Ernest Rutherford

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Rutherford é redirecionado para esta página. Se procura outros significados de Rutherford, consulte Rutherford (desambiguação).

Ernest Rutherford Medalha Nobel
Física e química
Dados gerais
Nacionalidade Nova Zelândia Neozelandês / Reino Unido Britânico
Residência Inglaterra Inglaterra
Nascimento 30 de agosto de 1871
Local Brightwater, Nova Zelândia
Morte 19 de outubro de 1937 (66 anos)
Local Cambridge, Inglaterra
Atividade
Campo(s) Física e química
Instituições Universidade McGill
Universidade de Manchester
Alma mater Universidade de Canterbury
Universidade de Cambridge
Orientador(es) J. J. Thomson Medalha do prêmio Nobel
Orientado(s) Nazir Ahmed, Edward Andrade, Edward Victor Appleton Medalha do prêmio Nobel, Patrick Blackett Medalha do prêmio Nobel, Niels Bohr Medalha do prêmio Nobel, Bertram Boltwood, Robert William Boyle, Teddy Bullard, James Chadwick Medalha do prêmio Nobel, Rafi Muhammad Chaudhry, John Cockcroft Medalha do prêmio Nobel, Charles Galton Darwin, Charles Drummond Ellis, Kasimir Fajans, Hans Geiger, Douglas Hartree, Pyotr Kapitsa Medalha do prêmio Nobel, Juliï Borisovich Khariton, Ernest Marsden, Alexander McAulay, Marcus Oliphant, Cecil Frank Powell Medalha do prêmio Nobel, Henry DeWolf Smyth, Frederick Soddy Medalha do prêmio Nobel, Ernest Thomas Sinton Walton Medalha do prêmio Nobel, Charles Eryl Wynn-Williams
Conhecido(a) por ser o "pai" da física nuclear,

Modelo atômico de Rutherford, Experimento da folha de ouro

Prêmio(s) Medalha Rumford (1904), Medalha do prêmio Nobel Nobel de Química (1908), Medalha Elliott Cresson (1910)[1] , Medalha Matteucci (1913), Medalha Copley (1922), Medalha Franklin (1924), Guthrie Lecture (1927), Medalha Faraday (1930)
Notas Rutherford foi sogro de Ralph Fowler; obteve seu doutorado na Universidade da Nova Zelândia, em 1900.

Ernest Rutherford, o 1º barão Rutherford de Nelson, OM, PC, PRS (Brightwater, Nova Zelândia, 30 de agosto de 1871Cambridge, 19 de outubro de 1937), foi um físico e químico neozelandês naturalizado britânico que se tornou conhecido como o pai da física nuclear.[2] [3] Num trabalho no começo da carreira, descobriu o conceito de meia-vida radioativa, provou que a radioatividade causa a transmutação de um elemento químico em outro, e também distinguiu e nomeou as radiações alfa e beta. Foi premiado com o Nobel de Química em 1908 "por suas investigações sobre a desintegração dos elementos e a química das substâncias radioactivas".[4]

Rutherford realizou sua obra mais famosa após ter recebido esse prêmio. Em 1911, ele defendeu que os átomos têm sua carga positiva concentrada em um pequeno núcleo,[5] e, desse modo, criou o modelo atômico de Rutherford, ou modelo planetário do átomo, através de sua descoberta e interpretação da dispersão de Rutherford em seu experimento da folha de ouro. A ele é amplamente creditada a primeira divisão do átomo, em 1917, liderando a primeira experiência de "dividir o núcleo" de uma forma controlada por dois alunos sob sua direção, John Cockcroft e Ernest Walton em 1932.[6]

Dedicada à sua memória , a Medalha e Prêmio Rutherford foi instituída pelo Conselho da Sociedade de Física em 1939. A primeira palestra ocorreu em 1942. A palestra foi convertida em uma medalha e prêmio em 1965, sendo a primeira Medalha e Prêmio Rutherford concedida no ano seguinte.

O prêmio é concedido para pesquisa de destaque em física ou tecnologia nuclear. A medalha é de bronze e acompanhada de um prêmio de £ 1000 e um certificado.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ernest Rutherford nasceu em Spring Grove (atual Brightwater), cidade portuária da ilha sul da Nova Zelândia, o quarto filho e segundo homem de uma família de sete filhos e cinco filhas. Seu pai, James Rutherford, um mecânico escocês, emigrou para a Nova Zelândia com toda a família em 1842. Sua mãe, nascida Martha Thompson, uma professora de inglês, com sua mãe viúva, também se mudou em 1855.[4]

Ernest recebeu a sua educação em escolas públicas. Aos 16 anos entrou em Nelson Collegiate School. Graduou-se em 1893 em Matemática e Ciências Físicas na Universidade da Nova Zelândia. Após ter concluído os estudos, ingressou no Trinity College, Cambridge, como um estudante na investigação do Laboratório Cavendish sob a coordenação de J. J. Thomson.[4] [7] Foi na Inglaterra que Rutherford estudou as radiações de Urânio em pesquisas feitas em colaboração com o Frederick Soddy. Em 1902, ambos distinguem os raios alfa e beta e desenvolvem a teoria das desintegrações radioativas espontâneas.[8] Uma oportunidade surgiu quando o lugar de professor de Física na Universidade McGill, em Montreal ficou vago. Em 1898 partiu para o Canadá, para assumir o posto. No mesmo ano, foi nomeado professor de Física da Universidade McGill, em Montreal, e em 1907 na Universidade Victoria em Manchester.[4] Nessa época, Ernest formulou a hipótese de que a radiatividade não se tratava de um fenômeno comum a todos os átomos, mas somente de uma certa categoria. Esses estudos resultaram o livro Radiatividade, verdadeiro marco na história do progresso científico.[9]

Apesar de ser um físico, recebeu o Nobel de Química de 1908, por suas investigações sobre a desintegração dos elementos e a química das substâncias radioativas.[2]

Ainda em Manchester, trabalhando em conjunto com Hans Geiger e Thomas Royds, Rutherford elucidou a natureza da chamada radiação alfa. Após comprovar que esta é formada por partículas com o dobro da carga elétrica de um elétron, em 1907 Rutherford e seus colegas elaboraram um experimento engenhoso no qual partículas alfa foram acumuladas em um tubo de vidro evacuado. Ao passar uma corrente elétrica pelo tubo, puderam observar claramente o espectro do gás hélio, provando assim que as partículas alfa eram na verdade átomos de hélio ionizados, mais tarde identificados como núcleos de hélio.

Rutherford realizou seus trabalhos mais famosos depois de receber o prêmio Nobel de 1908. Sob sua direção, em 1909 Hans Geiger e Ernest Marsden realizaram o famoso experimento (muitas vezes chamado no Brasil de "Experimento de Rutherford"), o qual demonstrou a natureza nuclear dos átomos através da deflexão de partículas alfa atravessando uma fina folha de ouro. Nesse experimento, Rutherford pediu a Geiger e Marsden que procurassem por partículas alfa defletidas por ângulos muito grandes, algo que não seria esperado dadas as teorias atômicas da época. Embora raras, tais deflexões foram de fato observadas, algo que Rutherford mais tarde descreveu como "... o evento mais incrível que aconteceu comigo em toda a minha vida. Foi quase tão incrível quanto se você atirasse um projétil de 15 polegadas num lenço de papel e ele ricocheteasse de volta e o atingisse".[10] Para conseguir explicar a forma precisa com que as deflexões dependiam do ângulo, Rutherford foi levado em 1911 a formular o modelo atômico que leva seu nome - no qual concebeu o átomo como constituído de um núcleo minúsculo de carga positiva, contendo quase toda a massa do átomo, e orbitado por elétrons.[11] Baseado na concepção de Rutherford, o físico dinamarquês Niels Bohr idealizaria mais tarde um novo modelo atômico.[6]

Em 1919, antes de deixar Manchester para assumir a direção do Laboratório Cavendish em Cambridge, Rutherford se tornou a primeira pessoa a deliberadamente transmutar um elemento em outro.[4] Bombardeando nitrogênio puro com radiação alfa, ele foi capaz de converter núcleos de nitrogênio em oxigênio. Nos produtos dessa reação nuclear, identificou partículas idênticas a núcleos de hidrogênio, demonstrando que estes eram partes constituintes do núcleo de nitrogênio - e, por inferência, provavelmente de outros núcleos também. Tal construção já havia sido suspeitada há tempos devido ao fato de a massa atômica de todos os elementos serem aproximadamente um múltiplo da do hidrogênio (Hipótese de Prout). Por conta dessas considerações, em 1920 Rutherford postulou então que o núcleo de hidrogênio deveria ser uma partícula fundamental, que ele denominou próton, a qual seria o elemento constituinte de todos os demais núcleos. Tais fatos levaram a que Rutherford fosse considerado como o fundador da Física Nuclear.[2]

Rutherford dirigiu o Laboratório Cavendish desde 1919 até à sua morte, período em que foi Professor Cavendish de Física. Sua liderança e trabalho inspiraram duas gerações de cientistas.

Foi presidente da Royal Society de 1925 a 1930.

Recebeu a Ordem de Mérito em 1925 e em 1931 foi condecorado Baron Rutherford de Nelson, Cambridge, um título que foi extinto depois da sua inesperada morte, enquanto aguardava uma cirurgia de hérnia umbilical. Após tornar-se um Lord, ele só poderia ser operado por um médico também nobre (uma exigência do protocolo britânico) e essa demora custou-lhe a vida.[12] Morreu em 19 de outubro de 1937 em Cambridge, e suas cinzas foram enterradas na Abadia de Westminster, perto das tumbas de Isaac Newton e outros grandes cientistas.[13] [14]

Robert Goldschmidt Max Planck Marcel Brillouin Heinrich Rubens Ernest Solvay Arnold Sommerfeld Hendrik Antoon Lorentz Frederick Lindemann Maurice de Broglie Martin Knudsen Emil Warburg Friedrich Hasenöhrl Jean Baptiste Perrin Georges Hostelet Edouard Herzen James Hopwood Jeans Wilhelm Wien Marie Curie Ernest Rutherford Henri Poincaré Heike Kamerlingh Onnes Albert Einstein Paul Langevin
Primeira Conferência de Solvay, em 1911. Ernest Rutherford é o quarto de pé, a partir da direita poly 150 634 127 525 91 503 91 459 71 444 44 446 27 504 1 522 6 661 73 670 81 743 140 831 221 830 Walther Nernst

Participou da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª e 7ª Conferência de Solvay.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • Radioatividade (1904), 2nd ed. (1905)
  • Transformações Radioativas (1906)
  • Radiações de substâncias radioativas, com James Chadwick e CD Ellis (1919)
  • A estrutura elétrica da matéria (1926)
  • As transmutações artificiais dos Elementos (1933)
  • A Nova Alquimia (1937)

Referências

  1. «Laureates» (em inglês). The Franklin Institute. Arquivado desde o original (pdf) em 1 de julho de 2015. Consultado em 1 de julho de 2015. 
  2. a b c Líria Alves. «Ernest Rutherford». R7. Brasil Escola. Consultado em 29 de agosto de 2012. 
  3. «Ernest Rutherford: British-New Zealand physicist». Klick Educação (em inglês). Encyclopædia Britannica. Consultado em 29 de agosto de 2012. 
  4. a b c d e «Biography». Nobel Lectures (em inglês). Nobel prize.org. Consultado em 29 de agosto de 2012. 
  5. M. S. Longair (2003). Theoretical concepts in physics: an alternative view of theoretical reasoning in physics Cambridge University Press [S.l.] p. 377–378. ISBN 9780521528788. 
  6. a b «Ernest Rutherford - Biografia». UOL - Educação. Consultado em 29 de agosto de 2012. 
  7. Rutherford, Ernest" in J. Venn e J. A. Venn, Alumni Cantabrigienses. 10 vols. (Cambridge: Cambridge University Press, 1922–1958) ACAD - A Cambridge Alumni Database
  8. [1]
  9. [2]
  10. «Ernest Rutherford - Wikiquote». en.wikiquote.org. Consultado em 2016-02-20. 
  11. Rutherford, Ernest. (1911). "The scattering of alpha and beta particles by matter and the structure of the atom". Philosophical Magazine, volume 21, pag. 669-688.
  12. Ramsay, D.A. (2001). «Book review of Rutherford, Scientist Supreme by J. Campbell». ISI Short Book Reviews (em inglês). International Statistical Institute. Consultado em 5 de maio de 2008. 
  13. Heilbron, J. L. Ernest Rutherford and the Explosion of Atoms. Oxford: Oxford University Press, 2003; pp. 123-124. Acessado 3 Jan 2012. (em inglês)
  14. Ernest Rutherford (em inglês) no Find a Grave

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • J. Campbell (1999) Rutherford: Scientist Supreme, AAS Publications, Christchurch
  • Reeves, Richard (2008). A Force of Nature: The Frontier Genius of Ernest Rutherford. New York: W. W. Norton. ISBN 0-393-33369-8
  • Rhodes, Richard (1986). The Making of the Atomic Bomb. New York: Simon & Schuster. ISBN 0-671-44133-7
  • Wilson, David (1983). Rutherford. Simple Genius, Hodder & Stoughton, ISBN 0-340-23805-4

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
Precedido por
Charles Algernon Parsons
Medalha Rumford
1904
Sucedido por
Hugh Longbourne Callendar
Precedido por
Eduard Buchner
Nobel de Química
1908
Sucedido por
Wilhelm Ostwald
Precedido por
Pieter Zeeman
Medalha Matteucci
1913
Sucedido por
Max von Laue
Precedido por
Joseph Larmor
Medalha Copley
1922
Sucedido por
Horace Lamb
Precedido por
Gustave-Auguste Ferrié e Albert Abraham Michelson
Medalha Franklin
1924
com Edward Weston
Sucedido por
Elihu Thomson e Pieter Zeeman
Precedido por
Charles Sherrington
Presidentes da Royal Society
1925 — 1930
Sucedido por
Frederick Gowland Hopkins