Roger B. Taney

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Roger B. Taney
Roger B. Taney
Chefe de Justiça dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 28 de Março de 1836
até 12 de Outubro de 1864
Antecessor(a) John Marshall
Sucessor(a) Salmon P. Chase
Vida
Nascimento 17 de março de 1777
Condado de Calvert, Maryland
Morte 12 de outubro de 1864 (87 anos)
Washington, DC
Dados pessoais
Alma mater Dickinson College
Religião Católico

Roger Brooke Taney (Calvert, Maryland, 17 de Março de 1777Washington, DC, 12 de Outubro de 1864) foi procurador-geral dos Estados Unidos de 1831 a 1833, Secretário do Tesouro dos Estados Unidos entre 1833 e 1834, e chefe de Justiça dos Estados Unidos de 28 de Março de 1836 a 12 de Outubro de 1864, data da sua morte. Foi o primeiro católico a ter lugar na Suprema Corte dos Estados Unidos.[1]

Taney era um democrata jacksoniano já quando se tornou chefe de justiça. Ele acreditava nos direitos individuais de cada estado mas era defensor da União, e um escravocrata que libertou seus escravos em testamento.[2]

Enquanto estava na Suprema Corte, adotou uma postura conservadora de inspiração jacksoniana. Ele acreditava que a liberdade era extremamente importante e achava que poder concentrado poderia ser perigoso e uma ameça as liberdades individuais. Ele era contra o governo federal tentar regular ou controlar assuntos que, segundo ele, ameaçavam a liberdade pessoal do povo. Desde jovem em Prince Frederick, Maryland, ele se empenhava em questões jurídicas e políticas. Enquanto era Procurador-Geral (1831–1833) e Secretário do Tesouro (1833–1834), Taney se tornou um dos maiores conselheiros de Andrew Jackson, o apoiando em sua cruzada populista contra o poderoso Banco dos Estados Unidos.[2]

Taney apoiava a escravidão e era contrário a dar direitos aos negros. No caso Dred Scott v. Sandford, um escravo chamado Dred Scott apelou para a Suprema Corte na esperança de conquistar sua liberdade na base de que seu mestre o havia levado a um território livre onde a escravidão era ilegal. A corte, liderada por Roger Taney, julgou que os negros não eram e não seriam cidadães americanos sob a constituição, e assim o pleiteado (Scott) não tinha a base legal para entrar com um processo numa corte. Na sua famosa (ou infame) argumentação para o caso, Taney escreveu que acreditava que os negros "não tinham direitos a qual o homem branco deveria respeitar; e que o homem negro era justo e legalmente reduzido a posição de escravo para o seu benefício. Ele foi comprado e vendido e tratado como um artigo comum de mercadoria e tráfego, sempre que um lucro pudesse ser feito". Sob sua liderança, a corte também declarou que o "Compromisso do Missouri" (1820) era inconstitucional, permitindo assim a escravidão em todos os territórios dos Estados Unidos (essa decisão acabou criando o ambiente para a crise política que precipitaria a Guerra Civil Americana). Taney faleceu no mesmo dia que o seu estado natal, Maryland, aboliu a escravidão.[1]

Referências

  1. a b "Roger B. Taney Biography - Government Official, Supreme Court Justice, Lawyer (1777–1864)". Página acessada em 21 de julho de 2016.
  2. a b McNeal, J., "Roger Brooke Taney", The Catholic Encyclopedia, New York: Robert Appleton Company, 1912. Acessado em 28 de maio de 2009 de New Advent.


Precedido por
John M. Berrien
Procurador-geral dos Estados Unidos
1831 - 1833
Sucedido por
Benjamin Franklin Butler
Precedido por
William J. Duane
Secretário do Tesouro dos Estados Unidos
23 de setembro de 1833 - 25 de junho de 1834
Sucedido por
Levi Woodbury
Precedido por
John Marshall
Chefe de Justiça dos Estados Unidos da América
28 de Março de 1836 - 12 de Outubro de 1864
Sucedido por
Salmon P. Chase