Apometria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão.
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

A apometria (apo- do gr. "além de" e -metron "medida") é um conjunto de praticas religiosas com objetivo de cura, normalização corporal e conscientização do envolvimento energético, no qual os seres humanos estão imersos. Também chamada pelos seus praticantes de prática terapêutica alternativa, de natureza espiritualista e, segundo seus praticantes, consiste na projeção da consciência e na dissociação dos múltiplos corpos sutis mediante a uma sequência de pulsos ou comandos energéticos mentais. Tal prática não tem qualquer garantia de cura comprovada pelo método científico.[carece de fontes?]

Segundo S. M. Greenfield, esta prática religiosa, que é divergente do espiritismo clássico consistiria em transportar partes do corpo sutil do paciente para o mundo astral, onde supostamente seriam tratadas por espíritos de médicos, usando a terapia de vidas passadas.1

Essa prática assistencial foi introduzida no Brasil pelo farmacêutico e bioquímico porto-riquenho, Luis Rodrigues, que a chamava de "Hipnometria", e utilizava técnicas próprias para obter o suposto desdobramento anímico controlado. Na década de 1960, foi sistematizada pelo médico cirurgião geral e ginecologista José Lacerda de Azevedo (1919-1997), no Hospital Espírita de Porto Alegre, que lhe trocou o nome para "apometria".

A apometria é abominada tanto por muitos espiritualistas como por céticos que julgam tratar-se de mais uma prática de charlatanismo travestido de religião. Não faltam, contudo, muitas pessoas que afirmam terem sido curadas por essa prática.[carece de fontes?]

A terapia[editar | editar código-fonte]

A apometria, como prática religiosa, serviria para ajudar a individuos em seus problemas diversos que o afligem. Ou seja, haveria um desequilíbrio espiritual ou emocional que chegaria a se manifestar no corpo e apareceria de forma indesejada como doença. Sua ação fundamenta-se religiosamente na teoria dos corpos sutis, na crença em vidas passadas (reencarnações), na bioenergética (sintonia, vibrações, frequências, conexões, etc), nos fenômenos PSI (parapsiquismo, incorporação anímica e mediunidade) e nas experiências fora do corpo. Os estudiosos da apometria atuam em centros espiritualistas para fazer esta cura como intermediários entre o astral e o físico. Trabalham sobre diferentes reações de personalidade manifestadas em vidas anteriores (subpersonalidades, níveis de consciência, existências múltiplas), fazendo com que as perturbações sejam superadas pelas pessoas.

De acordo com seus preceitos, é uma espécie de energia, direcionada pela atuação da força de vontade do condutor dos trabalhos canalizada na forma de "pulsos magnéticos" para tratar portadores de transtornos psicológicos, doenças genéticas de difícil resposta à terapêutica médica, ou consideradas incuráveis. No entanto, não há qualquer estudo científico demonstrando que o tratamento religioso seja mais bem sucedido que o tratamento médico convencional.

Leis da apometria[editar | editar código-fonte]

A constituição setenária do ser[editar | editar código-fonte]

Na óptica da apometria, o ser humano é composto por sete corpos. São eles:

Forças empregadas na apometria[editar | editar código-fonte]

Força mental[editar | editar código-fonte]

Segundo os seguidores da apometria, mas sem qualquer base científica, a mente é uma "usina de força" que tem o poder ilimitado de moldar, mover e direcionar a "energia cósmica". Nesse sentido, Ramatis insistiria na idéia de que "toda magia é mental", pois é a força e a intenção de um pensamento que pode determinar se uma magia é benigna (magia branca) ou se interfere no livre arbítrio alheio, principalmente para fins egoísticos, fúteis ou prejudiciais (magia negra).

Ainda, de acordo com esta, a energia mental é de natureza "radiante". O pensamento pode ser transmitido à distância e captado de forma integral ou parcial por qualquer ser que tenha uma certa sensibilidade. Assim, o pensamento tem direção e um ponto de aplicação que é o seu objeto. No entanto tais teorias não tem expressão na realidade o que caracteriza essa prática em fé religiosa.

Força zeta[editar | editar código-fonte]

Segundo a apometria, a Força Zeta, é a liberação de energia condensada de um corpo físico. Desta forma, o operador apométrico utilizaria a energia do seu próprio corpo para criar campos de força, além de inúmeras outras aplicações da energia , porém , nada disso foi provado, apenas nomes gregos utilizados para dar ares de ciências a credos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

ROQUE, Dalton. "Apometria (CD Multimídia)", Instituto de Sensibilização Consciencial, ed. ISC., 2006 (ISBN 85-904090-2-3)

Referências

  1. S. M. Greenfield (1992 Março). "Spirits and spiritist therapy in southern Brazil: a case study of an innovative, syncretic healing group" (en). Acessado em 5 de julho de 2011.
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.