Klaus Hasselmann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Klaus Hasselmann
Nascimento 25 de outubro de 1931
Hamburgo
Cidadania Alemanha
Progenitores
  • Erwin Hasselmann
Alma mater
Ocupação físico, meteorologista, professor universitário, oceanógrafo
Prêmios
Empregador Universidade de Hamburgo, Sociedade Max Planck, Max Planck Institute for Meteorology, German Climate Computing Centre
Página oficial
https://mpimet.mpg.de/en/staff/externalmembers/klaus-hasselmann

Klaus Hasselmann (Hamburgo, 25 de outubro de 1931)[1] é um oceanógrafo e modelador climático alemão. É provavelmente mais conhecido por desenvolver o modelo de Hasselmann[2][3] de variabilidade climática, onde um sistema com longa memória (o oceano) integra forçantes estocásticas, transformando assim um sinal de ruído branco em um ruído vermelho, explicando assim (sem suposições especiais) os onipresentes sinais de ruído vermelho vistos no clima. Recebeu o Nobel de Física de 2021 juntamente com Syukuro Manabe e Giorgio Parisi, por contribuições inovadoras para a "modelagem física do clima da Terra, quantificação da variabilidade e previsão confiável do aquecimento global" e "compreensão de sistemas complexos".[4]

Experiência profissional e pesquisa climática[editar | editar código-fonte]

Hasselmann publicou artigos sobre dinâmica do clima, processos estocásticos, ondas do mar, sensoriamento remoto e estudos de avaliação integrada.

Sua reputação na oceanografia foi fundada principalmente em um conjunto de artigos sobre interações não lineares nas ondas do oceano. Nestes, ele adaptou o formalismo do diagrama de Feynman aos clássicos campos de ondas aleatórias. Posteriormente foram descobertas aplicação de técnicas semelhantes às ondas de plasma, e que ele redescobrira alguns resultados de Rudolf Peierls explicando a difusão de calor nos sólidos por interações de fônons não-lineares. Isso o levou a revisar o campo da física do plasma, reacendendo um interesse anterior na teoria quântica de campos.[5]

Hasselmann afirmou que "foi realmente uma grande surpresa perceber o quão especializados somos em nossos campos, e que precisamos saber muito mais sobre o que estava acontecendo em outros campos. Através desta experiência, fiquei interessado em física de partículas e teoria quântica de campos. Então, entrei na teoria quântica de campos pela porta dos fundos, trabalhando com campos de ondas reais em vez de partículas.[6]

Sobre as alterações climáticas Hasselmann disse que “o principal obstáculo é que os políticos e o público não estão cientes de que o problema tem solução. Temos as tecnologias e há uma questão de investir nessas tecnologias (…) Acho que sim. é perfeitamente possível responder e resolver o problema do clima sem um grande impacto em nosso modo de vida". Hasselmann foi o primeiro a demonstrar a influência humana no clima.[7]

Artigos sobre modelagem de mudanças climáticas e política[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Klaus Hasselmann». Consultado em 5 de outubro de 2021 
  2. Hasselmann, K. (1976). «Stochastic climate models Part I. Theory». Informa UK Limited. Tellus. 28 (6): 473–485. Bibcode:1976Tell...28..473H. ISSN 0040-2826. doi:10.3402/tellusa.v28i6.11316 
  3. Arnold L. (2001), "Hasselmann's program revisited: The analysis of stochasticity in deterministic climate models", Stochastic Climate Models (editors—P. Imkeller, J.-S. von Storch) 141-157 (Birkhäuser). Citeseer
  4. «All Nobel Prizes in Physics». NobelPrize.org (em inglês). Consultado em 5 de outubro de 2021 
  5. Hasselmann, K. (1966). «Feynman diagrams and interaction rules of wave-wave scattering processes». American Geophysical Union (AGU). Reviews of Geophysics. 4 (1): 1. Bibcode:1966RvGSP...4....1H. ISSN 8755-1209. doi:10.1029/rg004i001p00001 
  6. «Interview mit Klaus Hasselmann am 15. Februar 2006» (PDF). epic.awi.de. 18 de julho de 2011. Consultado em 5 de outubro de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 18 de julho de 2011  (in English with German forward)
  7. «Nobelpreis für Klimaforscher Hasselmann: "Nutzen für die Weltgemeinschaft"». Inforadio (em alemão). Consultado em 5 de outubro de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]