Reencarnação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Reencarnação (desambiguação).
Platão foi um dos principais defensores da reencarnação e enfocou este tema principalmente em seus diálogos Mênon, Fédon, Fedro e A República.[1]

Reencarnação é uma ideia central de diversos sistemas filosóficos e religiosos, segundo a qual uma porção do Ser é capaz de subsistir à morte do corpo. Chamada consciência, espírito ou alma, essa porção seria capaz de ligar-se sucessivamente a diversos corpos para a consecução de um fim específico, como o auto-aperfeiçoamento ou a anulação do carma. A reencarnação pode ser definida como a ação de encarnar-se sucessivas vezes, ou seja, derivada do conceito aceito por doutrinas religiosas e filosóficas de que, na morte física, a alma não entra num estágio final, mas volta ao ciclo de renascimentos. No Ocidente, Heródoto menciona esta doutrina como sendo de origem egípcia, sendo que nessa concepção a reencarnação se dava instantaneamente após a morte, passando a alma para uma criatura que estava nascendo (que poderia ser da terra, da água ou do ar), percorrendo todas as criaturas em um ciclo de três mil anos.[2][3]

A reencarnação encontra defesa na filosofia desde as tradições indianas, no Oriente, e em Pitágoras no Ocidente.[2] Atualmente, este conceito é aceito por filosofias e religiões do mundo todo, em especial na Ásia. É chamada também de transmigração da alma e metempsicose (esta última denominação é mais encontrada em filosofias orientais em que admite-se que alma pode regressar em corpos de animais).

Objeto de estudo da parapsicologia (considerada por alguns como pseudociência,[4] enquanto por outros como um campo de pesquisa psicológica cientificamente válido[5]), o consenso científico atual não suporta as alegações deste e de outros supostos fenômenos paranormais.[6][4]

Características[editar | editar código-fonte]

A reencarnação é um dos pontos fundamentais de religiões do Egito Antigo, das religiões indianas (apesar de não todos os grupos)[7][8][9] como hinduísmo, do budismo (para mais detalhes, ver renascimento),[10][11] do jainismo, do siquismo, do culto de tradição aos orixás (Òrìsà), de várias tradições indígenas,[12][13][14] do vodum, da Cabala judaica, do druzismo,[15] do rosacrucianismo, do espiritismo e suas dissidências, da Teosofia, da Wicca, do Eckankar, da cientologia, da filosofia pitagórica, da filosofia socrática-platônica, etc. Existem vertentes místicas do cristianismo como, por exemplo, o cristianismo esotérico, que também admitem a reencarnação. A crença na reencarnação também tornou-se parte da cultura popular ocidental, com amplo interesse recente nela,[16] e sua representação é frequente no cinema, além de outras representações em muitas obras contemporâneas que a mencionam.

Definições conceituais[editar | editar código-fonte]

A palavra "reencarnação" deriva do latim, que significa literalmente "entrar na carne novamente". O equivalente grego metempsicose (μετεμψύχωσις) deriva de meta (mudança) e empsykhoun (colocar uma alma em),[17] um termo atribuído a Pitágoras.[2] Um termo alternativo é transmigração, implicando a migração de uma vida (corpo) para outra.[18] Reencarnação refere-se à crença de que um aspecto de todo ser humano (ou todos os seres vivos em algumas culturas) continua a existir após a morte e que esse aspecto, podendo ser a alma, mente ou consciência, ou algo transcendente, renasce em um ciclo de existência interconectado; a crença na transmigração varia de acordo com a cultura e é vista na forma de um ser humano recém-nascido, ou animal, ou planta, ou espírito, ou como um ser em algum outro reino não humano da existência.[19][20][21] O termo também foi usado por filósofos modernos como Kurt Gödel, com outro significado.[22] Outro termo grego às vezes usado como sinônimo é palingênese, "nascer de novo".

O renascimento é um conceito-chave encontrado nas principais religiões indianas e discutido com vários termos. Punarjanman (sânscrito: पुनर्जन्मन्) significa "renascimento, transmigração".[23][24] A reencarnação é discutida nos antigos textos sânscritos do hinduísmo, budismo e jainismo, com muitos termos alternativos, como punarāvṛtti (पुनरावृत्ति), punarājāti (पुनराजाति), punarjīvātu (पुनर्जीवा), punarbhava (,र्जीवाजीव), punarbhava gati (आगति-गति, comum no texto páli budista), nibbattin (निब्बत्तिन्), upapatti (उपपत्ति) e uppajjana (उप्पज्जन).[23][25] Essas religiões acreditam que essa reencarnação é cíclica e um infinito Saāsāra, a menos que se obtenha iluminações espirituais que terminem esse ciclo, levando à libertação.[7][26] O conceito de reencarnação é considerado nas religiões indianas como um passo que inicia cada "ciclo de existência à deriva, errante ou mundano",[7] mas que é uma oportunidade de buscar a libertação espiritual através da vida ética e variedade de práticas meditativas, iógicas (marga) ou outras práticas espirituais.[27][28] Eles consideram a liberação do ciclo de reencarnações como o objetivo espiritual supremo, e chamam a libertação por termos como moksha, nirvana, mukti e kivali.[29][30] No entanto, as tradições budista, hindu e jainista diferiram, desde os tempos antigos, em suas suposições e em seus detalhes sobre o que reencarna, como ocorre o renascimento e o que leva à libertação.[31][32]

Origens[editar | editar código-fonte]

As origens da noção de reencarnação são obscuras.[33] A discussão sobre o assunto aparece nas tradições filosóficas da Índia. Os pré-socráticos gregos discutiram a reencarnação, e também é relatado que os druidas celtas ensinaram uma doutrina da reencarnação.[34]

Hinduísmo, jainismo e budismo iniciais[editar | editar código-fonte]

A ideia de reencarnação, saṃsāra, não existia nas primeiras religiões védicas.[35][36] A ideia de reencarnação tem raízes nas Upanixades do período védico tardio (c. 1100 – c. 500 a.C.), anteriores ao Buda e ao Mahavira.[37][38] Os conceitos do ciclo de nascimento e morte, samsara e libertação derivam em parte de tradições ascéticas que surgiram na Índia por volta do meio do primeiro milênio AEC.[39] Embora nenhuma evidência direta disso tenha sido encontrada, as tribos do vale do Ganges ou as tradições dravidianas do sul da Índia foram propostas como outra fonte inicial de crenças de reencarnação.[40]

Os primeiros Vedas não mencionam a doutrina do Karma e do renascimento, mas mencionam a crença na vida após a morte.[26][41][42] É nas primeiras Upanishads, que são pré-Buda e pré-Mahavira, em que essas ideias são desenvolvidas e descritas de maneira geral.[43][44][45] Descrições detalhadas aparecem pela primeira vez em meados do primeiro milênio a.C. em diversas tradições, incluindo budismo, jainismo e várias escolas de filosofia hindu, cada uma das quais deu uma expressão única ao princípio geral.[26]

Os textos do antigo jainismo que sobreviveram à era moderna são pós-Mahavira, provavelmente dos últimos séculos do primeiro milênio a.C., e mencionam extensivamente as doutrinas do renascimento e do carma.[46][47] A filosofia jaina assume que a alma (Jiva no jainismo, Atman no hinduísmo) existe e é eterna, passando por ciclos de transmigração e renascimento.[48] Após a morte, afirma-se nos primeiros textos jainas que a reencarnação em um novo corpo é instantânea.[47] Dependendo do carma acumulado, o renascimento ocorre em uma forma corporal superior ou inferior, no céu, no inferno ou no reino terrestre.[49][50] Nenhuma forma corporal é permanente: todos morrem e reencarnam ainda mais. A libertação (kevalya) da reencarnação é possível, no entanto, removendo e terminando as acumulações cármicas na alma.[51] Desde os primeiros estágios do jainismo, um ser humano era considerado o mais elevado ser mortal, com potencial para alcançar a libertação, principalmente através do ascetismo.[52][53][54]

Relevo budista de 8m, feito entre 1177 e 1249, Mara, Senhor da Morte e Desejo, agarra uma Roda da Reencarnação que descreve o ciclo budista.

Os primeiros textos budistas discutem o renascimento como parte da doutrina de Saṃsāra. Esta afirma que a natureza da existência é um "ciclo da vida carregado de sofrimento, morte e renascimento, sem começo nem fim".[55][56] Também chamada de roda da existência (Bhavacakra), é frequentemente mencionada nos textos budistas com o termo punarbhava (renascimento, re-devir). A libertação deste ciclo de existência, o Nirvana, é o fundamento e o objetivo mais importante do budismo.[55][57][58] Os textos budistas também afirmam que uma pessoa iluminada conhece seus nascimentos anteriores, um conhecimento alcançado através de altos níveis de concentração meditativa.[59] O budismo maaiana e tibetano posteriores elaboram a filosofia da reencarnação em diversas escolas e tradições com interpretações diferentes, por exemplo discutindo a morte, bardo (um estado intermediário) e renascimento em textos como o Livro dos Mortos Tibetano. Enquanto o Nirvana é ensinado como o objetivo final no budismo theravadin e é essencial para o budismo mahayana, a grande maioria dos budistas leigos contemporâneos se concentra em acumular bom karma e adquirir mérito para alcançar uma melhor reencarnação na próxima vida.[60][61]

Nas tradições budistas primitivas, a cosmologia de Saṃsāra consistia em cinco reinos pelos quais a roda da existência circulava.[55] Isso incluía infernos (niraya), fantasmas famintos (pretas), animais (tiryak), humanos (manushya) e deuses (devas, celestiais).[55][56][62] Nas últimas tradições budistas, essa lista cresceu para uma lista de seis reinos de renascimento, acrescentando semideuses (asuras).[55][63]

Fundamentação[editar | editar código-fonte]

As primeiras camadas do texto védico incorporam o conceito de vida, seguido de uma vida após a morte no céu e no inferno, baseada em virtudes cumulativas (mérito) ou vícios (demérito).[64] No entanto, os antigos rishis védicos desafiaram essa ideia de vida após a morte como simplista, porque as pessoas não vivem vidas igualmente morais ou imorais. Entre vidas geralmente virtuosas, algumas são mais virtuosas; enquanto o mal também tem graus, e os textos afirmam que seria injusto que as pessoas, com graus variados de virtude ou vícios, terminassem no céu ou no inferno, "ou um, ou outro" e de maneira desproporcional, independentemente de quão virtuosas ou cruéis suas vidas foram.[65][66][67] Eles introduziram a ideia de uma vida após a morte no céu ou no inferno, proporcionalmente ao mérito da pessoa.[68][69][70]

Comparação[editar | editar código-fonte]

Os primeiros textos do hinduísmo, budismo e jainismo compartilham os conceitos e terminologia relacionados à reencarnação.[71] Eles também enfatizam práticas virtuosas semelhantes e karmas como necessários para a libertação e o que influencia os renascimentos futuros.[37][72] Por exemplo, os três discutem várias virtudes – às vezes agrupadas como Yamas e Niyamas – como não violência, veracidade, não roubar, não possessividade, compaixão por todos os seres vivos, caridade e muitas outras.[73][74]

Hinduísmo, budismo e jainismo discordam em suas suposições e teorias sobre o renascimento. O hinduísmo baseia-se em sua suposição fundamental de que há um self permanente e imutável, "a alma, o Eu existe" (Atman, attā), em contraste com a suposição budista de que não há um self ou ego permanente (Anatta, anatman).[75][76][77] As tradições hindus consideram a alma a essência eterna imutável de um ser vivo e aquilo que viaja através das reencarnações até atingir o autoconhecimento.[78][79][80] O budismo, em contraste, afirma uma teoria do renascimento sem um eu permanente, mas que ocorre uma transmissão e continuidade dos agregados mentais passageiros ao longo das vidas, considerando um processo de realização do nirvana (nibbana). Assim, o budismo e o hinduísmo iniciais têm uma visão muito diferente sobre a existência do eu ou alma absoluta, o que afeta os detalhes de suas respectivas teorias do renascimento.[81][82][83]

A doutrina da reencarnação no jainismo difere da do budismo, embora ambas sejam tradições sramana não-teístas.[84][85] O jainismo, em contraste com o budismo, aceita a suposição fundamental de que a alma existe (Jiva) e afirma que essa alma está envolvida no mecanismo do renascimento.[86] Além disso, o jainismo considera o ascetismo como um importante meio de libertação espiritual que encerra toda reencarnação, enquanto o budismo não.[84][87][88]

Grécia Antiga[editar | editar código-fonte]

A discussão do conceito no início da Grécia remonta ao século VI a. C. Um pensador grego conhecido por ter considerado o renascimento é Ferécides de Siro (fl. 540 A. E. C.).[89] Seu contemporâneo mais jovem Pitágoras (c. 570 – c. 495 A. E. C.[90]), primeiro expoente da reencarnação famoso, instituiu sociedades para sua difusão. Algumas autoridades acreditam que Pitágoras era aluno de Ferécides, outras que Pitágoras adotou a ideia de reencarnação da doutrina do orfismo, uma religião trácia, ou trouxe os ensinamentos da Índia. Há apontamentos para alegações de reencarnação em Epimênides de Creta (século VI a. C.) que teriam antecedido o sistema órfico-pitagórico.[91][92]


Outro conhecido expositor de uma doutrina de transmigração foi Empédocles, em cujos fragmentos se encontra essas afirmações: "Porque um dia fui menino e menina, arbusto e pássaro e mudo peixe do mar"[93] e:

Há um decreto da Necessidade, ratificado há muito tempo por deuses, eterno e selado por amplos juramentos, de que sempre que alguém em erro, por medo, contamina seus próprios membros, tendo por seu erro tornado falso o juramento que fez - daemones (espíritos humanos) a quem a longa vida é atribuída por lote - ele se afasta dos abençoados por três vezes incontáveis anos, nascendo o tempo todo como todo tipo de formas mortais, trocando um modo de vida difícil por outro. Porque a força do ar o persegue no mar, e o mar o cospe na superfície da terra, a terra o lança nos raios do sol escaldante, e o sol nos turbilhões do ar; um o tira do outro, e todos o abominam. Agora eu também sou um deles, um exilado dos deuses e um andarilho, tendo confiado em delirante Contenda/Discórdia/Ódio (Neikos).[94]

Platão (428/427-348/347 A. E. C.) apresentou relatos de reencarnação em suas obras, particularmente o Mito de Er. Em Fédon, Platão traz seu professor Sócrates, antes de sua morte, declarando: "Estou confiante de que realmente existe algo como viver de novo e que os vivos nascem dos mortos". No entanto, Xenofonte não menciona Sócrates como acreditando na reencarnação e Platão pode ter sistematizado o pensamento de Sócrates com conceitos que ele tirou diretamente do pitagorismo ou do orfismo.

Antiguidade Clássica[editar | editar código-fonte]

A religião órfica, que ensinava a reencarnação, por volta do século VI a. C. organizou-se em escolas de mistério em Elêusis e em outros lugares, e produziu uma abundante literatura.[95][96][97] Diz-se que Orfeu, seu lendário fundador, ensinou que a alma imortal aspira à liberdade enquanto o corpo a mantém prisioneira. A roda do nascimento gira, a alma alterna entre liberdade e cativeiro em volta do amplo círculo da necessidade. Orfeu proclamou a necessidade da graça dos deuses, em particular Dionísio, e da autopurificação até que a alma complete a ascensão espiral do destino para viver para sempre.

Uma associação entre a filosofia pitagórica e a reencarnação era rotineiramente aceita em toda a antiguidade. Na República, Platão faz com que Sócrates conte como Er, filho de Armênio, milagrosamente voltou à vida no décimo segundo dia após a morte e contou os segredos do outro mundo. Existem mitos e teorias com o mesmo efeito em outros diálogos, na alegoria da biga do Fedro, no Meno, Timeu e Leis. A alma, uma vez separada do corpo, passa uma quantidade indeterminada de tempo na "terra da forma" (veja A Alegoria da Caverna na República) e depois assume outro corpo.

Na literatura grega posterior, a doutrina é mencionada em um fragmento de Menandro[98] e satirizada por Luciano.[99] Na literatura romana, é encontrada tão cedo quanto Ênio,[100] que, em uma passagem perdida de seus anais, contou como havia visto Homero em um sonho, que lhe assegurara que a mesma alma que animara os dois poetas já pertenceram a um pavão. Pérsio em suas sátiras (vi. 9) ri disso, também é referida por Lucrécio[101] e Horácio.[102]

Virgílio elabora a ideia em seu relato do submundo no sexto livro da Eneida.[103] Persiste até os pensadores clássicos tardios, Plotino e os outros neoplatonistas. Na Hermética, uma série greco-egípcia de escritos sobre cosmologia e espiritualidade atribuídos a Hermes Trismegisto/Thoth, a doutrina da reencarnação é central.

No pensamento greco-romano, o conceito de metempsicose desapareceu com a ascensão do cristianismo primitivo, devido a alegações de incompatibilidade da reencarnação com a doutrina central cristã da salvação dos fiéis após a morte. Foi sugerido que alguns dos Pais da Igreja primitiva, especialmente Orígenes, ainda acreditavam na possibilidade de reencarnação, mas as evidências são tênues, e os escritos de Orígenes conforme chegaram até nós falam explicitamente contra ela.[104]

Algumas primeiras seitas gnósticas cristãs professavam reencarnação. Os Setianos e seguidores de Valentim acreditaram nela.[105] Os seguidores de Bardesanes da Mesopotâmia, uma seita do século II considerada herética pela Igreja Católica, recorreram à astrologia caldeia, à qual o filho de Bardesanes, Harmônio, educado em Atenas, acrescentou ideias gregas, incluindo uma espécie de metempsicose. Outro desses professores foi Basilides (132– EC/AD), conhecido por nós através das críticas de Irineu e do trabalho de Clemente de Alexandria (ver também Neoplatonismo e Gnosticismo e Budismo e Gnosticismo).

No terceiro século cristão, o maniqueísmo se espalhou para leste e oeste da Babilônia, depois dentro do Império Sassânida, onde seu fundador, Mani, viveu entre 216 e 276. Os mosteiros maniqueístas existiam em Roma em 312 d. C. Observando as primeiras viagens de Mani ao Império Kushan e outras influências budistas no maniqueísmo, Richard Foltz[106] atribui os ensinamentos de reencarnação de Mani à influência budista. Contudo, a interrelação entre maniqueísmo, orfismo, gnosticismo e neoplatonismo está longe de ser clara.

Paganismo celta[editar | editar código-fonte]

No século I a. C., Alexandre Cornélio Polihistor escreveu:

A doutrina pitagórica prevalece entre os ensinamentos dos gauleses de que as almas dos homens são imortais e que, após um número fixo de anos, elas entrarão em outro corpo.

Júlio César registrou que os druidas da Gália, Grã-Bretanha e Irlanda tinham a metempsicose como uma de suas principais doutrinas:[107]

O ponto principal da doutrina deles é que a alma não morre e que após a morte passa de um corpo para outro... o principal objetivo de toda a educação é, na opinião deles, imbuir os estudiosos de uma firme crença na indestrutibilidade da alma humana, que, de acordo com sua crença, apenas passa na morte de uma habitação para outra; pois somente por essa doutrina, dizem eles, que rouba todos os seus terrores à morte, pode ser desenvolvida a forma mais elevada de coragem humana.

Paganismo germânico[editar | editar código-fonte]

Os textos sobreviventes indicam que havia uma crença no renascimento no paganismo germânico. Exemplos incluem figuras de poesia eddica e sagas, potencialmente por meio de um processo de nomeação e/ou através da linhagem familiar. Os estudiosos discutiram as implicações desses atestados e propuseram teorias sobre a crença na reencarnação entre os povos germânicos antes da cristianização e, potencialmente, até certo ponto, na crença popular depois dela.

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

A crença na reencarnação dentre as primeiras existiu entre os místicos judeus no mundo antigo, em meio aos quais foram dadas explicações diferentes sobre a vida após a morte, embora com uma crença universal em uma alma imortal.[108] Hoje, a reencarnação é uma crença esotérica dentro de muitas correntes do judaísmo moderno. A Cabala ensina uma crença na gilgul, transmigração das almas e, portanto, a crença na reencarnação é universal no judaísmo chassídico, que considera a Cabalá como sagrada e saber de autoridade, e também é considerada uma crença esotérica no judaísmo ortodoxo moderno. No judaísmo, o Zohar, publicado pela primeira vez no século XIII, discute longamente a reencarnação, especialmente na parte da Torá "Balaque". O trabalho cabalístico mais abrangente sobre reencarnação, Shaar HaGilgulim,[109][110] foi escrito por Chaim Vital, baseado nos ensinamentos de seu mentor, o cabalista do século XVI Isaac Luria, que, segundo se dizia, conhecia as vidas passadas de cada pessoa através suas habilidades semi-proféticas. O mestre sábio e cabalista lituano do século XVIII, Elias de Vilna, conhecido como Vilna Gaon, escreveu um comentário sobre o livro bíblico de Jonas como uma alegoria de reencarnação.

A prática da conversão ao judaísmo às vezes é entendida no judaísmo ortodoxo em termos de reencarnação. De acordo com essa escola de pensamento no judaísmo, quando os não judeus são atraídos pelo judaísmo, é porque eles eram judeus em uma vida anterior. Tais almas podem "vagar entre nações" por várias vidas, até encontrarem o caminho de volta ao judaísmo, inclusive ao se verem nascidas em uma família gentia com um ancestral judeu "perdido".[111]

Existe uma extensa literatura de folclore judaico e histórias tradicionais que se referem à reencarnação.[112]

Idade Média europeia[editar | editar código-fonte]

Por volta do século XI a XII na Europa, vários movimentos reencarnacionistas foram perseguidos como heresias, através do estabelecimento da Inquisição no oeste latino. Estes incluíam a igreja cátara, paterena ou albigense da Europa Ocidental, o movimento pauliciano que surgiu na Armênia[113] e os bogomilos na Bulgária.[114]

Seitas cristãs como os bogomilos e os cátaros, que professavam reencarnação segundo crenças gnósticas, eram chamadas de "maniqueístas" e hoje são, às vezes, descritas por estudiosos como "neomaniqueístas".[115] Como não há mitologia ou terminologia maniqueísta conhecida nos escritos desses grupos, houve alguma disputa entre os historiadores sobre se esses grupos eram realmente descendentes do maniqueísmo.[116]

Séculos XV a XVIII, até início do século XIX na Europa[editar | editar código-fonte]

O ambiente de ampla divulgação classicista na Europa do século XV, através das ideias platônicas e pitagóricas de metempsicose, associadas às obras herméticas e cabalísticas, fermentou no Renascimento a ideia da reencarnação e transmigração das almas por neoplatonistas como Marsilio Ficino e Isaac Abarbanel.[117][118] Giordano Bruno também elaborou um sistema de metempsicose.[119][120] Nos séculos XVI e XVII, a chamada "palingenesia" (do grego, paliggenesía; palín = de novo, genesia = nascer) era considerada uma doutrina científica entre os paracelsianos e alquimistas, mas ela assumia o caráter daquilo que eles acreditavam ser a reconstituição corpórea da alma a partir de reações químicas (vegetações metálicas cristalizadas que se assemelhavam a plantas, como a Árvore de Diana, ou outras reações como a serpente de faraó),[121][122] não significando a reencarnação tal qual entendida hoje. Posteriormente no século XVII, a influência renascentista neoplatônica e mística propagou a doutrina da transmigração entre os platonistas de Cambridge, como se encontra, por exemplo, pela condessa Anne Conway e em Francisco van Helmont, com os quais Leibniz era familiar.[123] Anne Conway considerava, em sua obra de 1690, que, através de encarnações sucessivas, animais como o cavalo poderiam alcançar o estado de ser humano:[124]

"Seria então um cavalo uma mera maquinação ou uma matéria morta? ou ele tem um espírito nele, tendo conhecimento, sentido e amor, e diversas outras faculdades e propriedades de um espírito? Se ele tem, o que não pode ser negado, o que acontece com este espírito quando o cavalo morre? Se é dito que passa à vida e assume outro corpo de um cavalo, de forma que ele se torna um cavalo como antes, tal cavalo será mais forte e justo, e de um espírito mais excelente que antes. Muito bem! Mas se ele morrer, duas, três ou quatro vezes, etc; deverá ele permanecer sempre um cavalo, mesmo que seja ainda melhor e mais excelente, em quanto mais o seu espírito se revolve? Agora eu pergunto, se o espírito de um cavalo tem nele uma tal perfeição infinita, de que um cavalo possa sempre se tornar melhor e melhor ad infinitum, e ainda assim permanecer um cavalo? ... É, portanto, a natureza de um homem distante da natureza de um cavalo, por um grau infinito ou apenas por um finito? Se por um finito, então certamente um cavalo poderá em algum momento do tempo ser em alguma medida transformado em um homem, quero dizer, quanto ao seu espírito".[125]

Com o avanço da astronomia, em busca de um plano divino para os outros planetas, uma palingenesia cósmica começou a ser esboçada, à semelhança das noções gregas de que a alma transmigrava em diferentes mundos, vista por exemplo nas sugestões de Christiaan Huygens em Kosmotheoros (1698) e posteriormente adotada por Louis-Sébastien Mercier em Songes et Visions Philosophiques (1768) e popularizada pelo discípulo de Kant Johann Gottfried Herder.[126] Em meados do século XVIII, o biólogo e filósofo suíço Charles Bonnet, influenciado pelas ideias de Leibniz como harmonia pré-estabelecida, melhor dos universos possíveis e teodiceia, desenvolveu uma teoria reencarnatória de evolução das almas do tipo pré-formacionista, a qual ele se referiu como palingenesia e foi exposta em Palingénesie philosophie (1769); segundo ele, nenhuma vida era perdida e evoluía transmigrando ao longo da cadeia dos seres num progressivismo teleológico: "nada é perdido nos imensos celeiros da natureza; tudo nela tem seu uso, seu objetivo e o melhor fim possível".[127][128]

"Uma palavra desta página também nos contará nossa própria história e desenvolverá o porquê e o como dessas calamidades, dessas provas, dessas privações que frequentemente exercitam aqui a paciência dos justos, purificam sua alma, aprimoram suas virtudes, abalando e subjugando as fraquezas. Depois de atingir esse nível mais alto de conhecimento, a origem do mal físico e moral não mais nos embaraçará: nós os consideraremos distintamente em sua força e em seus efeitos mais distantes; e reconheceremos com evidência que tudo que Deus havia feito era bom"[129]

Suas ideias influenciaram Joseph de Maistre e Pierre-Simon Ballanche, e a partir deste último foram passadas aos saint-simonianos Pierre Leroux e Jean Reynaud.[127][128][130][131] Ballanche propôs uma "paligenesia social", em que não eram as almas individuais que renasciam, mas o coletivo da humanidade ao longo da história. Já Leroux e Reynaud divulgavam a transmigração individual, apoiando nela os ideais reformistas de progresso social, pois consideraram que a palingenesia individual e coletiva serviria de guia moral e social que promovesse o igualitarismo e a solidariedade, difundindo uma regeneração espiritual em substituição aos dogmas de punição eterna dos sistemas religiosos vigentes. Leroux defendia que a transmigração de vidas sucessivas ocorria na Terra apenas entre seres humanos e que a memória individual desapareciam de uma para outra, enquanto Reynaud considerava que todas as formas de vida evoluíam e que a alma acumulava experiência de aprendizado em vidas passadas. Este último popularizou a metempsicose individual como sendo encontrada no druidismo e se tornou um fundador das ideias de reencarnação e renascença céltica neo-druídica na França na primeira metade do século XIX.[130]

"Assim, a alma que passa de uma jornada para outra, deixando seu primeiro corpo para um novo corpo, mudando constantemente sua residência e seu interior, segue sob os raios do Criador, de transmigração à transmigração e metamorfose à metamorfose, o curso palingenético da seu destino eterno ... O nascimento não é um começo, é apenas uma mudança de corpo" – «Ciel» (Céu). Entrada da Encyclopédie nouvelle, vol. 3 (1841) por Jean Reynaud.[130]

Reynaud impactou sobre Jules Michelet e diversos pensadores e escritores românticos de seu tempo.[130] Charles Fourier foi outro que também desenvolveu uma doutrina de metempsicose, mas não foi tão difundida para além de seu círculo interno de discípulos.[132][130] Outra frente de difusão de ideias reencarnacionistas surgiu com a influência do orientalismo indianista, através da popularização inaugural de traduções de textos como o Bhagavad Gita e Ramayana, que atraíram a atenção de pensadores europeus para a doutrina na Alemanha entre os poetas de Weimar, como Herder, Goethe e Schiller; de William Jones, na Inglaterra; e que também se espalhou amplamente na França.[130] Benjamin Franklin pareceu sustentar uma visão pessoal de reencarnação em 1785: "Digo que, quando não vejo nada aniquilado e nem sequer uma gota de água desperdiçada, não posso suspeitar da aniquilação de almas ou acreditar que Ele [Deus] padeça do desperdício diário de milhões de mentes prontas que agora existem, e que se ponha ao problema contínuo de fazer outras novas. Assim, encontrando-me a existir no mundo, acredito que, de uma forma ou de outra, sempre existirei; e com todos os inconvenientes aos quais a vida humana está sujeita, não me oponho a uma nova edição minha; no entanto, que a errata da última possa ser corrigida".[133]

Séculos XIX a XX[editar | editar código-fonte]

O psicólogo e filósofo americano William James (1842–1910) foi um dos primeiros pesquisadores psíquicos.[134]

No século XIX, os filósofos Schopenhauer[135] e Nietzsche[136] puderam acessar as escrituras indianas para discutir a doutrina da reencarnação, que se recomendou aos transcendentalistas americanos Henry David Thoreau, Walt Whitman e Ralph Waldo Emerson e foi adaptada por Francis Bowen na Metempsicose Cristã.[137] O espiritismo também contribuiu à difusão da crença, atribuindo-a aos ensinos dos espíritos (ver abaixo). Camille Flammarion, inspirado no espiritualismo e na noção de pluralidade de mundos e da paligenesia cósmica de Humphry Davy (que expôs sua visão de série de encarnações no seu livro de 1830 Os Últimos Dias de um Filósofo), também popularizou a ideia em seus romances de divulgação da astronomia, como o Lumen.[126]

No início do século XX, o interesse pela reencarnação havia sido introduzido na disciplina nascente da psicologia, em grande parte devido à influência de William James, que levantou aspectos da filosofia da mente, religião comparada, psicologia da experiência religiosa e a natureza do empirismo.[138] James foi influente na fundação da Sociedade Americana de Pesquisa Psíquica (ASPR) na cidade de Nova York em 1885, três anos após a inauguração da Sociedade Britânica de Pesquisa Psíquica (SPR) em Londres,[134] levando à investigação crítica sistemática de fenômenos paranormais. O famoso general da Segunda Guerra Mundial, George Patton, era um forte crente na reencarnação, acreditando, entre outras coisas, ser uma reencarnação do general cartaginês Aníbal.

Nesse momento, a conscientização popular da ideia de reencarnação foi impulsionada através da disseminação pela Sociedade Teosófica de conceitos indianos sistematizados e universalizados e também pela influência de sociedades mágicas como A Aurora Dourada. Personalidades notáveis como Annie Besant, W. B. Yeats e Dion Fortune tornaram o assunto quase tão familiar um elemento da cultura popular do oeste quanto do leste. Em 1924, o assunto pôde ser satirizado em livros infantis populares.[139] O humorista Don Marquis criou um gato fictício chamado Mehitabel, que alegava ser uma reencarnação da rainha Cleópatra.[140]

Théodore Flournoy foi um dos primeiros a estudar uma reivindicação de recordação de vidas passadas no curso de sua investigação da médium Hélène Smith, publicada em 1900, na qual definiu a possibilidade de criptomnésia nesses relatos.[141] Carl Gustav Jung, como Flournoy, com sede na Suíça, também o imitou em sua tese, com base em um estudo de criptomnésia no psiquismo. Mais tarde, Jung enfatizaria a importância da persistência da memória e do ego no estudo psicológico da reencarnação: "Este conceito de renascimento implica necessariamente a continuidade da personalidade... (que) é possível, pelo menos potencialmente, lembrar que viveu através de existências anteriores, e que essas existências eram próprias..."[142] A hipnose, usada na psicanálise para recuperar memórias esquecidas, acabou sendo tentada como um meio de estudar o fenômeno da regressão de vidas passadas.

Reencarnação e cristianismo[editar | editar código-fonte]

Segundo São Jerónimo e outros estudiosos, o padre da igreja Orígenes defendia a reencarnação.[143][144][145]

Diversos estudiosos espíritas e espiritualistas defendem que, durante os seis primeiros séculos de nossa era, a reencarnação era um conceito admitido por muitos cristãos. De acordo com eles, numerosos Padres da Igreja ensinaram essa doutrina e apenas após o Segundo Concílio de Constantinopla (553) é que a reencarnação foi proscrita na prática da Igreja Católica, apesar de tal decisão não ter constado dos anais do concílio. Afirmam ainda que Orígenes (185-253 d.C.), que influenciou bastante a teologia cristã, defendeu a ideia da reencarnação,[145] além dos escritos de Gregório de Níssa (um bispo da igreja cristã no século IV) entre outros. Entretanto, segundo os teólogos cristãos tais afirmativas carecem de fundamentação histórico-documental. Mas muitos teólogos cristãos se opõem à teoria da reencarnação, como, também, à ideia de que ela era admitida pelos cristãos primitivos. Argumentam que não há referências na Bíblia, nem citações de outros Padres da Igreja, e que as próprias afirmações de Orígenes e de Gregório de Nisa aduzidas pelos estudiosos espíritas e de outras crenças espiritualistas, não são por aqueles citadas senão para as refutarem. Por outro lado, com base na análise da atas conciliares do Concílio de Constantinopla, constatam que os que ali se reuniram sequer citaram a doutrina da reencarnação - fosse para a afirmar ou para a rejeitar. Contra a reencarnação, os teólogos cristãos ainda citam Hebreus 9:27, o episódio dos dois ladrões na cruz em Lucas 23:39-44, a parábola do rico e Lázaro e Jó 10:21.

Passagens do Novo Testamento, como Mateus 11:12-15, Mateus 16:13-17 e Mateus 17:10-13, Marcos 6:14-15, Lucas 9:7-9 e João 3:1-12 são citadas por espíritas e muitos outros espiritualistas como evidência de que Jesus teria explicitamente anunciado a reencarnação.

Tanto a Igreja Católica como os protestantes em geral denunciam a crença na reencarnação como herética.

As Testemunhas de Jeová rejeitam a ideia de reencarnação. Ao contrário disso, as Testemunhas de Jeová creem no que a Bíblia ensina em «Há de haver uma ressurreição» (Atos 24:15). Elas acreditam que a alma humana não é imortal, mas sim mortal e destrutível. A morte como sendo o oposto da vida, isto é, a inexistência em contraste com a existência. Deus disse claramente que os mortos voltariam para o lugar de onde vieram — o pó da terra: «Dele foste tomado. Porque tu és pó e ao pó voltarás» (Gênesis 3:19). Assim, as Testemunhas de Jeová acreditam e ensinam que os mortos estão num estado de inexistência e que a mesma pessoa voltará a viver, não no mundo como está hoje, mas num mundo purificado por Deus, numa sociedade realmente justa, no futuro, aqui mesmo na Terra e receberão a vida eterna como humanos perfeitos.

O cristianismo esotérico, por outro lado, admite e endossa abertamente a reencarnação - que é, inclusive, um dos pilares de sua doutrina. As teses reencarnacionistas, portanto, independentemente de serem corretas ou não, não encontram apoio na tradição judaico-cristã, cuja ortodoxia doutrinária as considera, na verdade, importações de outras tradições, tal como o hinduísmo e o budismo.

Existem provas históricas de que a doutrina da reencarnação contava com adeptos no antigo judaísmo, embora somente após escrita do Talmud - não há referências a ela neste livro, tampouco se conhecem alusões em escrituras prévias. A ideia da reencarnação, chamada gilgul, tornou-se comum na crença popular, como pode ser constatado na literatura iídiche entre os judeus asquenazes. Entre poucos cabalistas, prosperou a crença de que algumas almas humanas poderiam reencarnar em corpos não-humanos. Essas ideias foram encontradas em diversas obras cabalísticas do século XIII, assim como entre muitos escritos místicos do século XVI. A coleção de histórias de Martin Buber sobre a vida de Baal Shem Tov inclui várias que se referem a pessoas reencarnando em sucessivas vidas.

Drusismo[editar | editar código-fonte]

A reencarnação é um princípio primordial na fé drusa.[146] Existe uma dualidade eterna do corpo e da alma e é impossível que a alma exista sem o corpo. Portanto, reencarnações ocorrem instantaneamente na morte de alguém. Enquanto no sistema de crenças hindu e budista uma alma pode ser transmitida a qualquer criatura viva, no sistema de crenças drusa isso não é possível e uma alma humana só será transferida para um corpo humano. Além disso, as almas não podem ser divididas em partes diferentes ou separadas e o número de almas existentes é finito.[147]

Poucos drusos são capazes de recordar seu passado, mas, se são capazes, são chamados de Nateq. Normalmente, as almas que morreram de mortes violentas em sua encarnação anterior poderão recordar memórias. Como a morte é vista como um estado transitório rápido, o luto é desencorajado.[148] Ao contrário de outras crenças abraâmicas, o céu e o inferno são espirituais. O céu é a felicidade máxima recebida quando a alma escapa do ciclo de renascimentos e se reúne com o Criador, enquanto o inferno é conceituado como a amargura de não poder se reunir com o Criador e escapar do ciclo de renascimento.[149]

Judaísmo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guilgul

O renascimento místico do século XVI na Safed comunal substituiu o racionalismo escolar como teologia judaica tradicional, tanto nos círculos acadêmicos quanto na imaginação popular. Referências a gilgul na antiga Cabala tornaram-se sistematizadas como parte do propósito metafísico da criação. Isaac Luria (o Ari) trouxe a questão ao centro de sua nova articulação mística, pela primeira vez, e defendeu a identificação das reencarnações de figuras judaicas históricas que foram compiladas por Haim Vital em seu Shaar HaGilgulim.[150] Gilgul é contrastado com os outros processos da Cabala de Ibbur ("gravidez"), a ligação de uma segunda alma a um indivíduo para (ou por) bons meios, e Dybuk ("possessão"), o apego de um espírito, demônio etc. para um indivíduo para (ou por) "mau" significa.

Na Cabalá Luriânica, a reencarnação não é retributiva ou fatalista, mas uma expressão da compaixão Divina, o microcosmo da doutrina da retificação cósmica da criação. Gilgul é um acordo celestial com a alma individual, condicionado às circunstâncias. O sistema radical de Luria focou na retificação da alma Divina, exercida através da Criação. A verdadeira essência de qualquer coisa é a centelha divina que lhe dá existência. Até uma pedra ou folha possui uma alma que "veio a este mundo para receber uma retificação". Uma alma humana pode ocasionalmente ser exilada em criações inanimadas, vegetativas ou animais inferiores. O componente mais básico da alma, o nefesh, deve deixar na cessação da produção de sangue. Existem quatro outros componentes da alma e diferentes nações do mundo possuem diferentes formas de alma com diferentes propósitos. Cada alma judaica é reencarnada para cumprir cada um dos 613 mandamentos mosaicos que elevam uma centelha particular de santidade associada a cada mandamento. Uma vez que todas as Centelhas são resgatadas para sua fonte espiritual, a Era Messiânica começa. A observância não judaica das 7 leis de Noé ajuda o povo judeu, embora os adversários bíblicos de Israel reencarnem para se opor.

Entre os muitos rabinos que aceitaram a reencarnação estão Nahmanides (o Ramban) e Rabbenu Bahya ben Asher, Levi ibn Habib (o Ralbah), Shelomoh Alkabez, Moisés Cordovero, Moses Chaim Luzzatto; mestres chassídicos iniciais como Baal Shem Tov, Schneur Zalman de Liadi e Nachman de Breslov, bem como praticamente todos os mestres chassídicos posteriores; professores chassídicos contemporâneos como DovBer Pinson, Moshe Weinberger e Joel Landau; e principais líderes mitnagdicos, como Vilna Gaon e Chaim Volozhin e suas escolas, assim como o rabino Shalom Sharabi (conhecido no RaShaSH), o Ben Ish Chai de Bagdá e o Baba Sali.[151] Rabinos que rejeitaram a ideia incluem Saadia Gaon, David Kimhi, Hasdai Crescas, Joseph Albo, Abraham ibn Daud, Leon de Modena, Salomão ben Aderet, Maimonides e Asher ben Jehiel. Entre os Geonim, Hai Gaon argumentou a favor das gilgulim.

Nações nativas americanas[editar | editar código-fonte]

A reencarnação é uma parte intrínseca de algumas tradições nativas norte americanas e inuit.[152] No agora fortemente cristão polo norte (agora principalmente partes da Groenlândia e Nunavut), o conceito de reencarnação está consagrado na língua inuit.[153] Alguns casos atribuídos por nativos americanos foram relatados por Ian Stevenson no livro Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação.[154]

A seguir, é apresentada uma história de reencarnação de homem para homem, contada por Thunder Cloud, um xamã de Winnebago (tribo Ho-Chunk) conhecido como T. C. na narrativa. Aqui T. C. fala sobre suas duas vidas anteriores e como ele morreu e voltou a sua terceira vida. Ele descreve seu tempo entre vidas, quando foi “abençoado” pelo Criador da Terra e por todos os espíritos permanentes e recebeu poderes especiais, incluindo a capacidade de curar os doentes.

O relato de T. C. de suas duas reencarnações:

Eu (meu fantasma) fui levado para o local onde o sol se põe (a oeste). ... Enquanto estava naquele lugar, pensei em voltar à terra novamente, e o velho com quem eu estava hospedado me disse: "Meu filho, você não falou em querer voltar à terra?" de fato, só pensara nisso, mas sabia o que eu queria. Então ele me disse: “Você pode ir, mas deve perguntar primeiro ao chefe.” Então eu fui e contei ao chefe da vila o meu desejo, e ele me disse: “Você pode ir e se vingar do pessoas que mataram você e seus parentes. ”Então fui trazido à terra. ... Lá eu vivi até morrer de velhice. ... Enquanto eu estava deitado [no meu túmulo], alguém me disse: “Venha, vamos embora.” Então fomos em direção ao pôr do sol. Lá chegamos a uma vila onde encontramos todos os mortos. ... Daquele lugar eu vim a esta terra novamente pela terceira vez, e aqui estou eu.[155] (Radin, 1923)

Religião iorubá[editar | editar código-fonte]

Uma peça de dança mascarada Egungun na coleção permanente do The Children’s Museum of Indianapolis

Os iorubás acreditam na reencarnação dentro da família. Os nomes Babatunde (o pai retorna), Yetunde (a mãe retorna), Babatunji (o pai acorda mais uma vez) e Sotunde (o sábio retorna) oferecem evidências vívidas do conceito Ifa de renascimento familiar ou linear. Não há garantia simples de que seu avô ou tio-avô "volte" no nascimento de seu filho.

Sempre que chega o momento de um espírito retornar à Terra (também conhecido como O Mercado) através da concepção de uma nova vida na linhagem direta da família, uma das entidades componentes do ser de uma pessoa retorna, enquanto a outra permanece no Céu (Ikole Orun). O espírito que retorna o faz na forma de um Guardião Ori. O Guardião Ori, que é representado e contido na coroa da cabeça, representa não apenas o espírito e a energia do parente anterior do sangue, mas também a sabedoria acumulada que ele adquiriu através de uma infinidade de vidas. Isso não deve ser confundido com o Ori espiritual, que contém o destino pessoal, mas refere-se ao retorno ao mercado do Ori de sangue pessoal através da nova vida e experiências.[carece de fontes?]

Espiritismo[editar | editar código-fonte]

No século 19, o francês Hippolyte Leon Denizard Rivail – ou Allan Kardec – e outros estudiosos dedicaram-se a um tema

então em voga na Europa: os fenômenos das mesas giratórias, em que os sensitivos alegavam que espíritos se manifestavam com o mundo dos vivos. Kardec escreveu uma série de livros sobre as experiências mediúnicas que observou e, tendo como base a ideia da reencarnação, fundou a doutrina espírita. Para os espíritas, reencarnação é um ponto pacífico. Mas muitos deles preferem dar crédito a relatos embasados no cientificismo.[156]

O espiritismo é grande divulgador da doutrina da reencarnação no Brasil e na maioria dos países ocidentais, defendendo que a reencarnação é um processo obrigatório até o espírito não precisar mais reencarnar e isso se dá quando ele se torna um espírito puro. A reencarnação é uma oportunidade para o espírito se aperfeiçoar, intelectualmente, através do trabalho e estudo, e moralmente, através do amor ao próximo, ou seja, caridade. Assim, ela é vista como uma bênção pelo espírito, pois é uma oportunidade de progresso. Além de trabalhar para o seu desenvolvimento, o espírito quando reencarna, também vêm expiar faltas que cometeu em encarnações anteriores. Por exemplo, um assassino em série poderá reencarnar sem os braços e sem as pernas, para que aprenda a amar mais o seu próximo, pois nessa condição precisaria constantemente dos outros; ou por exemplo, uma mãe que menosprezou seu filho, poderia reencarnar em uma família que a menosprezasse, compelindo-a a repensar seus atos. Cada reencarnação é minuciosamente planejada pelos espíritos superiores, para dar a máxima oportunidade do espírito reencarnante de se desenvolver, e obter o máximo de proveito de sua encarnação.

Para o espiritismo, a reencarnação é uma prova da justiça de Deus, que dá inúmeras oportunidades para o espírito se aperfeiçoar, em vez de mandá-lo para o céu, ou o inferno eterno porque simplesmente nasceu em uma família que não lhe deu a educação adequada. Segundo essa mesma doutrina, se o espírito se entrega à corrupção dos valores ético-morais, ele terá "incontáveis" oportunidades de se aperfeiçoar, angariando parte das consequências funestas, pelos crimes que cometeu, para suas próximas reencarnações.

Reencarnação e metempsicose[editar | editar código-fonte]

A transmigração das almas ou metempsicose é uma interpretação da reencarnação, seguida por alguns adeptos de ensinamentos orientais, que propõe que o homem pode reencarnar de modo não-progressivo em animais, plantas ou minerais. Esse conceito é muitas vezes entendido literalmente, mas muitas tradições orientais entendem esse conceito miticamente, ou seja, significa que quem vive de forma primitiva, satisfazendo apenas seus desejos primitivos pode estar em uma reencarnação como animal mesmo em uma forma e corpo humano.

O espiritismo não coloca a metempsicose como uma forma possível de reencarnação; Allan Kardec refuta-a n'O Livro dos Espíritos, através da síntese de diversas comunicações mediúnicas (com os espíritos) e do uso de provas lógicas, em concordância com a cientificidade da doutrina. Para o espiritismo, as reencarnações levam sempre à evolução: o ser parte dos estados mais materiais (mineral, vegetal e animal) para se tornar consciente de seu caminho no estado humano ou hominal; daí, se entrega ao saber, à moral e à verdade, conquistando estados mais imateriais e puros (angelicais). Essa sequência pode se realizar em mais ou menos tempo, em mundos diferentes e em estados vitais diferenciados, de acordo com o mundo (a crença de vida fora da Terra é parte do espiritismo, porém de forma diferente das teorias ufológicas e exobiológicas).

Reencarnação e ciência[editar | editar código-fonte]

A crença na sobrevivência da consciência após a morte é comum e tem-se mantido por toda a história da humanidade. Quase todas as civilizações na história tem tido um sistema de crença relativo à vida após a morte. Cientificamente, entretanto, inexiste qualquer fato que prove ou refute a hipótese.[carece de fontes?]

As investigações científicas sobre a reencarnação acontecem de forma relativamente ampla desde os anos 60 e constituem um ramo da pseudociência da parapsicologia.[157][158][159]

Apesar de muitas pesquisas concluírem resultados favoráveis à reencarnação,[160][157] até o momento não se conhece nenhum processo físico testável pelo qual uma personalidade pudesse sobreviver à morte e se deslocar para outro corpo. De modo que cientistas defensores da teoria reencarnacionista, como Ian Stevenson, Jim Tucker, Erlendur Haraldsson e Brian Weiss, reconhecem tal limitação e atribuem a possível existência de tais fenômenos a processos até o momento não provados através do método científico[carece de fontes?].

A ciência, em geral, não se presta a provar ou não a reencarnação ou a ressurreição. Isto porque o aspecto subjetivo que sustenta as ideias da ressurreição e da reencarnação dificulta eventuais demonstrações científicas, fazendo tais ideias aportarem então no âmbito da fé e da crença, o que não significa necessariamente qualquer falta de mérito de qualquer uma delas, senão que se limitam ao campo da fé e da experiência individual. Por mais evidentes que possam parecer determinados relatos, cientificamente, sob os atuais domínios do conhecimento científico estrito, não estão provados.[carece de fontes?]

Experiências de quase morte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Experiência de quase-morte

Vários pesquisadores argumentam que as as experiências de quase-morte tendem a aumentar a crença na reencarnação.[161]

Até por volta da década de 60, a EQM costumava ser considerada pela ciência estrita como um assunto vulgar, fruto de lendas, crendice popular ou religiosidade. No entanto, na década de 1970, pesquisas como a do doutor Raymond Moody e a da doutora Elisabeth Kübler-Ross, principalmente após a publicação dos best-sellers Vida Depois da Vida e Sobre a Morte e o Morrer, respectivamente, levaram ao início de uma corrente de pesquisas em todo o mundo sobre o fenômeno. Mesmo com tanto interesse e a presença de numerosos relatos anedóticos, ainda não há qualquer comprovação científica sobre a realidade das experiências de quase-morte. Entre os cientistas que pesquisam o assunto, há os que interpretam as experiências como reações do cérebro (visão monista) e há os que interpretam tais experiências como prova ou evidência de que a consciência não é produzida pelo cérebro (posição dualista); e de que existe vida após a morte.[carece de fontes?]

Muitos pesquisadores, como a psicóloga Susan Blackmore e o anestesiologista Lakhmir Chawla, acreditam na teoria de que as EQMs são alucinações complexas causadas pela falta de oxigênio no cérebro durante a etapa final do processo de morte.[162] No entanto, muitos outros pesquisadores, como os psiquiatras Raymond Moody e Bruce Greyson, discordam das teorias materialistas e defendem teorias que interpretam as experiências como evidências de que a consciência do ser humano existe independentemente do cérebro, argumentando principalmente que muitas pessoas demonstram percepções extrassensoriais com precisão em seus relatos de EQM[163] (como por exemplo o famoso caso de EQM da cantora Pam Reynolds)[164] e que não há sinais de funções mentais prejudicadas nas situações clínicas em que as EQMs ocorrem.

Pesquisas sobre o fenômeno[editar | editar código-fonte]

Entre as tentativas de dar uma base científica a essa crença, destaca-se a pesquisa do falecido professor de psiquiatria canadense da Universidade de Virginia Ian Stevenson, desde os anos 1960, com dados de mais de 3000 casos investigados que sustentariam a reencarnação.[165] Segundo os dados levantados pelo Dr. Stevenson, os relatos de vidas passadas surgem geralmente aos dois anos de idade, desaparecendo com o desenvolvimento do cérebro. Uma constante aparece na proximidade familiar, embora haja casos sem nenhum relacionamento étnico ou cultural. Mortes na infância, de forma violenta, aparentam ser mais relatadas. A repressão para proteger a criança ou a ignorância do assunto faz com que sinais que indiquem um caso suspeito normalmente sejam esquecidos ou escondidos. Influências comportamentais como fragmentos de algum idioma, fobias, depressões, talentos precoces (como em crianças prodígio), gostos diferentes dos meios em que se habita, etc, podem surgir, porém a associação peremptória desses fenômenos com encarnações passadas continua a carecer de fundamentação científica consistente. Dentre os trabalhos desenvolvidos por Dr. Stevenson sobre a reencarnação, destacam-se as obras Vinte Casos Sugestivos de Reencarnação e "Reencarnação e Biologia: Uma Contribuição à Etiologia das Marcas de Nascença e Defeitos de Nascença".[166][167] O médico psiquiatra Jim Tucker continua o trabalho de Stevenson relacionado ao tema.[168]

Incentivado por Stevenson nos anos 80 a iniciar uma pesquisa sobre reencarnação, o psicólogo e parapsicólogo Erlendur Haraldsson também produziu vários estudos notórios favoráveis ao tema em diferentes países.[157][169]

Um outro grande pesquisador e defensor da reencarnação foi o engenheiro e parapsicólogo Hernani Guimarães Andrade, como pode ser constatado por exemplo em seus livros "Reencarnação no Brasil" (1988) e "Renasceu por Amor" (1995). Inclusive, os arquivos de Ian Stevenson sobre reencarnação abrigam casos brasileiros estudados inicialmente pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas (IBPP), fundado por Andrade.[170]

O astrônomo e astrobiólogo Carl Sagan, em seu penúltimo livro, escreveu: “No momento em que escrevo, há três reivindicações no campo (paranormal) que, na minha opinião, merecem um estudo sério”, o terceiro sendo “que crianças pequenas às vezes relatam detalhes de uma vida anterior que, após a verificação, se mostram precisos e que elas não poderiam ter esse conhecimento de nenhum outro modo que não pela reencarnação”.[157]

Note-se que ao relacionar o perispírito com os relatos de crença de que o corpo físico de alguém apresentaria marcas "explicáveis" por acontecimentos ocorridos em vidas passadas, veremos que os casos relatados representam fielmente a Doutrina Espírita sistematizada pelo educador Allan Kardec.[carece de fontes?]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Há céticos que criticam tais estudos de casos, por melhor descritos que sejam, alegando que são evidências anedóticas coletadas retrospectivamente de modo que não eliminam a possibilidade de fraude. De fato, normalmente não há muito controle contra a fraude, porém os reencarnacionistas apontam que existem características típicas de tais casos que seriam difíceis de serem fraudadas, tais como os defeitos e as marcas de nascimento, e as fobias demonstradas pelas crianças. No entanto, tais casos são descritos retrospectivamente - uma fobia específica, determinada marca de nascença ou preferências pessoais, são explicadas encontrando-se relatos de pessoas que morreram de determinada forma, tiveram algum tipo de lesão ou tinham determinadas preferências. Como qualquer fobia pode ser relacionada a alguma pessoa que já apresentou morte pelo objeto da mesma, não há nenhum local do corpo onde se possa ter uma marca de nascença que alguém não tenha se ferido e preferências pessoais não são exclusivas, para eles, tais relatos não teriam grande valor científico.[carece de fontes?]

Tais céticos são contestados pelos estudiosos da reencarnação sob o argumento de que "relato de casos anedóticos" não é a mesma coisa que "estudo de casos". E simples "estudo de casos" não é a mesma coisa que "estudo de casos com tentativa de controle de variáveis envolvidas" e "tentativa de avaliação quantitativa". Os estudos CORT (Cases of Reincarnation Type – Casos do Tipo Reencarnação) não estariam incluídos na primeira categoria (que é a mais fraca), nem na segunda (de força mediana). Eles fariam parte do terceiro grupo, que possui força bem superior: "estudo de casos com tentativa de controle de variáveis envolvidas e tentativa de avaliação quantitativa.[carece de fontes?]

Recentemente, o cético Richard Wiseman tentou reproduzir as demais características dos CORTs por meios normais, sem sucesso.[carece de fontes?] Nas palavras do pesquisador Jim B. Tucker,[171] o estudo de Wiseman "demonstra que coincidência fracassa em explicar partes importantes dos casos, embora sua intenção tenha sido mostrar o oposto". Tucker considera também que tal estudo demonstra que a fraude não pode ser aplicada aos casos resolvidos com registros escritos antes das verificações. Além disso, já foi possível fazer testes controlados numa minoria desses casos. Tucker cita dois desses casos no seu livro Life Before Life (2005): o de Gnanatilleka Baddewithana e o de Ma Choe Hnin Htet, e argumenta que tais casos enterrariam de vez as críticas dos céticos de que a fraude ou a coincidência seriam explicações razoáveis para os CORTs.[carece de fontes?]

Alguns críticos também argumentaram que casos de reencarnação não são particularmente interessantes por causa da possibilidade que eles podem ter sido embelezados quando a família da criança entra em contato com a família da personalidade prévia antes da documentação das memórias de renascimento da criança ter sido feita, aumentando a possibilidade que o câmbio de informação entre as duas famílias possa ser o responsável para as memórias detalhadas da criança, e não reencarnação (por fraude e/ou falsas memórias). Esta hipótese, embora plausível em alguns casos, foi rejeitada pelo outro avanço principal na pesquisa de reencarnação, o de localizar casos em que documentação é feita antes de tentar achar a família da personalidade prévia, o que não impede necessariamente fraudes ou simples coincidências. Embora seu número seja pequeno, tais casos parecem fornecer um argumento mais forte a favor da reencarnação. O Dr. Stevenson (1974) foi um dos primeiros a localizar casos como estes, e outros independentemente foram encontrados por Mills, Haraldsson, e Keil (1994), e mais recentemente por Keil e Tucker (2005).[carece de fontes?]

Livros notáveis[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Conceitos

Temas

Tradições

Referências

  1. «Reencarnação em Platão - Filosofia». InfoEscola 
  2. a b c Huffman, Carl, "Pythagoras, 4.1 The Fate of the Soul—Metempsychosis", The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Summer 2014 Edition), Edward N. Zalta (ed.)
  3. Heródoto, Histórias, Livro II, Euterpe, 123 [pt] [el] [el/en] [ael/fr] [en] [en] [en] [es]
  4. a b Orsi, Carlos (2019). «A ciência comprova a reencarnação?». Instituto Questão de Ciência. Cópia arquivada em 18 de junho de 2019 
  5. Cardeña, Etzel (Julho de 2018). «The experimental evidence for parapsychological phenomena: A review.». American Psychologist. 73 (5): 663–677. ISSN 1935-990X. doi:10.1037/amp0000236 
  6. Goode, 2013
  7. a b c Mark Juergensmeyer & Wade Clark Roof 2011, pp. 271–272.
  8. Rita M. Gross (1993). Buddhism After Patriarchy: A Feminist History, Analysis, and Reconstruction of Buddhism. [S.l.]: State University of New York Press. pp. 148. ISBN 978-1-4384-0513-1  Verifique o valor de |url-access=registration (ajuda)
  9. Flood, Gavin D. (1996), An Introduction to Hinduism, Cambridge University Press
  10. «BBC - Religions - Buddhism: The Buddhist universe». www.bbc.co.uk 
  11. «A Basic Buddhism Guide: On Reincarnation». www.buddhanet.net 
  12. Antonia Mills and Richard Slobodin, ed. (1994). Amerindian Rebirth: Reincarnation Belief Among North American Indians and Inuit. [S.l.]: University of Toronto Press. ISBN 978-0802077035 
  13. Gananath Obeyesekere, Imagining Karma: Ethical Transformation in Amerindian, Buddhist, and Greek Rebirth. University of California Press, 2002, page 15.
  14. Crawley, Marjorie (24 de setembro de 2018). «Aboriginal Beliefs and Reincarnation». Religious Traditions: A New Journal in the Study of Religion / Journal of Studies in the Bhagavadgita (em inglês). 6 (1) 
  15. Hitti, Philip K (2007) [1924]. Origins of the Druze People and Religion, with Extracts from their Sacred Writings (New Edition). Columbia University Oriental Studies. 28. London: Saqi. pp. 13–14. ISBN 0-86356-690-1
  16. «Popular psychology, belief in life after death and reincarnation in the Nordic countries, Western and Eastern Europe» (PDF)  (54.8 KB)
  17. metempsychosis, Etymology Dictionary, Douglas Harper (2015)
  18. Oxford Dictionaries (2016). «Transmigration». Oxford University Press 
  19. «Encyclopædia Britannica». Concise.britannica.com 
  20. Keown 2013, pp. 35–40.
  21. Christopher Key Chapple (2006). Jainism and Ecology: Nonviolence in the Web of Life. Motilal Banarsidass. [S.l.: s.n.] 39 páginas. ISBN 978-81-208-2045-6 
  22. Karl Sigmund. «Gödel Exhibition: Gödel's Century». Goedelexhibition.at 
  23. a b Monier Monier-Williams (1872). A Sanskrit-English Dictionary. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] 
  24. Ronald Wesley Neufeldt (1986). Karma and Rebirth: Post Classical Developments. State University of New York Press. [S.l.: s.n.] pp. 88–89. ISBN 978-0-87395-990-2 
  25. Thomas William Rhys Davids; William Stede (1921). Pali-English Dictionary. Motilal Banarsidass. [S.l.: s.n.] pp. 95, 144, 151, 361, 475. ISBN 978-81-208-1144-7 
  26. a b c Stephen J. Laumakis 2008, pp. 90–99.
  27. John Bowker 2014, pp. 84–85.
  28. Gavin Flood (2010), Brill's Encyclopedia of Hinduism (Editor: Knut Jacobsen), Volume II, Brill, ISBN 978-90-04-17893-9, pages 881–884
  29. Klaus Klostermaier, Mokṣa and Critical Theory, Philosophy East and West, Vol. 35, No. 1 (Jan., 1985), pages 61–71
  30. Norman E. Thomas (April 1988), Liberation for Life: A Hindu Liberation Philosophy, Missiology, Volume 16, Number 2, pp 149–160; Gerhard Oberhammer (1994), La Délivrance dès cette vie: Jivanmukti, Collège de France, Publications de l'Institut de Civilisation Indienne. Série in-8°, Fasc. 61, Édition-Diffusion de Boccard (Paris), ISBN 978-2868030610, pages 1–9
  31. Obeyesekere 2005, p. 1-2, 108, 126–128.
  32. Mark Juergensmeyer & Wade Clark Roof 2011, pp. 272–273.
  33. Irving Steiger Cooper (1920). Reincarnation: The Hope of the World. Theosophical Society in America. [S.l.: s.n.] 
  34. Diodoro Sículo v.28.6; Hippolytus Philosophumena i.25
  35. A.M. Boyer: Etude sur l'origine de la doctrine du samsara. Journal Asiatique, (1901), Volume 9, Issue 18, S. 451–453, 459–468
  36. Yuvraj Krishan: . Bharatiya Vidya Bhavan, 1997, ISBN 978-81-208-1233-8
  37. a b Damien Keown (2013). Buddhism: A Very Short Introduction. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 28, 32–38. ISBN 978-0-19-966383-5 
  38. Laumakis, Stephen J. (21 de fevereiro de 2008). An Introduction to Buddhist Philosophy. Cambridge University Press (em inglês). [S.l.: s.n.] ISBN 9781139469661 
  39. Flood, Gavin. Olivelle, Patrick. 2003. The Blackwell Companion to Hinduism. Malden: Blackwell. pg. 273-4. "The second half of the first millennium BCE was the period that created many of the ideological and institutional elements that characterize later Indian religions. The renouncer tradition played a central role during this formative period of Indian religious history....Some of the fundamental values and beliefs that we generally associate with Indian religions in general and Hinduism in particular were in part the creation of the renouncer tradition. These include the two pillars of Indian theologies: samsara – the belief that life in this world is one of suffering and subject to repeated deaths and births (rebirth); moksa/nirvana – the goal of human existence....."
  40. Gavin D. Flood, An Introduction to Hinduism, Cambridge University Press (1996), UK ISBN 0-521-43878-0 p. 86 – "A third alternative is that the origin of transmigration theory lies outside of vedic or sramana traditions in the tribal religions of the Ganges valley, or even in Dravidian traditions of south India."
  41. R.D.Ranade (1926). A Constructive Survey of Upanishadic Philosophy. Bharatiya Vidya Bhavan. [S.l.: s.n.] pp. 147–148. Quote: There we definitely know that the whole hymn is address to a departed spirit, and the poet [of the Rigvedic hymn] says that he is going to recall the departed soul in order that it may return again and live." 
  42. Atsushi Hayakawa (2014). Circulation of Fire in the Veda. LIT Verlag Münster. [S.l.: s.n.] pp. 66–67, 101–103 with footnotes. ISBN 978-3-643-90472-0 
  43. Stephen J. Laumakis 2008, p. 90.
  44. A.M. Boyer (1901), Etude sur l'origine de la doctrine du samsara, Journal Asiatique, Volume 9, Issue 18, pages 451–453, 459–468
  45. Vallee Pussin (1917). The way to Nirvana: six lectures on ancient Buddhism as a discipline of salvation. Cambridge University Press. [S.l.: s.n.] pp. 24–25 
  46. Padmanabh Jaini 1980, pp. 217–236.
  47. a b Paul Dundas (2003). The Jains. Routledge. [S.l.: s.n.] pp. 14–16, 102–105. ISBN 978-0415266055 
  48. Padmanabh Jaini 1980, pp. 226-228.
  49. Kristi L. Wiley (2009). The A to Z of Jainism. Scarecrow. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8108-6337-8 
  50. Padmanabh Jaini 1980, pp. 227-228.
  51. Paul Dundas (2003). The Jains. Routledge. [S.l.: s.n.] pp. 104–105. ISBN 978-0415266055 
  52. Jeffery D Long (2013). Jainism: An Introduction. I.B.Tauris. [S.l.: s.n.] pp. 36–37. ISBN 978-0-85773-656-7 
  53. Paul Dundas (2003). The Jains. Routledge. [S.l.: s.n.] pp. 55–59. ISBN 978-0415266055 
  54. John E. Cort (2001). Jains in the World: Religious Values and Ideology in India. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 118–119. ISBN 978-0-19-803037-9 
  55. a b c d e Jeff Wilson (2010). Saṃsāra and Rebirth, in Buddhism. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 9780195393521. doi:10.1093/obo/9780195393521-0141 
  56. a b Kevin Trainor (2004). Buddhism: The Illustrated Guide. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 62–63. ISBN 978-0-19-517398-7 ; Quote: "Buddhist doctrine holds that until they realize nirvana, beings are bound to undergo rebirth and redeath due to their having acted out of ignorance and desire, thereby producing the seeds of karma".
  57. Edward Conze (2013). Buddhist Thought in India: Three Phases of Buddhist Philosophy. Routledge. [S.l.: s.n.] 71 páginas. ISBN 978-1-134-54231-4 , Quote: "Nirvana is the raison d’être of Buddhism, and its ultimate justification."
  58. Gethin, Rupert (1998), Foundations of Buddhism, ISBN 978-0192892232, Oxford University Press, p. 119 
  59. Paul Williams, Anthony Tribe, Buddhist thought: a complete introduction to the Indian tradition. Routledge, 2000, page 84.
  60. Merv Fowler (1999). Buddhism: Beliefs and Practices. Sussex Academic Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-898723-66-0 , Quote: "For a vast majority of Buddhists in Theravadin countries, however, the order of monks is seen by lay Buddhists as a means of gaining the most merit in the hope of accumulating good karma for a better rebirth."
  61. Christopher Gowans (2004). Philosophy of the Buddha: An Introduction. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-134-46973-4 
  62. Robert DeCaroli (2004). Haunting the Buddha: Indian Popular Religions and the Formation of Buddhism. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 94–103. ISBN 978-0-19-803765-1 
  63. Akira Sadakata (1997). Buddhist Cosmology: Philosophy and Origins. Kōsei Publishing 佼成出版社, Tokyo. [S.l.: s.n.] pp. 68–70. ISBN 978-4-333-01682-2 
  64. James Hastings; John Alexander Selbie; Louis Herbert Gray (1922). Volume 12: Suffering-Zwingli. T. & T. Clark. Col: Encyclopædia of Religion and Ethics. [S.l.: s.n.] pp. 616–618 
  65. Jessica Frazier & Gavin Flood 2011, pp. 84–86.
  66. Kusum P. Merh (1996). Yama, the Glorious Lord of the Other World. Penguin. [S.l.: s.n.] pp. 213–215. ISBN 978-81-246-0066-5 
  67. Anita Raina Thapan (2006). The Penguin Swami Chinmyananda Reader. Penguin Books. [S.l.: s.n.] pp. 84–90. ISBN 978-0-14-400062-3 
  68. Jessica Frazier; Gavin Flood (2011). The Continuum Companion to Hindu Studies. Bloomsbury Academic. [S.l.: s.n.] pp. 84–86. ISBN 978-0-8264-9966-0 
  69. Patrul Rinpoche; Dalai Lama (1998). The Words of My Perfect Teacher: A Complete Translation of a Classic Introduction to Tibetan Buddhism. Rowman Altamira. [S.l.: s.n.] pp. 95–96. ISBN 978-0-7619-9027-7 
  70. Yuvraj Krishan (1997). The Doctrine of Karma: Its Origin and Development in Brāhmaṇical, Buddhist, and Jaina Traditions. Bharatiya Vidya Bhavan. [S.l.: s.n.] pp. 17–27. ISBN 978-81-208-1233-8 
  71. Paul Williams, Anthony Tribe & Alexander Wynne 2012, pp. 30–42.
  72. Michael D. Coogan (2003). The Illustrated Guide to World Religions. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-19-521997-5 
  73. David Carpenter; Ian Whicher (2003). Yoga: The Indian Tradition. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-135-79606-8 
  74. Rita Langer (2007). Buddhist Rituals of Death and Rebirth: Contemporary Sri Lankan Practice and Its Origins. Routledge. [S.l.: s.n.] pp. 53–54. ISBN 978-1-134-15873-7 
  75. [a] Christmas Humphreys (2012). Exploring Buddhism. Routledge. [S.l.: s.n.] pp. 42–43. ISBN 978-1-136-22877-3  [b] Brian Morris (2006). Religion and Anthropology: A Critical Introduction. Cambridge University Press. [S.l.: s.n.] 51 páginas. ISBN 978-0-521-85241-8 , Quote: "(...) anatta is the doctrine of non-self, and is an extreme empiricist doctrine that holds that the notion of an unchanging permanent self is a fiction and has no reality. According to Buddhist doctrine, the individual person consists of five skandhas or heaps – the body, feelings, perceptions, impulses and consciousness. The belief in a self or soul, over these five skandhas, is illusory and the cause of suffering." [c] Richard Gombrich (2006). Theravada Buddhism. Routledge. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-134-90352-8 , Quote: "(...) Buddha's teaching that beings have no soul, no abiding essence. This 'no-soul doctrine' (anatta-vada) he expounded in his second sermon."
  76. [a] Anatta, Encyclopædia Britannica (2013), Quote: "Anatta in Buddhism, the doctrine that there is in humans no permanent, underlying soul. The concept of anatta, or anatman, is a departure from the Hindu belief in atman (“the self”)."; [b] Steven Collins (1994), Religion and Practical Reason (Editors: Frank Reynolds, David Tracy), State Univ of New York Press, ISBN 978-0791422175, page 64; "Central to Buddhist soteriology is the doctrine of not-self (Pali: anattā, Sanskrit: anātman, the opposed doctrine of ātman is central to Brahmanical thought). Put very briefly, this is the [Buddhist] doctrine that human beings have no soul, no self, no unchanging essence."; [c] Edward Roer (Translator), Shankara's Introduction no Google Livros to Brihad Aranyaka Upanishad, pages 2–4; [d] Katie Javanaud (2013), Is The Buddhist ‘No-Self’ Doctrine Compatible With Pursuing Nirvana?, Philosophy Now; [e] David Loy (1982), Enlightenment in Buddhism and Advaita Vedanta: Are Nirvana and Moksha the Same?, International Philosophical Quarterly, Volume 23, Issue 1, pages 65–74; [f] KN Jayatilleke (2010), Early Buddhist Theory of Knowledge, ISBN 978-8120806191, pages 246–249, from note 385 onwards;
  77. John C. Plott et al (2000), Global History of Philosophy: The Axial Age, Volume 1, Motilal Banarsidass, ISBN 978-8120801585, page 63, Quote: "The Buddhist schools reject any Ātman concept. As we have already observed, this is the basic and ineradicable distinction between Hinduism and Buddhism".
  78. Bruce M. Sullivan (1997). Historical Dictionary of Hinduism. Scarecrow. [S.l.: s.n.] pp. 235–236 (See: Upanishads). ISBN 978-0-8108-3327-2 
  79. Klaus K. Klostermaier (2007). A Survey of Hinduism: Third Edition. State University of New York Press. [S.l.: s.n.] pp. 119–122, 162–180, 194–195. ISBN 978-0-7914-7082-4 
  80. Kalupahana 1992, pp. 38-39.
  81. G Obeyesekere (1980). Wendy Doniger, ed. Karma and Rebirth in Classical Indian Traditions. University of California Press. [S.l.: s.n.] pp. 137–141. ISBN 978-0-520-03923-0 
  82. Libby Ahluwalia (2008). Understanding Philosophy of Religion. Folens. [S.l.: s.n.] pp. 243–249. ISBN 978-1-85008-274-3 
  83. Harold Coward; Julius Lipner; Katherine K. Young (1989). Hindu Ethics. State University of New York Press. [S.l.: s.n.] pp. 85–94. ISBN 978-0-88706-764-8 
  84. a b Naomi Appleton (2014). Narrating Karma and Rebirth: Buddhist and Jain Multi-Life Stories. Cambridge University Press. [S.l.: s.n.] pp. 76–89. ISBN 978-1-139-91640-0 
  85. Kristi L. Wiley (2004). Historical Dictionary of Jainism. Scarecrow. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-8108-5051-4 
  86. Kristi L. Wiley (2004). Historical Dictionary of Jainism. Scarecrow. [S.l.: s.n.] pp. 10–12, 111–112, 119. ISBN 978-0-8108-5051-4 
  87. Gananath Obeyesekere (2006). Karma and Rebirth: A Cross Cultural Study. Motilal Banarsidass. [S.l.: s.n.] pp. 107–108. ISBN 978-81-208-2609-0 ; Kristi L. Wiley (2004). Historical Dictionary of Jainism. Scarecrow. [S.l.: s.n.] pp. 118–119. ISBN 978-0-8108-5051-4 
  88. John E. Cort (2001). Jains in the World: Religious Values and Ideology in India. Oxford University Press. [S.l.: s.n.] pp. 118–123. ISBN 978-0-19-803037-9 
  89. Schibli, S., Hermann, Pherekydes of Syros, p. 104, Oxford Univ. Press 2001
  90. "The dates of his life cannot be fixed exactly, but assuming the approximate correctness of the statement of Aristoxenus (ap. Porph. V.P. 9) that he left Samos to escape the tyranny of Polycrates at the age of forty, we may put his birth round about 570 BCE, or a few years earlier. The length of his life was variously estimated in antiquity, but it is agreed that he lived to a fairly ripe old age, and most probably he died at about seventy-five or eighty." William Keith Chambers Guthrie, (1978), A history of Greek philosophy, Volume 1: The earlier Presocratics and the Pythagoreans, page 173. Cambridge University Press
  91. Lebedev, Andrei V. (2015). «The Theogony of Epimenides of Crete and the origin of the Orphic-Pythagorean doctrine of reincarnation». Indo-European Linguistics and Classical Philology. 19 
  92. Vassallo, Christian (8 de outubro de 2019). Presocratics and Papyrological Tradition: A Philosophical Reappraisal of the Sources. Proceedings of the International Workshop held at the University of Trier (22-24 September 2016) (em inglês). [S.l.]: Walter de Gruyter GmbH & Co KG 
  93. Empédocles. Fragmento 117. «Empedocles | Internet Encyclopedia of Philosophy». www.iep.utm.edu. Consultado em 7 de fevereiro de 2020
  94. Empédocles. Fragmento 115. «Empedocles | Internet Encyclopedia of Philosophy». www.iep.utm.edu. Consultado em 7 de fevereiro de 2020
  95. Linforth, Ivan M. (1941) The Arts of Orpheus Arno Press, New York,
  96. Long, Herbert S. (1948) A Study of the doctrine of metempsychosis in Greece, from Pythagoras to Plato (Long's 1942 Ph.D. dissertation) Princeton, New Jersey,
  97. Long, Herbert S. (16 February 1948) "Plato's Doctrine of Metempsychosis and Its Source" The Classical Weekly 41(10): pp. 149—155
  98. Menandro, A Mulher Inspirada
  99. Luciano, Gallus, 18 et seq.
  100. Poesch, Jessie (1962) "Ennius and Basinio of Parma" Journal of the Warburg and Courtauld Institutes 25(1/2): pp. 116—118, page 117, FN15
  101. Lucretius, (i. 124)
  102. Horácio, Epístolas, II. i. 52
  103. Virgílio, A Eneida, vv. 724 et seq.
  104. O livro Reincarnation in Christianity, pelo teosofista Geddes MacGregor (1978) afirmou que Orígenes acreditava na reencarnação. MacGregor está convencido de que Orígenes acreditou e ensinou sobre reencarnação, mas que seus textos escritos sobre o assunto foram destruídos. Ele admite que não há provas existentes para essa posição. A alegação também foi repetida por Shirley MacLaine em seu livro Out On a Limb. Orígenes discute o conceito de transmigração (metensomatose) da filosofia grega, mas afirma-se repetidamente que esse conceito não faz parte do ensino ou das escrituras cristãs em seu Comentário sobre o Evangelho de Mateus (que sobrevive apenas em uma tradução em latim do século VI): "In this place [when Jesus said Elijah was come and referred to John the Baptist] it does not appear to me that by Elijah the soul is spoken of, lest I fall into the doctrine of transmigration, which is foreign to the Church of God, and not handed down by the apostles, nor anywhere set forth in the scriptures" (13:1:46–53, ver Commentary on Matthew, Book XIII
  105. Muito disso foi documentado no livro de R. E. Slater Paradise Reconsidered.
  106. Richard Foltz, Religions of the Silk Road, New York: Palgrave Macmillan, 2010
  107. Julius Caesar, "De Bello Gallico", VI
  108. Essential Judaism: A Complete Guide to Beliefs, Customs & Rituals, By George Robinson, Simon and Schuster 2008, page 193
  109. "Mind in the Balance: Meditation in Science, Buddhism, and Christianity", p. 104, by B. Alan Wallace
  110. "Between Worlds: Dybbuks, Exorcists, and Early Modern Judaism", p. 190, by J. H. Chajes
  111. Jewish Tales of Reincarnation', By Yonasson Gershom, Yonasson Gershom, Jason Aronson, Incorporated, 31 Jan 2000
  112. Yonasson Gershom (1999), Jewish Tales of Reincarnation. Northvale, NJ: Jason Aronson.
  113. «Newadvent.org». Newadvent.org 
  114. Steven Runciman, The Medieval Manichee: A Study of the Christian Dualist Heresy, 1982, ISBN 0-521-28926-2, Cambridge University Press, The Bogomils, Google Books
  115. Por exemplo Dondaine, Antoine. O.P. Un traite neo-manicheen du XIIIe siecle: Le Liber de duobus principiis, suivi d'un fragment de rituel Cathare (Rome: Institutum Historicum Fratrum Praedicatorum, 1939)
  116. «Newadvent.org». Newadvent.org 
  117. Ogren, Brian (2004). «Circularity, the Soul-Vehicle, and the Renaissance Rebirth of Reincarnation: Marsilio Ficino and Isaac Abarbanel on the Possibility of Transmigration». Accademia: Revue de la Societe Marsile Ficin (em inglês). VI: 63-94 
  118. Ogren, Brian (2009). Renaissance and rebirth : reincarnation in early modern Italian kabbalah. [S.l.]: Brill. OCLC 349248339 
  119. Yates, Frances (3 de abril de 2014). Giordano Bruno and the Hermetic Tradition (em inglês). [S.l.]: Taylor & Francis 
  120. Knox, Dilwyn (2019). Zalta, Edward N., ed. «Giordano Bruno». Metaphysics Research Lab, Stanford University 
  121. Debus, Allen George (15 de agosto de 2002). The French Paracelsians: The Chemical Challenge to Medical and Scientific Tradition in Early Modern France (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  122. Marx, Jacques (1971). «Alchimie et Palingénésie». Isis. 62 (3): 275–289. ISSN 0021-1753 
  123. Coudert, A. P. (14 de março de 2013). Leibniz and the Kabbalah (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media 
  124. Hutton, Sarah (7 de outubro de 2004). Anne Conway: A Woman Philosopher (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press 
  125. Conway, Anne (1692). The Principles of the Most Ancient and Modern Philosophy. Londres.
  126. a b Stableford, Brian (6 de setembro de 2006). «Palingenesis». Science Fact and Science Fiction: An Encyclopedia (em inglês). [S.l.]: Routledge 
  127. a b McCalla, Arthur (1994). «Palingenesie Philosophique to Palingenesie Sociale: From a Scientific Ideology to a Historical Ideology». Journal of the History of Ideas. 55 (3): 421–439. ISSN 0022-5037. doi:10.2307/2709848 
  128. a b McCalla, Arthur (1 de janeiro de 1998). «Palingenesis». A Romantic Historiosophy: The Philosophy of History of Pierre-Simon Ballanche (em inglês). [S.l.]: BRILL 
  129. Bonnet, Charles. (1769). Palingénesie philosophique. Citado em McCalla, Arthur (1 de janeiro de 1998). «Palingenesis». A Romantic Historiosophy: The Philosophy of History of Pierre-Simon Ballanche (em inglês). [S.l.]: BRILL
  130. a b c d e f Sharp, Lynn L. (22 de setembro de 2006). «Romantic Reincarnation and Social Reform». Secular Spirituality: Reincarnation and Spiritism in Nineteenth-Century France (em inglês). [S.l.]: Lexington Books 
  131. Pezzani, André. (1865). La Pluralité des Existences de L'Ame. Paris: Didier et. Cie.
  132. Beecher, Jonathan (11 de fevereiro de 2001). Victor Considerant and the Rise and Fall of French Romantic Socialism (em inglês). [S.l.]: University of California Press 
  133. Em uma carta a seu amigo George Whatley escrita em 23 de maio. Kennedy, Jennifer T. (2001). «Death Effects: Revisiting the Conceit of Franklin's "Memoir"». Early American Literature. 36 (2): 201–234. ISSN 0012-8163
  134. a b Berger, Arthur S.; Berger, Joyce. The Encyclopedia of Parapsychology and Psychical Research. [S.l.: s.n.] ISBN 1-55778-043-9 
  135. Schopenhauer, A: "Parerga und Paralipomena" (Eduard Grisebach edition), On Religion, Section 177
  136. Nietzsche and the Doctrine of Metempsychosis, in J. Urpeth & J. Lippitt, Nietzsche and the Divine, Manchester: Clinamen, 2000
  137. «Shirleymaclaine.com» 
  138. David Hammerman, Lisa Lenard, The Complete Idiot's Guide to Reincarnation, Penguin, p.34. For relevant works by James, see; William James, Human Immortality: Two Supposed Objections to the Doctrine (the Ingersoll Lecture, 1897), The Will to Believe, Human Immortality (1956) Dover Publications,, The Varieties of Religious Experience: A Study in Human Nature (1902),, Essays in Radical Empiricism (1912) Dover Publications 2003,
  139. Richmal Crompton, More William, George Newnes, London, 1924, XIII. William and the Ancient Souls; "The memory usually came in a flash. For instance, you might remember in a flash when you were looking at a box of matches that you had been Guy Fawkes."
  140. Marquis, "Archy and Mehitabel" (1927)
  141. Théodore Flournoy, Des Indes à la planète Mars, Étude sur un cas de somnambulisme avec glossolalie, Éditions Alcan et Eggimann, Paris et Genève, 1900
  142. «Shirleymaclaine.com» 
  143. St. Jerome. "To Avitus" (Letter 124). Translated by W.H. Fremantle, G. Lewis and W.G. Martley. From Nicene and Post-Nicene Fathers, Second Series, Vol. 6. Edited by Philip Schaff and Henry Wace. (Buffalo, NY: Christian Literature Publishing Co., 1893.) Revised and edited for New Advent by Kevin Knight. <http://www.newadvent.org/fathers/3001124.htm>
  144. MacGregor, Geddes. Reincarnation in Christianity (1978)
  145. a b «Artigo sobre o Concílio de Constantinopla - Vivaldo J. de Araújo». Consultado em 27 de março de 2006. Arquivado do original em 26 de fevereiro de 2006 
  146. Seabrook, W. B., Adventures in Arabia, Harrap and Sons 1928, (chapters on Druze religion)
  147. Dwairy, Marwan (2006) "The Psychosocial Function Of Reincarnation Among Druze In Israel" Culture, Medicine and Psychiatry, page 29 – 53
  148. Dwairy, Marwan (2006) "The Psychosocial Function Of Reincarnation Among Druze In Israel" Culture, Medicine and Psychiatry, page 29 – 53
  149. Lewis, James. The Encyclopedia of Cults, Sects, and New Religions. [S.l.: s.n.] ISBN 1615927387 
  150. Sha'ar Ha'Gilgulim, The Gate of Reincarnations, Chaim Vital
  151. «Limmud Bay Area 2016: Judaism and Reincarnation». limmudbayarea2016.sched.com 
  152. Antonia Mills and Richard Slobodin (ed.). Amerindian Rebirth: Reincarnation Belief Among North American Indians and Inuit. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0802077035 
  153. «Tales and Traditions of the Eskimo». adapted by Weimer, Christopher, M. 
  154. Stevenson, Ian 1918-2007 Verfasser (2009). Twenty cases suggestive of reincarnation. [S.l.]: Univ. of Virginia Press. ISBN 9780813908724. OCLC 1075437197 
  155. Jefferson, Warren (2008). Reincarnation beliefs of North American Indians : soul journeys, metamorphoses, and near-death experiences. [S.l.]: Native Voices. ISBN 1-57067-212-1 
  156. Souza, Marcos (31 de outubro de 2016). «Site Revista Superinteressante». Consultado em 1 de janeiro de 2016 
  157. a b c d Haraldsson, Erlendur. Memórias de uma vida passada?. Rev. psiquiatr. clín. vol.41 no.1 São Paulo 2014
  158. University Of Virginia - Division of Perceptual Studies - Children Who Claim to Remember Previous Lives
  159. Edelmann, J. Setting Criteria for Ideal Reincarnation Research Journal of Consciousness Studies Arquivado em 28 de julho de 2012, no Wayback Machine. , 14, No. 12, 2007, pp. 92–101.
  160. Tucker, Jim. Ian Stevenson and Cases of the Reincarnation Type. Arquivado em 23 de agosto de 2014, no Wayback Machine. Journal of Scientific Exploration, Vol. 22, No. 1, pp. 36–43, 2008.
  161. Wells, Amber D. Reincarnation beliefs among near-death experiencers. Journal of Near-Death Studies, Vol 12(1), 1993, 17-34.
  162. Bassham, Gregory (2004). Critical Thinking: A Student's Introduction. McGraw-Hill, p. 485. ISBN 0-07-287959-9
  163. «Scientific Evidence Supporting Near-Death Experiences and the Afterlife». www.near-death.com 
  164. «People Have Near-Death Experiences While Brain Dead». www.near-death.com 
  165. The Daily Telegraph, February 12, 2007.
  166. Stanford, Rex. Ian Stevenson: A Man from Whom We Should Learn Arquivado em 7 de maio de 2012, no Wayback Machine., Journal of Scientific Exploration, Vol. 22, No. 1, pp. 120–124, 2008.
  167. Tucker, Jim. Ian Stevenson and Cases of the Reincarnation Type. Arquivado em 23 de agosto de 2014, no Wayback Machine. Journal of Scientific Exploration, Vol. 22, No. 1, pp. 36–43, 2008.
  168. Ian Stevenson; Sought To Document Memories Of Past Lives in Children
  169. The Parapsychological Association - Who is Erlendur Haraldsson?
  170. [1]
  171. Tucker, Jim B.(2005) Life Before Life: A Scientific Investigation of Children’s Memories of Previous Lives, St. Martin´s Press, ISBN 0-312-32137-6[fonte confiável?]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]