Design inteligente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parte de uma série de artigos sobre
Design inteligente
Um relógio de bolso do tipo savonette
Conceitos

Complexidade Irredutível
Complexidade especificada
Universo bem afinado
Designer inteligente
Realismo teísta
Criacionismo
Tedeísmo

Movimento
do design inteligente

Cronologia
Discovery Institute
Center for Science and Culture
Estratégia da cunha
Análise Crítica da Evolução
Ensine a Controvérsia
Design inteligente na política
Kitzmiller v. Dover Area School District

Reações

Judaísmo · Católica Romana
Organizações científicas

Portal do Criacionismo

O Desenho Inteligente, Design inteligente ou Projeto Inteligente (em inglês Intelligent Design) é uma pseudo-ciência que se baseia na assertiva de que "certas características do universo e dos seres vivos são mais bem explicadas por uma causa inteligente, e não por um processo não-direcionado como a seleção natural"; e que "é possível a inferência inequívoca de projeto sem que se façam necessários conhecimentos sobre o projetista, seus objetivos ou sobre os métodos por esse empregados na execução do projeto." [1] [2] Embora seus defensores neguem conexões a questões religiosas, quase sempre enfatizando-o como imbuído de caráter puramente científico, o Desenho Inteligente é em raiz uma forma moderna do tradicional argumento teleológico para a existência de Deus, modificado para evitar especificações sobre a natureza ou identidade do criador[3] A ideia foi desenvolvida por um grupo de criacionistas americanos que reformularam o argumento em face à controvérsia da criação versus evolução para contornar a legislação americana proibindo o ensino de criacionismo como ciência.[4] [5] [6] Seus principais defensores, todos eles associados ao Discovery Institute, sediado nos Estados Unidos,[7] [8] acreditam que o criador é o Deus do cristianismo.[9] [10] Segundo eles, sua pesquisa é análoga à de detetives que, diante de uma pessoa morta, buscam sinais de que aquele evento não foi acidental (ou que isto é, de fato, impossível), indicando que há um assassino. Os pesquisadores buscam no mundo natural - e principalmente em estruturas biológicas - sinais de planejamento, funcionalidade e propósito. Assumindo a veracidade da premissa, tais pesquisadores alegam que, se os detetives concluem inequivocamente que há um criminoso mesmo sem conhecer os motivos que o impeliram ou saber quem ele é, eles também podem concluir que há uma criação sem dispor de dados adicionais sobre o criador. A pesquisa se foca na busca por evidências biológicas favoráveis e não nas conseqüências de todas as descobertas.[11] Defensores da criação inteligente alegam que ela seja uma teoria científica,[12] e buscam fundamentalmente redefinir a ciência para que a mesma aceite explicações sobrenaturais.[13]

O consenso da comunidade científica é de que a criação inteligente não é ciência, mas na verdade pseudociência.[14] [15] [16] [17] A Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos já declarou que o "criacionismo, design inteligente e outras alegações de intervenção sobrenatural na origem da vida" não são ciências porque elas não podem ser testadas por métodos científicos.[18] A Associação de Professores de Ciências dos Estados Unidos e a Associação Americana para o Avanço da Ciência a classificaram como pseudociência. [19] A Sociedade Brasileira de Genética publicou oficialmente que não há qualquer respaldo científico no design inteligente e outras teorias criacionistas, explicando que esta posição é consensual na comunidade científica. [20]

O termo "criação inteligente" originou-se em resposta a decisão judicial de 1987 da Suprema Corte Americana no caso Edwards v. Aguilard que envolveu a separação da igreja e do estado. [4] Seu primeiro uso significativo em publicações foi em "Of Pandas and People" (Sobre Pandas e Pessoas), um livro didático de 1989 publicado com a intenção de ser usado em aulas de biologia do ensino médio. [21] Vários livros adicionais sobre a criação inteligente foram publicados nos anos de 1990. Na metade da década de 1990, defensores da teoria começaram a se aglomerar ao redor do Discovery Institute e a defender mais publicamente sua inclusão no currículo da escola pública. [22] Com o Discovery Institute e seu "Center for Science and Culture" (Centro para Ciência e Cultura) servindo como alicerce central no planejamento e financiamento, o "movimento da criação inteligente" cresceu significativamente em publicidade no final da década de 1990 e no início de 2000, culminando no "julgamento de Dover", em 2005, que contestou o ensino intencional da criação inteligente em salas de ciências do sistema público de ensino.[7]

No caso Kitzmiller v. Dover Area School District, um grupo de pais de estudantes do ensino médio contestaram a exigência de um distrito escolar público para que professores apresentassem a criação inteligente em aulas de biologia como uma "explicação alternativa para a origem da vida". O Juiz Distrital Americano John E. Jones III sentenciou que a criação inteligente não é ciência, e que "não pode se desacoplar de seus antecedentes criacionistas, e consequentemente religiosos" e concluiu que a promoção da ideia da criação inteligente realizada pelo distrito escolar violava a Cláusula de Estabelecimento da Primeira emenda da constituição dos Estados Unidos da América.[23]

Visão geral[editar | editar código-fonte]

O termo "design inteligente" começou a ser usado após a sentença de 1987 da Suprema Corte Americana no caso Edwards v. Aguillard que decidiu que a exigência de ensinar a "Ciência da Criação" ao lado da evolução era uma violação da Cláusula de Estabelecimento, que proíbe a ajuda estatal à religião. No caso Edwards, a Suprema Corte também havia decidido que "ensinar uma variedade de teorias científicas sobre as origens da humanidade para estudantes pode ser validamente feito com a clara intenção secular de melhorar a efetividade da instrução científica".[24] Em esboços do livro didático de ciência criacionista "Of Pandas and People", praticamente todas as derivações da palavra "criação", como "criacionismo", foram substituídas com as palavras "design inteligente".[21] O livro foi publicado em 1989, seguido por uma campanha promovendo-o para ser usado no ensino do design inteligente em classes de biologia do ensino médio do sistema público.[25]

A mesma sentença judicial da Suprema Corte influenciou o jurista aposentado Phillip E. Johnson, em seu livro de 1991 "Darwin on Trial" (Darwin no banco dos réus), a defender a redefinição da ciência para que a mesma permitisse alegações de criação sobrenatural.[26] Um grupo incluindo Michael Behe, Stephen C. Meyer e William Dembski juntou-se a Johnson com o objetivo de derrubar o naturalismo metodológico do método científico (que ele descreveu como "materialismo") e o substituí-lo com o "realismo teísta" através do que foi subsequentemente chamado de "estratégia da cunha" (wedge strategy).[27] Behe contribuiu para a revisão de 1993 do livro "Of Pandas and People", criando os alicerces das ideias que ele posteriormente nomearia de "complexidade Irredutível".[28] Em 1994 Meyer contatou o Discovery Institute, e no ano seguinte eles obtiveram financiamento para criar o Centro para a Renovação da Ciência e Cultura, com o propósito de promover a busca do movimento do design inteligente por apoio político e público para o ensino do "design inteligente" como uma alternativa a evolução baseada na criação, particularmente nos Estados Unidos.[22]

O design inteligente é apresentado como uma alternativa às explicações naturais para a origem e diversidade da vida. Ela se situa em oposição à ciência biológica convencional, que depende do método científico para explicar a vida através de processos observáveis como mutações e a seleção natural.[29] [30] O propósito declarado do design inteligente é o de investigar se as evidências empíricas existentes implicam ou não que a vida na Terra precisou ser concebida por um agente ou agentes inteligentes. William Dembski, um dos principais defensores do design inteligente, já afirmou que a alegação fundamental do design inteligente é que "existem sistemas naturais que não podem ser adequadamente explicados em termos de forças naturais não-direcionais e que exibem características que em qualquer outra circunstância nós atribuiríamos à inteligência." [31] No manifesto do Discovery Institute que vazou para a mídia e ficou conhecido como o "Documento da Cunha" (Wedge Document), entretanto, era dito aos defensores do movimento que:

"Nós estamos crescendo nesse momentum, aumentando a cunha com uma alternativa científica positiva às teorias científicas materialistas, que veio a ser conhecida como a teoria do design inteligente. A teoria do Design promete reverter a dominância sufocante da visão de mundo materialista, e a substituí-la com uma ciência consoante a convicções teístas e cristãs."[32] [33]

Defensores do Design Inteligente procuram por evidências do que eles chamam de "sinais de inteligência": propriedades físicas de um objeto que apontam para um projetista (designer) (veja: argumento teleológico). Por exemplo, defensores do design inteligente argumentam que um arqueólogo que encontra uma estátua feita de pedra em um campo pode justificavelmente concluir que a estátua foi projetada, e pode sensatamente tentar identificar o conceptor. O arqueólogo não estaria, entretanto, justificado ao fazer a mesma alegação baseado em um pedregulho irregular do mesmo tamanho. Defensores do design inteligente argumentam que sistemas vivos apresentam grande complexidade, a partir do que eles podem inferir que alguns aspectos da vida são projetados.

Eles também afirmam que embora as evidências que possam apontar para a natureza de uma "causa ou agente inteligente" possam não ser diretamente observadas, seus efeitos na natureza podem ser detectados. Dembski, em seu livro "Signs of Intelligence" (Sinais de inteligência), afirma: "Defensores do design inteligente consideram-no como um programa de pesquisa científica que investiga os efeitos de causas inteligentes... e não causas inteligentes per se". Em sua opinião, ninguém pode testar a identidade de influências exteriores a um sistema fechado, de dentro do sistema fechado, logo questão relacionadas à identidade do designer caem fora do âmbito do conceito. Em 20 anos desde que o design inteligente foi formulado, nenhum teste rigoroso que possa identificar os alegados efeitos foi proposto.[34] [35] Nenhum artigo apoiando o design inteligente já foi publicado em periódicos científicos revisados por pares, e nem o design inteligente já foi o sujeito de estudo de qualquer pesquisa ou estudo científico.[36]

Origens do conceito[editar | editar código-fonte]

Filósofos vêm debatendo há um longo tempo se a complexidade da natureza indica a existência de designer/projetista(s) natural/sobrenatural. Entre os primeiros argumentos atestados para a existência de um projetista do Universo estão aqueles documentados na filosofia grega. No século IV a.C., Platão propôs um "demiurgo" que era bom e sábio como o criador e primeira causa do cosmos, em seu tratado Timeu.[37] [38] Aristóteles também desenvolveu a ideia de um criador-designer do cosmos, frequentemente chamado de "Motor Imóvel", em seu trabalho filosófico Metafísica.[39] Em De Natura Deorum, ou "Sobre a Natureza dos Deuses" (45 a.C.), Cícero afirmou que "o poder divino deve ser encontrado no princípio de uma razão que permeia toda a natureza".[40]

O uso dessa linha de raciocínio aplicado a um projetista sobrenatural veio a ser conhecida como o argumento teleológico para a existência de Deus. As formas mais notáveis desse argumento foram expressas no século XIII por Tomás de Aquino em sua obra Suma Teológica,[41] sendo o design a quinta das cinco provas de Aquino para a existência de Deus, e por William Paley em seu livro Teologia Natural (1802).[42] Paley usou a analogia do relojoeiro, que é usada até hoje em argumentos relacionados ao design inteligente. No início do século XIX, tais argumentos levaram ao desenvolvimento do que era chamado na época de teologia natural, o estudo da natureza como um meio para entender a "mente de Deus". Esse movimento deu combustível a paixão pela coleta de fósseis e outros espécimes biológicos, o que eventualmente levou ao desenvolvimento da teoria da evolução das espécies proposta por Darwin. Um raciocínio similar, postulando um designer divino é apoiado atualmente por muitos adeptos do que é conhecido como evolucionismo teísta, que consideram a ciência moderna e a teoria da evolução completamente compatíveis com o conceito de um designer sobrenatural.

O design inteligente no final do século XX e no início do XXI pode ser visto como um desenvolvimento moderno da teologia natural que busca mudar as bases da ciência e minar a teoria evolucionária.[43] [44] [45] Uma vez que a teoria da evolução expandiu-se para explicar mais fenômenos, os exemplos que eram usados como evidências do design mudaram ao longo dos anos. Mas o argumento essencial permanece o mesmo: sistemas complexos implicam um designer. Exemplos oferecidos no passado incluem o olho (sistema óptico) e asas com penas; exemplos contemporâneos são em sua maioria bioquímicos: funções de proteínas, coagulação sangüínea, e o flagelo bacteriano (veja Complexidade Irredutível).

Barbara Forrest descreve o movimento do design inteligente sendo iniciado em 1984 quando a organização de Jon A. Buell, a "Foundation for Thought and Ethics" (FTE) (Fundação para o Pensamento e Ética) publicou "The Mystery of Life's Origin" (O Mistério da Origem da Vida) por criacionista Charles B. Thaxton.[46] Em março de 1986 uma crítica literária de Stephen C. Meyer descreveu o livro dizendo que o mesmo usava a teoria da informação para sugerir que as mensagens transmitidas por DNA na célula mostram "complexidade especificada", especificada por uma inteligência, precisando assim ter uma origem com um agente inteligente.[47] Em novembro do mesmo ano, Thaxton descreveu seu raciocínio como uma forma mais sofisticada do argumento de Paley a partir do design.[48] Na conferência "Sources of Information Content in DNA" de 1988 ele disse que sua visão de uma causa inteligente era compatível tanto com o naturalismo metafísico quanto com o supernaturalismo,[49] e o termo design inteligente surgiu.[50]

O design inteligente deliberadamente não tenta identificar ou nomear as especificações do agente da criação - ele meramente afirma que um (ou mais) deve existir. Embora o design inteligente não nomeie o criador, os líderes do movimento do design inteligente já afirmaram que o criador é o Deus cristão.[9] [51] [32] [52] [53] Entretanto, a relutância em especificar a identidade do criador em discussões públicas tem sido um tema de grande debate entre defensores e críticos da teoria da criação inteligente. De um lado, defensores sugerem que de fato essa é uma característica genuína do conceito; do outro, os críticos afirmam que é somente uma postura tomada para evitar a alienação daqueles que desejam separar a religião do ensino da ciência. A sentença judicial no caso Kitzmiller v. Dover Area School District concluiu que a segunda posição era o caso.

Origens do termo[editar | editar código-fonte]

Antes da publicação do livro "Of Pandas and People" em 1989, as palavras "design inteligente" haviam sido usadas em várias ocasiões como uma expressão descritiva em contextos que não estavam relacionados com seu uso moderno. A frase "design inteligente" pode ser encontrada em uma edição de 1847 da revista Scientific American, e em um livro de 1850 escrito por Patrick Edward Dove,[54] , e até em uma carta de Charles Darwin datada de 1861.[55] A frase foi usada pelo botânico Paleyita George James Allman em um discurso no encontro anual da Associação Britânica para o Avanço da Ciência de 1873:

"Nenhuma hipótese física fundamentada em fatos indisputáveis chegou a explicar a origem do protoplasma primordial, e, acima de tudo, suas propriedades maravilhosas, que fazem a evolução possível - em hereditariedade e em adaptabilidade, pois essas propriedades são a causa e não o efeito da evolução. Para a causa dessa causa nós buscamos em vão entre as forças físicas que nos cercam, até que sejamos finalmente compelidos a nos apoiar em uma volição independente, um design inteligente distante.'[56]

A frase pode ser encontrada novamente em Humanism, um livro de 1903 escrito por um dos fundadores do pragmatismo clássico, F.C.S Schiller: "Não será possível descartar a suposição de que o processo da evolução pode ser guiado por um design inteligente". Uma derivação da frase aparece na Enciclopédia Macmillian de Filosofia (Macmillan Encyclopedia of Philosophy, 1976) no artigo intitulado Teleological argument for the existence of God (Argumento Teleológico para a existência de Deus). Descrito sucintamente, o argumento desenrola-se assim: "O mundo exibe ordem teleológica (design, adaptação). Logo, ele foi produzido por um designer inteligente".[57] As frases "design inteligente" e "projetado inteligentemente" foram usadas no livro "Chance ou Design?" (Acaso ou Design?) de 1979 escrito por James Horigan [58] e a frase "design inteligente" foi usada em um discurso de Sir Fred Hoyle de 1982 em sua campanha promovendo a panspermia.[59]

O uso moderno das palavras "design inteligente", como um termo para descrever um campo de inquirimento, inaugurou-se após a Suprema Corte dos Estados Unidos, no caso de Edwards v. Aguillard (1987), ter decidido a inconstitucionalidade da adição do criacionismo no currículo de aulas de ciência de escolas públicas. Um relatório do Discovery Institute afirma que Charles Thaxton, editor de "Of Pandas and People", havia tomado a frase de um cientista da NASA, e pensara "Isso é exatamente o que eu preciso, é um bom termo de engenheiro".[60] Em esboços do livro mais de cem usos da palavra raiz "criação" (creation), como “criacionismo” e “ciência da criação”, foram alterados, quase sem exceção, para “design inteligente”,[21] enquanto que “criacionistas” foram substituídos por “proponentes do design" (design proponents) ou, em um caso, "cdesign proponentsists" [sic] (um erro realizado por um corretor ortográfico automático que substituía as palavras "creationists" pelo termo "design proponents" e acabou unificando-as ao invés de substituir a segunda pela primeira).[61] Em 1988 Thaxton organizou uma conferência intitulada "Sources of Information Content in DNA" em Tacoma, Washington,[49] e em dezembro decidiu usar o termo "design inteligente" para o seu novo movimento criacionista.[62] Stephen C. Meyer estava presente na conferência, e posteriormente lembrou-se que o "termo foi mencionado".[50] O livro "Of Pandas and People" foi publicado em 1989, e é considerado o primeiro livro sobre o design inteligente,[28] [63] e também como o primeiro lugar onde a frase "design inteligente" aparece com seu significado atual.[64]

Conceitos Integrais[editar | editar código-fonte]

Complexidade irredutível[editar | editar código-fonte]

Detalhe do mecanismo presente em um flagelo celular.
Para os defensores do Design Inteligente, algumas estruturas biológicas não podem ser explicadas pela seleção natural.

O termo "complexidade irredutível" foi introduzido pelo bioquímico Michael Behe, que o define como “um sistema único composto de várias partes compatíveis que interagem entre si e que contribuem para sua função básica, onde a remoção de uma das partes faria com que o sistema efetivamente cessasse de funcionar".[65]

Behe usa a analogia de uma ratoeira para ilustrar esse conceito. Uma ratoeira consiste de vários pedaços integrantes - a base, o pegador, a mola e o martelo - partes que precisam estar no lugar para que a ratoeira funcione. A remoção de qualquer um dos pedaços destrói a função da ratoeira. Defensores do design inteligente afirmam que a seleção natural não poderia criar sistemas irredutivelmente complexos, porque a função seletiva só está presente quando todas as partes estão montadas juntas. Behe argumenta que mecanismos biológicos irredutivelmente complexos incluem o flagelo bacteriano da E.coli, a cascata da coagulação do sangue, o cílio, e o sistema imune adaptativo.[66] [67]

Críticos apontam que o argumento da complexidade irredutível assume que as partes necessárias do sistema sempre foram necessárias e consequentemente não poderiam ter sido adicionadas sequencialmente.[68] [69] Argumenta-se que algumas partes que são inicialmente só um pouco vantajosas podem posteriormente se tornar necessárias à medida que outros componentes mudam. Além disso, eles argumentam, a evolução frequentemente procede alternando partes preexistentes ou as removendo do sistema, ao invés de sempre adicioná-las . Isso é algumas vezes chamado de "objeção do andaime", criando uma analogia com andaimes, que podem suportar um prédio "irredutivelmente complexo" até que o mesmo seja completado e possa sustentar a si mesmo.[70] Behe admitiu, ter usado uma "prosa irregular", e que seu "argumento contra o Darwinismo não se sustenta à prova lógica".[71] A complexidade irredutível permanece um argumento popular entre defensores do design inteligente; no julgamento de Dover, a corte decidiu que "A alegação do Professor Behe para a complexidade irredutível foi refutada em artigos de pesquisa revisados por pares e foi rejeitado pela comunidade científica em geral".[72]

Complexidade especificada[editar | editar código-fonte]

Em 1986 o químico criacionista Charles Taxon usou o termo "complexidade especificada", proveniente da teoria da informação, quando alegava que mensagens transmitidas pelo DNA na célula eram especificadas por uma inteligência, logo originaram-se de um agente inteligente.[47] O conceito de "complexidade especificada" do design inteligente foi desenvolvido na década de 1990 pelo matemático, filósofo, e teólogo William Dembski. Dembski afirmava que quando alguma coisa exibia complexidade especificada (ou seja, complexo e "especificado", simultaneamente), poderíamos inferir que ela foi produzida por uma causa inteligente (ou seja, que foi projetada) ao invés de ser o resultado de processos naturais. Ele fornece os seguintes exemplos: "Uma única letra do alfabeto é especificada sem ser complexa. Uma sentença longa de letras aleatória é complexa sem ser especificada. Um soneto shakespeariano é tanto complexo quando especificado.".[73] Ele afirma que detalhes de seres vivos podem ser similarmente caracterizados, especialmente os "padrões" de seqüências moleculares em moléculas biológicas funcionais como o DNA.

Dembski define sua informação especificada complexa (IEC) como qualquer coisa com menos de 1 em 10150 chance de ocorrer ao acaso (naturalmente). Críticos afirmam que isso caracteriza o argumento como uma tautologia: informação especificada complexa não pode ocorrer naturalmente porque Dembski a definiu assim, logo a verdadeira questão foca-se em saber se as IECs realmente existem na natureza ou não.[75] [76] [77]

A solidez conceitual do argumento da complexidade especificada/IEC de Dembski é largamente desacreditada pelas comunidades científica e matemática.[78] [79] [80] A complexidade especificada ainda não foi demonstrada como tendo vastas aplicações em outros ramos de estudo como alegado por Dembski. John Wilkins e Wesley Elsberry caracterizam o "filtro explanatório" de Dembski como eliminativo, porque ele elimina explicações sequencialmente: primeiro regularidade, depois acaso, e finalmente caindo em default para o design. Eles argumentam que esse procedimento é falho como um modelo de inferência científica porque a maneira assimétrica com que trata possíveis explicações diferentes o torna propenso a tirar falsas conclusões.[81]

Richard Dawkins, outro crítico do design inteligente, argumenta em "Deus, um delírio" que permitir que um designer inteligente seja levado em conta para explicar a complexidade improvável somente adia o problema, uma vez que tal criador teria que ser pelo menos tão complexo quanto a coisa criada.[82] .

Outros cientistas também argumentaram que a evolução por meio da seleção natural é mais capacitada para explicar a complexidade observável, como é evidente pelo uso da evolução seletiva para projetar a eletrônica de certos sistemas automotivos e aeronáuticos que são considerados problemas complexos demais para os "designers inteligentes" humanos[83] . Isto, apesar destes métodos usarem a inteligência humana para definir a aptidão dos resultados obtidos tornando o método teleológico[84] [85] , ou seja, com um proposito muito bem definido por um "designer inteligente", análogo ao argumento teleológico.

Universo bem afinado[editar | editar código-fonte]

Defensores do design inteligente ocasionalmente propõem argumentos fora do ramo da biologia, mais notavelmente um argumento baseado no conceito das "constantes universais bem afinadas", que tornam possíveis a existência da matéria e da vida, e portanto alegando que as constantes não devem ser solenemente atribuídas ao acaso (processos naturais). Essas incluem os valores das constantes físicas fundamentais, a força relativa das forças nucleares, o eletromagnetismo, a gravidade entre partículas fundamentais, também como as taxas das massas de tais partículas. Defensor do design inteligente e filiado do Centro para Ciência e Cultura, Guillermo Gonzales argumenta que se qualquer um desses valores fosse até minimamente diferente, o universo seria dramaticamente diferente, tornando impossível a formação de muitos elementos químicos e de estruturas características do Universo, como galáxias.[86] Logo, defensores argumentam, um designer inteligente da vida foi necessário para garantir que as características específicas se dessem presentes, caso contrário a vida seria, em termos práticos, impossível de ter existido.

Embora a alegação seja perfeitamente viável para a filosofia (lógica) e pela matemática (probabilidade), a grande maioria dos cientistas responde a esse argumento apontando que o mesmo não pode ser testado e, consequentemente, não é cientificamente produtivo. Alguns cientistas argumentam que mesmo quando tomados como uma mera especulação, esses argumentos são parcamente suportados por evidências existentes.[87] Victor J. Stenger e outros críticos afirmam que tanto o design inteligente quanto a forma fraca do princípio antrópico são essencialmente uma tautologia; em sua opinião, esses argumentos se sustentam na alegação de que a vida é capaz de existir porque o Universo é capaz de suportar vida.[88] [89] [90] A alegação da improbabilidade de um universo que é capaz de suportar vida também foi criticada como sendo um argumento pela falta de imaginação por assumir que nenhuma outra forma de vida além da nossa é possível. A vida como conhecemos poderia não ter existido se as constantes fossem diferentes, mas uma forma de vida diferente poderia ter se formado no nosso lugar. No entanto, tal alegação, na mesma proporção da primeira, não possui uma única evidência e, de fato, todas as formas de vidas conhecidas são baseadas em carbono, tornando tal resposta pura especulação e, notadamente, "infalsiável", daí não-científica. Um número de críticos também sugere que muitas das variáveis apontadas parecem ser bem interconectadas e que cálculos feitos por matemáticos e físicos sugerem que a emergência de um universo similar ao nosso é bem provável[91] O notável de tal alegação é que a mesma inter-relação entre muitas das variáveis apontadas também é utilizada pelos próprios defensores do Design Inteligente como uma evidência pelo design.[92] Além disso, a teoria do multiverso é comumente defendida por cientistas (incluindo Stephen Hawking e Richard Dawkins[93] ) como uma possível explicação que refutaria a suposta necessidade de um Criador por trás do universo bem definido, alegando que a existência de vários universos além do nosso tornaria extremamente possível que num deles houvesse vida. Defensores do DI desconsideram esta hipótese alegando que esta proposta não só não é falsiável (daí não-científica), como também não possui nenhuma evidência que a suporte (ou seja, não passa de especulação imaginativa). Além do mais, levantaria a questão cosmológica de como estes universos teriam surgido (expressado na pergunta "o que/quem inventou a 'máquina de produzir universos?'"), voltando ao problema das origens.[94]

Defensor do design inteligente, Granville Sewell já afirmou que a evolução de formas complexas de vida representa uma diminuição da entropia, consequentemente violando a segunda lei da termodinâmica e apoiando o design inteligente.[95] Isso, entretanto, é uma equivocação dos princípios da termodinâmica.[96] A segunda lei da termodinâmica aplica-se a sistemas fechados somente. Se esse argumento fosse verdadeiro, seres vivos não conseguiriam crescer, já que isso também seria uma diminuição da entropia. Entretanto, como na evolução, o crescimento de seres vivos não viola a segunda lei da termodinâmica, porque seres vivos não são sistemas fechados - eles possuem uma fonte externa de energia (por exemplo, comida, oxigênio, luz do sol) cuja produção depende de um aumento liquido da entropia.

Criador inteligente[editar | editar código-fonte]

Argumentos a favor do design inteligente são formulados em termos seculares e intencionalmente evitam identificar o agente (ou agentes) que eles positam. Embora não afirmem que Deus seja o criador, o criador é frequentemente e implicitamente hipotetizado como tendo intervindo de uma maneira que somente um deus poderia intervir. Dembski, em "The Design Inference" (A Inferência do Design), especula que uma cultura alienígena poderia preencher os requisitos de um designer. A descrição autoritativa do design inteligente,[97] entretanto, explicitamente afirma que o universo demonstra características de ter sido projetado. Reconhecendo o paradoxo, Dembski conclui que "nenhum agente inteligente que é estritamente físico poderia ter presidido a origem do universo ou a origem da vida".[98] Os principais defensores do design inteligente já fizeram declarações de que eles acreditam que o designer seja o Deus cristão, em contraste exclusão de todas as outras religiões.[9] [10] [51]

Além do debate sobre se o design inteligente é ou não científico, um número de críticos chegam até a argumentar que a evidência existente torna a hipótese de um design bem improvável, independentemente de seu status no mundo científico. Por exemplo, Jerry Coyne, da Universidade de Chicago, pergunta por que um designer teria "nos dado os caminhos para a produção de vitamina C, mas então a destruído ao desativar uma de suas enzimas" e por que ele ou ela não iria "empilhar ilhas oceânicas com répteis, mamíferos, anfíbios e água fresca, apesar da adequação de tais ilhas para essas espécies". Coyne também aponta o fato da "flora e a fauna dessas ilhas lembram as da terra continental mais próxima, mesmo quando os ambientes são bem diferentes" como evidência de que espécies não foram colocadas lá por um designer.[99] Anteriormente, no livro A Caixa Preta de Darwin, Behe argumentou que nós somos simplesmente incapazes de entender os motivos do designer, logo tais questões não podem ser respondidas definitivamente. Criações estranhas poderiam, por exemplo, "ter sido colocadas lá por um designer... por razões artísticas, para se mostrar, por algum motivo prático ainda não determinado, ou por alguma razão desconhecida". Coyne responde que, à luz da evidência, "ou a vida resultou não de um design inteligente, mas da evolução; ou o designer inteligente é um brincalhão cósmico que projeta tudo para que o mesmo pareça ter evoluído".[99]

Assertar a necessidade de um criador para a complexidade também levanta a seguinte questão de "Quem criou o criador?"[100] Defensores do design inteligente afirmam que essa questão é irrelevante ou fora do escopo do design inteligente.[101] Richard Wein contra-argumenta que as perguntas não respondidas que uma teoria cria "precisam ser balanceadas contra o aperfeiçoamento de nosso entendimento do que a explicação fornece". Invocar um ser inexplicável para explicar a origem de outros seres (nós mesmos) não passa de petição de princípio. “A nova questão levantada pela explicação é tão problemática quanto a questão que a explicação pretende responder”.[102] Richard Dawkins vê a assertação de que o designer não precisa ser explicado, não como uma contribuição ao conhecimento, mas como um "clichê exterminador de pensamento".[103] [104] Na ausência de evidências observáveis e mensuráveis, a própria questão "Quem criou o criador?" leva a uma regressão infinita de onde defensores do design inteligente só podem escapar ao recorrer ao criacionismo religioso ou à contradição lógica.[103] [105]

Movimento[editar | editar código-fonte]

O Centro para a Renovação da Ciência e Cultura do Discovery Institute usou banners baseados no afresco "A Criação de Adão" da Capela Sistina. Posteriormente uma imagem menos religiosa foi usada, e o centro foi renomeado para Centro para Ciência e Cultura.[106]

O movimento do design inteligente é um rebento direto do criacionismo da década de 1980.[6] As comunidades científica e acadêmica, junto com a corte Federal Americana, consideram o design inteligente como uma forma de criacionismo ou como um descendente direto que é estreitamente interligado com o criacionismo tradicional;[107] [108] [109] [110] e vários autores referem-se explicitamente a ele como "criacionismo do design inteligente".[111] [112] [113]

O movimento é sediado no "Center for Science and Culture" (CSC) ou Centro para Ciência e Cultura em português, estabelecido em 1996 como o braço criacionista do Discovery Institute para promover seus objetivos religiosos [114] que clamam por amplas mudanças sociais, acadêmicas e políticas. As campanhas do design inteligente do Discovery Institute ocorrem principalmente nos Estados Unidos, embora esforços tenham sido realizados para promover o DI em outros países . Os líderes do movimento afirmam que o design inteligente expõe as limitações da ortodoxia científica e da filosofia secular do Naturalismo. Defensores do design inteligente alegam que a ciência não deveria ser limitada ao naturalismo e não deveria demandar a adoção de filosofias naturalistas que rejeitam automaticamente qualquer explicação que contenha causas sobrenaturais (pois o que parece sobrenatural ou milagroso é apenas o que ainda não se conhece a causa lógica). O objetivo principal do movimento é "derrotar [a] visão de mundo materialista" representada pela teoria da evolução em favor de "uma ciência consoante com convicções teístas e cristãs".[115]

Phillip E. Johnson afirmou que o objetivo do design inteligente é de lançar o criacionismo como um conceito científico.[52] [116] Todos os principais defensores do design inteligente são filiados ou funcionários do Discovery Institute e o seu Centro para Ciência e Cultura.[117] Praticamente todos os conceitos do design inteligente e o movimento associado são produtos do Discovery Institute, que guia o movimento seguindo sua estratégia da cunha enquanto conduz a sua campanha de Ensinar a Controvérsia e outros programas relacionados.

Alguns dos principais defensores do design inteligente já fizeram declarações conflitantes em relação ao design inteligente. Em declarações voltadas ao público em geral, eles afirmam que o design inteligente não é religioso; quando abordando cristãos conservadores que apóiam o movimento, eles afirmam que o design inteligente tem suas fundações na Bíblia.[116] Reconhecendo a necessidade de apoio, o instituto afirma sua orientação cristã, evangélica: "Juntamente com um foco sobre os formadores de opinião influentes, temos também o objetivo de construir uma base de apoio popular entre os nosso circulo de constituintes, a saber, os cristãos. Fá-lo-emos essencialmente através de seminários apologéticos. É nossa intenção incentivar e dotar esses crentes com novas evidências científicas que suportam a fé, assim como "popularizar" as nossas ideias no âmbito mais lato da cultura."[115]

Barbara Forrest, uma especialista que escreveu extensivamente sobre o movimento, liga esse comportamento aos objetivos ofuscantes do Discovery Institute devido a razões políticas. Ela já escreveu que as atividades do movimento "entregam uma verdadeira intenção agressiva e sistemática para promover não somente o criacionismo do design inteligente, mas a visão de mundo religiosa entrelaçada com ele".[118]

Religião e principais defensores[editar | editar código-fonte]

Embora os argumentos do design inteligente sejam formulados de maneira secular e intencionalmente evitam apontar a identidade do designer,[119] a maioria dos principais defensores do design inteligente são cristãos e já afirmaram no passado que em suas opiniões o "designer" é Deus. Phillip E. Johnson, William Dembski, e Stephen C. Meyer são evangélicos protestantes; Michael Behe é católico romano; e Jonathan Wells, outro defensor importante, é um membro da Igreja da Unificação. Johnson já afirmou que cultivar ambigüidade ao empregar linguagem secular em argumentos que são meticulosamente desenvolvidos para evitar nuanças do criacionismo teísta é um primeiro passo necessário para finalmente reintroduzir o conceito cristão de Deus como o designer. Johnson alerta explicitamente os defensores do design inteligente a esconder suas motivações religiosas para evitar que o design inteligente seja identificado "como outra maneira de apresentar a mensagem evangélica cristã".[120] ". Johnson enfatiza que "a primeira coisa que deve ser feita é tirar a Bíblia da discussão"; "depois que separamos o preconceito materialista do fato científico [...] somente aí assuntos bíblicos podem ser discutidos".[121]

A estratégia de deliberadamente disfarçar a intenção religiosa do design inteligente já foi descrita por William Dembski em seu livro "The Design Inference".[122] Em seu trabalho Dembski lista um deus e uma "força de vida alienígena" como duas opções possíveis para a identidade do designer, entretanto, em seu livro "Intelligente Design: The Bridge Between Science and Theology", Dembski afirma que "Cristo é indispensável para qualquer teoria científica, mesmo que os praticantes não tenham a mínima ideia sobre ele. O pragmatismo de uma teoria científica pode, claro, ser perseguido sem se recorrer a Cristo. Mas a solidez conceitual da teoria no fim só pode ser localizada em Cristo".[123] Dembski também afirmou que o "DI faz parte da revelação geral de Deus [...] Não somente o design inteligente nos livra dessa ideologia (materialismo), que sufoca o espírito humano, mas, em minha experiência pessoal, eu descobri que abre o caminho para pessoas chegarem a Cristo".[124] Tanto Johnson quanto Dembski citam o evangelho de João como a fundação do design inteligente.[51] [116]

Barbara Forrest argumenta que tais declarações revelam que os principais defensores do design inteligente o veem como algo essencialmente religioso em natureza, e não somente como um conceito científico que apresenta implicações que fortuitamente coincidem com suas crenças religiosas particulares.[125] Ela escreve que os principais líderes do design inteligente estão intimamente ligados com o movimento ultra-conservador reconstrutivista cristão. Ela lista conexões (atuais e passadas) de filiados do Discovery Institute como Phillip Johnson, Charles Thaxton, Michael Behe, Richard Weikart, Jonathan Wells e Francis Beckwith com líderes de organizações reconstrutivistas cristãs, e a extensão do financiamento fornecido ao Instituto por Howard Ahmanson Jr., uma figura importante no movimento reconstrutivista.[126]

Pesquisas de opinião[editar | editar código-fonte]

Várias pesquisas foram realizadas antes da decisão de dezembro de 2005 no caso Kitzmiller v. Dover, que buscavam determinar o nível de apoio do design inteligente entre certos grupos. De acordo com a pesquisa de 2005 da Harris Interactive, 10% dos adultos nos Estados Unidos viam os seres humanos como "tão complexos que eles necessitariam de uma força poderosa ou inteligência para ajudar em sua criação".[127] E embora as pesquisas realizadas pela Zogby e comissionadas pelo Discovery Institute apresentem um maior apoio, elas sofrem de falhas consideráveis, como ter uma baixa taxa de resposta (248 de 16.000), ser conduzida em nome de uma organização com um interesse explícito no desfecho da pesquisa, e por conter perguntas viciadas.[128] [129] [130]

Uma pesquisa realizada em maio de 2005 com praticamente 1500 médicos nos Estados Unidos, conduzida pelo Louis Finkelstein Institute e o HCD Research, mostrou que 63% dos médicos concordam mais com a evolução do que com o design inteligente.[131]

Criando e ensinando a controvérsia[editar | editar código-fonte]

Uma estratégia chave do movimento do design inteligente é o de convencer o público em geral de que existe um debate entre cientistas sobre se a vida evoluiu, para assim convencer o público, políticos e líderes culturais de que as escolas deveriam "ensinar a controvérsia".[132] O Discovery Institute, instituição que divulga informações sobre o Design Inteligente, publica uma lista[133] de cientistas que concordam com a seguinte declaração:

"Somos céticos quanto às alegações de que a mutação aleatória e a seleção natural são capazes de responder pela complexidade da vida. O exame cuidadoso da evidência a favor da teoria darwinista deveria ser encorajado."

Desse modo tenta demonstrar que um crescente número de cientistas tem adquirido coragem para questionar seriamente a Teoria da Evolução nos últimos anos, a lista contava com mais de 700 assinaturas em fevereiro de 2007.

Em primeiro plano vale ressaltar que a atitude cética deve ser sempre mantida por qualquer cientista, quer trate-se de evolução, quer trata-se de qualquer hipótese em qualquer teoria científica. Todas as ideias em ciência estão em contínuo e perpétuo teste, por fundamento constitutivo da ciência, o que por si só já justifica uma resposta positiva de qualquer cientista à afirmação proposta. Assumindo-se uma acepção mais radical ao termo cético na afirmação proposta, oponentes do design inteligente ainda fazem notar que menos da metade da lista é de biólogos evolucionários — o tipo de cientista que estaria familiarizado com as questões subjacentes e apto a se pronunciar com autoridade sobre o assunto. A declaração em si, apesar do que pode parecer ao público leigo, não constitui uma forte oposição (a rigor não constitui oposição) à evolução e poderia conforme proposta muito bem ser assinada por grande parte dos biólogos evolucionários: em geral eles concordam que a mutação e a seleção natural não respondem sozinhos pela complexidade da vida, havendo contribuição de outros mecanismos naturais, a exemplo seleção sexual; e a menção ao exame cuidadoso da evidência é apenas uma descrição da atitude profissional que os cientistas devem sempre ter. Além disso, afirmar tal "ceticismo" diante de tamanha quantidade de fatos convergentes com os quais conta a evolução sem apresentar sequer uma evidência contraditória aos moldes das válidas em estudos científicos (verificáveis) não abala cientificamente em nada a Teoria da Evolução.

E para demonstrar como é insignificante o número de assinaturas do documento publicado pelo Discovery Institute, foi feita uma paródia recolhendo assinaturas de cientistas que aceitam a Evolução e se chamam Steve, denominado Project Steve. Foram recolhidas mais de 1100 assinaturas, apenas de cientistas com esse nome.[134] Outro projeto recolhe assinaturas de padres, pastores, e clérigos que aceitam a Evolução, a lista já tem mais de 12 000 assinaturas.[135] [136]

Entretanto, tal debate não existe dentro da comunidade científica; o consenso científico é de que a vida evoluiu.[137] [138] [139] O design inteligente é majoritariamente visto como um pretexto para a campanha de seus defensores contra a fundação materialista da ciência, que na concepção do movimento não deixa espaço para a possibilidade de Deus.[140] [141]

Defensores do design inteligente buscam manter Deus e a Bíblia fora da discussão, e apresentam o design inteligente na linguagem da ciência, como uma hipótese científica. Entretanto, entre o público em geral nos Estados Unidos, as preocupações principais são se a biologia evolucionária convencional é ou não compatível com a Bíblia, e sobre o que é ensinado nas escolas. A controvérsia pública recebeu uma grande cobertura da mídia americana, particularmente durante o julgamento de Kitzmiller v. Dover em 2005. Uma cobertura proeminente da controvérsia pública foi realizada pela revista Time com a história "Evolution Wars" (Guerras da Evolução), em 15 de agosto de 2005. A capa da reportagem faz a seguinte pergunta: "Deus tem um lugar na aula de ciência?"[142] A decisão eventual da corte determinou que o design inteligente era uma posição religiosa e criacionista, e respondeu a pergunta apontada pela revista Time com uma firme negativa, concluindo que Deus e o design inteligente eram ambos distintos do material que deve ser mencionado em salas de aula de ciência.[5]

A ciência empírica usa o método científico para criar conhecimento a posteriori baseado em observações factuais verificáveis e nos testes de hipóteses propostas como explicação, dando origem às teorias. Em essência os defensores do design inteligente design buscam mudar essa base fundamental da ciência[143] ao eliminar o "naturalismo metodológico" da ciência[144] e o substituí-lo com o que o líder do movimento do design inteligente, Phillip E. Johnson, chama de "realismo teísta".[145] Alguns denominam essa abordagem como "supernaturalismo metodológico", que significa uma crença em uma dimensão não-natural, transcendente habitada por uma deidade não-natural e transcendente.[146] Defensores do design inteligente argumentam que explicações naturalistas falham ao tentar explicar certos fenômenos e que as explicações sobrenaturais fornecem uma explicação simples e intuitiva para a origem do universo e da vida.[147] Defensores alegam que a evidência para isso existe na forma da complexidade Irredutível e da complexidade especificada, que não podem ser explicadas por processos naturais.[1]

Apoiadores do Design Inteligente também defendem que a neutralidade religiosa exige o ensino tanto da evolução quanto do design inteligente, afirmando que ensinar somente a evolução injustamente discrimina contra aqueles que possuem crenças criacionistas. Ensinar ambas, eles argumentam, permite a possibilidade de crenças religiosas, sem fazer com que o estado realmente promova tais crenças. Muitos seguidores do design inteligente acreditam que o "Cientificismo" em si é uma religião que promove o secularismo e o materialismo em uma tentativa de apagar o teísmo da vida pública, e eles vêem o seu trabalho na promoção do design inteligente como uma maneira de retornar a religião ao seu papel central na educação e em outras esferas públicas. Alguns acreditam que esse debate mais amplo é frequentemente o subtexto para argumentos feitos sobre o design inteligente, embora outros notam que o design inteligente serve como um representante para as crenças religiosas de defensores proeminentes do design inteligente em seus esforços para avançar seus pontos de vista religiosos na sociedade em geral.[148] [149] [150]

De acordo com críticos, o design inteligente não conseguiu apresentar um caso científico crível e é uma tentativa de ensinar religião nas escolas públicas, algo que a Constituição dos Estados Unidos proíbe devido a Clausula de Estabelecimento. Eles alegam que o design inteligente substituiu a pesquisa científica pelo apoio popular.[151] Alguns críticos afirmam que se fossemos dar "tempo igual para todas as teorias" de verdade, não haveria limite lógico para o número de "teorias" potenciais que poderiam ser ensinadas no sistema público de ensino, incluindo até paródias do design inteligente como a "teoria" do Monstro de Espaguete Voador. Existem inúmeras explicações sobrenaturais mutuamente incompatíveis para a complexidade, e o design inteligente não fornece um mecanismo para discriminar entre elas. Além disso, um problema fundamental da aceitação do design inteligente como ciência é que as alegações do design inteligente não podem ser testadas.[152]

Críticos apontam que os defensores do design inteligente não podem legitimamente inferir que o designer inteligente está por trás de partes de um processo que não é cientificamente compreendido, uma vez que eles não evidenciaram que um evento sobrenatural de fato ocorreu. A inferência de que um designer inteligente criou a vida na Terra, algo que o defensor do design William Dembski defendeu como podendo ser uma força de vida "et", já foi comparada com a alegação a priori de que ets ajudaram os antigos egípcios a construírem as pirâmides.[153] [154] Em ambos os casos, os efeitos dessa inteligência alienígena não são passíveis de repetição, não são observáveis ou falseáveis, e violam o princípio da parcimônia. De um ponto de vista estritamente empírico, alguém pode listar o que é conhecido sobre as técnicas de construção egípcia, mas também se precisa admitir ignorância acerca da maneira exata de como os egípcios construíram as pirâmides.

Defensores do design inteligente vêm tentando buscar apoio de outros grupos religiosos com relatos similares de criação na esperança de que essa coalizão mais ampla terá maior influencia em apoiar uma educação científica que não contradiga suas crenças religiosas. Muitos grupos religiosos responderam a essa ação expressando seu apoio a evolução. A Igreja Católica já declarou que a fé religiosa é completamente compatível com a ciência, que é limitada a lidar somente com o mundo natural[155] - uma posição conhecida como evolucionismo teísta.[156] Além de apontarem que o design inteligente não é ciência, elas também o rejeitam por várias razões filosóficas e teológicas.[157] [158] Os argumentos do design inteligente também já foram criticados por mais de 10.000 clérigos que assinaram o "Clergy Letter Project" (Projeto Carta do Clérigo). Cientistas proeminentes que expressam crenças religiosas, como o astrônomo George Coyne e o biólogo Ken Miller, tem sido a vanguarda da oposição contra o design inteligente. Enquanto que organizações criacionistas têm agradecido o apoio do design inteligente contra o naturalismo, elas também criticam a recusa de identificar o designer,[159] [160] [161] e já apontaram para as falhas anteriores do mesmo argumento.[162]

Definindo a ciência[editar | editar código-fonte]

O método científico é um corpo de técnicas para a investigação de fenômenos e obtenção de novo conhecimento sobre o mundo natural sem assumir a existência ou a não-existência do sobrenatural, uma abordagem algumas vezes chamada de naturalismo metodológico. Defensores do design inteligente acreditam que essa abordagem possa ser equalizada com o naturalismo metafísico materialista, e frequentemente alegam não somente que sua própria abordagem é científica, mas que seja ainda mais científica que a evolução, e por isso eles querem redefinir a ciência como um reavivamento e ressurgimento da teologia natural ou da filosofia natural para permitir "teorias não-naturalistas como o design inteligente".[163] Essa situação apresenta um problema de demarcação, algo que na filosofia da ciência consiste em como e onde marcar as bordas ao redor da ciência.[164] Para que uma teoria qualifique-se como científica,[165] [166] [167] se espera que a mesma seja:

  • Consistente
  • Parcimoniosa (econômica em suas entidades propostas ou nas explicações, veja Navalha de Ockham)
  • Útil (descreve e explica fenômenos observáveis, e pode ser usada para predizer outros fenômenos)
  • Empiricamente testável e falseável (veja falseabilidade)
  • Baseada em múltiplas observações, normalmente na forma de experimentos controlados passíveis de repetição.
  • Sempre corroborada por número satisfatório de fatos verificáveis (esses contudo não necessariamente reprodutíveis).
  • Passível de correção e dinâmica (é modificada em luz de novas evidências ou observações que não a suportem)
  • Progressiva (refina teorias anteriores)
  • Provisional ou tentativa (está aberta a experimentos que a testem, e não que afirmem a certeza da mesma)

Para que qualquer teoria, hipótese ou conjectura seja considera científica, ela precisa passar pela maioria, e idealmente em todos os critérios listados acima. Quanto menos critérios são atendidos, menos científica ela é; e se ela não passa pelos indispensáveis (entre eles a corroboração por fatos verificáveis e falseabilidade de todas as suas ideias; ver problema da demarcação) ou não passa em nenhum, então não pode ser tratada como científica em qualquer sentido significativo da palavra. Típicas objeções a alegação de que o design inteligente é uma ciência são sua falta de consistência,[168] violação do princípio da parcimônia,[169] não é cientificamente útil,[170] não é falseável,[171] não é passível de teste empírico,[172] não é passível de correção, não é dinâmica, ou tentativa ou progressiva.[173] [174] [175]

Críticos também afirmaram que a doutrina do design inteligente também não passa nos critérios do "Daubert Standard" (Padrão Daubert),[176] o critério para evidências científicas exigido pela Suprema Corte dos Estados Unidos. O "Daubert Standard" governa que tipo de evidências podem ser consideradas científicas em uma corte federal dos Estados Unidos e na maioria das cortes estaduais. Seus quatro critérios são:

  • Os alicerces teóricos do método precisam sustentar predições passíveis de teste por meios pelos quais a teoria possa ser falseada.
  • Os métodos devem ser publicados de preferência em periódicos revisados por pares
  • Deve haver uma taxa conhecida de erro para ser usada na avaliação dos resultados.
  • Os métodos devem ser amplamente aceitos dentro da comunidade científica relevante.

No caso Kitzmiller v. Dover Area School District de 2005, usando os critérios acima entre outros, o Juiz Jones concordou com os querelantes, decidindo que "nós abordamos as questões seminais de se DI é ciência. E concluímos que ela não é, e, além disso, que o DI não pode desaclopar-se de seus antecedentes criacionistas, e conseqüentemente religiosos."

Revisão por pares[editar | editar código-fonte]

A falha em seguir os procedimentos do discurso científico bem como a falha em submeter trabalhos à comunidade científica que se sustentem contra escrutínio tem pesado contra a aceitação do design inteligente como uma ciência valida.[177] Até hoje, o movimento do design inteligente não obteve publicações de artigos em um periódico científico revisado por pares.[8] [177]

O design inteligente, ao apelar para um agente sobrenatural, diretamente entra em conflito com os princípios da ciência, que limita seus inquirimentos a dados empíricos observáveis e finalmente testáveis, que requerem que explicações sejam baseadas em evidências empíricas. Dembski, Behe e outros defensores do design inteligente afirmam que o preconceito da comunidade científica é o responsável pelo fracasso da publicação de suas pesquisas. Defensores do design inteligente acreditam que seus escritos são rejeitados por não se conformarem a mecanismos não-naturais e puramente naturalísticos ao invés de serem rejeitados por não estarem aptos aos “padrões de periódicos científicos”, tendo assim o mérito de seus artigos subestimados. Alguns cientistas descrevem essa alegação como uma teoria da conspiração.[178] Michael Shermer crítica a alegação, notando que “Qualquer pessoa que acha que cientistas não questionam o Darwinismo nunca foi a uma conferência evolucionária.” Ele cita que cientistas como Joan Roughgarden e Lynn Margulis já desafiaram certas teorias Darwinistas e ofereceram suas próprias explicações e apesar disso eles “não foram perseguidos, ostracizados, despedidos e nem expulsos. Por quê? Porque eles estavam fazendo ciência, não religião.”[179] A questão de que explanações sobrenaturais não se conformam com o método científico tornou-se um ponto principal para o design inteligente na década de 1990, sendo comentado na estratégia da cunha como um aspecto da ciência que precisa ser desafiado antes que o design inteligente possa ser aceito por uma grande parte da comunidade científica.

O debate sobre se o design inteligente produz novas pesquisas, como qualquer ramo científico deve fazer, e se tentou legitimamente publicar suas pesquisas, é extremamente controverso. Tanto críticos quanto defensores apresentam inúmeros exemplos para sustentarem seus casos. Por exemplo, A Templeton Foundation, uma ex-financiadora do Discovery Institute e uma das principais patrocinadoras de projetos que buscam reconciliar ciência e religião, afirmou que pediu aos defensores do design inteligente que enviassem propostas para pesquisas, mas nenhuma foi enviada. Charles L. Harper Jr., vice-presidente da fundação, disse que: “Do ponto de vista do rigor e seriedade intelectual, o pessoal do design inteligente não se sai muito bem em nosso mundo da revisão científica”.[180]

O único artigo publicado em um periódico científico revisado por pares que apresentava um caso a favor do design inteligente foi escrito pelo Diretor do Centro para Ciência & Cultura do Discovery Institute Stephen C. Meyer. Ele foi publicado no periódico Proceedings of the Biological Society of Washington em agosto de 2004, na época organizado pelo editor Richard Sternberg.[181] O artigo foi uma revisão bibliográfica, o que significa que não apresentava pesquisas novas, mas ao invés disso citações selecionadas e alegações de outros artigos para argumentar que a Explosão cambriana não poderia ter ocorrido através de processos naturais. Além do artigo ter sido rapidamente retirado pela editora por ter circunavegado as exigências do periódico, o lugar de sua publicação foi considerado problemático, pois seu assunto amplamente desviava-se do escopo do periódico (veja Controvérsia da revisão por pares de Sternberg).[182] [183] Dembski escreveu que “talvez a melhor razão [para ser cético em relação a suas ideias] é que o design inteligente ainda não se estabeleceu como um prospero programa de pesquisa científica”.[184] Ainda assim, Sternberg afirmou que todos os protocolos para uma publicação deste tipo foram rigorosamente seguidos. E que seguindo a exposição do caso na mídia ele foi constantemente molestado e pressionado a sair de sua posição no Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsoniano. Ele declarou:

"Em suma, está claro que fui alvo de retaliação e molestamento explicitamente porque falhei em seguir uma regra não escrita no meu papel como editor de um periódico científico: eu supostamente deveria ser o guardião, expulsando explicações impopulares, controversas ou conceitualmente desafiadoras para fenômenos naturais intrigantes. Em lugar disso, eu permiti que um artigo científico criticando o Neo-Darwinismo fosse publicado, e isso foi considerado uma heresia imperdoável."[185]

Respondendo as alegações de Sternberg, seu supervisor no Smithsonianm, Jonathan Coddington, repondeu publicamente, disputando a versão dos eventos de Sternberg. Coddington afirmou que Sternberg não fora demitido, e que nem era um empregado remunerado do Smithsonian. Ele não foi alvo de discriminação e permaneceu servindo no museu até a época da controvérsia.[186]

Em uma entrevista em 2001, Dembski afirmou que parou de enviar seus trabalhos a periódicos científicos em razão da lerdeza da publicação, preferindo publicar livros que geram renda e permitem uma exposição maior de suas ideias.[187]

No julgamento de Dover, o juiz concluiu que o design inteligente não apresenta pesquisas ou testes científicos.[36] Durante o caso, defensores do design inteligente citaram apenas um artigo, sobre modelação situacional por Behe e Snoke, que não menciona a complexidade irredutível nem o design inteligente, e que Behe admitiu que não eliminava mecanismos evolucionários.[36] Durante seu depoimento, entretanto, Behe declarou: “Não existem artigos publicados revisado por pares que defendam o design inteligente com cálculos ou experimentos pertinentes que forneçam relatos detalhados e rigorosos de como o design inteligente de qualquer sistema biológico ocorreu”.[188] Como resumido pelo juiz do caso Dover, Behe admitiu que não existem artigos revisados por pares que apóiem as alegações do design inteligente ou da complexidade irredutível. Em sua decisão, o juiz escreveu: “Um indicador final de como o DI falhou ao demonstrar garantia científica é a completa falta de publicações revisadas por pares que apóiem a teoria.”[177]

Apesar disso, o Discovery Institute continua a insistir que um número de artigos foram publicados em periódicos científicos,[189] incluindo em sua lista o mencionado acima. Críticos, em sua maioria membros da comunidade científica, rejeitam essa alegação, notando que nenhum periódico científico estabelecido publicou um artigo sobre o design inteligente. Ao invés disso, defensores do design inteligente criaram seus próprios periódicos com “revisão por pares” que pecam pela falta de imparcialidade e rigor,[190] consistindo inteiramente de defensores do design inteligente.[191]

Inteligência como uma qualidade observável[editar | editar código-fonte]

A expressão "design inteligente" supõe uma alegada qualidade objetiva de uma inteligência observável, um conceito que não possui uma definição de consenso científico. William Dembski, por exemplo, já escreveu que “[a] inteligência deixa para trás uma assinatura característica”. As características da inteligência são assumidas pelos defensores do design inteligente como observáveis mesmo sem especificar exatamente quais os critérios de medição que deveriam ser usados. Dembski, ao invés disso, afirma que “em ciências especiais indo da medicina legal a arqueologia até ao SETI (sigla em inglês para Search for Extra-Terrestrial Intelligence, que significa Busca por Inteligência Extraterrestre), o apelo para uma inteligência criadora é indispensável”.[192] Como esse apelo é feito e como ele implica a definição de inteligência são tópicos que ainda não foram respondidos. Seth Shostak, um pesquisador do Instituto SETI, critica a comparação de Dembski entre o SETI e o design inteligente, dizendo que defensores do design inteligente baseiam suas inferências de design na complexidade – sendo o argumento a alegação de que alguns sistemas biológicos são complexos demais para terem sido formados por processos naturais – enquanto os pesquisadores do SETI estão primariamente em busca de artificialidade.[193]

Críticos afirmam que os métodos de detecção propostos pelos defensores do design inteligente são radicalmente diferentes das detecções de design convencionais, e assim debilitam os elementos chave que tornariam o design inteligente possível como ciência legítima. Defensores do DI propõem tanto a busca por um designer sem qualquer conhecimento acerca de suas habilidades, parâmetros ou intenções (o que cientistas sabem ao procurar por resultados da inteligência humana), quanto a negação da distinção essencial entre o design natural/artificial que permite aos cientistas comparar artefatos de design complexo contra o pano de fundo da complexidade encontrada na natureza.[194]

Como uma forma de criticismo, certos céticos apontam para um desafio ao design inteligente derivado dos estudos da inteligência artificial. A crítica é um contra-argumento contra as afirmações acerca do que faz um design inteligente, especificamente a de que “nenhum dispositivo pré-programado pode ser realmente inteligente, e a inteligência é irredutível a processos naturais”.[195] Essa afirmação é similar a um tipo de suposição relacionada ao dualismo cartesiano, que defende uma separação estrita ente a “mente” e o Universo material. Entretanto, em estudos de inteligência artificial, enquanto ainda existe uma suposição implícita que a suposta “inteligência” ou criatividade de um programa de computador é determinada pelas capacidades dadas a ele pelo programador, a inteligência artificial não precisa necessariamente ficar presa a um sistema de regras inflexível. Ao invés, se um programa de computador tem a capacidade de acessar a aleatoriedade como uma função, isso permite efetivamente uma inteligência flexível, criativa e adaptativa. Algoritmos evolutivos, um sub-ramo de aprendizagem de máquinas (sendo esse um sub-ramo da inteligência artificial), são usados para demonstrar matematicamente que a aleatoriedade e a seleção podem ser usadas para “evoluir” estruturas complexas, altamente adaptativas que não são explicitamente projetadas pelo programador. Algoritmos evolucionários usam uma metáfora darwiniana de mutação aleatória, seleção e sobrevivência dos mais aptos para resolver problemas científicos e matemáticos distintos que normalmente são insolúveis usando métodos de resolução convencionais. Inteligência derivada da aleatoriedade é essencialmente indistinguível da inteligência “inata” associada a organismo biológicos, e portanto apresenta uma objeção a concepção do design inteligente que afirma que a inteligência em si requer necessariamente um designer. A ciência cognitiva continua a investigar a natureza da inteligência ao longo dessas linhas de inquirimento. A comunidade do design inteligente, na maior parte do tempo, se apóia no pressuposto de que a inteligência é facilmente perceptível como uma propriedade fundamental e básica de sistemas complexos.[196]

Argumentos da ignorância[editar | editar código-fonte]

Eugenie Scott, junto a Glenn Branch e outros críticos, argumentam que muitos pontos levantados pelos defensores do design inteligente são argumentos da ignorância.[197] Na falácia lógica do argumento da ignorância, a falta de evidência para uma proposição é erroneamente argumentada como prova para a exatidão de outra proposição. Scott e Branch afirmam que o design inteligente é um argumento da ignorância porque ele se sustenta na falta de conhecimento para gerar suas conclusões: na falta de explicações naturais para certos aspectos específicos da evolução, assume-se uma causa inteligente. Eles sustentam que a maioria dos cientistas explicariam que o que não é explicado não é inexplicável, e que “nós não sabemos ainda” é uma resposta bem mais apropriada do que invocar uma causa fora da ciência.[197] Particularmente, a demanda de Michael Behe por explicações cada vez mais detalhadas da evolução histórica de sistemas moleculares parece supor uma falsa dicotomia, onde a evolução ou o design inteligente é a explicação apropriada, e qualquer aparente falha da evolução se torna uma vitória para o design. Em termos científicos, a “ausência de evidência não é evidência de ausência” de explicações naturais para características observáveis de organismos vivos. Scott e Branch também argumentam que as supostas novas contribuições propostas pelos defensores do design inteligente não serviram de base para nenhuma pesquisa científica produtiva.

O design inteligente também já foi classificado como um argumento do “Deus das lacunas”, que segue a seguinte forma:

  • Existe uma lacuna no conhecimento científico
  • A lacuna é preenchida com atos de Deus (ou um designer inteligente) e, portanto prova a existência de Deus (ou do designer inteligente).

O argumento do deus das lacunas é a versão teológica do argumento da ignorância. Uma característica chave do argumento é que ele meramente responde questões impressionantes com explicações (normalmente sobrenaturais) que são inverificáveis e no final das contas também sujeitas a questões irrespondíveis.[198]

No entanto, os defensores do DI contra argumentam dizendo que acusá-los de usar a falácia do Deus das lacunas, é simplificar o Design Inteligente e entendê-lo de forma errada. Afirmam que o argumento do deus das Lacunas acontece quando alguém acredita erroneamente que Deus provocou um fato quando, na realidade, o fato foi causado por um fenômeno natural não descoberto. Um exemplo seria quando as pessoas acreditavam que os relâmpagos eram causados diretamente por Deus. Havia uma lacuna no conhecimento sobre a natureza e, assim, atribuía-se os efeitos a Deus.

Entretanto, os defensores do DI dizem que ao concluírem que a inteligência criou a primeira célula ou cérebro humano, não o fazem porque simplesmente carecem da comprovação de uma explicação natural. Ao contrário, o fazem porque sustentam que têm evidências positivas e empiricamente detectáveis que apontam para uma causa inteligente. Afirmam que quando dectamos uma mensagem - tal como "Leve o lixo para fora - Mamãe" ou mil enciclopédias - sabemos que elas devem ter vindo de um ser inteligente porque todas as nossas experiências de observação dizem que as mensagens vêm apenas de seres inteligentes. Ou seja, em todas as ocasiões em que são observadas mensagens, descobrem-se que ela vem de seres inteligentes. Assim, juntando essa ideia com o fato que nunca observamos leis naturais criando mensagens e que, não há lei natural capaz de explicar a complexidade irredutível, concluem, dessa forma, que um ser inteligente é a causa dessa mensagem. Isto, segundo se defendem, é uma conclusão científica válida, baseada na observação e na repetição. Não é um argumento baseado na ignorância nem na "lacuna" do conhecimento. [199]

O caso Kitzmiller[editar | editar código-fonte]

O caso Kitzmiller v. Dover Area School District foi a primeira contestação trazida perante uma corte federal dos Estados Unidos contra um distrito escolar público que exigia a apresentação do design inteligente como uma alternativa a evolução. Os querelantes argumentaram com sucesso que o design inteligente é uma forma de criacionismo, e que a política do conselho escolar consequentemente violava a Cláusula de Estabelecimento da Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos.

Onze pais de estudantes em Dover, Pennsylvania, processaram o Distrito escolar da área de Dover devido a uma declaração que o conselho escolar exigia que fosse lida em voz alta em aulas de ciência da nona série sempre quando evolução fosse ensinada. Os querelantes foram representados pela American Civil Liberties Union (União Americana pelas Liberdades Civis, ACLU sigla em inglês), a Americans United for Separation of Church and State (Americanos Unidos pela Separação da Igreja e Estado, AU sigla em inglês), e pela Pepper Hamilton LLP. O National Center for Science Education ( Centro Nacional pela Educação Científica, NCSE sigla em inglês) participou como consultor dos querelantes. Os réus foram representados pelo Thomas More Law Center (Centro de Direito Thomas More).[200] O processo foi julgado em um caso sem júri de 26 de setembro de 2005 a 4 de novembro de 2005 perante o juiz John E. Jones III. Ken Miller, Kevin Padia, Brian Alters, Robert Pennock, Barbara Forrest e John Haught serviram como testemunhas especialistas para a acusação. Michael Behe, Steve Fuller e Scott Minnich serviram como testemunhas especialistas para a defesa.

Em 20 de dezembro de 2005 o Juiz Jones emitiu seu "ponto de fato e decisão" de 139 páginas, julgando que o mandato de Dover era inconstitucional, e também restringindo o design inteligente de ser ensinado em aulas de ciência das escolas públicas fundamentais do distrito da Pennsylvania. Os oito membros do conselho escolar de Dover que votaram a favor da exigência do design inteligente foram todos derrotados na eleição de 8 de novembro de 2005 por concorrentes que eram contra o ensino do design inteligente em aulas de ciência, e o atual presidente do conselho escolar já afirmou que o conselho não tem nenhuma intenção de apelar a decisão.[201]

Em sua constatação dos fatos, Juiz Jones realizou as seguintes condenações da estratégia conhecida como Ensinar a Controvérsia:

"Entretanto, defensores do DI buscaram evitar o escrutínio científico que acabamos de determinar que ele [o design inteligente] não consegue suportar ao advogar que a controvérsia, mas não o DI em si, deveria ser ensinada em aulas de ciência. Essa tática é na melhor das hipóteses maliciosa, na pior um boato falso."

Reação[editar | editar código-fonte]

O próprio Juiz Jones antecipou que seu julgamento seria criticado, dizendo o seguinte em sua decisão:

"Aqueles que discordam de nosso achado irão provavelmente marcá-lo como o produto de um juiz ativista. E se o fizerem, eles terão cometido um erro, já que essa manifestamente não é uma Corte ativista. Ao invés disso, esse caso veio até nós como o resultado do ativismo de uma facção mal informada de um conselho escolar, ajudada por uma firma internacional de direito público ávida para encontrar um caso de teste constitucional sobre o DI, que combinados impulsionaram o Conselho a adotar uma política imprudente e no final das contas inconstitucional. A inanidade impressionante da decisão do Conselho é evidente quando considerada contra o pano de fundo factual que foi agora totalmente revelado neste julgamento. Os estudantes, pais, e professores do Distrito Escolar da Área de Dover merecem bem mais do que serem arrastados nesta confusão legal, com o seu resultante desperdício completo de recursos pessoais e monetários."

Como Jones previu, John G. West, Diretor Associado do Centro para Ciência e Cultura no Discovery Institute, afirmou: "A decisão sobre o caso Dover é uma tentativa de um juiz ativista de parar a difusão de uma ideia científica e de até prevenir criticismo acerca da evolução darwiniana através de censura imposta pelo governo ao invés de um debate aberto, e isso não vai funcionar. Ele confundiu a posição do Discovery Institute com o do Conselho escolar de Dover, e ele erroneamente interpretou o design inteligente e os motivos dos cientistas que o pesquisam".[202]

Vários jornais notaram com certo interesse que o juiz é "um Republicano e um assíduo participante de sua igreja".[203] [204] [205] [206]

Subsequentemente, a decisão foi examinada em busca de erros em sua conclusão, em parte por defensores do design inteligente buscando evitar futuras derrotas na justiça. Na primavera de 2007 a University of Montana Law review publicou três artigos.[207] No primeiro, David K. DeWolf, John G. West e Casey Luskin, todos membros do Discovery Institute, argumentaram que o design inteligente é uma teoria científica válida, que a corte de Jones não deveria ter abordado a questão de se o DI era ou não uma teoria científica, e que a decisão em Kitzmiller não terá nenhum efeito no desenvolvimento e na adoção do design inteligente como uma alternativa ao padrão, a teoria da evolução.[208] No segundo, Peter Irons respondeu, argumentando que a decisão foi extremamente bem raciocinada e apresentava a sentença de morte dos esforços do design inteligente de introduzir o criacionismo em escolas públicas,[209] enquanto que no terceiro, DeWolf el al responderam os pontos feitos por Irons.[210] Entretanto, o medo de um processo similar fez com que outros conselhos escolares abandonassem propostas de "ensinar a controvérsia" do design inteligente.[6]

Status fora dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Europa[editar | editar código-fonte]

Em junho de 2007, o “Comitê sobre Cultura, Ciência e Educação” do Conselho da Europa emitiu um relatório, "The dangers of creationism in education" (Os perigos do criacionismo na educação), que afirmava que “[O] Criacionismo em qualquer uma de suas formas, tal como o ‘design inteligente’, não é baseado em fatos, não usa de racionalização científica e seus conteúdos são pateticamente inadequados para aulas de ciências”. .[211] Ao descrever os perigos atribuídos ao ensino do criacionismo para a educação, o relatório descreveu o design inteligente como “anticiência” que envolve “ostensiva fraude científica” e “dissimulação intelectual” que “macula a natureza, objetividade e limites da ciência” e o liga bem como outras formas de criacionismo ao negacionismo. Em 4 de outubro de 2007, a Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa aprovou uma resolução declarando que escolas deveriam “resistir a apresentações de ideias criacionistas em qualquer disciplina que não seja religião”, incluindo o “design inteligente” que é descrito como “a última, e mais refinada versão do criacionismo”, “apresentado de uma forma mais sutil”. A resolução dá ênfase que o objetivo do relatório não é o de questionar ou de combater uma crença, mas o de “alertar contra certas tendências de passar uma crença como ciência”.[212]

No Reino Unido, a educação pública inclui Educação Religiosa como um assunto compulsório, e muitas “escolas religiosas” ensinam o ethos particular de suas respectivas denominações. Quando foi revelado que um grupo chamado Truth in Science (Verdade na Ciência) havia distribuído DVDs produzidos pela afiliada do Discovery Institute, Illustra Media[213] apresentando membros do Discovery Institute defendendo o caso do design inteligente na natureza,[214] além da alegação de que os DVDs haviam sido usados por 59 escolas,[215] o Department for Education and Skills (DfES) afirmou que “Nem o criacionismo ou o design inteligente são ensinados como assunto nas escolas, e não são especificados no currículo de ciências” (parte do Currículo Nacional que não se aplica a escolas independentes ou a Educação na Escócia).[216] [217] O DfES subsequentemente afirmou que o “design inteligente não é uma teoria científica reconhecida; logo, não está incluída no currículo de ciências”, mas abriu a possibilidade do DI ser explorado na educação religiosa em relação a diferentes crenças, como parte do sílabo desenvolvido pelos conselhos consultivos locais de educação religiosa.[218] Em 2006 a Qualifications and Curriculum Authority (Autoridade de Qualificações e Currículos) produziu uma unidade modelo de Educação Religiosa onde os estudantes podem aprender sobre visões religiosas e não religiosas acerca do criacionismo, do design inteligente e da evolução por meio da seleção natural.[219] [220]

Em 25 de junho de 2007, o Governo do Reino Unido respondeu uma “e-petition” dizendo que o criacionismo e o design inteligente não deveriam ser ensinados como ciência, entretanto se esperaria que professores respondessem as perguntas de seus alunos com o arcabouço padrão das teorias científicas estabelecidas.[221] Em 18 de setembro de 2007 foi publicado um detalhado guia de ensino criacionista governamental para escolas na Inglaterra.[219] No documento era dito que o “design inteligente reside totalmente fora da ciência”, não possui princípios científicos centrais, ou explicações, e não é aceito pela totalidade da comunidade científica. Embora não deva ser ensinado como ciência, “questões acerca do criacionismo e do design inteligente que são levantadas em aulas de ciência, por exemplo, como consequência da cobertura da mídia, podem apresentar a oportunidade de explicar ou explorar o porquê de ambos não serem considerados teorias científicas, e no contexto certo, o porquê da evolução ser considerada uma teoria científica”. Entretanto, “Professores de matérias como RE, história ou cidadania podem lidar com criacionismo e design inteligente em suas lições”.[15]

O grupo de lobbying British Centre for Science Education (Centro Britânico para Educação Científica) tem como objetivo “opor-se ao criacionismo dentro do Reino Unido” e já se envolveu em lobbying governamental no Reino Unido em relação a esse assunto.[222] Entretanto, na Irlanda do Norte o Partido Unionista Democrático (em inglês Democratic Unionist Party, DUP) alega que o currículo revisado fornece uma oportunidade para o ensino de teorias alternativas, e vem buscando garantias de que estudantes não perderão nota ao responder perguntas científicas com respostas com cunho criacionista/design inteligente.[223] Em Lisburn o DUP conseguiu fazer com que o Conselho da Cidade escrevesse para escolas pós-primarias perguntando quais eram seus planos em relação ao desenvolvimento de material de ensino relacionado a “criação, ao design inteligente e outras teorias sobre a origem”.[224]

Nos Países Baixos, planos desenvolvidos pela Ministra da Educação Maria van der Hoeven de “estimular um debate acadêmico” sobre o assunto em 2005 causaram uma grande reação pública negativa.[225] Depois das eleições de 2007 ela foi sucedida por Ronald Plasterk, que foi descrito como um “geneticista molecular, ateísta ferrenho e oponente do design inteligente”.[226]

Como uma reação a situação nos Países Baixos, na Bélgica, o Presidente do Conselho Educacional Católico Flamengo (VSKO em neerlandês) Mieke Van Hecke declarou que: “Cientistas católicos já aceitam a teoria da evolução a um longo tempo e que o design inteligente e o criacionismo não pertencem a escolas católicas flamengas. Não é a função dos políticos de introduzir novas ideias, essa é a função e o objetivo da ciência”.[227]

Em outras regiões[editar | editar código-fonte]

O criacionismo possui grande influência política em vários países islâmicos, visões antievolucionárias são consideradas mainstream e apresentam considerável apoio oficial, apoio das elites bem como de teólogos acadêmicos e cientistas.[228] Em geral, criacionistas muçulmanos fazem parcerias com o Institute for Creation Research por ideias e materiais que eles posteriormente adaptam para suas próprias posições teológicas. Similarmente, também foi usado material antievolutivo sobre o design inteligente. Muzaffar Iqbal, um notável muçulmano do Canadá, assinou a lista de Dissidentes do Darwinismo do Discovery Institute.[229] . Ideias similares ao design inteligente são consideradas opções intelectualmente respeitáveis entre muçulmanos, e na Turquia muitos livros sobre o design inteligente foram traduzidos. Em 2007 em Instambul, encontros públicos promovendo o design inteligente foram patrocinados pelo governo local,[228] e David Berlinski, do Discovery Institute, foi um dos palestrantes principais em um encontro em maio de 2007.[230]

O status do design inteligente na Austrália é bem similar ao do Reino Unido. Quando o ex-Ministro da Educação Federal Brendan Nelson levantou a noção do ensino do design inteligente em aulas de ciências, os protestos da população fizeram com que o ex-ministro rapidamente se retratasse ao afirmar que o correto fórum do design inteligente, se ele fosse ensinado, seria em aulas de religião ou filosofia.[231]

A Resposta de Michael Behe à reação Institucional[editar | editar código-fonte]

Consciente de que sua obra, a "Caixa Preta de Darwin", produziria um vendaval de contestações e muita polêmica no meio científico, Michael Behe, talvez o principal proponente do Design Inteligente, afirmou em entrevista feita em 2006:

Com certeza, eu previa que meu livro causaria controvérsia. Os darwinistas têm replicado dizendo, principalmente, que explicarão os sistemas moleculares no futuro, talvez dentro de dez ou vinte anos. Para dizer o mínimo, sou bastante cético quanto a essa pretensão.

A primeira reação da maioria dos críticos é dizer: “Isso é apenas criacionismo levemente disfarçado.” E em resenhas escritas por cientistas eles falam frequentemente sobre os primeiros capítulos de Gênesis e do “Julgamento da Criação”, de Arkansas, nenhum dos quais eu menciono no livro. Assim, eles tentam condenar meu trabalho através do processo de associação. Eles também não vêem que há uma distinção entre chegar a uma conclusão simplesmente pela observação do mundo físico, como se espera que um cientista faça, e chegar a uma conclusão baseado na Bíblia ou em convicções religiosas.[14].

Referências

  1. a b Top Questions-1.What is the theory of intelligent design?. Discovery Institute. Página visitada em 2007-05-13..
  2. Primer: Intelligent Design Theory in a Nutshell (PDF). Intelligent Design and Evolution Awareness Center (2004). Página visitada em 2007-05-13.
    Intelligent Design. Intelligent Design network (2007). Página visitada em 2007-05-13.
  3. Numbers, Ronald L.. The Creationists, Expanded Edition. [S.l.]: Harvard University Press, 2006. pp 373, 379-380 p. ISBN 0674023390
  4. a b Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Context pg. 32 ff, citing Edwards v. Aguillard.
  5. a b "ID is not a new scientific argument, but is rather an old religious argument for the existence of God. He traced this argument back to at least Thomas Aquinas in the 13th century, who framed the argument as a syllogism: Wherever complex design exists, there must have been a designer; nature is complex; therefore nature must have had an intelligent designer." "This argument for the existence of God was advanced early in the 19th century by Reverend Paley" (the teleological argument) "The only apparent difference between the argument made by Paley and the argument for ID, as expressed by defense expert witnesses Behe and Minnich, is that ID's 'official position' does not acknowledge that the designer is God." Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Ruling, p. 24.
  6. a b c Forrest, Barbara (May, 2007). Understanding the Intelligent Design Creationist Movement: Its True Nature and Goals. A Position Paper from the Center for Inquiry, Office of Public Policy. Center for Inquiry, Inc.. Página visitada em 2007-08-06..
  7. a b "Q. Has the Discovery Institute been a leader in the intelligent design movement? A. Yes, the Discovery Institute's Center for Science and Culture. Q. And are almost all of the individuals who are involved with the intelligent design movement associated with the Discovery Institute? A. All of the leaders are, yes". Barbara Forrest, 2005, testifying in the Kitzmiller v. Dover Area School District trial. Kitzmiller v. Dover Area School District Trial transcript: Day 6 (October 5), PM Session, Part 1.. The TalkOrigins Archive (2005). Página visitada em 2007-07-19.
    • "The Discovery Institute is the ideological and strategic backbone behind the eruption of skirmishes over science in school districts and state capitals across the country". In: Wilgoren, J. "Politicized Scholars Put Evolution on the Defensive" (PDF), The New York Times, 2005-08-21. Página visitada em 2007-07-19.
    Who is behind the ID movement?. Frequently Asked Questions About "Intelligent Design". American Civil Liberties Union (2005-09-16). Página visitada em 2007-07-20.
    • Kahn, JP. "The Evolution of George Gilder. The Author And Tech-Sector Guru Has A New Cause To Create Controversy With: Intelligent Design", The Boston Globe, 2005-07-27. Página visitada em 2007-07-19.
    Who's Who of Intelligent Design Proponents. Science & Religion Guide. Science & Theology News (November 2005). Página visitada em 2007-07-20. (PDF file from Discovery Institute).
    • "The engine behind the ID movement is the Discovery Institute". Attie, Alan D.; Elliot Sober, Ronald L. Numbers, Richard M. Amasino, Beth Cox4, Terese Berceau, Thomas Powell and Michael M. Cox (2006). Defending science education against intelligent design: a call to action. Journal of Clinical Investigation 116:1134–1138. doi:10.1172/JCI28449. A publication of the American Society for Clinical Investigation.. Página visitada em 2007-07-20.
  8. a b Science and Policy: Intelligent Design and Peer Review. American Association for the Advancement of Science (2007). Página visitada em 2007-07-19.
  9. a b c "the writings of leading ID proponents reveal that the designer postulated by their argument is the God of Christianity". Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Ruling p. 26. A selection of writings and quotes of intelligent design supporters demonstrating this identification of the Christian God with the intelligent designer are found in the pdf Horse's Mouth by Brian Poindexter, dated 2003.
  10. Principais questões sobre o Design Inteligente (em inglês)
  11. Top Questions about intelligent design. Discovery Institute. Página visitada em 2007-05-13.
  12. Stephen C. Meyer and Paul A. Nelson, May 1, 1996, CSC – Getting Rid of the Unfair Rules, A book review, Origins & Design, Retrieved 2007-05-20,
    • Phillip E. Johnson, August 31, 1996, Starting a Conversation about Evolution, Access Research Network Phillip Johnson Files, Retrieved 2007-05-20,
    • Stephen C. Meyer, December 1, 2002, Ignatius Press. The Scientific Status of Intelligent Design: The Methodological Equivalence of Naturalistic and Non-Naturalistic Origins Theories,
    • Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Whether ID Is Science,
    • Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Lead defense expert Professor Behe admitted that his broadened definition of science, which encompasses ID, would also include astrology.
    • See also Evolution of Kansas science standards continues as Darwin's theories regain prominence International Herald Tribune, February 13, 2007, Retrieved 2007-05-20.
  13. See: 1) List of scientific societies rejecting intelligent design 2) Kitzmiller v. Dover page 83. 3) The Discovery Institute's A Scientific Dissent From Darwinism petition begun in 2001 has been signed by "over 700 scientists" as of August 20, 2006. A four day A Scientific Support for Darwinism petition gained 7733 signatories from scientists opposing ID. The AAAS, the largest association of scientists in the U.S., has 120,000 members, and firmly rejects ID. More than 70,000 Australian scientists and educators condemn teaching of intelligent design in school science classesList of statements from scientific professional organizations on the status intelligent design and other forms of creationism. According to The New York Times "There is no credible scientific challenge to the theory of evolution as an explanation for the complexity and diversity of life on earth". Dean, Cordelia. "Scientists Feel Miscast in Film on Life's Origin", The New York Times, September 27, 2007. Página visitada em 2007-09-28.
  14. a b Teachernet, Document bank. Creationism teaching guidance. UK Department for Children, Schools and Families (September 18, 2007). Página visitada em 2007-10-01. "The intelligent design movement claims there are aspects of the natural world that are so intricate and fit for purpose that they cannot have evolved but must have been created by an 'intelligent designer'. Furthermore they assert that this claim is scientifically testable and should therefore be taught in science lessons. Intelligent design lies wholly outside of science. Sometimes examples are quoted that are said to require an 'intelligent designer'. However, many of these have subsequently been shown to have a scientific explanation, for example, the immune system and blood clotting mechanisms.
    Attempts to establish an idea of the 'specified complexity' needed for intelligent design are surrounded by complex mathematics. Despite this, the idea seems to be essentially a modern version of the old idea of the "God-of-the-gaps". Lack of a satisfactory scientific explanation of some phenomena (a 'gap' in scientific knowledge) is claimed to be evidence of an intelligent designer."
  15. Nature Methods Editorial. (2007). "An intelligently designed response". Nat. Methods 4 (12): 983. DOI:10.1038/nmeth1207-983.
  16. Mark Greener. (2007). "Taking on creationism. Which arguments and evidence counter pseudoscience?". EMBO Reports 8 (12): 1107–1109. DOI:10.1038/sj.embor.7401131.
  17. National Academy of Sciences, 1999 Science and Creationism: A View from the National Academy of Sciences, Second Edition
  18. National Science Teachers Association, a professional association of 55,000 science teachers and administrators in a 2005 press release: "We stand with the nation's leading scientific organizations and scientists, including Dr. John Marburger, the president's top science advisor, in stating that intelligent design is not science. ...It is simply not fair to present pseudoscience to students in the science classroom". National Science Teachers Association Disappointed About Intelligent Design Comments Made by President Bush National Science Teachers Association Press Release August 3, 2005.
    • "for most members of the mainstream scientific community, ID is not a scientific theory, but a creationist pseudoscience". Trojan Horse or Legitimate Science: Deconstructing the Debate over Intelligent Design David Mu. Harvard Science Review, Volume 19, Issue 1, Fall 2005.
    • "Creationists are repackaging their message as the pseudoscience of intelligent design theory". Professional Ethics Report American Association for the Advancement of Science, 2001.
  19. SBG - SOCIEDADE BRASILEIRA DE GENÉTICA. sbg.org.br (2012 [last update]). Página visitada em 8 de julho de 2012.
  20. a b c Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), pp. 31 – 33.
  21. a b Media Backgrounder: Intelligent Design Article Sparks Controversy Discovery Institute. September 7, 2004.
    Berkeley's Radical James M. Kushiner. Touchstone Magazine, June 2002.
    Politicized Scholars Put Evolution on the Defensive Jodi Wilgoren. The New York Times, August 21 2005.
    • Downey, Roger. "Discovery's Creation", Seattle Weekly, February 1, 2006. Página visitada em 2007-07-27.
  22. Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Conclusion of Ruling.
  23. Edwards v. Aguillard
  24. Eugenie C. Scott; Gordon E. Uno (1989). NCSE Resource. Introduction to NCSE Bookwatch Reviews for Of Pandas and People'. Página visitada em 2007-09-24.
  25. "Although science has made great progress by limiting itself to explaining only through natural causes, Johnson would have us allow the occasional supernatural intervention for those phenomena that cause problems for his particular theology". Darwin On Trial: A Review by Eugenie C. Scott. NCSE
  26. Phillip E. Johnson (1999). The Wedge: Phillip Johnson. Touchstone: A Journal of Mere Christianity. Página visitada em 2007-09-24.
  27. a b Nick Matzke (2004). NCSE Resource. Introduction: Of Pandas and People, the foundational work of the 'Intelligent Design' movement. NCSE. Página visitada em 2007-09-24.
  28. "ID fails on three different levels, any one of which is sufficient to preclude a determination that ID is science. They are: (1) ID violates the centuries-old ground rules of science by invoking and permitting supernatural causation; (2) the argument of irreducible complexity, central to ID, employs the same flawed and illogical contrived dualism that doomed creation science in the 1980s; and (3) ID's negative attacks on evolution have been refuted by the scientific community" Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), Ruling, page 64 ff
    • "Broom shows conclusively that intelligent design's opposition to Darwinism rests primarily on scientific grounds". William Dembski, in the forward of How Blind is the Watchmaker? Nature's Design and the Limits of Naturalistic Science. Neil Broom. 2001
  29. "If I ever became the president of a university (per impossibile), I would dissolve the biology department and divide the faculty with tenure that I couldn't get rid of into two new departments: those who know engineering and how it applies to biological systems would be assigned to the new "Department of Biological Engineering"; the rest, and that includes the evolutionists, would be consigned to the new "Department of Nature Appreciation" (didn't Darwin think of himself as a naturalist?)". "Truly Programmable Matter", William Dembski, 10 January 2007 published at Uncommon Descent. Downloaded 24 May 2007.
    •"Demonstrative charts introduced through Dr. Forrest show parallel arguments relating to the rejection of naturalism, evolution's threat to culture and society, 'abrupt appearance' implying divine creation, the exploitation of the same alleged gaps in the fossil record, the alleged inability of science to explain complex biological information like DNA, as well as the theme that proponents of each version of creationism merely aim to teach a scientific alternative to evolution to show its 'strengths and weaknesses,' and to alert students to a supposed 'controversy' in the scientific community". Kitzmiller v. Dover Area School District, Decision, p. 34 (emphasis added)
    •"Additionally, [leading intelligent design advocate] Dembski agrees that science is ruled by methodological naturalism and argues that this rule must be overturned if ID is to prosper". Kitzmiller v. Dover Area School District, Decision, p. 30.
    •"Intelligent Design [...] supposes that the origins of living things require supernatural interventions to create the intricate, design-like, living forms that we see all around us". "Natural selection vs. intelligent design" From: USA Today (Magazine) January 1, 2004 Author: Ruse, Michael.
  30. Dembski. The Design Revolution. pg. 27 2004
  31. a b Wedge Document Discovery Institute, 1999.
    •"[M]embers of the national ID movement insist that their attacks on evolution aren't religiously motivated, but, rather, scientific in nature. [...] Yet the express strategic objectives of the Discovery Institute; the writings, careers, and affiliations of ID's leading proponents; and the movement's funding sources all betray a clear moral and religious agenda". Inferior Design Chris Mooney. The American Prospect, August 10, 2005.
  32. "ID's rejection of naturalism in any form logically entails its appeal to the only alternative, supernaturalism, as a putatively scientific explanation for natural phenomena. This makes ID a religious belief". Expert Witness Report Barbara Forrest Kitzmiller v. Dover Area School District, April, 2005.
  33. "...the ID movement has not proposed a scientific means of testing its claims..." AAAS Board Resolution on Intelligent Design Theory American Association for the Advancement of Science, 2002.
  34. Kitzmiller v. Dover Area School District (2005), p. 70.
  35. a b c Kitzmiller v. Dover Area School District (2005) 4: whether ID is science
  36. Plato's Timaeus. The Stanford Encyclopedia of Philosophy. The Metaphysics Research Lab, Stanford University (October 25, 2005). Página visitada em 2007-07-22.
  37. Plato. Timaeus. Internet Classics Archive. classics.mit.edu. Página visitada em 2007-07-22.
  38. Aristotle, Metaphysics Bk. 12
  39. Cicero, De Natura Deorum, Book I, 36–37, Latin Library.
  40. Thomas Aquinas, Summa Theologiae. "Thomas Aquinas' 'Five Ways' (archive link)" in faithnet.org.uk.
  41. William Paley, Natural Theology: or, Evidences of the Existence and Attributes of the Deity, 1809, London, Twelfth Edition.
  42. See, e.g., the publisher's editorial description of the 2006 paperback printing of William Paley (1803) Natural Theology" : "William Paley's classic brings depth to the history of intelligent design arguments. The contrivance of the eye, the ear, and numerous other anatomical features throughout the natural world are presented as arguments for God's presence and concern. While there are distinctive differences between Paley's argument and those used today by intelligent design theorists and creationists, it remains a fascinating glimpse of the nineteenth-century's debate over the roles of religion and science".
  43. David C. Steinmetz (2005) "The Debate on Intelligent Design" in The Christian Century, (December, 27, 2005, pp. 27–31.)[1]
  44. Leading intelligent design proponent William Dembski (2001) argues the opposing view in IS INTELLIGENT DESIGN A FORM OF NATURAL THEOLOGY?
  45. Dr Barbara Forrest, Know Your Creationists: Know Your Allies
  46. a b Stephen C. Meyer (March 1986). We Are Not Alone. Eternity. Access Research Network. Página visitada em 2007-10-10.
  47. Charles B. Thaxton, Ph.D. (November 13–16, 1986). DNA, Design and the Origin of Life. Christian Leadership Ministries. Página visitada em 2007-10-10.
  48. a b Charles B. Thaxton (June 23–26, 1988, revised July 1988 and May 1991). In Pursuit of Intelligent Causes: Some Historical Background. Página visitada em 2007-10-06.
  49. a b William Safire. The New York Times. August 21, 2005.On Language: Neo-Creo
  50. a b c Dembski: "Intelligent design is just the Logos theology of John's Gospel restated in the idiom of information theory," Touchstone Magazine. Volume 12, Issue4: July/August, 1999
  51. a b Phillip Johnson: "Our strategy has been to change the subject a bit so that we can get the issue of Intelligent Design, which really means the reality of God, before the academic world and into the schools." Johnson 2004. Christianity.ca. Let's Be Intelligent About Darwin. "This isn't really, and never has been a debate about science. It's about religion and philosophy." Johnson 1996. World Magazine. Witnesses For The Prosecution. "So the question is: "How to win?" That's when I began to develop what you now see full-fledged in the "wedge" strategy: "Stick with the most important thing"—the mechanism and the building up of information. Get the Bible and the Book of Genesis out of the debate because you do not want to raise the so-called Bible-science dichotomy. Phrase the argument in such a way that you can get it heard in the secular academy and in a way that tends to unify the religious dissenters. That means concentrating on, "Do you need a Creator to do the creating, or can nature do it on its own?" and refusing to get sidetracked onto other issues, which people are always trying to do." Johnson 2000. Touchstone magazine. Berkeley's Radical An Interview with Phillip E. Johnson at the Internet Archive
  52. Stephen C. Meyer: "I think the designer is God..." (Darwin, the marketing of Intelligent Design . Nightline ABC News, with Ted Koppel, August 10, 2005); Nancy Pearcey: "By contrast, design theory demonstrates that Christians can sit in the supernaturalist’s “chair” even in their professional lives, seeing the cosmos through the lens of a comprehensive biblical worldview. Intelligent Design steps boldly into the scientific arena to build a case based on empirical data. It takes Christianity out of the ineffectual realm of value and stakes out a cognitive claim in the realm of objective truth. It restores Christianity to its status as genuine knowledge, equipping us to defend it in the public arena". (Total Truth, Crossway Books, June 29, 2004, ISBN 1581344589, pp. 204-205)
  53. Dove, Patrick Edward, The theory of human progression, and natural probability of a reign of justice. London, Johnstone & Hunter, 1850. LC 08031381 "Intelligence-Intelligent Design".
  54. Letter 3154—Darwin, C. R. to Herschel, J. F. W., 23 May 1861, Charles Darwin, Darwin Correspondence Project, Letter 3154, May 23, 1861.
  55. "The British Association", The Times, September 20, 1873, pp. pg. 10; col A..
  56. "Teleological Argument for the Existence of God", William P. Alston, Encyclopedia of Philosophy, Macmillan Publishing Company, Inc. & The Free Press, New York City, New York; Collier Macmillan Publishers, London, Paul Edwards, editor, 1967, ISBN 0028949900
  57. James E. Horigan, Chance or Design?'.' Philosophical Library, 1979.
  58. 'Evolution according to Hoyle: Survivors of disaster in an earlier world', By Nicholas Timmins, The Times, Wednesday, January 13, 1982; pg. 22; Issue 61130; col F. Hoyle stated in a 1982 speech: "...one arrives at the conclusion that biomaterials with their amazing measure or order must be the outcome of intelligent design". [2]
  59. Jonathan Witt (December 20, 2005). Evolution News & Views: Dover Judge Regurgitates Mythological History of Intelligent Design. Discovery Institute. Página visitada em 2007-10-05.
  60. Nick Matzke (2006). NCSE Resource -- 9.0. Matzke (2006): The Story of the Pandas Drafts. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-11-14.
    *Nick Matzke (2006). Missing Link discovered!. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-11-14.
  61. DarkSyde (March 11, 2006). Daily Kos: Know Your Creationists: Know Your Allies. interview with Barbara Forrest. Página visitada em 2007-10-05.
  62. Richard P. Aulie (1998). A Reader's Guide to Of Pandas and People. National Association of Biology Teachers. Página visitada em 2007-10-05.
  63. Nick Matzke; Jon Buell (October 13, 2005). I guess ID really was "Creationism's Trojan Horse" after all. The Panda's Thumb. Página visitada em 2007-10-05., links to Wayback Machine for pdf.
  64. Behe, Michael (1997): Molecular Machines: Experimental Support for the Design Inference [3]
  65. Irreducible complexity of these examples is disputed; see Kitzmiller, pp. 76–78, and Ken Miller Webcast
  66. The Collapse of "Irreducible Complexity" Kenneth R. Miller Brown University [4]
  67. John H. McDonald's "reducibly complex mousetrap"
  68. David Ussery, "A Biochemist's Response to 'The Biochemical Challenge to Evolution'"
  69. For example, Bridgham et al. showed that gradual evolutionary mechanisms can produce complex protein-protein interaction systems from simpler precursors. Bridgham et al.. (2006). "Evolution of Hormone-Receptor Complexity by Molecular Exploitation". Science 312 (5770): 97–101. DOI:10.1126/science.1123348.
  70. Orr, H. Allen. "Devolution", The New Yorker, May 30, 2005. This article draws from the following exchange of letters in which Behe admits to sloppy prose and non-logical proof: Behe, M.; Dembski, Wells, Nelson, Berlinski (March 26, 2003). Has Darwin met his match? Letters—An exchange over ID (HTML). Discovery Institute. Página visitada em 2006-11-30.
  71. Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005)., p. 64.
  72. Dembski. Intelligent Design, p. 47
  73. Photograph of William Dembski, by Wesley R. Elsberry, taken at lecture given at University of California at Berkeley, 2006/03/17.
  74. Branden Fitelson, Christopher Stephens, Elliott Sober. Cambridge University Press. 1998 How Not to Detect Design: A review of William A. Dembski's The Design Inference—Eliminating Chance Through Small Probabilities
  75. Some of Dembski's responses to assertions of specified complexity being a tautology can be found at [5]
  76. Richard Wein (2002): "Not a Free Lunch But a Box of Chocolates: A critique of William Dembski's book No Free Lunch" [6]
  77. Rich Baldwin, (2005). Information Theory and Creationism
  78. Mark Perakh, (2005). Dembski "displaces Darwinism" mathematically -- or does he?
  79. Jason Rosenhouse, (2001). How Anti-Evolutionists Abuse Mathematics The Mathematical Intelligencer, Vol. 23, No. 4, Fall 2001, pp. 3-8.
  80. John S. Wilkins and Wesley R. Elsberry. Biology and Philosophy, 16: 711–724. 2001. The Advantages of Theft over Toil: The Design Inference and Arguing from Ignorance
  81. Richard Dawkins. The God Delusion. [S.l.: s.n.], 2006. ISBN 0-618-68000-4
  82. [7] New Scientist, 28 Julho de 2007
  83. http://www.geneticprogramming.us/Fitness.html
  84. with Teleology: The Genetic Programming Heuristic Approach to Modeling
  85. Guillermo Gonzalez. The Privileged Planet: How Our Place in the Cosmos is Designed for Discovery. [S.l.: s.n.], 2004. ISBN 0-89526-065-4
  86. The Panda's Thumb. review of The Privileged Planet
  87. Is The Universe Fine-Tuned For Us? Victor J. Stenger. University of Colorado. (PDF file)
  88. The Anthropic Principle Victor J. Stenger. University of Colorado. (PDF file)
  89. Our place in the Multiverse Joseph Silk. Nature, Volume 443 Number 7108, September 14, 2006.
  90. See, e.g., Gerald Feinberg and Robert Shapiro, "A Puddlian Fable" in Huchingson, Religion and the Natural Sciences (1993), pp. 220–221
  91. Evidence For Design In The Universe por Hugh Ross, Ph.D. in Astronomy - ver comentários ao final da tabela.
  92. Comentários de Dawkins no seu livro Deus, um Delírio
  93. Documentário de Lee Strobell The Case for a Creator, comentários de Dembski.
  94. Sewell, Granville. "Evolution's Thermodynamic Failure", The American Spectator, December 28, 2005. Página visitada em 2007-02-16. Also available from the Discovery Institute, retrieved on July 7, 2007.
  95. Entropy, Disorder and Life. TalkOrigins.org. Página visitada em 2007-07-17.
  96. "The theory of Intelligent Design holds that certain features of the universe and of living things are best explained by an intelligent cause, not an undirected process such as natural selection." Discovery Institute. What is Intelligent Design? Questions About Intelligent Design
  97. Dembski. The Act of Creation: Bridging Transcendence and Immanence
  98. a b Coyne, Jerry (August 22-29, 2005), The New Republic 233 (8/9): pp. 21–33, title=The Case Against Intelligent Design .
  99. Dr. Donald E. Simanek. Intelligent Design: The Glass is Empty
  100. IDEA "One need not fully understand the origin or identity of the designer to determine that an object was designed. Thus, this question is essentially irrelevant to intelligent design theory, which merely seeks to detect if an object was designed ... Intelligent design theory cannot address the identity or origin of the designer—it is a philosophical / religious question that lies outside the domain of scientific inquiry. Christianity postulates the religious answer to this question that the designer is God who by definition is eternally existent and has no origin. There is no logical philosophical impossibility with this being the case (akin to Aristotle's 'unmoved mover') as a religious answer to the origin of the designer..." FAQ: Who designed the designer? FAQ: Who designed the designer?
  101. Richard Wein. 2002. Not a Free Lunch But a Box of Chocolates
  102. a b Who Designed the Designer? Jason Rosenhouse. Creation & Intelligent Design Watch, Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal.
  103. Richard Dawkins. The Blind Watchmaker: Why the Evidence of Evolution Reveals a Universe without Design pg 141
  104. See, e.g., Joseph Manson, "Intelligent design is pseudoscience", UCLA Today Vol. 26. No.2 Sept. 27, 2005. [8]; Rev Max, "The Incredibly Strange Story of Intelligent Design", New Dawn Magazine No. 97 (July–August 2006)
  105. NCSE Resource. Evolving Banners at the Discovery Institute (August 29, 2002). Página visitada em 2007-10-07.
  106. "for most members of the mainstream scientific community, ID is not a scientific theory, but a creationist pseudoscience". Trojan Horse or Legitimate Science: Deconstructing the Debate over Intelligent Design, David Mu, Harvard Science Review, Volume 19, Issue 1, Fall 2005.
    • "Creationists are repackaging their message as the pseudoscience of intelligent design theory". Professional Ethics Report, American Association for the Advancement of Science, 2001.
    Conclusion of Kitzmiller v. Dover Area School District Ruling
  107. Wise, D.U., 2001, Creationism's Propaganda Assault on Deep Time and Evolution, Journal of Geoscience Education, v. 49, n. 1, p. 30–35.
  108. Who Believes What? Clearing up Confusion over Intelligent Design and Young-Earth Creationism, Marcus R. Ross, Journal of Geoscience Education, v. 53, n. 3, May, 2005, p. 319–323
  109. The Creationists: From Scientific Creationism to Intelligent Design, Expanded Edition, Ronald L. Numbers, Harvard University Press, Cambridge, Massachusetts, November 30, 2006, ISBN 0674023390.
  110. Forrest, Barbara (May 2007). "Understanding the Intelligent Design Creationist Movement: Its True Nature and Goals. A Position Paper from the Center for Inquiry, Office of Public Policy" (PDF). Center for Inquiry, Inc.. Retrieved on 2007-08-22.; Forrest, B.C. and Gross, P.R., 2003, Evolution and the Wedge of Intelligent Design: The Trojan Horse Strategy, Oxford, Oxford University Press, 224 p., ISBN 0195157427
  111. "Dembski chides me for never using the term "intelligent design" without conjoining it to "creationism". He implies (though never explicitly asserts) that he and others in his movement are not creationists and that it is incorrect to discuss them in such terms, suggesting that doing so is merely a rhetorical ploy to "rally the troops". (2) Am I (and the many others who see Dembski's movement in the same way) misrepresenting their position? The basic notion of creationism is the rejection of biological evolution in favor of special creation, where the latter is understood to be supernatural. Beyond this there is considerable variability...", from Wizards of ID: Reply to Dembski, Robert T. Pennock, p. 645–667 of Intelligent Design Creationism and Its Critics: Philosophical, Theological, and Scientific Perspectives, Robert T. Pennock (editor), Cambridge, MIT Press, 2001, 825 p., ISBN 0262661241; Pennock, R.T., 1999, Tower of Babel: Evidence Against the New Creationism, Cambridge, MIT Press, 440 p.
  112. The Creation/Evolution Continuum, Eugenie Scott, NCSE Reports, v. 19, n. 4, p. 16–17, 23–25, July/August, 1999.; Scott, E.C., 2004, Evolution vs. Creationism: An Introduction, Westport, Greenwood Press, 296p, ISBN 0520246500
  113. "The social consequences of materialism have been devastating. As symptoms, those consequences are certainly worth treating. However, we are convinced that in order to defeat materialism, we must cut it off at its source. That source is scientific materialism. This is precisely our strategy. If we view the predominant materialistic science as a giant tree, our strategy is intended to function as a 'wedge' that, while relatively small, can split the trunk when applied at its weakest points. The very beginning of this strategy, the 'thin edge of the wedge,' was Phillip Johnson's critique of Darwinism begun in 1991 in Darwinism on Trial, and continued in Reason in the Balance and Defeating Darwinism by Opening Minds. Michael Behe's highly successful Darwin's Black Box followed Johnson's work. We are building on this momentum, broadening the wedge with a positive scientific alternative to materialistic scientific theories, which has come to be called the theory of intelligent design (ID). Design theory promises to reverse the stifling dominance of the materialist worldview, and to replace it with a science consonant with Christian and theistic convictions". Wedge Document Discovery Institute, 1999. (PDF file)
  114. a b Wedge Document Discovery Institute, 1999.
  115. a b c "I have built an intellectual movement in the universities and churches that we call The Wedge, which is devoted to scholarship and writing that furthers this program of questioning the materialistic basis of science. [...] Now the way that I see the logic of our movement going is like this. The first thing you understand is that the Darwinian theory isn't true. It's falsified by all of the evidence and the logic is terrible. When you realize that, the next question that occurs to you is, well, where might you get the truth? [...] I start with John 1:1. In the beginning was the word. In the beginning was intelligence, purpose, and wisdom. The Bible had that right. And the materialist scientists are deluding themselves." Johnson 1999. Reclaiming America for Christ Conference. How the Evolution Debate Can Be Won
  116. Discovery Institute fellows and staff. [9] Center for Science and Culture fellows and staff. [10]
  117. Barbara Forrest. 2001. "The Wedge at Work: Intelligent Design Creationism and Its Critics
  118. "...intelligent design does not address metaphysical and religious questions such as the nature or identity of the designer," and "...the nature, moral character and purposes of this intelligence lie beyond the competence of science and must be left to religion and philosophy". In: Discovery Institute Truth Sheet # 09-05 Does intelligent design postulate a "supernatural creator?. Página visitada em 2007-07-19.
  119. Phillip Johnson. Keeping the Darwinists Honest, an interview with Phillip Johnson. Citizen Magazine. April 1999. "Intelligent Design is an intellectual movement, and the Wedge strategy stops working when we are seen as just another way of packaging the Christian evangelical message. [...] The evangelists do what they do very well, and I hope our work opens up for them some doors that have been closed".
  120. Phillip Johnson. Touchstone: A Journal of Mere Christianity. July/August 1999."...the first thing that has to be done is to get the Bible out of the discussion. ...This is not to say that the biblical issues are unimportant; the point is rather that the time to address them will be after we have separated materialist prejudice from scientific fact". The Wedge
  121. William Dembski, 1998. The Design Inference.
  122. Dembski, 1999. Intelligent Design: The Bridge Between Science and Theology, p. 210. "Christ is indispensable to any scientific theory, even if its practitioners don't have a clue about him. The pragmatics of a scientific theory can, to be sure, be pursued without recourse to Christ. But the conceptual soundness of the theory can in the end only be located in Christ."
  123. Dembski. 2005. Intelligent Design's Contribution to the Debate Over Evolution: A Reply to Henry Morris.Reply to Henry Morris
  124. Barbara Forrest. Expert Testimony. Kitzmiller v. Dover Area School District trial transcript, Day 6 (October 5) "What I am talking about is the essence of intelligent design, and the essence of it is theistic realism as defined by Professor Johnson. Now that stands on its own quite apart from what their motives are. I'm also talking about the definition of intelligent design by Dr. Dembski as the Logos theology of John's Gospel. That stands on its own. [...] Intelligent design, as it is understood by the proponents that we are discussing today, does involve a supernatural creator, and that is my objection. And I am objecting to it as they have defined it, as Professor Johnson has defined intelligent design, and as Dr. Dembski has defined intelligent design. And both of those are basically religious. They involve the supernatural".
  125. Understanding the Intelligent Design Creationist Movement: Its True Nature and Goals. A Position Paper from the Center for Inquiry, Office of Public Policy Barbara Forrest. May, 2007.
  126. Nearly Two-thirds of U.S. Adults Believe Human Beings Were Created by God. The Harris Poll #52. Harris Interactive (July 6, 2005). Página visitada em 2007-07-13.
  127. Sandia National Laboratories says that the Intelligent Design Network (IDNet-NM/Zogby) "Lab Poll" is BOGUS!. New Mexicans for Science and Reason. Página visitada em 2007-07-13.
  128. Mooney, Chris (September 11, 2003). Polling for ID. Doubt and About. Committee for Skeptical Inquiry. Página visitada em 2007-02-16.
  129. 'Intelligent Design'-ers launch new assault on curriculum using lies and deception. Salon.com. Página visitada em 2007-07-13.
  130. According to the poll, 18% of the physicians believed that God created humans exactly as they appear today. Another 42% believed that God initiated and guided an evolutionary process that has led to current human beings. The poll also found that "an overwhelming majority of Jewish doctors (83%) and half of Catholic doctors (51%) believe that intelligent design is simply "a religiously inspired pseudo-science rather than a legitimate scientific speculation". The poll also found that "more than half of Protestant doctors (63%) believe that intelligent design is a "legitimate scientific speculation".
    Majority of Physicians Give the Nod to Evolution Over Intelligent Design. Página visitada em 2007-10-08.
  131. Shaw, Linda. "Does Seattle group "teach controversy" or contribute to it?", Seattle Times, March 31, 2005.
  132. A Scientific Dissent From Darwinism (em inglês)
  133. Project Steve | NCSE
  134. Strange Bedfellows: Scientists and Christian clergy ally for science, but is it a bond made in heaven?, Maggie Wittlin, Science & Religion, Seed Magazine, March 24, 2006
  135. The Clergy Letter Project.
  136. NABT's Statement on Teaching Evolution. National Association of Biology Teachers. Arquivado do original em 2006-09-27.
  137. IAP Statement on the Teaching of Evolution (PDF). The Interacademy Panel on International Issues (June 21, 2006). Página visitada em 2008-10-17. Joint statement issued by the national science academies of 67 countries, including the United Kingdom's Royal Society.
  138. From the world's largest general scientific society: .
  139. Coultan, Mark. "Intelligent design a Trojan horse, says creationist", Sydney Morning Herald, November 27, 2005. Página visitada em 2007-07-29.
  140. Intelligent Design: Creationism's Trojan Horse. Americans United for the Separation of Church and State (February 2005). Página visitada em 2007-07-29.
  141. "The evolution wars" in Time. National Center for Science Education (August 11, 2005). Página visitada em 2008-10-17.
  142. Forrest, Barbara. (Fall–Winter 2000). "Methodological Naturalism and Philosophical Naturalism: Clarifying the Connection". Philo 3 (2): 7–29.
  143. Johnson, Phillip E.. Reason in the Balance: The Case Against Naturalism in Science, Law and Education. [S.l.]: InterVarsity Press, 1995. ISBN 0830819290[Johnson positions himself as a "theistic realist" against "methodological naturalism".]
  144. Phillip E. Johnson (August 31, 1996). Starting a Conversation about Evolution: Johnson, Phillip. Access Research Network. Página visitada em 2008-10-18. "My colleagues and I speak of 'theistic realism'—or sometimes, 'mere creation'—as the defining concept of our [the ID] movement. This means that we affirm that God is objectively real as Creator, and that the reality of God is tangibly recorded in evidence accessible to science, particularly in biology."
  145. See, for instance: Vuletic, Mark I. (February 1997). Methodological Naturalism and the Supernatural. Naturalism, Theism and the Scientific Enterprise: An Interdisciplinary Conference. University of Texas, Austin. Página visitada em 2007-07-27.
  146. Watanabe, Teresa (March 25, 2001). Enlisting Science to Find the Fingerprints of a Creator. Los Angeles Times. Página visitada em 2007-07-22. "[Phillip E. Johnson quoted]: We are taking an intuition most people have and making it a scientific and academic enterprise ... We are removing the most important cultural roadblock to accepting the role of God as creator."
  147. Belz, Joel. (November 30, 1996). "Witnesses For The Prosecution" (Reprint by Leadership U.). World Magazine 11 (28): 18.
  148. Nickson, Elizabeth (January 10, 2003). Let's Be Intelligent About Darwin. Christianity.ca. The Evangelical Fellowship of Canada. Página visitada em 2007-07-23. "[Phillip E. Johnson quoted]: Our strategy has been to change the subject a bit so that we can get the issue of Intelligent Design, which really means the reality of God, before the academic world and into the schools."
  149. Buell, Jon; Hearn, Virginia, eds. (March 1992). Darwinism: Science or Philosophy (PDF). Darwinism: Scientific Inference or Philosophical Preference? (Symposium). The Foundation for Thought and Ethics, Dallas Christian Leadership, and the C. S. Lewis Fellowship. Página visitada em 2007-07-23.
  150. Giberson, Karl. Intelligent design's long march to nowhere. [S.l.]: Templeton Foundation, Science & Theology News, December 5, 2005. Página visitada em 2007-07-23. [11]
  151. Intelligent Design, Expelled Exposed, National Center for Science Education
  152. Murray, Michael J. (Forthcoming). Natural Providence (or Design Trouble) (PDF). Franklin & Marshall College. Página visitada em 2007-07-23.
  153. Dembski, William A.. What is the position of the NRCSE on the teaching of intelligent design [ID] as an alternative to neo-Darwinian evolution in Nebraska schools?. Creighton University. Página visitada em 2007-07-23.
  154. Schönborn, Cardinal Christoph (October 2, 2005). Catechetical Lecture at St. Stephan's Cathedral, Vienna (Reprint). Bring You To. Página visitada em 2007-07-22. "Purpose and design in the natural world, [has] no difficulty [...] with the theory of evolution [within] the borders of scientific theory."
  155. Scott, Eugenie C. (December 7, 2000). The Creation/Evolution Continuum. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-07-22.
  156. Resseger, Jan (Chair) (March 2006). Science, Religion, and the Teaching of Evolution in Public School Science Classes (PDF). Committee on Public Education and Literacy. National Council of Churches. Página visitada em 2007-07-17.
  157. Murphy, George L. (2002). Intelligent Design as a Theological Problem (Reprint). Creighton University. Página visitada em 2007-07-21.
  158. Sheppard, Pam S. (February 4, 2006). Intelligent design: is it intelligent; is it Christian?. Answers in Genesis. Página visitada em 2007-07-21.
  159. Ross, Hugh. More Than Intelligent Design. Facts for Faith. Reasons to Believe. Página visitada em 2007-07-21.
  160. The "Intelligent Design" Distraction. Harun Yahya International (2007). Página visitada em 2007-07-20.
  161. Wieland, Carl (August 30, 2002). AiG's views on the Intelligent Design Movement. Answers in Genesis. Página visitada em 2007-07-20.
  162. Meyer, Stephen C. (December 1, 2002). The Scientific Status of Intelligent Design: The Methodological Equivalence of Naturalistic and Non-Naturalistic Origins Theories. Center for Science and Culture, Discovery Institute. Página visitada em 2007-07-19.
  163. Wüthrich, Christian (January 11, 2007). Demarcating science vis-à-vis pseudoscience (PDF). Department of Philosophy. University of California at San Diego. Página visitada em 2007-07-19.
  164. Gauch, Jr., Hugh G.. Scientific Method in Practice. [S.l.]: Cambridge UP, 2003. ISBN 0521017084 Discusses principles of induction, deduction and probability related to the expectation of consistency, testability, and multiple observations. Chapter 8 discusses parsimony (Occam's razor)
  165. Elmes, David G.; Kantowitz, Barry H.; Roediger Henry L.. Research Methods in Psychology. 8th ed. [S.l.]: Wadsworth Publishing, 2005. ISBN 0534609767 Discusses the scientific method, including the principles of falsifiability, testability, progressive development of theory, dynamic self-correcting of hypotheses, and parsimony, or "Occam's razor".
  166. Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005), 4: whether ID is science. The ruling discusses central aspects of expectations in the scientific community that a scientific theory be testable, dynamic, correctible, progressive, based upon multiple observations, and provisional,
  167. See, e.g., Mark Perakh, "The Dream World of William Dembski's Creationism", in Skeptic Volume 11 (Number 4) 2005, 54–65. [12]
  168. Intelligent design fails to pass Occam's razor. Adding entities (an intelligent agent, a designer) to the equation is not strictly necessary to explain events. See, e.g., Branden Fitelson, et al: "How Not to Detect Design–Critical Notice: William A. Dembski The Design Inference ", in Robert T. Pennock, ed. Intelligent Design Creationism and Its Critics: Philosophical, Theological, and Scientific Perspectives, (MIT Press, 2001) p597–616.
  169. See, e.g., Jill E. Schneider (Dept. of Biological Sciences, Lehigh University, 2005) "Thoughts on Evolution and Intelligent Design" [13] "Q: Why couldn't intelligent design also be a scientific theory? A : The idea of intelligent design might or might not be true, but when presented as a scientific hypothesis, it is not useful because it is based on weak assumptions, lacks supporting data and terminates further thought".
  170. The designer is not falsifiable, since its existence is typically asserted without sufficient conditions to allow a falsifying observation. The designer being beyond the realm of the observable, claims about its existence can be neither supported nor undermined by observation, making intelligent design and the argument from design analytic a posteriori arguments. See, e.g., Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005). Ruling, p. 22 and p. 77.
  171. That intelligent design is not empirically testable stems from the fact that it violates a basic premise of science, naturalism. See, e.g., Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005). Ruling, p. 22 and p. 66.
  172. Intelligent design professes to offer an answer that does not need to be defined or explained, the intelligent agent, designer. By asserting a conclusion that cannot be accounted for scientifically, the designer, intelligent design cannot be sustained by any further explanation, and objections raised to those who accept intelligent design make little headway. Thus intelligent design is not a provisional assessment of data which can change when new information is discovered. Once it is claimed that a conclusion that need not be accounted for has been established, there is simply no possibility of future correction. The idea of the progressive growth of scientific ideas is required to explain previous data and any previously unexplainable data. See, e.g., the brief explanation in Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005). p. 66.
  173. Nobel Laureates Initiative (PDF). The Elie Wiesel Foundation for Humanity (September 9, 2005). Página visitada em 2007-07-19. The September 2005 statement by 38 Nobel laureates stated that: "Intelligent design is fundamentally unscientific; it cannot be tested as scientific theory because its central conclusion is based on belief in the intervention of a supernatural agent".
  174. Intelligent Design is not Science: Scientists and teachers speak out. University of New South Wales (October 2005). Página visitada em 2009-01-09. The October 2005 statement, by a coalition representing more than 70,000 Australian scientists and science teachers said: "intelligent design is not science" and called on "all schools not to teach Intelligent Design (ID) as science, because it fails to qualify on every count as a scientific theory".
  175. Creationism and the Daubert test?. PZ Myers, Pharyngula.org (May 21, 2005).
  176. a b c Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005). 4. Whether ID is Science, p. 87
  177. Hawks, John (August 2005). The President and the teaching of evolution. John Hawks Weblog. Página visitada em 2007-07-19.
  178. Skeptic: eSkeptic: Thursday, April 17th, 2008
  179. Goodstein, Laurie (December 4, 2005). Intelligent Design Might Be Meeting Its Maker. The New York Times. Página visitada em 2007-07-19.
  180. Meyer, S.C.. (2004). "The origin of biological information and the higher taxonomic categories". Proceedings of the Biological Society of Washington 117 (2): 213–239.
  181. The Sternberg peer review controversy and several similar academic disputes are the subject of the 2008 documentary "Expelled: No Intelligence Allowed".
  182. Statement from the Council of the Biological Society of Washington. Biological Society of Washington. Página visitada em 2007-07-19.
  183. Dembski, William A. (2001). Is Intelligent Design a Form of Natural Theology?. Design Inference Website. Página visitada em 2007-07-19.
  184. Página pessoal do Dr. Richard Sternberg (em inglês)
  185. Sternberg vs. Smithsonian - The Panda's Thumb. pandasthumb.org. Página visitada em 2008-11-29.
  186. McMurtie, Beth (2001). Darwinism Under Attack. The Chronicle Of Higher Education.
  187. Kitzmiller v. Dover Area School District, October 19, 2005, AM session Kitzmiller Testimony, Behe
  188. Peer-Reviewed, Peer-Edited, and other Scientific Publications Supporting the Theory of Intelligent Design (Annotated). Discovery Institute (July 2007). Página visitada em 2007-07-17.
  189. Isaak, Mark (2006). Index to Creationist Claims. The TalkOrigins Archive. "With some of the claims for peer review, notably Campbell and Meyer (2003) and the e-journal PCID, the reviewers are themselves ardent supporters of intelligent design. The purpose of peer review is to expose errors, weaknesses, and significant omissions in fact and argument. That purpose is not served if the reviewers are uncritical"
  190. Brauer, Matthew J.; Forrest, Barbara; Gey Steven G.. (2005). "Is It Science Yet?: Intelligent Design Creationism and the Constitution" (PDF). Washington University Law Quarterly 83 (1).
  191. Dembski, William A. (April 2002). Detecting Design in the Natural Sciences. Intelligent Design?. Natural History Magazine. Página visitada em 2007-07-18.
  192. Shostak, Seth (December 2005). SETI and Intelligent Design. Space.com. Página visitada em 2007-07-18. "In fact, the signals actually sought by today's SETI searches are not complex, as the ID advocates assume. [...] If SETI were to announce that we're not alone because it had detected a signal, it would be on the basis of artificiality"
  193. "For human artifacts, we know the designer's identity, human, and the mechanism of design, as we have experience based upon empirical evidence that humans can make such things, as well as many other attributes including the designer's abilities, needs, and desires. With ID, proponents assert that they refuse to propose hypotheses on the designer's identity, do not propose a mechanism, and the designer, he/she/it/they, has never been seen. In that vein, defense expert Professor Minnich agreed that in the case of human artifacts and objects, we know the identity and capacities of the human designer, but we do not know any of those attributes for the designer of biological life. In addition, Professor Behe agreed that for the design of human artifacts, we know the designer and its attributes and we have a baseline for human design that does not exist for design of biological systems. Professor Behe's only response to these seemingly insurmountable points of disanalogy was that the inference still works in science fiction movies".— Kitzmiller v. Dover Area School District, 04 cv 2688 (December 20, 2005)., p. 81
  194. Edis, Taner (March/April 2001). Darwin in Mind: Intelligent Design Meets Artificial Intelligence. Skeptical Inquirer Magazine. Página visitada em 2007-07-17.
  195. Primer: Intelligent Design Theory in a Nutshell. Intelligent Design and Evolution Awareness Center (2007). Página visitada em 2007-07-14.
  196. a b Scott, Eugenie C.; Branch, Glenn (September 2002). "Intelligent Design" Not Accepted by Most Scientists. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-07-14.
  197. See, for instance: Hube, Richard H.. (Fall 1971). "Man Come Of Age: Bonhoeffer's Response To The God-Of-The-Gaps". Journal of the Evangelical Theological Society 14: 203–220.
  198. Norman Geisler & Turek "I Don't Have Enough Faith to be an Atheist". Ed.2°. Crossway Books, 2004.
  199. Tammy Kitzmiller, et al. v. Dover Area School District, et al.
  200. Powell, Michael. "Judge Rules Against 'Intelligent Design'", The Washington Post, December 21, 2005. Página visitada em 2007-09-03.
  201. Crowther, Robert (December 20, 2005). Dover Intelligent Design Decision Criticized as a Futile Attempt to Censor Science Education. Evolution News & Views. Discovery Institute. Página visitada em 2007-09-03.
  202. Associated Press. "Judge rules against 'intelligent design'", MSNBC, December 20, 2005. Página visitada em 2008-10-17.
  203. Provonsha, Matthew (September 21, 2006). Godless: The Church of Liberalism. eSkeptic. Página visitada em 2007-09-03.
  204. Padian, Kevin; Nick Matzke (January 4, 2006). Discovery Institute tries to "swift-boat" Judge Jones. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-09-03.
  205. Raffaele, Martha. "Intelligent design policy struck down", Dallas Morning News, December 20, 2005. Página visitada em 2007-09-03.
  206. (April 10, 2007) "Articles: Editor's Note: Intelligent Design Articles" (PDF). University of Montana Law Review 68 (1).
  207. DeWolf, David K; West, Johng G; Luskin, Casey. (May 4, 2007). "Intelligent Design Will Survive Kitzmiller v. Dover" (PDF). University of Montana Law Review 68 (1).
  208. Irons, Peter. (April 27, 2007). "Disaster In Dover: The Trials (And Tribulations) Of Intelligent Design" (PDF). University of Montana Law Review 68 (1).
  209. DeWolf, David K; West, John G; Luskin, Casey. (April 27, 2007). "Rebuttal to Irons" (PDF). University of Montana Law Review 68 (1).
  210. The dangers of creationism in education. Council of Europe. Página visitada em 2007-08-03.
  211. NCSE Resource—Council of Europe approves resolution against creationism. National Center for Science Education (October 4, 2007). Página visitada em 2007-10-05.
  212. WIRED Magazine response. Illustra Media. Página visitada em 2007-07-13. "It's also important that you read a well developed rebuttal to Wired's misleading accusations. Links to both the article and a response by the Discovery Institute (our partners in the production of Unlocking the Mystery of Life and The Privileged Planet)"
  213. Meyer, Stephen C.; Allen, W. Peter (July 15, 2004). Unlocking the Mystery of Life. Center for Science and Culture, Discovery Institute. Página visitada em 2007-07-13.
  214. Randerson, James (November 27, 2006). Revealed: rise of creationism in UK schools. The Guardian. Página visitada em 2008-10-17.
  215. 'Design' attack on school science. BBC News (September 29, 2006). Página visitada em 2007-07-13.
  216. Written Answers. Daily Hansard. Parliament of the United Kingdom (November 1, 2006). Página visitada em 2007-07-13.
  217. Schools: Intelligent Design. Daily Hansard. Parliament of the United Kingdom (December 18, 2006). Página visitada em 2007-07-13.
  218. a b NCSE Resource—Guidance on creationism for British teachers. NCSE (September 25, 2007). Página visitada em 2007-09-30.
  219. How can we answer questions about creation and origins? (PDF). Qualifications and Curriculum Authority for England (2006). Página visitada em 2007-10-01.
  220. NoCreSciEd - epetition reply. Her Majesty's Stationery Office. Página visitada em 2007-07-13.
  221. Lengagne, Guy (June 8, 2007). The dangers of creationism in education. Committee on Culture, Science and Education, Socialist Group, Parliamentary Assembly. Council of Europe, Doc. 11297. Página visitada em 2008-10-17.
  222. Henry, Lesley-Anne (September 26, 2007). Tussle of Biblical proportions over creationism in Ulster classrooms - Education - News - Belfast Telegraph. Belfast Telegraph. Página visitada em 2007-10-01.
    * Viewpoint: The world, according to Lisburn folk - Opinion - News - Belfast Telegraph. Belfast Telegraph (September 27, 2007). Página visitada em 2007-10-01.
  223. Dup Call For Schools To Teach Creation Passed By Council—Lisburn Today. Ulster Star (September 26, 2007). Página visitada em 2008-10-17.
  224. Enserink, Martin. (June 3, 2005). "Evolution Politics: Is Holland Becoming the Kansas of Europe?". Science 308 (5727): 1394. DOI:10.1126/science.308.5727.1394b. PMID 15933170.
  225. Cabinet ministers announced (update 2). DutchNews.nl (February 13, 2007). Página visitada em 2008-05-31.
  226. De Morgen, May 23, 2005
  227. a b Edis, Taner (January 2008). The History of Science Society : The Society. Islamic Creationism: A Short History pp. Newsletter, Vol. 37, No.1. History of Science Society. Página visitada em 2008-02-23.
  228. Edis, Taner. Cloning Creationism in Turkey. National Center for Science Education. Página visitada em 2007-07-13.
  229. Jones, Dorian L (March 12, 2008). Turkey's survival of the fittest. ISN Security Watch. Página visitada em 2008-03-13.
  230. Smith, Deborah. "Intelligent design not science: experts", Sydney Morning Herald, October 21, 2005. Página visitada em 2007-07-13.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

(em português)

  • A Caixa-Preta de Darwin: O Desafio da Bioquímica à Teoria da Evolução por Michael J. Behe.
  • A Ideia Perigosa de Darwin (1995) por Daniel C. Dennett.

(em inglês)

  • The Politically Incorrect Guide to Darwinism and Intelligent Design por Johathan Wells.
  • Darwin's Black Box: The Biochemical Challenge to Evolution por Michael J. Behe.
  • Evolution: A Theory In Crisis por Michael Denton.
  • Nature's Destiny: How the Laws of Biology Reveal Purpose in the Universe por Michael Denton.
  • DEMBISK, William, The Design of Life: Discovering Signs of Intelligence In Biological Systems, ISBN 978-0980021301
  • MEYER, Stephen C., Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design, ISBN 978-0061472794

Ver também[editar | editar código-fonte]

Livros da Wikipédia
Argumentos a favor
Tópicos relacionados em criacionismo
Argumentos contra
Ciência
Paródias

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Pró-Design Inteligente
Contra o Design Inteligente
Artigos da mídia