Saadia Gaon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Ben Josef al Fayyum, ou ainda, Saadia Gaon (סעדיה גאון- o chefe; Fayyum, Egito, 892 d.C. - Sura 943 d.C. [1]) foi um filósofo, tradutor, linguista, exegeta e poeta judeu, do período dos Gueonim. Em 928, tornou-se chefe (Gaon) da Escola de Sura, por iniciativa das autoridades judaicas superiores da Babilônia.[2]

Ideologicamente contrário ao rigor e à tradição do caraísmo, defendeu uma interpretação da lei judaica segundo a forma humanizante dos talmudistas. Em virtude de suas reflexões sobre as relações entre a religião e a filosofia, passou a ser considerado o primeiro filósofo do Judaísmo.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Livro das crenças e das opiniões (Kitab al-amanat wab-l'tikadad), traduzida para o hebraico por Yehudá ibn Tibon, sob o título Sefer ha-Emunoth Vedeot (1186);
  • Dicionário (Agron),considerado o primeiro dicionário hebraico e uma tradução das Escrituras para o árabe.

Referências

  1. Segundo alguns, teria nascido em 884, falecendo em 944 ou 942
  2. Nissan Mindel. «Rabbi Saadia Gaon - (4642-4702; 882-942) - The Age of Scholarship» (em inglês). Consultado em 12 de novembro de 2012 


Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.