Brian David Josephson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Brian David Josephson Medalha Nobel
Nascimento 4 de janeiro de 1940 (81 anos)
Cardiff
Residência Reino Unido
Nacionalidade britânico
Cidadania Reino Unido
Alma mater Trinity College, Universidade de Cambridge
Ocupação físico, professor universitário
Prêmios Prêmio Memorial Fritz London (1970), Guthrie Medal and Prize (1972), Medalha Hughes (1972), Medalha Elliott Cresson (1972),[1] Nobel prize medal.svg Nobel de Física (1973), Prêmio Holweck (1973), Medalha Faraday (1982)
Empregador Universidade de Illinois em Urbana-Champaign
Página oficial
http://www.tcm.phy.cam.ac.uk/~bdj10/
Instituições Universidade de Cambridge, Trinity College (Cambridge)
Campo(s) física

Brian David Josephson (Cardiff, 4 de janeiro de 1940) é um físico britânico. é um físico teórico galês e professor emérito de física na Universidade de Cambridge. Mais conhecido por seu trabalho pioneiro em supercondutividade e tunelamento quântico, ele recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1973 por sua previsão do efeito Josephson, feita em 1962 quando ele era um estudante de PhD de 22 anos na Universidade de Cambridge. Josephson é o único galês a receber o Prêmio Nobel de Física. Ele dividiu o prêmio com os físicos Leo Esaki e Ivar Giaever, que em conjunto receberam metade do prêmio por seu próprio trabalho em tunelamento quântico.[2][3]

Josephson passou sua carreira acadêmica como membro do grupo Teoria da Matéria Condensada no Laboratório Cavendish de Cambridge. Ele é membro do Trinity College, Cambridge desde 1962, e serviu como professor de física de 1974 a 2007.[2]

No início dos anos 1970, Josephson começou a Meditação Transcendental e voltou sua atenção para questões fora dos limites da ciência convencional. Ele montou o Projeto de Unificação Mente-Matéria em Cavendish para explorar a ideia de inteligência na natureza, a relação entre a mecânica quântica e a consciência e a síntese da ciência e do misticismo oriental, amplamente conhecido como misticismo quântico.[4] Ele expressou apoio a tópicos como parapsicologia, memória da água e fusão a frio, o que o tornou um foco de críticas de outros cientistas.[2][3]

Referências

  1. «Laureates» (pdf) (em inglês). The Franklin Institute. Consultado em 1 de julho de 2015. Cópia arquivada em 1 de julho de 2015 
  2. a b c "Brian D. Josephson", Encyclopædia Britannica.
  3. a b Glorfeld, Jeff. «Science history: The man attempting to merge physics and the paranormal». cosmosmagazine.com 
  4. "Mind–Matter Unification Project (TCM Group, Cavendish Laboratory)", University of Cambridge. Brian Josephson, "Foreword," in Michael A. Thalbourne and Lance Storm (eds.), Parapsychology in the Twenty-First Century: Essays on the Future of Psychical research, McFarland, 2005, pp. 1–2. Brian Josephson, "We Think That We Think Clearly, But That's Only Because We Don't Think Clearly," in Patrick Colm Hogan and Lalita Pandit (eds.), Rabindranath Tagore: Universality and Tradition, Fairleigh Dickinson University Press, 2003, pp. 107–115. Jessica Utts and Brian Josephson, "Do you believe in psychic phenomena? Are they likely to be able to explain consciousness?", Times Higher Education, 8 April 1996.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Robert Hanbury Brown
Medalha Hughes
1972
Sucedido por
Peter Hirsch
Precedido por
John Bardeen, Leon Neil Cooper e John Robert Schrieffer
Nobel de Física
1973
com Leo Esaki e Ivar Giaever
Sucedido por
Martin Ryle e Antony Hewish


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Brian David Josephson