra 43% de Lazio.[199] Ela foi empossada como senadora dos Estados Unidos em 3 de janeiro de 2001.

Senadora dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Primeiro mandato[editar | editar código-fonte]

Reconstituição da posse de Hillary Rodham Clinton como senadora feita pelo vice-presidente Al Gore, junto com o Presidente Clinton e a filha Chelsea, 3 de janeiro de 2001.
Foto oficial Clinton como senadora dos Estados Unidos.

Ao entrar no Senado, Clinton manteve relações com senadores de ambos os partidos.[201] Ela forjou alianças com senadores religiosos, tornando-se uma participante regular do National Prayer Breakfast.[146] [202]

Clinton atuou em cinco comissões do Senado: Comissão do Orçamento (2001-2002),[203] Comissão sobre as forças armadas (2003-2009),[204] Comissão do Meio Ambiente e Obras Públicas (2001-2009),[203] Comissão de Saúde, Educação, Trabalho e Pensões (2001-2009),[203] e Comissão Especial sobre o Envelhecimento.[205]

Ela também era um membro comissário da Comissão sobre Segurança e Cooperação na Europa[206] (2001-2009).[207]

Na sequência dos atentados de 11 de setembro de 2001, Clinton procurou obter fundos para os esforços de recuperação e melhorias na segurança de Nova Iorque. Trabalhando com o senador de Nova Iorque, Charles Schumer, ela teve um papel fundamental para a liberação de 21 bilhões de dólares em financiamento para a reconstrução do World Trade Center.[202] [208] Posteriormente, ela teve um papel de liderança na investigação dos problemas de saúde enfrentados pelos socorristas.[209] Clinton votou a favor do Patriot Act EUA em outubro de 2001. Em 2005, quando a lei foi reformada, ela ajudou a resolver algumas das preocupações sobre a liberdade civil,[210] antes de votar a favor de um compromisso renovado por uma lei de março de 2006 que ganhou o apoio da maioria.[211]

Clinton apoiou fortemente a ação militar dos Estados Unidos no Afeganistão em 2001, dizendo que era uma oportunidade para combater o terrorismo, melhorando a vida das mulheres afegãs que sofreram sob o governo do Talibã.[212] Clinton votou a favor da resolução sobre a Guerra do Iraque em outubro de 2002, que autorizou o presidente dos Estados Unidos George W. Bush a usar força militar contra o Iraque, tal ação deve ser feita após cumprir uma resolução das Nações Unidas, que diz que a força militar só deve ser feita após os esforços diplomáticos não terem surgido efeitos.

Pesquisa sobre a aprovação de Hillary no senado entre 2001-2009, feita pela Gallup Poll.[154]
  Favoráveis
  Desfavoráveis
  Sem opinião

Após o início da Guerra do Iraque, Clinton fez viagens ao Iraque e Afeganistão para visitar as tropas americanas. Em uma visita ao Iraque em fevereiro de 2005, Clinton observou que a insurgência não conseguiu perturbar as eleições democráticas realizadas anteriormente, e que o país estava indo bem.[213] As forças estavam sendo insuficientes para uma eventual vitória americana na gerra, após isso Clinton ajudou em uma legislação que aumentou o número de soldados do Exército dos Estados Unidos para 80.000 soldados.[214] No final de 2005, Clinton disse que, embora a retirada imediata do Iraque seria um erro, a promessa de Bush era de ficar "até que o trabalho fosse feito", o que segundo Clinton também foi equivocada, uma vez que deu os iraquianos "um convite aberto para não cuidar de si mesmos."[215] A sua atitude causou frustração entre os membros Partido Democrata que defendiam a retirada imediata.[216] Clinton apoiou manter e melhorar os benefícios de saúde para os veteranos, e pressionou contra o encerramento de várias bases militares.[217]

A senadora Clinton votou contra doius pacotes fiscais de cortes do presidente Bush, a Economic Growth and Tax Relief Reconciliation Act of 2001 e a Jobs and Growth Tax Relief Reconciliation Act of 2003.[218] Clinton votou contra a confirmação John G. Roberts como Chefe de Justiça dos Estados Unidos e também votou contra a confirmação de Samuel Alito para o Supremo Tribunal dos Estados Unidos em 2006.[219]

Em 2005, Clinton pediu à Comissão Federal de Comércio para investigar como cenas de sexo apareceram no jogo Grand Theft Auto: San Andreas.[220] Junto com os senadores Joe Lieberman e Evan Bayh, ela apresentou o Family Entertainment Protection Act, destinado a proteger as crianças de conteúdos inapropriados encontrados em jogos de vídeo. Em 2004 e 2006, Clinton votou contra a Emenda de proteção ao Casamento que buscava proibir o casamento homossexual.[218] [221]

A fim de estabelecer uma "infra-estrutura progressiva" para rivalizar com a do conservadorismo americano, Clinton desempenhou um papel importante em conversas que levaram John Podesta para o cargo de presidente da Center for American Progress, fundada em 2003.[222] Após as eleições de 2004 no Senado, ela ajudou com sucesso a eleição no senador Harry Reid como líder da minoria, e mais tarde pediu para que fosse criada um "sala de guerra" do Senado, para lidar com mensagens políticas.[223]

Campanha de reeleição em 2006[editar | editar código-fonte]

Em novembro de 2004, Clinton anunciou que ela iria concorrer a um segundo mandato no Senado. O favorito precoce para a nomeação republicana, era Jeanine Pirro, que desistiu da eleição após vários meses de uma campanha desastrosa.[224] Clinton venceu com facilidade a nomeação democrata com a oposição do ativistas antiguerra Jonathan Tasini.[225] Os eventuais adversários de Clinton na eleição geral eram o candidato republicano John Spencer, ex-prefeito de Yonkers, juntamente com outros candidatos. Clinton venceu a eleição em 7 de novembro de 2006, com 67% dos votos, contra 31% de Spencer,[226] vencendo em quase todos os condados, com exceção de 4 condados.[227] Clinton gastou 36 milhões de dólares na campanha para sua reeleição, mais do que qualquer outro candidato para o Senado nas eleições de 2006. Alguns democratas a criticaram por gastar muito em uma eleição considerada "fácil", enquanto outros estavam preocupados porque ela não tinha deixado mais fundos para uma eventual candidatura em 2008.[228] Nos meses seguintes, ela transferiu 10 milhões de dólares para sua campanha presidencial.[229]

Segundo mandato[editar | editar código-fonte]

A senadora Clinton ouve o Chefe de Operações Navais da Marinha, o almirante Mike Mullen, respondendo a uma pergunta durante sua audiência de confirmação em 2007 como membro do Comitê de Serviços Armados do Senado.

Clinton se opôs ao aumento de tropas no Iraque Guerra de 2007.[230] Em março de 2007, ela votou a favor de um projeto de lei que exigiu que presidente Bush a começasse a retirar tropas do Iraque dentro de um prazo,[231] mas posteriormente foi vetada pelo presidente Bush. Em maio de 2007, uma lei sobre o financiamento da guerra que removeu os prazos de retirada foi aprovado no Senado por 80-14, que posteriormente foi assinado por Bush, Clinton foi um dos que votaram contra a lei.[232] Clinton respondeu ao relatório feito general David Petraeus em 2007, dizendo: "Eu acho que os relatórios que você fornece para nós realmente exigem uma suspensão voluntária da descrença".[233]

Em março de 2007, em resposta à controvérsia demissão de procuradores nos Estados Unidos, Clinton apelou para a demissão do procurador-geral Alberto Gonzales.[234] Em maio e junho de 2007, Clinton votou a favor em vários projetos de lei, que eventualmente não foram aprovados.[235]

Como a crise financeira de 2007-2008 atingiu um pico com a crise de liquidez de setembro de 2008, Clinton apoiou a proposta de resgate do sistema financeiro dos Estados Unidos, votando a favor da Lei de Estabilização Econômica de Emergência de 2008, que daria 700 bilhões de dólares para recuperar a economia, dizendo que representava os interesses do povo americano.[236] A lei foi aprovada no Senado por 74-25.

Secretária de Estado[editar | editar código-fonte]

Nomeação e confirmação[editar | editar código-fonte]

Clinton faz o juramento como secretária de Estado, sendo conduzida pela juíza Kathryn Oberly.

Em meados de novembro de 2008, o presidente eleito Obama e Clinton discutiram a possibilidade de sua nomeação como Secretária de Estado,[237] em 21 de novembro, as notícias diziam que ela havia aceitado o cargo.[238] Em 1 de dezembro, o presidente eleito Obama anunciou formalmente que Clinton seria a sua indicação para a secretaria de Estado.[239] Clinton disse que ela estava relutante em deixar o Senado, mas que a nova posição representa uma "aventura difícil e excitante".[239] Para evitar as preocupações sobre conflito de interesses, Bill Clinton concordou em aceitar várias condições e restrições em relação às suas atividades exercidas em suas fundações.[240]

A nomeação necessitava de uma saxbe fix (onde os membros do Congresso aprovam ou não a nomeação), aprovada e promulgada em dezembro de 2008.[241] Audiências de confirmação da nomeação realizadas no Comitê de Relações Exteriores do Senado começaram em 13 de janeiro de 2009, uma semana antes da posse de Obama. Dois dias depois, a comissão votou 16-1 a favor da nomeação de Clinton.[242] Durante esse período, seu índice de aprovação tinha atingido 65%, a aprovação mais alta desde o escândalo Lewinsky.[243] Em 21 de janeiro de 2009, a nomeação de Clinton foi confirmada por 94 votos a favor e 2 votos contra.[244] Clinton fez o juramento no cargo de Secretária de Estado e renunciou ao Senado no mesmo dia.[245] Ela se tornou a primeira ex-primeira Dama que mais ocupou algum cargo no alto escalão do governo federal.[246]

Posse[editar | editar código-fonte]

Obama e Clinton durante a NATO summit, em 21 de Abril de 2009.

Clinton passou seus primeiros dias como secretária de Estado telefonando para dezenas de líderes mundiais com o propósito de dizer que política externa dos Estados Unidos iria mudar de rumo: "Temos uma série de prejuízos para reparar".[247] Ela defendeu um papel mais amplo em questões econômicas globais para o Departamento de Estado e citou a necessidade de uma maior presença diplomática dos Estados Unidos, especialmente no Iraque, onde o Departamento de Defesa haviam realizado missões diplomáticas. [248] Clinton disse que a proposta da administração Obama para o orçamento de 2010 continha um aumento de 7% para o Departamento de Estado e de outros programas internacionais.[249] Em março de 2009, Clinton enviou mais 20.000 soldados para a guerra no Afeganistão, o que o vice-presidente Joe Biden não concordou.[250] Uma fratura no cotovelo fez Clinton adiar duas viagens para o exterior em junho de 2009.[250] [251]

Clinton anunciou a mais ambiciosa de suas reformas ministeriais, a diplomacia Quadrienal e Desenvolvimento, que estabelece objetivos específicos para as missões diplomáticas do Departamento de Estado no exterior, que é modelado após um processo semelhante no Departamento de Defesa que ela estava familiarizada por ter sido membro do Comitê das Forças Armadas no Senado.[252] [253] Também procurou institucionalizar as metas de capacitação de mulheres em todo o mundo.[180] Em setembro, Clinton lançou o Global Hunger and Food Security Initiative (que visa ajudar no combate a fome no mundo) na reunião anual da fundação de Bill, a Clinton Global Initiative.[254] [254] Em outubro, em uma viagem a Suíça, a intervenção de Clinton atingiu um consenso no acordo entre a Armênia e a Turquia.[255] [256] No Paquistão, Hillary participou de vários programas na tentativa de reparar a imagem dos Estados Unidos no Paquistão.[178]

O primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu e Clinton, em maio de 2009.

Em um discurso feito em janeiro de 2010, Clinton fez analogias entre a Internet livre e a não livre.[257] As autoridades chinesas reagiram negativamente, Clinton atenção como a primeira vez que um funcionário do alto escalão americano tinha claramente definido a Internet como um elemento fundamental da política externa.[258] [259] Ela se encontrou com Obama semanalmente, mas não têm relação diária que alguns de seus antecessores tinham tido com os seus presidentes.[259] Em julho de 2010, a secretária Hillary Clinton visitou a Coreia do Sul, Vietnã, Paquistão e Afeganistão, pouco antes do casamento da filha Chelsea, que rendeu muita atenção da mídia.[260] No final de novembro de 2010, Clinton juntou todos os seus esforços para amenizar o efeito do vazamento de telegramas diplomáticos dos Estados Unidos, que contém declarações contundentes e avaliações feitas por diplomatas americanos e estrangeiros.[261] [262] Alguns dos organizadores do WikiLeaks disseram que Clinton estava diretamente envolvida nas gravações.[263] [264] [265]

Hillary Clinton e o Ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Luís Amado, assinam pactos de cooperação bilaterais entre Estados Unidos e Portugal, em junho de 2009.

A Primavera Árabe foi a maior crise de política externa durante a administração Obama.[266] Clinton mudou sua posição durante os protestos, no início fazendo uma avaliação que o governo de Hosni Mubarak era "estável", mudando mais tarde para "transição ordenada [a] um governo democrático e participativo" e condenando a violência contra os manifestantes.[267] [268] Obama também passou seguir os conselhos de Clinton.[266] Como os protestos se espalharam por toda a região, Clinton teve sua opinião contraditória, apoiando alguns regimes e sendo contra outros.[269] Durante a Guerra Civil Líbia, Clinton foi a favor da intervenção militar, tendo a aprovação árabe e das Nações Unidas.[269] [270] [271] Mais tarde, ela convocou os aliados dos Estados Unidos para ajudar a manter os rebeldes líbios unificada como o regime que derrubou o Regime Gaddafi.[271] Após a morte de Osama bin Laden, Clinton desempenhou um papel fundamental na decisão do governo de não liberar fotos do líder da Al-Qaeda morto.[272]

Em dezembro 2011 durante um discurso no Conselho de Direitos Humanos da ONU, Clinton disse que os Estados Unidos defendem os direitos dos homossexuais no exterior e que "os direitos dos homossexuais são direitos humanos" e que "nunca deveria ser um crime ser gay".[273] No mesmo mês, Clinton viajou a Mianmar, sendo a primeira visita de um secretário de estado desde 1955, quando ela se reuniu com líderes birmaneses, assim como líder da oposição Aung San Suu Kyi e procurou apoiar o reformas no Mianmar.[274]

Ao longo de seu mandato, Clinton tem procurado usar o "poder inteligente" como estratégia de afirmar a liderança e valores dos Estados Unidos, combinando a força militar com a capacidade americana na economia mundial.[271] Ela também usa muitas redes sociais, como o Facebook e Twitter.[271]

Durante a Primavera Árabe, Clinton viu uma oportunidade de avançar um dos temas centrais de seu mandato, o fortalecimento e bem-estar das mulheres em todo o mundo.[180] Clinton estabeleceu o recorde de ser o secretário (a) de estado que mais viajou, registrando 748 mil quilômetros e visitando 79 países.[180] O Times escreveu que "a resistência de Clinton é lendária."[271] Ao longo de seu mandato, Clinton indicou que ela não tinha interesse em concorrer à presidência novamente[275] ou a qualquer outro cargo. Em março de 2011, ela disse que não estava interessada em servir a um segundo mandato como secretária de estado caso Obama fosse reeleito em 2012.[270] [276]

Publicações[editar | editar código-fonte]

Como primeira-dama dos Estados Unidos, Hillary Clinton publicou uma coluna no Syndicate (imprensa), intitulada de "Talking It Over" (Conversando sobre isso) de 1995 a 2000, distribuído pelo Creators Syndicate.[277] Na qual ela falava sobre suas experiências que teve em viagens por todo o mundo, o tema era mulheres, crianças e famílias.[2]

Em 1996, Clinton apresentou sua visão sobre o livro It Takes a Village. O livro estrou na lista de Best Seller do New York Times e Clinton recebeu o Prêmio Grammy de Melhor Álbum Falado,em 1997, pela gravação de áudio do livro.[278]

Outros livros lançados por Clinton quando ela era primeira-dama incluem Dear Socks, Dear Buddy: Kids' Letters to the First Pets (1998) e An Invitation to the White House: At Home with History (2000). Em 2001, ela escreveu um posfácio sobre o livro infantil Beatrice's Goat.[279]

Em 2003, Clinton lançou uma autobiografia de 562 páginas, intitulado de Living History. Na expectativa de vendas elevadas, a editora Simon & Schuster pagou a Clinton um quase recorde de 8 milhões de dólares [280] O livro teve recorde de vendas durante a primeira semana para um trabalho de não-ficção,[281] passou a vender mais de um milhão de cópias no primeiro mês seguinte da publicação,[282] e foi traduzido para doze línguas.[283] A gravação de áudio do livro de Clinton lhe rendeu uma indicação para o Prêmio Grammy de Melhor Álbum.[284]

Referências

  1. Hillary Clinton Announces 2016 Presidential Bid The New York Times. Visitado em 12 de abril de 2015.
  2. a b c d Hillary Rodham Clinton The White House. Visitado em August 22, 2006.
  3. O'Laughlin, Dania (Summer 2003). Edgewater Hospital 1929–2001 Edgewater Historical Society. Visitado em June 10, 2007.
  4. Bernstein 2007, pp. 18, 34.
  5. a b Roberts, Gary Boyd. Notes on the Ancestry of Senator Hillary Rodham Clinton New England Historic Genealogical Society. Visitado em November 10, 2012. Cópia arquivada em June 7, 2013.
  6. Bernstein 2007, pp. 17–18.
  7. Smolenyak, Megan. "Hillary Clinton's Celtic Roots", Irish America, April–May 2015.
  8. a b Brock 1996, p. 4. Her father was an outspoken Republican, while her mother kept quiet but was "basically a Democrat". See also Bernstein 2007, p. 16.
  9. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 14.
  10. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 19.
  11. Middendorf, J. William. Glorious Disaster: Barry Goldwater's Presidential Campaign And the Origins of the Conservative Movement. [S.l.]: Basic Books, 2006. ISBN 0-465-04573-1 p. 266.
  12. Troy 2006, p. 15.
  13. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 18–21. The teacher, Paul Carlson, and the minister, Donald Jones, came into conflict in Park Ridge; Clinton would later see that "as an early indication of the cultural, political and religious fault lines that developed across America in the [next] forty years" (Clinton 2003, p. 23).
  14. a b Bernstein 2007, p. 29.
  15. Morris 1996, p. 113.
  16. Bernstein 2007, pp. 30–31.
  17. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 38
  18. Maraniss 1995, p. 255. She was also voted "most likely to succeed".
  19. Bernstein 2007, p. 13.
  20. Clinton, Hillary Rodham (May 29, 1992). Hillary Rodham Clinton Remarks to Wellesley College Class of 1992 Wellesley College. Visitado em June 1, 2007.
  21. a b Clinton 2003, p. 31.
  22. Wellesley College Republicans: History and Purpose Wellesley College (May 16, 2007). Visitado em June 2, 2007. Cópia arquivada em July 15, 2007. Gives organization's prior name.
  23. Milton, Joyce. The First Partner: Hillary Rodham Clinton. [S.l.]: William Morrow and Company, 1999. ISBN 0-688-15501-4 pp. 27–28
  24. Brock 1996, pp. 12–13.
  25. Bernstein 2007, p. 50. Bernstein states she believed this combination was possible and that no equation better describes the adult Hillary Clinton.
  26. a b c Kenney, Charles. "Hillary: The Wellesley Years: The woman who will live in the White House was a sharp-witted activist in the class of '69", The Boston Globe, January 12, 1993.
  27. a b c d e Leibovich, Mark. "In Turmoil of '68, Clinton Found a New Voice", The New York Times, September 7, 2007.
  28. a b Rodham, Hillary (May 31, 1969). Hillary D. Rodham's 1969 Student Commencement Speech Wellesley College. Visitado em August 22, 2006.
  29. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 52
  30. a b Dedman, Bill. "Reading Hillary Rodham's hidden thesis", MSNBC, May 9, 2007.
  31. a b Cooper, Helene. "Hillary Rodham Clinton", The New York Times. Página visitada em April 13, 2008.
  32. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 34–36.
  33. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 58
  34. "Brooke Speech Challenged by Graduate", Fitchburg Sentinel, June 2, 1969.
  35. "Brooke Speech Draws Reply", Nevada State Journal, June 2, 1969.
  36. "The Class of '69", Life, June 20, 1969, pp. 28–33. The article features Rodham and two student commencement speakers from other schools, with photos and excerpts from their speeches.
  37. Bernstein 2007, p. 70.
  38. Morris 1996, p. 139; Bernstein 2007, p. 105. Clinton would later write, and repeat on the Late Show with David Letterman, that sliming fish was the best preparation she would ever have for living in Washington. Clinton 2003, pp. 42–43.
  39. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 54
  40. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 60
  41. a b c Hillary Diane Rodham Clinton (1947–) The Encyclopedia of Arkansas History & Culture. Visitado em April 8, 2007.
  42. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 42–43.
  43. a b c Bernstein 2007, p. 75.
  44. The authors of Beyond the Best Interests of the Child were Center director Al Solnit, Yale Law professor Joe Goldstein, and Anna Freud.
  45. Morris 1996, pp. 142–143.
  46. Bernstein 2007, pp. 71–74.
  47. Weil, Martin. "Anne Wexler, Political Adviser and Lobbyist, Dies at 79", The Washington Post, August 8, 2009.
  48. a b Bernstein 2007, pp. 82–83.
  49. a b Gerstein, Josh. "Hillary Clinton's Radical Summer", The New York Sun, November 26, 2007.
  50. Olson 1999, pp. 56–57.
  51. Gerstein, Josh. "Hillary Clinton's Left Hook", The New York Sun, November 27, 2007.
  52. Gerstein, Josh. "The Clintons' Berkeley Summer of Love", The New York Sun, November 26, 2007.
  53. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 48–49.
  54. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Clinton.org_education
  55. a b Bernstein 2007, p. 89.
  56. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 78
  57. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 77
  58. a b c d e f First Lady Biography: Hillary Clinton National First Ladies' Library. Visitado em 22 de agosto de 2006.
  59. Rodham, Hillary. (1973). "Children Under the Law". Harvard Educational Review 43 (4): 487–514.
  60. Bernstein 2007, pp. 91–92.
  61. Brock 1996, p. 42.
  62. a b c Bernstein 2007, pp. 94–96, 101–103.
  63. Bernstein 2007, p. 62.
  64. Maraniss 1995, p. 277.
  65. Bernstein 2007, pp. 90, 120.
  66. Bernstein 2007, p. 92; Allen and Parnes 2014, p. 149. Taking an out-of-date bar study class may have been a factor. Two-thirds (551 of 817) of the candidates passed, and Rodham did not tell even close friends of the failure until revealing it thirty years later in her autobiography.
  67. Clinton 2003, p. 69.
  68. Bernstein 2007, p. 92.
  69. Clinton 2003, p. 70. Source for number of female faculty members.
  70. Maraniss 1995, p. 328.
  71. Bernstein 2007, pp. 62, 90, 117.
  72. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 92
  73. Clinton, Bill. My Life. [S.l.]: Knopf Publishing Group, 2004. p. 244.
  74. Bernstein 2007, p. 120.
  75. a b Maraniss 1995, pp. 121–122.
  76. a b Kruse, Michael. "The long, hot summer Hillary Clinton became a politician", Politico, April 14, 2015.
  77. Bernstein 2007, p. 157.
  78. Clinton 2003, pp. 91–92.
  79. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 57.
  80. Bernstein 2007, pp. 128, 103. The firm was called Rose, Nash, Williamson, Carroll, Clay & Giroir, but it simplified its name to Rose Law Firm in 1980.
  81. a b Bernstein 2007, p. 133.
  82. Bernstein 2007, pp. 131–132.
  83. Rodham, Hillary. (June 1977). "Children's Policies: Abandonment and Neglect". Yale Law Journal 68 (7): 1522–1531. DOI:10.2307/795794.
  84. Rodham, Hillary. In: Patricia A. Vardin, Ilene N. Brody (eds.). Children's Rights: Contemporary Perspectives. New York: Teachers College Press, 1979. 21–36 p.
  85. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas nyt082492
  86. Wills, Garry. "H.R. Clinton's Case", The New York Review of Books, March 5, 1992.
  87. a b Wattenberg, Daniel. "The Lady Macbeth of Little Rock", The American Spectator, August 1992.
  88. Olson 1999, p. 57.
  89. Bernstein 2007, p. 154.
  90. Bernstein 2007, p. 125.
  91. Jimmy Carter: Nominations Submitted to the Senate, Week Ending Friday, December 16, 1977 American Presidency Project. Visitado em September 3, 2007.
  92. Ronald Reagan: Recess Appointment of Three Members of the Board of Directors of the Legal Services Corporation American Presidency Project (January 22, 1982). Visitado em September 3, 2007.
  93. Morris 1996, p. 225.
  94. a b c Kelly, Michael. "The First Couple: A Union of Mind and Ambition", The New York Times, January 20, 1993.
  95. Bernstein 2007, p. 147.
  96. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 60.
  97. Bernstein 2007, p. 130.
  98. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 66–67.
  99. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 73–76.
  100. Vivendo a história: Hillary Rodham Clinton, pp. 107
  101. Bernstein 2007, pp. 159–160.
  102. a b Kelly, Michael. "Again: It's Hillary Rodham Clinton. Got That?", The New York Times, February 14, 1993.
  103. Clinton 2003, pp. 91–93; Morris 1996, p. 282.
  104. a b Williams, Joseph. "Name changes define Clinton's various career stages", February 26, 2007.
  105. a b Elving, Ron. "'Hillary Clinton' Is Back, But Will There Be A Return Of The Rodham?", NPR, April 13, 2015.
  106. Bernstein 2007, p. 166.
  107. a b Bernstein 2007, pp. 170–175. Bernstein states that "the political battle for education reform ... would be her greatest accomplishment in public life until she was elected to the U.S. Senate."
  108. "Hillary Clinton Guides Movement to Change Public Education in Arkansas", Old State House Museum, Spring 1993. Página visitada em April 16, 2014.
  109. Kearney, Janis F.. Conversations: William Jefferson Clinton, from Hope to Harlem. [S.l.]: Writing Our World Press, 2006. ISBN 0-9762058-1-5 p. 295.
  110. Morris 1996, p. 330.
  111. Brock 1996, pp. 176–177.
  112. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 63.
  113. a b c d Labaton, Stephen. "Rose Law Firm, Arkansas Power, Slips as It Steps Onto a Bigger Stage", The New York Times, February 26, 1994.
  114. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 80–81.
  115. "Limbaugh Responds to FAIR", FAIR, June 28, 1994. Página visitada em May 9, 2008.
  116. Troy 2006, p. 29.
  117. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 82–84.
  118. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 87–88.
  119. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 85; Bernstein 2007, pp. 187–189.
  120. Hon. Hillary Rodham Clinton FindLaw. Visitado em May 31, 2007.
  121. Board of Directors Emeritus Children's Defense Fund. Visitado em May 31, 2007. Cópia arquivada em February 10, 2007.
  122. "Hillary Rodham Clinton", The Washington Post. Página visitada em May 30, 2007. Bio entry.
  123. a b Harkavy, Ward. "Wal-Mart's First Lady", The Village Voice, May 24, 2000.
  124. Picard, Ken. "Vermonters to Hillary: Don't Tread on Us", Seven Days, May 4, 2005.
  125. a b c Barbaro, Michael. "As a Director, Clinton Moved Wal-Mart Board, but Only So Far", The New York Times, May 20, 2007.
  126. Ross, Brian. "Clinton Remained Silent As Wal-Mart Fought Unions", ABC News, January 31, 2008.
  127. "Clintons to Rebut Rumors on '60 Minutes'", The New York Times, January 25, 1992.
  128. "In 1992, Clinton Conceded Marital 'Wrongdoing'", The Washington Post, January 26, 1992.
  129. Troy 2006, pp. 39–42; Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 94–96.
  130. "2000: Hillary Clinton is first First Lady in Senate", BBC News, November 7, 2000.
  131. Clinton 2003, p. 109.
  132. Bernstein 2007, pp. 205–206.
  133. Burns 2008, p. 140.
  134. Burns 2008, p. 142.
  135. Hillary Rodham Clinton PBS. Visitado em December 2, 2014. Clinton had the first postgraduate degree through regular study and scholarly work. Eleanor Roosevelt had been previously awarded a postgraduate honorary degree. Clinton's successor Laura Bush became the second First Lady with a postgraduate degree.
  136. Troy 2006, p. 71.
  137. Troy 2006, p. 68.
  138. Troy 2006, p. xii.
  139. Rajghatta, Chidanand. "First Lady President?", Verve, January–February 2004.
  140. Peart, Karen N. "The First Lady: Homemaker or Policy-Maker?", Scholastic Press. Página visitada em August 22, 2006.
  141. Greenberg, Paul. "Israel's new friend: Hillary, born-again Zionist", Jewish World Review, July 15, 1999.
  142. Zimmer, Benjamin. "A perilous portmanteau?", Language Log, November 1, 2005. Página visitada em August 22, 2006.
  143. Clines, Francis X.. "Mrs. Clinton Calls Sessions Intellectual, Not Spiritual", The New York Times, June 25, 1996.
  144. Wheen, Francis. "Never mind the pollsters", The Guardian, July 26, 2000.
  145. Clinton 2003, pp. 258–259.
  146. a b Joyce, Kathryn. "Hillary's Prayer: Hillary Clinton's Religion and Politics", Mother Jones, September–October 2007.
  147. Bernstein 2007, pp. 313–314.
  148. Kelly, Michael. "Saint Hillary", The New York Times Magazine, May 23, 1993.
  149. Painton, Priscilla. "The Politics of What?", Time, May 31, 1993.
  150. Maraniss 1995, p. 317.
  151. Postrel, Virginia. The Substance of Style: How the Rise of Aesthetic Value Is Remaking Commerce, Culture, and Consciousness. [S.l.]: HarperCollins, 2004. ISBN 0-06-093385-2 pp. 72–73.
  152. Paal, Edith. "Forget the Primaries: Vote for Hillary's Hair", March 2, 1996.
  153. Troy 2006, p. 1.
  154. a b c Data for table is from Favorability: People in the News: Hillary Clinton The Gallup Organization (2009). Visitado em 6 de abril de 2009. See also Franklin, Charles H. (21 de janeiro de 2007). Hillary Clinton, Favorable/Unfavorable, 1993–2007 Political Arithmetik. Visitado em 26 de janeiro de 2008. for confirmation of trend line and historical interpretation.
  155. Bernstein 2007, pp. 170–175
  156. Smith, Sally Bedell. For Love of Politics: Inside the Clinton White House. [S.l.]: Random House, 2007. p. 117. ISBN 1400063248
  157. Gergen, David. Eyewitness to Power: The Essence of Leadership Nixon to Clinton. [S.l.]: Simon & Schuster, 2000. p. 280.
  158. a b Bernstein 2007, pp. 400–402
  159. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 139–140.
  160. Bernstein 2007, pp. 240, 380, 530. The Whitewater investigations were also a factor in her decline.
  161. A Detailed Timeline of the Healthcare Debate (em em inglês). Visitado em 9 de Fevereiro.
  162. Carney, James (1994). The Once and Future Hillary (em em inglês). Visitado em 9 de Fevereiro.
  163. Burns 2008, p. 141.
  164. Klein, Joe. "The Republican Who Thinks Big on Health Care", Time, 4 de dezembro de 2005. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  165. Jackson, Brooks. "Giving Hillary Credit for SCHIP", FactCheck.org, 18 de março de 2008. Página visitada em 19 de março de 2008.
  166. Clinton, Hillary Rodham (1 de maio de 1995). Remarks by First Lady Hillary Rodham Clinton at Medicare Mammography Awareness Campaign Kick-off The White House. Visitado em 23 de março de 2007.
  167. a b Sengupta, Somini. "Campaigns Soft-Pedal On Children and the Poor", The New York Times, 29 de outubro de 2000. Página visitada em 15 de março de 2008.
  168. Clinton, Hillary Rodham. Clinton, Hillary Rodham: Address to the White House Conference on Child Care. Encyclopædia Britannica Online. Acessado em 25 de setembro de 2007.
  169. Clinton, Hillary Rodham (17 de abril de 1997). Remarks by the President and the First Lady at White House Conference on Early Child Development and Learning U.S. Department of Education. Visitado em 26 de setembro de 2007.
  170. White House Conference on Children and Adolescents American Psychological Association (26 de abril de 2000). Visitado em 26 de setembro de 2007.[ligação inativa]
  171. "White House convenes conference on teen-agers", CNN, 2 de maio de 2000. [ligação inativa]
  172. Clinton, Hillary Rodham. "Talking It Over", Creators Syndicate, 27 de outubro de 1999. Página visitada em 25 de setembro de 2007.
  173. a b Healy, Patrick. "The Résumé Factor: Those 8 Years as First Lady", The New York Times, 26 de dezembro de 2007. Página visitada em 28 de dezembro de 2007.
  174. First Lady Biography: Pat Nixon National First Ladies' Library. Visitado em 18 de outubro de 2007.
  175. Healy, Patrick. "The Résumé Factor: Those 2 Terms as First Lady", The New York Times, 26 de dezembro de 2007. Página visitada em 14 de janeiro de 2009.
  176. a b Bernstein 2007, pp. 419–421
  177. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 149–151.
  178. a b Klein, Joe. "The State of Hillary: A Mixed Record on the Job", 5 de novembro de 2009. Página visitada em 7 de novembro de 2009.
  179. a b Tyler, Patrick. "Hillary Clinton, In China, Details Abuse of Women", The New York Times, 6 de setembro de 1995.
  180. a b c d e Lemmon, Gayle Tzemach. "The Hillary Doctrine", Newsweek, 6 de março de 2011. Página visitada em 3 de abril de 2011.
  181. Rashid, Ahmed. Taliban: Islam, Oil and the New Great Game in Central Asia. [S.l.]: I.B. Tauris, 2002. ISBN 1860648304 pp. 70, 182.
  182. Feminist Majority Joins European Parliament's Call to End Gender Apartheid in Afghanistan Feminist Majority (Spring 1998). Visitado em 26 de setembro de 2007. Cópia arquivada em 30 de agosto de 2007.
  183. Vital Voices – Our History Vital Voices (2000). Visitado em 23 de março de 2007. Cópia arquivada em 31 de dezembro de 2006.
  184. Dobbs, Michael. "Clinton and Northern Ireland", The Washington Post, 10 de janeiro de 2008. Página visitada em 14 de janeiro de 2009.
  185. Troy 2006, pp. 176–177.
  186. Troy 2006, p. 183.
  187. Kirn, Walter. "Persecuted or Paranoid? A look at the motley characters behind Hillary Clinton's 'vast right-wing conspiracy'", Time, February 9, 1998.
  188. Troy 2006, p. 187.
  189. Bernstein 2007, p. 517
  190. Bernstein 2007, pp. 512, 518
  191. Bernstein 2007, p. 521
  192. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 195.
  193. Clinton 2003, p. 75
  194. Bernstein 2007, p. 530
  195. Nagourney, Adam. "With Some Help, Clintons Purchase a White House", The New York Times, 3 de setembro de 1999.
  196. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 204.
  197. Gerth and Van Natta Jr. 2007, p. 210.
  198. a b "Hillary Rodham Clinton scores historic win in New York", CNN, 8 de novembro de 2000. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  199. a b Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 212–213.
  200. Levy, Clifford J. "Lazio Sets Spending Mark for a Losing Senate Bid", The New York Times, 13 de dezembro de 2000. Página visitada em 22 de fevereiro de 2008.
  201. Chaddock, Gail Russell. "Clinton's quiet path to power", Christian Science Monitor, 10 de março de 2003. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  202. a b Bernstein 2007, p. 548
  203. a b c Senate Temporary Committee Chairs University of Michigan Documents Center (24 de maio de 2001). Visitado em 30 de maio de 2007. Cópia arquivada em 7 de julho de 2007.
  204. Gerth, Jeff; Van Natta Jr., Don. "Hillary's War", The New York Times Magazine, 29 de maio de 2007. Página visitada em 30 de maio de 2007.
  205. Committees Official Senate web site. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2007.
  206. About the Commission: Commissioners Commission on Security and Cooperation in Europe. Visitado em 29 de setembro de 2007.
  207. "Senate, House appoint Helsinki commissioners", The Ukrainian Weekly, 20 de maio de 2001. Página visitada em 29 de setembro de 2007.
  208. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 231–232.
  209. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 238–239.
  210. Statement of Senator Hillary Rodham Clinton on the USA Patriot Act Reauthorization Conference Report Official Senate web site (16 de dezembro de 2005). Cópia arquivada em 14 de fevereiro de 2008.
  211. Senado dos Estados Unidos Roll Call Votes 109th Congress – 2nd Session ... On the Conference Report (H.R. 3199 Conference Report) United States Senate (2 de março de 2006). Visitado em 24 de abril de 2008.
  212. Clinton, Hillary. "New Hope For Afghanistan's Women", Time, November 24, 2001. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  213. "Clinton says insurgency is failing", USA Today, 19 de fevereiro de 2005. Página visitada em 29 de agosto de 2006.
  214. Turner, Douglas. "Clinton wants increase in size of regular Army", The Buffalo News, 14 de julho de 2005. (no longer free)
  215. Fitzgerald, Jim. "Hillary Clinton says immediate withdrawal from Iraq would be 'a big mistake'", The San Diego Union-Tribune, 21 de novembro de 2005. Página visitada em 9 de maio de 2009.
  216. Balz, Dan. "Hillary Clinton Crafts Centrist Stance on War", The Washington Post, 12 de dezembro de 2005, p. A01. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  217. Meadows, Susannah. "Hillary's Military Offensive", Newsweek, 12 de dezembro de 2005. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  218. a b Senator Hillary Rodham Clinton – Voting Record Project Vote Smart. Visitado em 14 de abril de 2008.
  219. Lewis, Neil A.. "Stark Contrasts Between McCain and Obama in Judicial Wars", The New York Times, May 28, 2008. Página visitada em November 30, 2008.
  220. "Clinton wades into GTA sex storm", BBC News, 14 de julho de 2005. Página visitada em 29 de agosto de 2006.
  221. "Gay marriage ban defeated in Senate vote", MSNBC, 7 de junho de 2006. Página visitada em 14 de abril de 2008.
  222. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 267–269, 313, 401.
  223. Gerth and Van Natta Jr. 2007, pp. 267–269
  224. Hirschkorn, Phil. "Sen. Clinton's GOP challenger quits race", CNN, 21 de dezembro de 2005. Página visitada em 22 de agosto de 2006.
  225. "GOP Primary Turnout Was Lowest In More Than 30 Years", Newsday, 17 de setembro de 2006.
  226. "New York State Board of Elections, General Election Results" (PDF), New York State, 14 de dezembro de 2006. Página visitada em 16 de dezembro de 2006.
  227. "Is America Ready?", Newsweek, 25 de dezembro de 2006. Página visitada em 27 de setembro de 2007.
  228. Kornblut, Anne E., Zeleny, Jeff. "Clinton Won Easily, but Bankroll Shows the Toll", The New York Times, 21 de novembro de 2006. page A1.
  229. "Record millions roll in for Clinton White House bid", CNN, April 1, 2007. Página visitada em April 2, 2007.
  230. "Senate GOP foils debate on Iraq surge", CBS News, 17 de fevereiro de 2007. Página visitada em 27 de abril de 2008. [ligação inativa]
  231. "Bush Repeats Veto Threat on Spending Bill That Includes Iraq Withdrawal Timetable", Fox News, 28 de março de 2007. Página visitada em 27 de abril de 2008.
  232. "House, Senate pass war funding bill", CNN, 25 de maio de 2007. Página visitada em 9 de maio de 2009.
  233. Lake, Eli. "Clinton Spars With Petraeus on Credibility", The New York Sun, 12 de setembro de 2007. Página visitada em 9 de maio de 2009.
  234. "Hillary Clinton Calls for Gonzales' Resignation", ABC News, 13 de março de 2007. Página visitada em 24 de março de 2007.
  235. On the Cloture Motion (Motion to Invoke Cloture on the Motion to Proceed to Consider S.1639) Senado dos Estados Unidos (26 de junho de 2007). Visitado em 22 de abril de 2008.
  236. "Senate Passes Economic Rescue Package", NY1 News, 1 de outubro de 2008. Página visitada em 2 de outubro de 2008.
  237. Holland, Steve. "Obama, Clinton discussed secretary of state job", Reuters, 15 de novembro de 2008. Página visitada em 18 de novembro de 20088.
  238. "Obama Set On Key Cabinet Nominees", NPR, 21 de novembro de 2008. Página visitada em 21 de novembro de 2008.
  239. a b "Obama Confirms Hillary In Top Job", Sky News, 1 de dezembro de 2008. Página visitada em 1 de dezembro de 2008.
  240. Baker, Peter. "Bill Clinton to Name Donors as Part of Obama Deal", The New York Times, 29 de novembro de 2008. Página visitada em 1 de dezembro de 2008.
  241. Falcone, Michael. "Bush Approves Bill Reducing Secretary of State’s Pay", The New York Times, 19 de dezembro de 2008. Página visitada em 19 de dezembro de 2008.
  242. "Senate panel backs Clinton as secretary of state", MSNBC, 15 de janeiro de 2009. Página visitada em 27 de novembro de 2010.
  243. Jones, Jeffrey M.. "As Senate Hearings Begin, Hillary Clinton’s Image Soars", The Gallup Organization, 13 de janeiro de 2009. Página visitada em 16 de janeiro de 2009.
  244. Phillips, Kate. "Senate Confirms Clinton as Secretary of State", The New York Times, 21 de janeiro de 2009. Página visitada em May 10, 2009.
  245. Tumulty, Brian. "Clinton sworn in at State Dept. and then resigns Senate", The Journal News, 21 de janeiro de 2009. Página visitada em 22 de janeiro de 2009.
  246. Rudin, Ken. "Obama Brings Hillary to Cabinet, GOP to Ariz. State House", NPR, 1 de dezembro de 2008. Página visitada em 9 de maio de 2009.
  247. Richter, Paul. "World breathes sigh of relief, Hillary Clinton says", Los Angeles Times, 28 de janeiro de 2009. Página visitada em 30 de janeiro de 2009. [ligação inativa]
  248. Landler, Mark. "Clinton Moves to Widen Role of State Dept.", 22 de dezembro de 2008. Página visitada em 7 de novembro de 2009.
  249. Clinton, Hillary Rodham (20 de maio de 2009). FY 2010 Budget for the Department of State U.S. Department of State. Visitado em 8 de novembro de 2009.
  250. a b Dilanian, Ken. "In a supporting role, Clinton takes a low-key approach at State Dept.", 11 de junho de 2009. Página visitada em 7 de novembro de 2009.
  251. Landler, Mark. "For Clinton, ’09 Campaign Is for Her Turf", The New York Times, 15 de julho de 2009. Página visitada em 6 de agosto de 2009.
  252. Wolfson, Charles. "Hillary Clinton's 6-Month Checkup", CBS News, 17 de julho de 2009. Página visitada em 8 de novembro de 2009.
  253. LaFranchi, Howard. "Hillary Clinton's vision for foreign policy on a tight budget", The Christian Science Monitor, 15 de dezembro de 2010. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  254. a b "Clinton unveils US food security initiative", 25 de setembro de 2009. Página visitada em 9 de novembro de 2009.
  255. Lee, Matthew. "Turkey, Armenia Sign Historic Accord", 10 de outubro de 2009. Página visitada em 14 de outubro de 2009.
  256. Landler, Mark. "In Middle East Peace Talks, Clinton Faces a Crucial Test", 4 de setembro de 2010.
  257. Richter, Paul. "Sino-U.S. ties hit new snag over Internet issues", 23 de janeiro de 2010.
  258. Landler, Mark. "China Rebuffs Clinton on Internet Warning", 22 de janeiro de 2010.
  259. a b Landler, Mark. "From Bitter Campaign to Strong Alliance", 19 de março de 2010.
  260. Noveck, Jocelyn. "New role for Clintons: parents of the bride", 24 de julho de 2010.
  261. Sheridan, Mary Beth. "Clinton treads carefully in leading massive damage-control campaign", The Washington Post, 30 de novembro de 2010.
  262. Dougherty, Jill. "WikiLeaks stirs anarchy online", CNN, December 16, 2010.
  263. Booth, Roger. "US diplomats spied on UN leadership", The Guardian, 28 de novembro de 2010.
  264. MacAskill, Ewen. "CIA drew up UN spying wishlist for diplomats", The Guardian, 2 de dezembro de 2010.
  265. Tandon, Shaun. "Arrest Warrant for WikiLeaks Chief as Chaos Spreads", The China Post, 2 de dezembro de 2010.
  266. a b Thrush, Glenn. "Hillary Clinton plays key role in dance with Hosni Mubarak", Politico, 2 de fevereiro de 2011. Página visitada em 5 de fevereiro de 2011.
  267. "Factbox – Evolution of U.S. stance on Egypt", 2 de fevereiro de 2011. Página visitada em 4 de fevereiro de 2011.
  268. "Hillary urges probe into new Cairo violence", 4 de fevereiro de 2011.
  269. a b Cooper, Helene. "Obama Takes Hard Line With Libya After Shift by Clinton", The New York Times, 18 de março de 2011. Página visitada em 20 de março de 2011.
  270. a b Thrush, Glenn. "Day after saying no second term, a big win for Hillary Clinton", The Politico, 17 de março de 2011. Página visitada em 17 de março de 2011.
  271. a b c d e Calabresi, Massimo. "Hillary Clinton and the Rise of Smart Power", 7 de novembro de 2011, pp. 26–31.
  272. Ambinder, Marc. "Why Obama Nixed the Photo Release", National Journal, 4 de maio de 2011.
  273. "Hillary Clinton declares 'gay rights are human rights'", BBC News, 7 de dezembro de 2011.
  274. Burke, Jason. "Hillary Clinton begins Burma visit", 30 de novembro de 2011.
  275. Barr, Andy. "Hillary Clinton: I'd have hired Barack Obama", The Politico, 14 de outubro de 2009. Página visitada em 14 de outubro de 2009.
  276. "Clinton says no to second term", CNN, 16 de março de 2011. Página visitada em 17 de março de 2011.
  277. Hillary Rodham Clinton – Talking It Over Creators Syndicate. Visitado em 24 de agosto de 2007.
  278. Bernstein 2007, p. 446
  279. Apuzzo, Matt. "Read a Book, Buy a Goat", 16 de novembro de 2005.
  280. Bernstein 2007, p. 544
  281. Donahue, Deirdre. "Clinton memoir tops Best-Selling Books list", USA Today, 17 de junho de 2003. Página visitada em 11 de janeiro de 2008.
  282. "Clinton's Book Sales Top 1 Million", 9 de julho de 2003. Página visitada em 9 de maio de 2009.
  283. Hillary Rodham Clinton William J. Clinton Presidential Center. Visitado em 9 de maio de 2009.
  284. "Gorbachev and Clinton win Grammy", BBC News, 9 de fevereiro de 2004. Página visitada em 10 de janeiro de 2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hillary Clinton
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hillary Clinton


Erro de citação: existem marcas <ref> para um grupo chamado "nb", mas nenhuma marca <references group="nb"/> correspondente foi encontrada (ou uma marca de fechamento </ref> está faltando)