Ortodoxia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o conceito religioso, veja Ortodoxia doutrinária.

O termo Ortodoxia com letra maiúscula aplica-se a duas famílias de Igrejas cristãs, que não estão em comunhão com a Igreja Católica e que nem estão em comunhão entre si desde o tempo do Concílio de Calcedónia em 451.

Com letra minúscula, o termo ortodoxia pode significar conformidade com os princípios de qualquer doutrina geralmente aceite. Fala-se, por exemplo, da ortodoxia marxista.[1] E em vez de indicar falta de conformidade com a Igreja Católica, o termo ortodoxia (sempre com minúscula) pode significar precisamente conformidade com o dogma católico.[2]

As duas famílias da Ortodoxia[editar | editar código-fonte]

Distinguem-se as duas famílias de Igrejas Ortodoxas de acordo com a respectiva atitude a respeito do Concílio de Calcedónia com a sua definição "Um só e mesmo Cristo, Senhor, Filho Único que devemos reconhecer em duas naturezas". As Igrejas que aceitam o concílio e a sua doutrina do diofisismo são chamadas de calcedonianas;[3] as que rejeitam o concílio, preferindo a doutrina do miafisismo são chamados de ortodoxas orientais. Usam-se diversas denominações para cada uma das duas famílias de Igrejas.[4]

Em busca de neutralidade, nas línguas alemã e inglesa geralmente empleam-se duas palavras sinónimas do significado "oriental". Assim em inglês, as Igrejas calcedonianas são chamadas "Eastern Orthodox", as não calcedonianas "Oriental Orthodox".[5] Os correspondentes nomes em alemão são "östlich-orthodoxe" e "orientalisch-orthodoxe".[6]

Em espanhol os nomes geralmente usados são respectivamente "ortodoxas bizantinas" e "ortodoxas orientales";[7] e em francês "orthodoxes chalcédoniennes" e "orthodoxes orientales"[8]

Na Wikipédia portuguesa empregam-se os seguintes nomes:

Ortodoxia calcedoniana ou bizantina[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Igreja Ortodoxa

As Igrejas ortodoxas calcedonianas aceitam somente os primeiros sete concílios ecumênicos. Por ser de tradição oriental, se distinguem de outras Igrejas que também aceitam somente os mesmos sete concílios ecumênicos: por exemplo, a Velha Igreja Católica.

Por vezes os ortodoxos calcedonianos são definidos como os cristãos que estão em comunhão com o patriarca ecumênico de Constantinopla.[9] Alguns escritores consideram esta definição inadequada. Na teologia ortodoxa, Constantinopla poderia caducar da comunhão ortodoxa.[10] E houve tempos nos quais algumas Iglesias ortodoxas não estavam em comunhão com Constantinopla, por exemplo, o patriarcado de Moscou em 1966.[11] [12] O patriarca de Constantinopla tem, entre os chefes das outras Igrejas a posição de primus inter pares.[13]

Todas as jurisdições desta família ortodoxa têm o rito bizantino como o rito ordinário, apesar de haver minorias praticantes de outros ritos, como os ocidentais.[14]

Ortodoxia oriental[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Igrejas ortodoxas orientais

As Igrejas ortodoxas orientais aceitam somente os primeiros três concílios ecumênicos.

São unidas pela profissão de fé no miafisismo, afirmando, de acorde com a expressão de Cirilo de Alexandria, "uma natureza do Verbo de Deus encarnado", que na pessoa una de Jesus Cristo, a divindade e a humanidade estão unidas em uma única ou singular natureza, unidas sem separação, sem confusão e sem alteração.

Não há para estas Igrejas uma figura correspondente à do Patriarca de Constantinopla para as Igrejas ortodoxas calcedonianas, e têm uma grande variedade de formas litúrgicas.

O Conselho Mundial de Igrejas dá a seguinte lista das seis Igrejas ortodoxas orientais:[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ana Maria Jacó-Vilela, Leny Sato, Diálogos em psicologia social (SciELO - Centro Edelstein 2012 ISBN 978-85-7982060-1), p. 475
  2. Michaelis: Significado de "ortodoxia"
  3. Conseil œcuménique des Églises, "Églises orthodoxes (chalcédoniennes)"
  4. Afirmação do Conselho Mundial de Igrejas em espanhol, inglês, francês e alemão
  5. World Council of Churches, "Orthodox churches (Eastern)" e [https://www.oikoumene.org/en/church-families/orthodox-churches-oriental World Council of Church, "Orthodox churches (Oriental)"
  6. Ökumenischer Rat der Kirchen, "Östlich-orthodoxe Kirchen" e Ökumenischer Rat der Kirchen, "Orientalisch-orthodoxe Kirchen"
  7. Consejo Mundial de Iglesias, "Iglesias ortodoxas (bizantinas)" e Consejo Mundial de Iglesias, "Iglesias ortodoxas (orientales)"
  8. Conseil œcuménique des Églises, "Églises orthodoxes (chalcédoniennes)" e Conseil œcuménique des Églises, "Églises orthodoxes orientales"
  9. Por exemplo, Random House Dictionary, "Orthodox Church"
  10. Aidan Nichols, Rome and the Eastern Churches (Ignatius Press 2010 ISBN 978-1-58617282-4), p. 144
  11. Serge Keleher, "Orthodox Rivalry in the Twentieth Century: Moscow versus Constantinople", em Religion, State & Society, Vol. 25, No. 3 (1997), p. 135
  12. Russian Orthodox Church, "Statement of the Holy Synod of the Russian Orthodox Church, 8 November 2000"
  13. BOL Notícias, "Papa e patriarca ortodoxo rezam em Istambul pela unidade de cristãos", 29 de novembro de 2014
  14. Orthodox Christian Information Center, "The Church of Imperial Byzantium"
  15. Oriental Orthodox Churches