Mildred Cohn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mildred Cohn
Nascimento 12 de julho de 1913
Nova Iorque, Estados Unidos
Morte 12 de outubro de 2009 (96 anos)
Philadelphia, Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos Norte-americano
Prêmios Medalha Garvan–Olin (1963), Medalha Elliott Cresson (1975),[1] National Medal of Science (1982)
Instituições University of Pennsylvania
Campo(s) Bioquimíca Física

Mildred Cohn (Nova Iorque, 12 de julho de 1913 – Filadélfia, 12 de outubro de 2009) foi uma bioquímica estadounidense que fomentou o entendimento dos processos bioquímicos mediante seu estudo das reacções químicas no interior das células animais.[2][3] Foi pioneira no uso da ressonância magnética nuclear para o estudo das reacções enzimáticas, particularmente no adenosín trifosfato (ATP).[4] Recebeu o prêmio científico mais importante de seu país, a Medalha Nacional de Ciência, em 1982.[5]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Os pais de Cohn, Isidore Cohn e Bertha Klein Cohn —quem foram noivos desde muito jovens—, eram judeus.[4] Seu pai era um rabino. Emigraram de Rússia a Estados Unidos ao redor de 1907.

Nasceu 12 de julho 1913 no Bronx, onde sua família vivia num apartamento. Quando tinha 13 anos, seu pai transladou à família a uma cooperativa de fala yidis, Heim Gesellschaft, onde enfatizou fortemente a educação, as artes, a justiça social, e a preservação da cultura yidis.[6][7]

Carreira científica[editar | editar código-fonte]

Cohn na Conferência Brown Bag (outubro de 2005).

Se gradou da escola secundária aos 14 anos.[8] Assistiu ao Hunter College[9] Recebeu sua licenciatura em 1931 com um cum laude.[8] Conseguiu pagar um ano sozinha na Universidade de Columbia, mas não foi elegivél para adjunta porque era uma mulher.[9] Após receber seu título de mestre em 1932, trabalhou para o Comité Conselheiro Nacional para a Aeronáutica por dois anos.[8] Apesar de que tinha um supervisor de apoio, era a única mulher entre 70 homens, e  foi-lhe informada que nunca seria promovida.[9] Posteriormente regressou a Universidade de Columbia e estudou com Harold Urey, quem acabava de ganhar o Prêmio Nobel.[10][11] Escreveu sua tese sobre os isótopos de oxigénio e obteve seu PhD em fisicoquímica em 1938.[12]

Com a recomendação de Urey, foi capaz de obter uma posição como investigadora sócia no laboratório de Vincent du Vigneaud na Universidade Washington em San Luis. Ali realizou estudos posdoctorais sobre o metabolismo do ácido amino-enxofre usando isótopos de enxofre radiactivos. Foi pioneira no uso de traçadores isotópicos para examinar o metabolismo dos compostos que contêm enxofre.[13] Quando Du Vigneaud mudou o seu laboratório para a escola de medicina da Universidade Cornell na cidade de Nova York, Cohn e seu novo marido, o físico Henry Primakoff, se transladaram a Nova York também.[9][14]

Em 1946, a Primakoff ofereceu-se-lhe um posto docente na Universidade Washington. Cohn pôde obter um posto de pesquisadora com Carl e Gerty Cori em seu laboratório de bioquímica na escola de medicina da Universidade.[14] Ali, teve a liberdade de eleger seus próprios temas de investigação. Usou ressonância magnética nuclear para pesquisar a reacção do fósforo com adenosín trifosfato, que revelou informação considerável sobre a bioquímica do ATP, como a estrutura do ATP, a fosforilação oxidativa e papel dos íones divalentes na conversão enzimática do ATP e ADP.[4][15] Quando se lhe perguntou numa entrevista a respeito de seus momentos mais emocionantes na ciência, respondeu: «Em 1958, quando usava a ressonância magnética nuclear, vi os três primeiros bicos de ATP. Isso foi emocionante. [Podia] distinguir os três átomos de fósforo no ATP com um método espectroscópico, que nunca se tinha feito dantes».[15] Ao usar radioisótopos de oxigénio, Cohn descobriu como a fosforilação e o água são parte da corrente de transporte de elétrons da fosforilação oxidativa via metabólica, o processo ubícuo utilizado por todo o organismo aerobio para gerar energia, em forma de ATP, a partir dos nutrientes. Explicou como os íones metálicos divalentes estão implicados nas reacções enzimáticas de ADP e ATP mediante o estudo de espectros de RMN dos núcleos de fósforo e a mudança estrutural na presença de vários íones divalentes.[13]

Em 1958, foi promovida de investigadora sócia a professora associada.[9] Em 1960, Cohn e seu marido uniram-se à Universidade de Pensilvania. Foi nomeada professora associada de Biofísica e Física Bioquímica, e converteu-se em professora a tempo completo no ano seguinte.[3][14] Em 1964, converteu-se na primeira mulher em receber o Prêmio à Trajectória da Associação Estadounidense do Coração, que lhe proporcionou apoio até que chegou aos sessenta e cinco anos de idade.[16] Em 1971, foi eleita membro da Academia Nacional de Ciências.[9] Em 1982, retirou-se da Faculdade Benjamin Rush como professora emérita de Química Fisiológica.[14]

No curso de sua carreira, Mildren Cohn trabalhou com quatro pessoas que receberam o Prêmio Nobel:

Prémios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Escreveu ao redor de 160 trabalhos, sobretudo em sua investigação principal na utilização da ressonância magnética nuclear para estudar o ATP.[15] Recebeu vários doctorados honoris causa.

Ganhou a Medalha Garvan-Olin da Sociedade Estadounidense de Química em 1963.[19] Em 1968, foi eleita membro da Academia Estadounidense das Artes e as Ciências.[20] Concedeu-se-lhe a Medalha de Ouro Elliott Cresson do Instituto Franklin em 1975, por seu trabalho na análise de complexos enzimáticos com ressonância magnética nuclear. Recebeu o International Organization of Women Biochemists Award em 1979.[8][21] Recebeu a Medalha Chandler da Universidade de Columbia em 1986.[22]

Em 1983, o presidente Ronald Reagan impôs-lhe a Medalha Nacional de Ciência por ser «pioneira no uso de traçadores isotópicos estáveis e espectroscopia de ressonância magnética nuclear no estudo dos mecanismos de catalises enzimática».[23]

Durante sua carreira, foi a primeira mulher em ser nomeada membro do conselho de redacção da revista Journal of Biological Chemistry, onde se desempenhou como editora de 1958-1963 e 1968-1973. Também foi a primeira mulher em se converter em presidenta da Sociedade Estadounidense de Bioquímica e Biologia Molecular, e a primeira pesquisadora profissional da Associação Estadounidense do Coração.[3][14] Em 2009, foi incluída no Salão da Fama Nacional da Mulher em Seneca Falls.[3][24]

Vida privada[editar | editar código-fonte]

Esteve casada com o físico Henry Primakoff desde 1938 até sua morte em 1983.[5] Tiveram três filhos, todos os quais receberam doctorados.[9] É citada no livro de Elga Wasserman The Door in the Dream: Conversations With Eminent Women in Science, dizendo «Meu maior golpe de sorte foi casar-me com Henry Primakoff, um excelente cientista que me tratou como a um colega intelectual e sempre supôs que devia seguir uma carreira científica e se comportou em consequência».[2][9]

Bibliografia parcial[editar | editar código-fonte]

  • Cohn, Mildred; Hughes, TR (1960). «Phosphorus magnetic resonance spectra of adenosine diphosphate and triphosphate. I. Effect of PH». The Journal of Biological Chemistry (em inglês). 235: 3250–3253 
  • Cohn, Mildred; Hughes, TR (1962). «Nuclear magnetic resonance spectra of adenosine di- and triphosphate. II. Effect of complexing with divalent metal ions». The Journal of Biological Chemistry (em inglês). 237: 176–181 
  • Cohn, Mildred (1953). «A study of oxidative phosphorylation with 0-18 labeled inorganic phosphate». The Journal of Biological Chemistry (em inglês). 201: 735–750 

Referências

  1. «Laureates» (em inglês). The Franklin Institute. Consultado em 1 de julho de 2015. Cópia arquivada em 1 de julho de 2015 
  2. a b Schudel, Matt (23 de outubro de 2009). «Mildred Cohn, 96; acclaimed scientist overcame bias». The Washington Post (em inglês). Predefinição:Esd: Nash Holdings LLC. ISSN 0190-8286. OCLC 0190-8286 Verifique |oclc= value (ajuda) 
  3. a b c d Martin, Douglas (11 de novembro de 2009). «Mildred Cohn, Biochemist, Is Dead at 96». The New York Times (em inglês). Nueva York: The New York Times Company. ISSN 0362-4331. OCLC 433669505. Consultado em 11 de novembro de 2009 
  4. a b c Oakes, Elizabeth H (2007). Encyclopedia of world scientists (em inglês). Nueva York: Facts on File. p. 145. ISBN 978-0-816-06158-7. OCLC 83610106 
  5. a b Maugh, Thomas H. (13 de outubro de 2009). «Mildred Cohn dies at 96; chemist applied physics to problems of biology, earned National Medal of Science». Los Angeles Times (em inglês). ISSN 0458-3035. OCLC 3638237 
  6. «Mildred Cohn, Ph.D.: The Science of Fearlessness» 
  7. «Mildred Cohn: The Science of Fearlessness (Film Transcript)» (em inglês). Filadelfia: The Catalyst Series: Women in Chemistry, Chemical Heritage Foundation 
  8. a b c d «Interview with Mildred Cohn, 15 de diciembre 1987 & 6 de enero 1988» (em inglês). Filadelfia: Oral History Program, Chemical Heritage Foundation 
  9. a b c d e f g h Wasserman, Elga (2002). The door in the dream: conversations with eminent women in science (em inglês) Reprinted in pbk. ed. Predefinição:Esd: Joseph Henry Press. ISBN 0-309-08619-1. OCLC 41272916 
  10. a b «The Nobel Prize in Chemistry 1934: Harold C. Urey» (em inglês). The Nobel Foundation. 1934 
  11. «Mildred Cohn» (em inglês). Filadelfia: Chemical Heritage Foundation 
  12. «Mildren Cohn (1913–2009)» (em inglês). Predefinição:Esd: American Chemical Society 
  13. a b Kresge, Nicole; Simoni, Robert D; Hill, Robert L (6 de novembro de 2009). «Succeeding in Science Despite the Odds; Studying Metabolism with NMR by Mildred Cohn». Baltimore: American Society for Biochemistry and Molecular Biology. Journal of Biological Chemistry (em inglês). 284 (45): e12–e13. ISSN 0021-9258. OCLC 1782222. PMC 2781545Acessível livremente. PMID 19891052 
  14. a b c d e «Mildred Cohn (b. 1913)» (em inglês). Bernard Becker Medical Library 
  15. a b c Johnson, Erica P. (6 de diciembre de 2003). «First Person | Mildred Cohn (Interview)». The Scientist (em inglês)  Verifique data em: |data= (ajuda)
  16. Barrer, Betty. «Mildred Cohn» (em inglês). Jewish Women's Archive 
  17. «The Nobel Prize in Physiology or Medicine 1947: Carl Cori, Gerty Cori, Bernardo Houssay» (em inglês). The Nobel Foundation. 1947 
  18. «The Nobel Prize in Chemistry 1955: Vincent du Vigneaud» (em inglês). The Nobel Foundation. 1955 
  19. «Francis P. Garvan-John M. Olin Medal» (em inglês). American Chemical Society 
  20. «Book of Members, 1780–2010: Chapter C» (PDF) (em inglês). American Academy of Arts and Sciences. Consultado em 25 de julho de 2014 
  21. Hyman, Paula E; Moore, Deborah Dash, eds. (1997). Jewish women in America (em inglês). Nueva York: Routledge. ISBN 0-415-91936-3. OCLC 470203673 
  22. De Bary, William Theodore; Mathewson, Tom, eds. (2006). Living legacies at Columbia (em inglês). Nueva York: Columbia University Press. p. 208. ISBN 0-231-13884-9. OCLC 62804985 
  23. «The President's National Medal of Science: Recipient Details, Mildred Cohn» (em inglês). The National Science Foundation 
  24. «Mildren Cohn - National Women's Hall of Fame» (em inglês). National Women's Hall of Fame