Elisabeth Kübler-Ross

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Elisabeth Kübler-Ross
Nascimento 8 de julho de 1926
Zurique
Morte 24 de agosto de 2004 (78 anos)
Scottsdale
Cidadania Estados Unidos, Suíça
Alma mater Universidade de Zurique, Universidade do Colorado em Boulder, Universidade do Colorado
Ocupação psiquiatra, ensaísta
Prêmios National Women’s Hall of Fame
Empregador Universidade de Chicago
Magnum opus Modelo de Kübler-Ross

Elisabeth Kübler-Ross, M.D. (8 de julho de 192624 de agosto de 2004) foi uma psiquiatra que nasceu na Suíça. Ela é a autora do livro On Death and Dying, no qual ela apresenta o conhecido Modelo de Kübler-Ross. Após uma série de derrames cerebrais, Elisabeth faleceu aos 78 anos em Scottsdale, Arizona. Em 2007 ela foi eleita para o National Women's Hall of Fame dos Estados Unidos.[1]

A publicação de seu livro mais famoso em 1969 On Death and Dying (Sobre a morte e o morrer) marcou o rumo de seu trabalho, enriquecido posteriormente com contribuições de especialistas de uma área específica da profissão médica, a tanatologia. Nesse livro, ela identifica fases nos períodos que antecedem a morte e cria métodos para médicos, enfermeiros e familiares acompanharem e ajudarem um paciente gravemente enfermos. Neste livro, Elisabeth não pretendeu criar um modelo rígido para os estágios do processo do morrer, mas simplesmente dar voz a pacientes que tinham doenças graves, a fim de que tivessem reconhecido o seu verdadeiro lugar na sociedade.

Elisabeth foi pioneira no tratamento de pacientes em estado terminal, no âmbito dos Estados Unidos da América e de diversos países do mundo, sendo reconhecida por líderes mundiais no campo, como Dame Cicely Saunders, Dr. Balfour Mount e Florence Wald[2]. Ela deu o impulso para a criação de sistema de Hospices específicos para pessoas gravemente doentes nos Estados Unidos, que são estabelecimentos para internar e cuidar de pacientes em estágio terminal.

Na década de 1970, reivindicou o direito de crianças e adolescentes de receberem cuidados paliativos de qualidade, tendo trabalhado por anos exclusivamente com crianças gravemente enfermas e suas famílias[3]. Ainda durante a década de 1970, iniciou uma série de workshops intitulados Life, Death and Transtion, para ajudar pacientes, famílias e pessoas enlutadas a encontrar sentido, dignidade e paz em suas vidas. Esses workshops foram oferecidos nos Estados Unidos e em diversos países do mundo, com a ajuda do time de profissionais que Elisabeth treinou[4].

Na década de 1980, Elisabeth Kübler-Ross dedicou-se a cuidar de pacientes com HIV/AIDS, lutando para melhorar a qualidade de vida deles, em uma época em que se desconhecia exatamente os meios de controlar a doença[5]. Na década de 1990, como desejava abrir na Virgínia um Hospice para crianças com HIV/AIDS, em sua própria fazenda, mas teve seus planos frustrados em virtude de um incêndio, com forte suspeita da participação de alguns grupos de moradores locais que não desejavam a abertura do estabelecimento[6].

No final de sua carreira, Elisabeth dedicou sua pesquisa à verificação da suposta "vida após a morte", fazendo, com sua equipe, milhares de entrevistas com pessoas que relataram experiências de uma suposta morte (pessoas que morreram por alguns instantes e voltaram), também chamadas de experiências de quase morte (EQM). Esse novo interesse da especialista na época foi recebido com ceticismo pela maioria dos cientistas e médicos.

Recebeu mais de 20 títulos de doutorado honoris causa, sendo reconhecida em diversas universidades em todo o mundo como uma autoridade nos estudos sobre a morte e o morrer[7]. Atualmente, a Elisabeth Kübler-Ross Foundation (EKR Foundation) representa o seu legado em todo o mundo, tendo em diversos países, e também no Brasil, uma filial da EKR Foundation, que tem por finalidade difundir o legado da vida de Elisabeth Kübler-Ross[8].

Recentemente, parte dos arquivos pessoais de Elisabeth Kübler-Ross foi doado pela EKR Foundation à Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford, incluindo-se cartas pessoais, artigos de jornais, manuscritos inéditos da história do Movimento Hospice, além de centenas de outros itens[9].

Obras[editar | editar código-fonte]

  • KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a Morte e o Morrer. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1969.
  • KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Morte – estágio final da evolução. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 1975.
  • KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Perguntas e respostas sobre a Morte e o Morrer. São Paulo: Martins Fontes, 1979.
  • KÜBLER-ROSS, Elizabeth. A morte: um amanhecer. São Paulo: Pensamento, 1991. [10]
  • KÜBLER-ROSS, Elisabeth. A roda da vida: memórias do viver e do morrer. Rio de Janeiro: GMT, 1998.

Referências

  1. «Elisabeth Kübler-Ross». Women of the Hall. National Women's Hall of Fame. Arquivado do original em 3 de janeiro de 2008 
  2. ROSS, Ken (2009). Tea with Elisabeth: tributes to hospice pioneer Dr. Elisabeth Kübler-Ross. Arizona: Quality Of Life Publishing Co. 243 páginas 
  3. KüBLER-ROSS, Elisabeth (1997). On children and death. New York: Scribner. 271 páginas 
  4. KüBLER-ROSS, Elisabeth (1997). Working in Through. New York: Simon & Schuster. 167 páginas 
  5. KüBLER-ROSS, Elisabeth (1987). Aids: the ultimate challenge. New York: Macmillan Pub Co. 329 páginas 
  6. KüBLER-ROSS, Elisabeth (1998). A roda da vida. Rio de Janeiro: Sextante. 320 páginas 
  7. «Honorary Degrees». Elisabeth Kübler-Ross Foundation. Consultado em 01 de março de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. «Internacional Chapters». Elisabeth Kübler-Ross Foundation. Consultado em 01 de maio de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  9. «What the Elisabeth Kübler-Ross Arquives means to the department of medicine». Stanford University. Consultado em 01 de março de 2020  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  10. Lanzellotti, Maria de Lourdes (2003). A morte: um amanhecer. [S.l.]: Editora Pensamento. 110 páginas. ISBN 9788531509551 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.