Syukuro Manabe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Syukuro Manabe
Nascimento 21 de setembro de 1931
Shinritsu
Residência Japão, Estados Unidos
Cidadania Japão, Estados Unidos
Alma mater
Ocupação earth scientist
Prêmios
Empregador Administração Oceânica e Atmosférica Nacional, Universidade de Princeton
Obras destacadas modelo de circulação geral

Syukuro "Suki" Manabe (真鍋 淑郎 Manabe Shukurō?, Ehime, 21 de setembro de 1931) é um meteorologista e climatologista nipo-estadunidense, pioneiro no uso de computadores para simular mudanças climáticas globais e variações naturais do clima. Recebeu o Nobel de Física de 2021, juntamente com Klaus Hasselmann e Giorgio Parisi, por contribuições inovadoras para a "modelagem física do clima da Terra, quantificação da variabilidade e previsão confiável do aquecimento global".[1]

Realizações científicas[editar | editar código-fonte]

Trabalhaou no Geophysical Fluid Dynamics Laboratory da NOAA, primeiro em Washington, DC e depois em Princeton, Nova Jersey, Manabe trabalhou com o diretor Joseph Smagorinsky para desenvolver modelos tridimensionais da atmosfera. Como primeira etapa, Manabe e Wetherald (1967) desenvolveram um modelo unidimensional de coluna única da atmosfera em equilíbrio convectivo-radiativo com efeito de feedback positivo do vapor de água. Usando o modelo, eles descobriram que, em resposta à mudança na concentração atmosférica de dióxido de carbono, a temperatura aumenta na superfície da Terra e na troposfera, enquanto diminui na estratosfera. O desenvolvimento do modelo radiativo-convectivo foi um passo criticamente importante para o desenvolvimento de um modelo abrangente de circulação geral da atmosfera (Manabe et al. 1965). Eles usaram o modelo para simular pela primeira vez a resposta tridimensional da temperatura e do ciclo hidrológico ao aumento do dióxido de carbono (Manabe e Wetherald, 1975). Em 1969, Manabe e Bryan publicaram as primeiras simulações do clima por modelos oceano-atmosfera acoplados, nos quais o modelo de circulação geral da atmosfera é combinado com o do oceano. Ao longo da década de 1990, no início dos anos 2000, o grupo de pesquisa de Manabe publicou artigos seminais usando os modelos oceânicos de atmosfera acoplados para investigar a resposta do clima às mudanças nas concentrações de gases de efeito estufa na atmosfera (Stouffer et al., 1989; Manabe et al., 1991 e 1992). Eles também aplicaram o modelo ao estudo das mudanças climáticas anteriores, incluindo o papel da entrada de água doce no Oceano Atlântico Norte como uma causa potencial da chamada mudança climática abrupta evidente no registro paleoclimático (Manabe e Stouffer, 1995 e 2000)[2] Consulte o livro 'Beyond Global Warming' (Manabe and Broccoli, 2020) para obter detalhes.[3] Para citações online, consulte Publicações selecionadas na seção "Publicações selecionadas".

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Manabe é membro da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos e membro estrangeiro da Academia Europaea e da Sociedade Real do Canadá.

Recebeu a Medalha Carl-Gustaf Rossby de 1992, o Prêmio Asahi de 1995, o Prêmio Ambiental Volvo de 1997 e o Prêmios Fundação BBVA Fronteiras do Conhecimento de 2016. Recebeu o Prêmio Crafoord de 2018 em geociências juntamente com Susan Solomon "por contribuições fundamentais para a compreensão do papel dos gases traço atmosféricos no sistema climático da Terra".[4]

Recebeu o Nobel de Física de 2021 "pela modelagem física do clima da Terra, quantificando a variabilidade e prevendo com segurança o aquecimento global".[5]

Publicações selecionadas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «All Nobel Prizes in Physics». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2021 
  2. Manabe, S. and A. J. Broccili. 2020. Beyond Global Warming: How Numerical Models Revealed the Secrets of Climate Change. Princeton, NJ: Princeton University Press.
  3. Stouffer, Ronald J.; Manabe, Syukuro (1 de agosto de 1999). «Response of a Coupled Ocean–Atmosphere Model to Increasing Atmospheric Carbon Dioxide: Sensitivity to the Rate of Increase». Journal of Climate. 12 (8): 2224–2237. Bibcode:1999JCli...12.2224S. CiteSeerX 10.1.1.143.8265Acessível livremente. ISSN 0894-8755. doi:10.1175/1520-0442(1999)012<2224:ROACOA>2.0.CO;2. Consultado em 5 de outubro de 2021 
  4. «Crafoord Prize 2018». Crafoordprize.se. Consultado em 5 de outubro de 2021 
  5. «The Nobel Prize in Physics 2021». NobelPrize.org. 5 de outubro de 2021. Consultado em 5 de outubro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]