Anthony Leggett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Anthony Leggett Medalha Nobel
'
Nascimento 26 de março de 1938 (83 anos)
Londres
Nacionalidade Estadunidense
Cidadania Estados Unidos, Reino Unido
Alma mater Universidade de Oxford
Ocupação físico, professor universitário,
Prêmios Medalha Maxwell (1975), Prêmio Memorial Fritz London (1981), Medalha Dirac (1992), Medalha Feenberg (1999), Prêmio Wolf de Física (2002/3), Nobel prize medal.svg Nobel de Física (2003)
Empregador Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, Magdalen College, Universidade de Sussex, Universidade de Waterloo
Orientador(es) Dirk ter Haar
Orientado(s) Amir Ordacgi Caldeira
Instituições Universidade de Sussex, Universidade de Illinois em Urbana-Champaign
Campo(s) Física

Anthony James Leggett, KBE (Londres, 26 de março de 1938) é um físico teórico e professor emérito da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign.[1] Leggett é amplamente reconhecido como um líder mundial na teoria da física de baixa temperatura, e seu trabalho pioneiro sobre superfluidez foi reconhecido pelo Prêmio Nobel de Física de 2003.[2] Ele moldou a compreensão teórica dos líquidos de hélio normais e superfluidos e dos superfluidos fortemente acoplados.[3] Ele definiu direções para pesquisas na física quântica de sistemas dissipativos macroscópicose uso de sistemas condensados ​​para testar os fundamentos da mecânica quântica.[4][5]

Pesquisa[editar | editar código-fonte]

George W. Bush recepciona seis prêmios Nobel de 2003. Anthony James Leggett é o segundo a partir da esquerda.

Sua pesquisa se concentra na supercondutividade do cuprato, superfluidez em gases atômicos altamente degenerados, propriedades de baixa temperatura de sólidos amorfos , questões conceituais na formulação da mecânica quântica e computação quântica topológica .

A edição de 29 de dezembro de 2005 do International Herald Tribune publicou um artigo, "Novos testes da realidade 'assustadora' de Einstein", que se referia ao debate do outono de 2005 de Leggett em uma conferência em Berkeley, Califórnia, com o Prêmio Nobel Norman Ramsey da Universidade de Harvard.[6] Ambos debateram o valor das tentativas de mudar a teoria quântica. Leggett achava que as tentativas eram justificadas, Ramsey se opôs. Leggett acredita que a mecânica quântica pode estar incompleta por causa do problema de medição quântica.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Anthony Leggett UIUC Faculty page» 
  2. «Nobel Prize in Physics 2003.» 
  3. A. J. Leggett. (1975). «A theoretical description of the new phases of liquid 3He». Rev. Mod. Phys. 47 (2): 331–414. Bibcode:1975RvMP...47..331L. doi:10.1103/RevModPhys.47.331 
  4. A. O. Caldeira and A. J. Leggett. (1983). «Quantum tunneling in a dissipative system» (PDF). Ann. Phys. 149 (2): 374–456. Bibcode:1983AnPhy.149..374C. doi:10.1016/0003-4916(83)90202-6. Cópia arquivada (PDF) em 8 de julho de 2010 
  5. "The Problems of Physics – A conversation with Tony Leggett", Ideas Roadshow, 2013
  6. Overbye, Dennis (10 de janeiro de 2006). «New tests of Einstein's 'spooky' reality». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 26 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Raymond Davis Jr. e Masatoshi Koshiba
Prêmio Wolf de Física
2002/2003
com Bertrand Halperin
Sucedido por
Robert Brout, François Englert e Peter Higgs
Precedido por
Raymond Davis Jr., Masatoshi Koshiba e Riccardo Giacconi
Nobel de Física
2003
com Alexei Alexeevich Abrikosov e Vitaly Ginzburg
Sucedido por
David Gross, Hugh David Politzer e Frank Wilczek


O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Anthony Leggett
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.