Elena Kagan

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Elena Kagan
Elena Kagan
Juíz Associado da
Suprema Corte dos Estados Unidos
Período: 7 de agosto de 2010
até a atualidade
Nomeação por: Barack Obama
Antecessor(a): John Paul Stevens
Advogada-geral dos Estados Unidos
Período: 19 de março de 2009
até 17 de maio de 2010
Nomeação por: Barack Obama
Antecessor(a): Edwin Kneedler
Sucessor(a): Neal Katyal
Dados pessoais
Nascimento: 28 de abril de 1960 (62 anos)
New York City, Estados Unidos
Alma mater: Universidade Harvard
Religião: Judaísmo

Elena Kagan (Nova Iorque, 28 de abril de 1960) é uma jurista e professora estadunidense, ex-advogada-geral dos Estados Unidos e, atualmente, juíza da Suprema Corte do país.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu e foi criada na cidade de Nova York. Depois de formar-se na Princeton University, na University of Oxford e na Harvard Law School, foi secretária de um juiz federal do Tribunal de Apelações e do juiz da Suprema Corte Thurgood Marshall. Começou a sua carreira como professora na Escola de Direito da Universidade de Chicago, onde saiu para servir como Conselheira Adjunta da Casa Branca e, mais tarde, como conselheira de políticas do presidente Bill Clinton. Após uma nomeação para o Tribunal de Apelações dos Estados Unidos para o Circuito de DC, que expirou sem ação, tornou-se professora na Escola de Direito de Harvard e mais tarde foi nomeada a sua primeira reitora.

Em 2009, tornou-se a primeira procuradora-geral mulher dos Estados Unidos. O presidente Barack Obama indicou-a para a Suprema Corte para preencher a vaga decorrente da aposentadoria iminente do juiz John Paul Stevens. O Senado dos Estados Unidos confirmou a sua nomeação numa votação de 63–37. É considerada parte da ala liberal da Corte, mas tende a ser uma das juízas mais moderadas desse grupo. Escreveu a opinião da maioria no caso Cooper v. Harris, um caso marcante que restringe os usos permitidos da raça na obtenção de distritos parlamentares.

Infância e juventude[editar | editar código-fonte]

Nasceu a 28 de abril de 1960, em Manhattan, sendo a segunda de três filhos[2][3] de Robert Kagan, um advogado, e Gloria (Gittelman) Kagan, que ensinava na Hunter College Elementary School.[4] Ambos os pais eram filhos de imigrantes judeus e russos.[5] Tem dois irmãos, Marc e Irving.[5]

Kagan e a sua família moravam num apartamento no terceiro andar na West End Avenue com a 75th Street[6] e frequentavam a Lincoln Square Synagogue.[7] Era independente e obstinada na sua juventude e, de acordo com um ex-advogado do seu pai, entrou num confronto com seu rabino ortodoxo, Shlomo Riskin, sobre aspectos do seu Bar Mitzvá.[6] "Ela tinha opiniões fortes sobre como deveria ser um Bar Mitzvá, o que não correspondia aos desejos do rabino", disse um colega do seu pai.[8] Kagan e Riskin negociaram uma solução. Riskin nunca havia realizado o ritual Bar Mitzvá antes.[7] Este foi realmente o primeiro.[7] Kagan pediu para ler a Torá numa manhã de sábado como os meninos faziam, mas acabou lendo o Livro de Rute numa noite de sexta-feira.[7] Agora pratica o judaísmo conservador.[7]

A sua amiga de infância, Margaret Raymond, lembrou que ela era uma adolescente fumante, mas não festeira.[6] Nas noites de sábado, elas estavam "mais aptos a sentar-se nos degraus do Metropolitan Museum of Art e conversar".[6] Também adorava literatura e reler Pride and Prejudice de Jane Austen.[6] No seu anuário da Hunter College High School de 1977, é retratada com uma túnica de juiz e segurando um martelo.[9] Ao lado da foto está uma citação do ex-juiz da Suprema Corte Felix Frankfurter: "O próprio governo é uma arte, uma das artes mais sutis".[10]

Referências

  1. "Elena Kagan - Biography - Supreme Court Justice, Lawyer, Educator". Página acessada em 26 de junho de 2015.
  2. Slevin, Amy Goldstein, Carol D. Leonnig and Peter (11 de maio de 2010). «For Supreme Court nominee Elena Kagan, a history of pragmatism over partisanship» (em inglês). ISSN 0190-8286. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  3. Greene 2014, p. 13.
  4. «Paid Notice - Deaths KAGAN, GLORIA GITTELMAN - Paid Death Notice - NYTimes.com». 10 de março de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  5. a b Foderaro, Lisa W.; Haughney, Christine (18 de junho de 2010). «The Kagan Family: Left-Leaning and Outspoken». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  6. a b c d e Stolberg, Sheryl Gay; Seelye, Katharine Q.; Foderaro, Lisa W. (10 de maio de 2010). «A Climb Marked by Confidence and Canniness». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  7. a b c d e Foderaro, Lisa W. (13 de maio de 2010). «Growing Up, Kagan Tested Boundaries of Her Faith». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  8. STOLBERG, SHERYL GAY; SEELYE, KATHARINE Q.; FODERARO, LISA W. (11 de maio de 2010). «A Pragmatic New Yorker on a Careful Path to Washington». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 13 de agosto de 2021 
  9. «Pals from student days remember a determined Elena Kagan - CNN.com». www.cnn.com (em inglês). Consultado em 13 de agosto de 2021 
  10. «Manhattan Renders Its Verdict on Court Pick - Fordham Law». 14 de março de 2012. Consultado em 13 de agosto de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Precedido por
John Paul Stevens
Juiz Associado da Suprema Corte dos Estados Unidos
7 de agosto de 2010atualidade
Sucedido por