William P. Rogers

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
William P. Rogers
55º Secretário de Estado dos Estados Unidos
Período 22 de janeiro de 1969
a 3 de setembro de 1973
Presidente Richard Nixon
Antecessor(a) Dean Rusk
Sucessor(a) Henry Kissinger
Dados pessoais
Nascimento 23 de junho de 1913
Condado de St. Lawrence, Nova Iorque
Morte 2 de janeiro de 2001 (87 anos)
Bethesda, Maryland
Partido Republicano
Profissão Diplomata, Estadista, Advogado

William Pierce Rogers (23 de Junho de 19132 de Janeiro de 2001) foi um advogado e político dos Estados Unidos da América, tendo ocupado o cargo de Procurador-Geral entre 1957 e 1961 e o de Secretário de Estado entre 1969 e 1973.[1]

Diplomado em direito, inicia actividade em 1937 e trabalha entre 1938 e 1942 sob o mandato do procurador Thomas E. Dewey perseguindo o crime organizado na cidade de Nova Iorque.[1]

Em 1942, junta-se à US Navy e seve no USS Intrepid durante a batalha de Okinawa.

Em 1950, Rogers entrou no conselho de administração do escritório jurídico "Dwight, Royall, Harris, Koegel & Caskey" depois chamado "Rogers & Wells" e ainda "Clifford Chance Rogers & Wells" (trabalhou aí até à data da sua morte).

Em 1953, Rogers junta-se à administração do presidente Dwight Eisenhower como vice-procurador-geral e depois como procurador-geral de 1957 a 1961.[1]

De Janeiro de 1969 a Setembro de 1973, foi Secretário para os Assuntos Externos do presidente Richard Nixon mas seria dominado pela importância que tinha o conselheiro para a segurança, Henry Kissinger.[1]

Em 1986, foi o responsável pelo inquérito sobre as causas da explosão do vaivém Challenger, que seria demolidor para a direcção da NASA apontando numerosas atitudes de negligência.[1]

Referências

  1. a b c d e Stout, David (4 de janeiro de 2001). «William P. Rogers, Who Served as Nixon's Secretary of State, Is Dead at 87 (Published 2001)». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de fevereiro de 2021