Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde novembro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
UFRN
Fundação 25 de junho de 1958 (58 anos)
Tipo de instituição Pública
Localização Natal, Rio Grande do Norte
Docentes 1.638
Reitor(a) Ângela Maria Paiva Cruz
Vice-reitor(a) José Daniel Diniz Melo
Total de estudantes 36.000[1]
Afiliações CRUB, RENEX [2]
Orçamento anual 1.026.271.882,45 (2012) [3][4]
Página oficial www.ufrn.br

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) é uma instituição de ensino superior pública brasileira, sob a forma de autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação, com sede na cidade de Natal, no estado do Rio Grande do Norte.

Criada em 1958 e oriunda da Universidade do Rio Grande do Norte, a UFRN é o principal centro universitário do Estado e possui cinco campi: Natal (Campus Central, onde concentra toda sua estrutura administrativa numa área de 123 hectares), Macaíba (através da Escola Agrícola de Jundiaí), Santa Cruz (através da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí), Caicó e Currais Novos (ambos através do Centro de Ensino Superior do Seridó).

Além da graduação, a UFRN mantém diversos programas de pós-graduação (stricto e lato sensu), projetos de pesquisa e extensão, bem como inúmeros pólos de Educação à Distância (EAD), educação infantil, ensino técnico e três hospitais universitários (Onofre Lopes, Januário Cicco e Ana Bezerra). Devido a sua longa tradição e pioneirismo nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, a instituição sempre se mantem nas primeiras posições entre as instituições mais bem avaliadas das regiões regiões Norte e Nordeste (IGC/INEP),[5][6] o que lhe confere um dos maiores orçamentos entre as universidades públicas do país.

Estruturalmente, a instituição é composta pela Reitoria, diversas pró-reitorias, secretarias e superintendências, além de 08 (oito) Centros Acadêmicos (que congregam os departamentos e coordenações nas áreas de ciências humanas, sociais, exatas, biológicas, saúde, educação e tecnologias), unidades suplementares (como os Museus Câmara Cascudo e do Seridó e os institutos Metrópole Digital, do Cérebro, Internacional de Física e Medicina Tropical) e unidades acadêmicas especializadas (como as escolas de Música e Ciências e Tecnologia).

História[editar | editar código-fonte]

Originou-se da Universidade do Rio Grande do Norte, criada a 25 de junho de 1958, através de lei estadual, e federalizada a 18 de dezembro de 1960. A Universidade do Rio Grande do Norte, instalada em sessão solene realizada no Teatro Alberto Maranhão, a 21 de março de 1959, foi formada a partir de faculdades e escolas de nível superior já existentes em Natal, como a Faculdade de Farmácia e Odontologia, a Faculdade de Direito de Natal, a Faculdade de Medicina de Natal e a Escola de Engenharia, dentre outras.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Escola Multicampi de Ciências Médicas da UFRN, Campus Caicó.

Na década de 1970, teve início a construção do Campus Central entre os bairros de Lagoa Nova, Capim Macio e Nova Descoberta, numa área de 123 ha, que abriga a maior parte das instalações da universidade na capital.

Além dos diversos setores de aulas, auditórios, laboratórios e bibliotecas, o Campus Central possui um Centro de Convivência com restaurante, agências bancárias, livrarias, galeria de arte e agência dos correios. No prédio da Reitoria concentram-se o Gabinete do Reitor, as Pró-Reitorias e todos os setores da administração central.

Divide-se em Centro de Biociências (CB), Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes (CCHLA), Centro de Ciências Exatas e da Terra (CCET), Centro de Ciências Sociais Aplicadas (CCSA), Centro de Educação (CE), Centro de Tecnologia (CT), Centro de Ciências da Saúde (CCS), Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi (FACISA), Centro de Ensino Superior do Seridó (CERES), este último localizado nos municípios de Caicó e Currais Novos e a Escola Multicampi de Ciências Médicas (EMCM), com sede em Caicó.

Recentemente foram inaugurados os Instituto Internacional de Neurociências, Instituto Internacional de Física e o Instituto Metrópole digital.

Destaque[editar | editar código-fonte]

A UFRN é um dos principais centros de estudo de sismologia do país.[7] Além disso, a universidade conta com o curso de pós-graduação em Sistemas Complexos Aplicados às Ciências da Vida, o único na América Latina.[8]

Na edição 2009.3, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) elegeu o curso de Direito da UFRN (Campus Caicó) como o terceiro melhor do país.[9] [10]

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu a melhor avaliação dentre as instituições de Ensino Superior das regiões Norte e Nordeste, pelo Índice Geral de Cursos (IGC). O posto antes era ocupado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).[11]

No ranking publicado em fevereiro de 2013 pelo site Webometrics, a UFRN havia ficado na 31ª posição entre as 100 universidades da América Latina. A lista mostra as instituições de acordo com sua presença e impacto na web, além da visibilidade e qualidade do conteúdo publicado.[12][13]

Pelo Enade 2012, (exame monitora a qualidade das graduações em todo o país) divulgado pelo Ministério da Educação, a UFRN apareceu na lista com 11 cursos com nota 5 (que é a nota máxima), são eles Direito nos campi Natal e Caicó, Psicologia e Publicidade e Propaganda.[14]

Processo seletivo[editar | editar código-fonte]

O ingresso nos cursos de graduação da UFRN era feito, até 2012, por meio do vestibular. Ele consistia em provas discursivas e objetivas das disciplinas obrigatórias do ensino médio, segundo o MEC, e realizado em 3 dias. No que se refere aos cadernos com questões objetivas, o primeiro dia era destinado às provas de Matemática, Física, Química, Biologia e Língua Estrangeira (Inglês,espanhol e Francês) com 12 questões objetivas com quatro alternativas. No segundo dia existia uma prova de Português e Literatura com 20 questões objetivas, provas de História e Geografia com 12 objetivas cada e uma redação. No último dia existiam as provas com questões discursivas (4 em cada) que dependem da escolha da área do curso em que se presta o vestibular. Eram elas:

  • Humanas I: Matemática, História e Geografia
  • Humanas II: História, Geografia, Língua Estrangeira (Inglês, Espanhol ou Francês à escolha do candidato)
  • Tecnológica I: História, Física e Matemática
  • Tecnológica II: Química, Física e Matemática;
  • Biomédica: Biologia, Química, Física.

A partir do semestre 2014.1 a entrada nos cursos de graduação é feita, exclusivamente, através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) o qual utiliza as notas do Exame Nacional do Ensino Médio para selecionar os ingressantes.

Argumento de Inclusão[editar | editar código-fonte]

Desde o vestibular de 2006, a UFRN usa um sistema de bonificação chamado "Argumento de Inclusão" para ajudar alunos provenientes de escola pública a passarem no vestibular. Até então, o bonus variava de percentual, sendo sempre maior nos cursos onde ingressavam menos alunos da rede pública e ia de zero a 7%. Entretanto, a partir do vestibular 2010, o bonus foi padrozinado em 10% para todos os cursos.[15]

Para os seus defensores, o Argumento de Inclusão é uma forma de equilibrar melhor as oportunidades entre os alunos de escola públicas e particulares e só beneficia os melhores estudantes, visto a disparidade de ensino entre escolas públicas e particulares.[15]

Entretanto, muitos criticam a bonificação, pois ela tira de muitos estudantes que tiraram notas suficientes a oportunidade de passar no vestibular, sejam eles provenientes de escola particular, sejam eles provenientes de escola pública que não foram beneficiados pelo sistema de Argumento de Inclusão. Para se ter uma idéia do poder do argumento: mesmo que um aluno da rede privada, acertasse a prova inteira, todas as questões da primeira e segunda fase, ainda assim esse aluno não seria o primeiro lugar. No vestibular 2010 de medicina, um candidato que conquistou as melhores notas no vestibular terminou na nona colocação por ser aluno da rede privada.[15]

Mas o rendimento acadêmico dos alunos que ingressaram com ajuda do Argumento de Inclusão tem um rendimento escolar acima dos que não se beneficiam dele.[16]

Em 2006, o Argumento de Inclusão chegou a ser questionado pelo Ministério Público Federal do Rio Grande do Norte que entrou com uma ação civil pública por tratar de maneira diferenciada estudantes do ensino público do Rio Grande do Norte em detrimento dos de estudantes de escolas públicas de outros estados que iriam fazer o vestibular da UFRN.[17]

Cursos de Graduação[editar | editar código-fonte]

A universidade dispõe dos seguintes cursos de bacharelado, licenciatura e tecnologia:[18]

Ciências Exatas


Ciências Biomédicas


Ciências Humanas


Pós-Graduação[editar | editar código-fonte]

A Universidade oferece 38 cursos de mestrado e 18 cursos de doutorado

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]