Elizabeth d'Espérance

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Elisabeth d'Espérance, nascida Elizabeth Hope mas melhor conhecida como Mme. D'Espérance (Inglaterra, 1855 - Alemanha, 20 de Julho de 1918), foi uma médium de efeitos físicos e escritora inglesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha de um comandante de navio, passou a infância num velho casarão no Leste de Londres, que no passado pertencera à família Crommwell. Foi nesse período que começou a ver os espíritos que circulavam no imóvel, mas que ninguém mais via, desacreditando-a e censurando-a por essas referências.

Na adolescência, entre os 13 e os 14 anos de idade, o fenómeno levou a que vivenciasse dificuldades de relacionamento com a sua mãe (que a julgava louca), o que lhe abalou a saúde. O retorno do pai nesse período levou a que, diante da sua palidez e magreza, este a levasse consigo no navio em uma viagem ao Mediterrâneo.

Ao final dessa viagem, a jovem vivenciou uma vez mais o fenómeno, visualisando um veleiro fantasma que atravessou o navio do pai, deixando-a em pânico, no primeiro momento, e depois deprimida, diante da incredulidade do pai e da da tripulação.

Após o retorno, a jovem passou dois anos na escola, período durante o qual não registrou visões. Ao final do período, necessitando, como as demais alunas, concluir as suas tarefas e preparar-se para os exames finais. Uma das tarefas era uma composição com o tema "O que é a Natureza", acerca da qual a jovem não conseguia inspiração. Nas vésperas do dia da entrega, sem ter concluido o trabalho, tentou passar em noite escrevendo-a, sem conseguir. Na manhã seguinte, ao acordar, encontrou-a pronta, com a sua letra, inexplicavelmente.

Aos 19 anos de idade foi desposada pelo Sr. Reed (1874, passando o casal a residir em Newcastle upon Tyne. Isolada na nova residência, com a companhia do marido e de um ou outro visitante, passou a conviver com as visões, o que muito a angustiou. Nesta época, ouviu falar no espiritismo e nas mesas girantes, por intermédio de um casal amigo.

Encontrando-se a sua mãe doente, necessitando submeter-se a uma cirurgia, Elizabeth encontrava-se há algum tempo sem notícias do pai, cujo conselho urgente necessitava acerca do melhor tratamento para a mãe. Consultada a mesa, esta informou corretamente o paradeiro do pai, fornecendo inclusive o nome da embarcação a bordo da qual se encontrava (o "Lizzie Morton" em Swansea).

Posteriormente, outros fenómenos se registraram, tornando-se patetente a mediunidade de Mme. D'Espérance. Em busca de um modo mais rápido de comunicações, o que melhor resultado produziu foi a psicografia, passando nesta etapa a identificar-se os espíritos que acompanhavam aquele grupo familiar de estudos.

Com o domínio da psicografia, D'Esperance começou a perceber figuras luminosas no ambiente, que começou a desenhar. Tendo a notícia se espalhado na comunidade, diversas pessoas procuraram assistir às sessões, na esperança de obterem retratos dos parentes e amigos falecidos. Entre estes, destacou-se Thomas P. Barkas[1] , passando a inquirir os espíritos sobre assuntos científicos. O nível das respostas era, muitas vezes, superior ao do próprio Barkas. Sobre essas experiências, Barkas registrou:

"Deve ser geralmente admitido que ninguém pode, por um esforço normal, responder com detalhes, a perguntas críticas obscuras em muitos setores difíceis da ciência com que não se é familiarizado. Além disso, deve-se admitir-se que ninguém pode ver normalmente e desenhar com minuciosa precisão em completa obscuridade; que ninguém pode, por meios normais de visão, ler o conteúdo de uma carta fechada, no escuro; que ninguém, que ignore a língua alemã, possa escrever com rapidez e exatidão longas comunicações em alemão. Entretanto, todos esses fenômenos foram verificados com essa médium e são tão acreditados quanto as ocorrências normais da vida diária."

Devido à perda dos pais e a uma série de problemas domésticos, a saúde da médium foi uma vez mais abalada. Para recuperar, viajou para o Sul da França, conseguindo-o. No regresso, dirigiu-se à Suécia para visitar um casal membro do seu antigo grupo de estudos, com quem se dirigiu a Leipzig, na Alemanha, onde conheceu o Prof. Friedrich Zöllner. Graças a um incidente quando pretendia regressar à Inglaterra, passou algum tempo em Breslau, onde conheceu um amigo do Prof. Zöllner, o Prof. Friese.

De volta a Londres, reconstituiu o seu grupo, retomando as experiências. Neste novo ciclo, em câmara escura, passou a produzir-se ectoplasma, reproduzindo-se formas humanas. Foram produzidos ainda aportes de plantas e flores vivas e inteiras.

Mme. d’Espérance publicou muitos artigos na imprensa espiritualista. Três anos após ter publicado a sua auto-briografia ("Shadow Land"), publicou "Northern Lights".

Adoeceu gravemente após um acidente em 1893 durante uma sessão em Helsínquia, na Finlândia, quando um pesquisador agarrou de súbito o espírito "Yolanda" materializado, na ânsia de comprovar a existência de fraude no fenómeno. A súbita desmaterialização do espírito e o reflexo decorrente no organismo da médium deixaram sequelas.

Com a eclosão da Primeira Guerra Mundial, encontrando-se a residir na Alemanha, viu-se praticamente prisioneira. Todos os seus papéis foram confiscados, inclusive o manuscrito de um segundo volume do "Shadow Land", aparentemente destruído.

Madame D'esperança é a autora espiritual do romance "A Noiva", ditado ao médium Jairo Avellar.

Experiências científicas sobre a mediunidade[editar | editar código-fonte]

Durante sua vida, Mme. D'Espérance teve sua mediunidade estudada por diferentes pequisadores. Dr. William Oxley conseguiu cultivar por três meses uma planta materializada pela médium, que permaneceu durante esse tempo dentro de uma estufa. Outros estudos foram realizados por Alexander Aksakof e pelo prof. Butlerof, catedrático de Química da Universidade de São Petersburgo, todos obtendo resultados satisfatórios de acordo com suas intenções.[2]

Notas

  1. Que em 1862 pesquisara a mediunidade de Charles Foster.
  2. LUCENA, Antônio de Souza e GODOY, Paulo Alves. Personagens do Espiritismo (Do Brasil e de Outras Terras). 2ª ed., São Paulo: Edições FEESP, 1997. Pág. 61.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AKSAKOF, Alexander. Um Caso de Desmaterialização. Rio de Janeiro: FEB.
  • ANDRADE, Hernani Guimarães. Elizabeth d'Espérance. Revista de Espiritismo, n° 40, Julho/Setembro, 1998.
  • CARNEIRO, Victor Ribas. ABC do Espiritismo (5a. ed.). Curitiba (PR): Federação Espírita do Paraná, 1996. 223p. ISBN 85-7365-001-X p. 217-221.
  • ESPÉRANCE, Elizabeth d'. No País das Sombras. Rio de Janeiro: FEB.
  • OWEN, Alex. The Darkened Room. Londres: Virago, 1989.
  • OXLEY, William. Angelic Revelations.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.