Universidade Federal do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Universidade Federal do Rio de Janeiro
UFRJ
Lema A Universidade do Brasil
Nomes anteriores Universidade do Rio de Janeiro Universidade do Brasil
Fundação 17 de dezembro de 1792 (223 anos) (Real Academia)
7 de setembro de 1920 (95 anos) (Universidade)
Tipo de instituição Pública
Mantenedora Coat of arms of Brazil.svg Ministério da Educação
Localização Rio de Janeiro[1] , Rio de Janeiro[1]
Docentes 3 821 (2012)[2]
Reitor(a) Roberto Leher[3]
Vice-reitor(a) Denise Fernandes Lopez Nascimento [3]
Total de Estudantes 67 329 (2013)[4]
Graduação 55 787 (2013)[5]
Pós-Graduação 11 542 (2013)[6]
Campus
Cores da Escola          
Afiliações ANDIFES, CRUB e RENEX[7]
Orçamento anual R$3,1 bilhões (2013)[8]
Página oficial ufrj.br

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também denominada Universidade do Brasil,[9] é a nona maior universidade federal do país[10] e um dos centros brasileiros de excelência no ensino e pesquisa.[11]

Em termos de produção científica, artística e cultural, é reconhecida nacional e internacionalmente, mercê do desempenho dos pesquisadores e das avaliações levadas a efeito por agências externas.[12] Em 2015 o QS World University Rankings classificou a UFRJ como a melhor universidade federal brasileira, bem como a terceira melhor universidade do país, a quinta entre as instituições da América Latina[13] [14] [15] e a 25ª melhor instituição universitária dos BRICS e de outros países em desenvolvimento.[16] [17] O Ranking Universitário da Folha de S.Paulo de 2015 também a classificou como a segunda melhor universidade brasileira e como a melhor federal do país[18]

Primeira instituição oficial de ensino superior do Brasil,[19] possui atividades ininterruptas desde 1792, com a fundação da Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho,[20] da qual descende a atual Escola Politécnica.[21] Por ser a primeira universidade federal criada no país em 1920, serviu como modelo para as demais.[22] Além dos 179 cursos de graduação e 345 de pós-graduação, compreende sete museus, com destaque para o Museu Nacional, nove unidades hospitalares, uma editora, centenas de laboratórios e 43 bibliotecas. Sua história e sua identidade se confundem com o percurso do desenvolvimento brasileiro em busca da construção de uma sociedade moderna, competitiva e socialmente justa.[23]

A universidade está localizada principalmente na cidade do Rio de Janeiro, com atuação em outros dez municípios. Seus principais campi são o histórico campus da Praia Vermelha e a Cidade Universitária, que abriga o Parque Tecnológico do Rio – um complexo de desenvolvimento da ciência, tecnologia e inovação. Há também diversas unidades isoladas na capital fluminense: a Escola de Música, a Faculdade de Direito, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais e o Instituto de História.

História[editar | editar código-fonte]

Palácio Universitário, construído em 1842 no estilo neoclássico. Em destaque, a estátua da Caridade, que remete à piedade com os doentes (o edifício foi construído, originalmente, para abrigar o Hospício Pedro II).

Criação[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal do Rio de Janeiro é descendente direta dos primeiros cursos de ensino superior do Brasil. Criada em 7 de setembro de 1920 através do Decreto 14 343 pelo então presidente Epitácio Pessoa, a instituição recebeu o nome de "Universidade do Rio de Janeiro".[24] Sua história, porém, é bem mais antiga e confunde-se com a própria história do desenvolvimento cultural, econômico e social brasileiro; muitos dos seus cursos vêm da época da implantação do ensino de nível superior no país.[25]

No início, ela reuniu a Escola Politécnica, que era oriunda da Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho criada em 17 de dezembro de 1792 no reinado da rainha portuguesa Dona Maria I (embora o ensino de engenharia militar no Brasil já ocorresse desde 1699 por decreto régio de Dom Pedro II de Portugal);[26] [nota 1] a Faculdade Nacional de Medicina, criada em 2 de abril de 1808 pelo príncipe regente Dom João VI com o nome de "Academia de Medicina e Cirurgia";[31] e a Faculdade Nacional de Direito, resultante da fusão da "Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais" com a "Faculdade Livre de Direito", ambas reconhecidas pelo Decreto 639, de 31 de outubro de 1891.[32] [33]

A essas unidades iniciais, progressivamente foram-se somando outras, tais como a Escola Nacional de Belas Artes, a Faculdade Nacional de Filosofia, e diversos outros cursos que sucederam àqueles pioneiros. Com isso, a Universidade do Rio de Janeiro representou papel fundamental na implantação do ensino de nível superior no país.[34] A criação da Universidade do Rio de Janeiro veio cumprir, pois, uma aspiração da intelectualidade brasileira desde os tempos da colônia.[35] A tradição de seus cursos pioneiros deu-lhe o papel de celeiro dos professores que implantaram os demais cursos de nível superior no Brasil.[36]

Diploma conferido em 1928 pela "Universidade do Rio de Janeiro"

Reestruturação[editar | editar código-fonte]

Após desvelada uma grande reestruturação promovida pelo ministro Capanema em 1937, durante o governo Vargas, passou a ser chamada de Universidade do Brasil, com o objetivo do governo de controlar a qualidade do ensino superior no país e, dessa forma, padronizar o ensino, criando o padrão ao qual as outras universidades brasileiras deveriam ser adaptar.[37] Este fato demonstra a forte influência da concepção francesa de universidade, em que as escolas componentes são isoladas, tendo um caráter de ensino especialista e profissionalizante com forte controle estatal, ao contrário do modelo alemão, observado, por exemplo, na Universidade de São Paulo, criada em 1934.[38]

O início da segunda metade do século XX marcou a institucionalização da pesquisa na universidade, com a consequente implantação de institutos de pesquisa, docência em regime de tempo integral, formação de equipes docentes altamente especializadas e estabelecimento de convénios com agências financiadoras nacionais e internacionais.[25]

O prédio do atual Palácio Universitário no século XIX, período em que foi sede do Hospício Pedro II. O edifício foi doado somente em 1949 para a Universidade do Brasil.

O ano de 1958, do sesquicentenário do curso de medicina, encontrou a comunidade universitária com profundos e urgentes anseios de reforma estrutural que implicasse mais acentuada participação de docentes e discentes e aproveitamento mais racional de recursos. Iniciou-se um processo amplo de debates e consultas, consubstanciado no anteprojeto de reforma da Universidade do Brasil que, prontamente absorvido pela comunidade científica, serviu de base a projetos de instalação de novas universidades e atingiu os meios de comunicação e esferas decisórias governamentais.[39]

Em 1965, a universidade ganharia seu nome atual sob o governo de Castelo Branco, seguindo a padronização dos nomes das universidades federais de todo o país, ocasião em que adquiriu plena autonomia financeira, didática e disciplinar.[40] [41]

Desencadeado o processo de reforma universitária, que teve seu marco mais significativo no Decreto 53, de 18 de novembro de 1966, a universidade teve aprovado seu plano de reestruturação, que visava à sua adequação às normas então editadas, aprovado por decreto de 13 de março de 1967.[42] Trata-se de uma situação auspiciosa, sob todos os aspectos, sobretudo considerando a ausência de tradição, absolutamente compreensível em países de história recente, como é o caso do Brasil.[43]

A Ponte do Saber é uma das principais formas de saída da ilha em que se encontra a Cidade Universitária
Núcleo de Microscopia Eletrônica, o mais avançado laboratório da América Latina destinado à caracterização de materiais de engenharia e bioengenharia. [44]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

A universidade vem mantendo abertas suas portas aos estrangeiros que têm vindo trazer ou buscar ensinamentos, bem como proporcionando a seus docentes estágios em outros centros, em diferentes áreas. O acentuado intercâmbio com outras instituições possibilita a formação de tendências reformistas em perfeita coexistência com o peso de sua tradição.[45]

A universidade possui a deusa romana Minerva em sua identidade institucional,[46] considerada a deusa das artes e de todos os ofícios, também é associada como deusa da sabedoria e do conhecimento. Diversas esculturas deste símbolo podem ser vistas nas entradas dos centros e órgãos que compõe a universidade.[47]

No ano 2000, a reitoria entrou com um pedido na Justiça Federal com o objetivo de voltar a ter o direito da universidade chamar-se "Universidade do Brasil", pois esse nome havia sido modificado por um decreto emitido durante a Ditadura Militar. Esse pedido foi deferido e, atualmente, se é possível utilizar os dois nomes para designar a universidade.[9]

Existe um ambicioso programa de cursos de extensão através do qual o raio de ação foi ampliado consideravelmente por meio da educação permanente e da oferta de cursos à comunidade, envolvendo os mais diversos atores, dos mais diferentes níveis de escolaridade.[48] Além disso, cumpre destacar a notável contribuição da universidade à saúde do Rio de Janeiro, concretizada com o oferecimento de mil leitos hospitalares, em nove hospitais universitários, apoiando, decisivamente, a rede de atendimento em saúde no estado do Rio de Janeiro.[49]

Em 2010, a instituição obteve o conceito "muito bom", alcançando a nota máxima no Índice Geral de Cursos do Ministério da Educação.[50] [51] É notável que, nesta universidade, tenha se difundido o célebre pensamento de um dos seus mais importantes pesquisadores:[52]

Cquote1.svg Na universidade se ensina porque se pesquisa. Cquote2.svg

Organização[editar | editar código-fonte]

O prédio da reitoria projetado pelo arquiteto Jorge Moreira e construído em 1957, foi premiado no mesmo ano na IV Bienal Internacional de Arte de São Paulo. Seus jardins são de autoria de Roberto Burle Marx.

Administração[editar | editar código-fonte]

A Universidade Federal do Rio de Janeiro é uma autarquia, de direito público, vinculada ao Ministério da Educação.[53]

A administração universitária é formada por conselhos superiores, sendo eles: o Conselho Universitário, órgão máximo deliberativo cujo presidente é o reitor; o Conselho de Curadores, órgão deliberativo responsável pelo controle do movimento financeiro e patrimonial da universidade que também possui como presidente o reitor; o Conselho de Ensino de Graduação), órgão colegiado responsável pelos atos acadêmicos e de acesso à graduação, seu presidente é o pró-reitor de graduação; e o Conselho de Ensino para Graduados, órgão colegiado responsável pelas atividades de pesquisa e pós-graduação, presidiado pelo pró-reitor de pós-graduação e pesquisa.[54]

A instituição é dirigida por um reitor auxiliado por um vice-reitor e seis pró-reitores. O reitor é escolhido e nomeado pelo ministro da Educação a partir duma lista tríplice composta por candidatos indicados através de eleições realizadas a cada quatro anos. Em geral, o ministro respeita a decisão da comunidade acadêmica, escolhendo o primeiro colocado.[55] O reitor é Roberto Leher, sendo vice-reitora Denise Fernandes Lopez Nascimento.[56] [57]

As pró-reitorias que compõem a administração universitária são as seguintes: Pró-reitoria de Graduação, Pró-reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Pró-reitoria de Planejamento e Desenvolvimento, Pró-reitoria de Pessoal, Pró-reitoria de Extensão e a Pró-reitoria de Gestão e Governança.[58] Com o papel de órgãos de execução, há as seguintes superintendências: Superintendência Geral de Graduação, Superintendência Geral de Pós-Graduação e Pesquisa, Superintendência Geral de Planejamento e Desenvolvimento, Superintendência Geral de Finanças, Superintendência Geral de Pessoal, Superintendência Geral de Extensão, Superintendência Geral de Gestão e Controle, Superintendência Geral de Governança, Superintendência Geral de Tecnologia da Informação e Comunicação Gerencial, Superintendência Geral de Políticas Estudantis e a Superintendência Geral de Atividades Fora da Sede.[59]

Salão Dourado do Palácio Universitário, espaço de importantes eventos.
Interior da Capela de São Pedro de Alcântara no Palácio Universitário.[carece de fontes?]

Reitores ilustres[editar | editar código-fonte]

Egrégios nomes já ocuparam o posto de reitor da UFRJ,[60] dentre eles: o médico Benjamin Franklin Ramiz Galvão, primeiro reitor da universidade e ex-membro da Academia Brasileira de Letras (ABL);[61] o médico Raul Leitão da Cunha;[62] o ex-ministro da Educação e Saúde Pedro Calmon;[63] o também imortal da ABL Deolindo Couto;[64] o ex-ministro da Educação Raymundo Augusto de Castro Moniz de Aragão;[65] e o economista Carlos Lessa, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).[66]

Visão noturna da Cidade Universitária: em destaque a Ponte do Saber sustentada por 21 estais atrelados a um pilone.

Números[editar | editar código-fonte]

De acordo com seu anuário estatístico (2013), ao todo, a universidade possui 52 unidades e órgãos suplementares, cada vinculado a um dos seis centros. Seu corpo discente é composto por 48.454 estudantes de graduação com matrículas ativas em cursos presenciais e 7.333 em cursos a distância, tendo 5.381 graduados/ano; já na pós-graduação são 5.389 alunos de mestrado acadêmico, 615 de mestrado profissional e 5.538 de doutorado. De um total de 3.735 docentes ativos, 2.982 são doutores, 78 pós doutores, 575 mestres e 48 especialistas. Ademais, o Colégio de Aplicação possui cerca de 760 alunos matriculados.[67]

Patrimônio[editar | editar código-fonte]

A principal estrutura da UFRJ está na Cidade Universitária (5 238 337,82 m²), localizada na Ilha do Fundão, no entanto, o campus da Praia Vermelha (100 976,90 m²) ainda concentra diversas unidades e órgãos suplementares. Há ainda o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, o Instituto de História, a Faculdade de Direito, o Observatório do Valongo, a Escola de Música, a Casa do Estudante Universitário e o Museu Nacional (53 276 40 m²). Sendo unidades de saúde isoladas: Maternidade-Escola, Hospital Escola São Francisco de Assis e Escola de Enfermagem Anna Nery. A UFRJ possui além do campus de Macaé e do Polo Avançado de Xerém, terrenos na Avenida Chile na capital fluminense (8 550 m²), em Itaguaí (149 869,18 m²), em Jacarepaguá (Fazenda Vargem Grande com 10 000 m²), em Arraial do Cabo e em Santa Teresa, uma reserva biológica exclusiva para pesquisa (1 560 000 m²).[68]

O Museu Nacional é um dos principais patrimônios, não só da UFRJ, bem como da sociedade brasileira.

Estrutura[editar | editar código-fonte]

A estrutura da Universidade Federal do Rio de Janeiro é formada pelos seis centros universitários, juntamente ao Escritório Técnico da Universidade, ao Fórum de Ciência e Cultura (FCC) e a Prefeitura da Cidade Universitária.[69] Cada centro é formado por unidades e órgãos suplementares que desempenham atividades de ensino, pesquisa e extensão em áreas afins do conhecimento.[70] Estão representados abaixo as unidades universitárias e os órgãos suplementares agrupados de acordo com os seus respectivos centros.

Unidades universitárias

Órgãos suplementares

É no bloco A do Centro de Tecnologia em que estão sediados o Instituto de Química e o Instituto de Física.
O prédio de arquitetura moderna da reitoria abriga, além da administração central, a Escola de Belas Artes e a Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Centros universitários[editar | editar código-fonte]

  • Centro de Ciências da Saúde (CCS): é o maior centro da universidade, sendo envolvido em atividades e pesquisas de ponta relacionadas às biociências. Ao todo, reúne dez unidades e 14 órgãos suplementares: três hospitais, três núcleos, duas escolas, três faculdades e 13 institutos. As atividades do CCS são desenvolvidas principalmente em seu prédio na Cidade Universitária, porém há unidades na Praia Vermelha, no Centro do Rio de Janeiro, em Macaé e no Polo Avançado de Xerém.[71]
  • Centro de Tecnologia (CT): é segundo maior centro da universidade compreendendo duas grandes escolas de engenharia e dois institutos de pesquisa em alta tecnologia, situados na Cidade Universitária. O CT também possui duas incubadoras de empresas e uma fundação voltada a estudos tecnológicos. As unidades que hoje o compõe já existiam antes de sua criação, tendo histórias e processos de formação próprios. A atuação de suas unidades possui um alto valor para o âmbito tecnológico nacional, visto que é um grande centro de pesquisa e ensino em engenharia.[72]
  • Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza (CCMN): possui origem na tradicional e importante Faculdade Nacional de Filosofia, é formado por cinco institutos e um observatório. A principal infraestrutura do CCMN está localizada em seu prédio na Cidade Universitária. O Instituto de Química e o Instituto de Física estão localizados no bloco A do CT e o Instituto de Matemática está localizado no bloco C do CT, apesarem de serem unidades do CCMN. Já o Observatório do Valongo situa-se próximo à Praça Mauá, no topo do Morro da Conceição, sendo o único, entre as instituições de sua área, a oferecer a graduação em Astronomia.[73]
  • Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas (CCJE): responsável por desenvolver atividades na UFRJ no âmbito das ciências sociais aplicadas – administração, economia, direito e planejamento urbano. Reúne três unidades universitárias e dois órgãos suplementares: duas faculdades e três institutos, distribuídos pela Cidade Universitária, Praia Vermelha e no Centro do Rio de Janeiro.[74]
  • Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH): engloba atividades acadêmicas de forma interdisciplinar nas ciências sociais, tendo em vista os processos societários. O CFCH é formado por seis unidades universitárias e dois órgãos suplementares: duas escolas, uma faculdade, três institutos, um núcleo, além do Colégio de Aplicação – suporte para o ensino das licenciaturas. O CFCH possui atividades concentradas no campus da Praia Vermelha, apesar de também estar presente no Largo de São Francisco de Paula e na Lagoa.[75]
  • Centro de Letras e Artes (CLA): assim como os demais centros, foi criado em 1967, atualmente compreende quatro tradicionais unidades universitárias: duas escolas e duas faculdades, voltadas à arte, à linguagem e à arquitetura. Suas unidades situam-se na Cidade Universitária, à exceção da Escola de Música, localizada no Centro da cidade.[76]
  • Sala de aula do COPPEAD.
    Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (COPPEAD): A Escola de Negócios da UFRJ fundada em 1973, localizado em edifício próprio no campus Ilha do Fundão da UFRJ, é a única escola de negócios associada a uma universidade pública brasileira que detém certificação internacional, cujo mestrado, público e gratuito, é o único da América Latina listado entre os 100 melhores do mundo pelo ranking do prestigioso jornal inglês Financial Times.
Jardim do Centro de Tecnologia.

Unidades e órgãos suplementares[editar | editar código-fonte]

Foto aérea do Museu Nacional.

As unidades e os órgãos suplementares são de dois tipos: escolas ou faculdades – destinadas à formação profissional, à pesquisa e à extensão – e institutos – destinados à realização da pesquisa básica, à extensão e ao ensino em uma área fundamental do conhecimento; há ainda alguns núcleos de pesquisa, concebidos também como órgãos suplementares. Assim como na maioria das universidades brasileiras, as unidades e órgãos suplementares fragmentam-se em departamentos. Em geral, as unidades coordenam alguns cursos de graduação e pós-graduação, e os departamentos são responsáveis pelas disciplinas, de acordo com suas linhas de pesquisa.[77]

Estudantes na Biblioteca do Centro de Tecnologia.

Bibliotecas e museus[editar | editar código-fonte]

Guardando importantes documentos da história não só nacional, como também internacional, as bibliotecas e os museus da UFRJ podem ser considerados fonte primária de consulta dos pesquisadores mais renomados.

Em 1983, foi implantado o Sistema de Bibliotecas e Informação (SiBI). Desde então, os alunos contam com um fácil acesso às 43 bibliotecas, que possuem obras em todas as áreas do conhecimento. O sistema de acesso público ao acervo da universidade é feito através da Base Minerva, um banco de dados que integra todas as bibliotecas da universidade.[78]

Entre os museus e espaços culturais, destaca-se: o Museu Nacional, considerado o maior museu de história natural e antropológica da América Latina e a mais antiga instituição científica brasileira.[79] Seu prédio é a antiga residência da família imperial brasileira, no Paço de São Cristóvão. O museu foi criado por Dom João VI em 1818, sendo integrado à universidade somente em 1946.[80] O próprio imperador Dom Pedro II do Brasil, um entusiasta de todos os ramos da ciência, contribuiu com diversas peças de arte egípcia, fósseis e exemplares botânicos, entre outros itens, obtidos por ele em suas viagens.[81] Os laboratórios ocupam boa parte do museu e de alguns prédios erguidos no Horto Botânico, na Quinta da Boa Vista.[82]

Já em Botafogo, a universidade possui a denominada Casa da Ciência, um centro cultural de ciência e tecnologia que atua desde 1995 na popularização da ciência explorando diversas linguagens, seja no teatro, em exposições, na música, em oficinas, além de técnicas audiovisuais.[83]

Acesso ao Hospital Universitário Clementino Fraga Filho através da Via Expressa Presidente João Goulart (Linha Vermelha) que corta a porção norte da Cidade Universitária.

Complexo hospitalar[editar | editar código-fonte]

A rede médico-hospitalar da universidade é formada por nove órgãos suplementares distribuídos pelos diversos campi. Estima-se que as unidades hospitalares realizem um total de 566 410 atendimentos, 8 293 cirurgias e 18 555 internações por ano.[84]

Alunos[editar | editar código-fonte]

Ingresso[editar | editar código-fonte]

Um dos auditórios do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza. Esse popularmente conhecido como Roxinho.

Tal como em outras universidades públicas brasileiras, o ingresso na Universidade Federal do Rio de Janeiro ocorre por meio de concurso público realizado anualmente. Qualquer pessoa que tenha concluído o ensino médio pode candidatar-se a uma das vagas oferecidas. O ingresso também é possível por meio da transferência externa, por isenção de vestibular (reingresso) e através de convênios internacionais.[94]

Até o final da década de 1980, o concurso era realizado através do vestibular unificado da Fundação Cesgranrio. Por discordar da metodologia utilizada para avaliar os estudantes – em que as provas consistiam quase exclusivamente de questões de múltipla-escolha –, a universidade saiu deste convênio e passou a organizar o seu próprio concurso vestibular, denominado Concurso de Acesso aos Cursos de Graduação.[95] Este era composto somente de questões discursivas, considerado por muitos, um dos vestibulares mais difíceis e exigentes por possuir provas bem elaboradas, em que o candidato deveria discorrer sobre determinado assunto, ao invés de apontar a alternativa correta.[96]

O Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza sedia a Coordenação dos Concursos de Acesso aos Cursos de Graduação.

Desde 2010, a universidade vem sendo favorável à utilização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para seleção de candidatos.[97] Dessa forma, expandiu cada vez mais sua participação no Exame, até que, em 2011, decide extinguir o seu Concurso de Acesso e passa a utilizar somente os resultados do Enem, selecionando candidatos através do Sistema de Seleção Unificada (SiSU) do Ministério da Educação.[98] A universidade vem sendo uma das mais disputadas pelos candidatos: no segundo semestre de 2012 obteve 103 829 inscrições, assim sendo a instituição com maior procura no SiSU.[99]

LAMCE - Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia - COPPE/UFRJ. [100]

A UFRJ possui ações afirmativas, assim como outras universidades de excelência internacional, implantadas em 2010.[101] Atualmente, 30% das vagas destinam-se à ação afirmativa que possui como critério estudantes da rede pública de todo o país que tenham renda familiar per capita de até um salário mínimo.[102]

Ex-alunos ilustres[editar | editar código-fonte]

Nesta universidade notáveis profissionais obtiveram sua formação.

Movimento estudantil[editar | editar código-fonte]

Prédio em que a Faculdade de Medicina funcionou até 1973, na Praia Vermelha.
No Centro de Tecnologia estão situados os centros acadêmicos de Engenharia, Matemática, Física e Química, além do Diretório Acadêmico da Escola de Química.

Os discentes são representados pelo Diretório Central dos Estudantes Mário Prata (DCE). Fundado em 1930, sendo inclusive anterior à União Nacional dos Estudantes (UNE) (1937), acredita-se que tenha sido o primeiro DCE brasileiro. Foi uma entidade bastante representativa até que foi fechado pelo regime militar, em que várias lideranças do movimento estudantil foram assassinadas, entre elas, o estudante Mario de Souza Prata que era o então presidente do DCE.[163] A partir de fins da década de 1970, quando ocorreu a gradual abertura política, os diretórios acadêmicos tiveram permissão para atuar novamente. Entre os diversos alunos que participaram da reativação do DCE, encontram-se Mário Furley Schmidt[164] e alguns dos integrantes da Turma do Casseta & Planeta, como Marcelo Madureira,[165] Beto Silva[166] e Hélio de la Peña.[167]

Além do DCE, a universidade possui centros acadêmicos (CAs) para cada curso, como o Centro Acadêmico Carlos Chagas da Faculdade de Medicina,[168] o Centro Acadêmico da Engenharia da Escola Politécnica,[169] o Centro Acadêmico Cândido de Oliveira da Faculdade de Direito,[170] o Centro Acadêmico Max Planck do Instituto de Física[171] e o Diretório Acadêmico da Escola de Química.[172]

O trágico episódio conhecido como Massacre da Praia Vermelha foi um marco para o movimento estudantil brasileiro.[173] Na madrugada de 3 de setembro de 1966, forças da ditadura militar invadiram o antigo prédio da então Faculdade Nacional de Medicina e, cruelmente, espancaram diversos estudantes que ali estavam abrigados.[174] Houve, também, depredação do patrimônio público, causando estragos em diversos laboratórios e setores da faculdade. Os cerca de 600 estudantes protestavam contra diversas ações do governo militar, como o fechamento da UNE, o aumento do preço das refeições e, ainda, reivindicavam a libertação do estudante de Direito Rodrigo Lima, preso durante 35 dias no Batalhão de Guardas do Exército.[175]

Cquote1.svg Aos jovens estudantes que, na madrugada de 23 de setembro de 1968, no prédio da Faculdade Nacional de Medicina, ousaram resistir às forças policiais do regime militar. O episódio conhecido como "Massacre da Praia Vermelha" marca uma dos mais importantes monumentos da permanente luta da Universidade por sua autonomia. A eles nossa mais profunda admiração. Cquote2.svg
Conselho Universitário, Resolução de 24/08/2006

Ensino[editar | editar código-fonte]

Graduação[editar | editar código-fonte]

Os 157 cursos de graduação[176] da Universidade Federal do Rio de Janeiro abrangem todas as áreas do conhecimento e são distribuídos entre os períodos integral, matutino, vespertino e noturno. Cada curso está vinculado a uma unidade acadêmica. No entanto, alguns cursos são multiunidades, como, por exemplo, o curso de Nanotecnologia, oferecido em conjunto pela Escola Politécnica, pelo Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho, pelo Instituto de Física e pelo Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa Mano.[177]

Abaixo estão descritos todos os cursos oferecidos e seus respectivos desdobramentos, dentre ênfases, habilitações ou modalidades que os alunos podem optar no decorrer da graduação.[178]

Biociências

Ciências Exatas

Humanidades

Pós-graduação[editar | editar código-fonte]

A UFRJ possui 508 cursos de pós-graduação,[176] sendo 326 lato sensu (especialização) e 182 stricto sensu (mestrado, doutorado). De forma semelhante aos cursos de graduação, cada programa de pós-graduação está vinculado a uma unidade acadêmica. Tendo, em 2010, 1 965 bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), 844 bolsas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e 800 bolsas da própria universidade.[179]

Abaixo estão descritos todos os cursos oferecidos divididos entre lato sensu e stricto sensu, distribuídos de acordo com cada área de conhecimento.[178]

Cursos de pós-graduação lato sensu

Cursos de pós-graduação stricto sensu

Campi[editar | editar código-fonte]

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

Campus da Cidade Universitária. A Ilha do Fundão localiza-se na margem oeste da baía de Guanabara. [180]
Nucleo Interdisciplinar de Dinâmica dos Fluidos - Faz parte do Programa de Engenharia Mecânica da COPPE/UFRJ

A principal infraestrutura da Universidade Federal do Rio de Janeiro é a Cidade Universitária, situada na Ilha do Fundão, Zona Norte do Rio de Janeiro, ocupando quase a totalidade de sua extensão.[181] A Ilha foi criada na década de 1950 pela união de várias ilhas preexistentes por meio de aterros.[182] Entretanto, as atividades acadêmicas deste campus só iniciaram-se em 1970. O projeto inicial previa que todos os cursos fossem transferidos para lá.[183] O campus teve seus prédios construídos por grandes arquitetos modernistas brasileiros. Alguns dos projetos ganharam prêmios de arquitetura, caso do prédio da reitoria, projetado por Jorge Machado Moreira e premiado na IV Bienal de São Paulo.[184]

O campus possui alojamento (com 504 quartos) para alunos de graduação,[185] três restaurantes universitários (bandejões),[186] centros esportivos e agências bancárias.[187] Em 2010, foi inaugurada a Estação de Integração com o objetivo de oferecer maior segurança e comodidade à comunidade acadêmica. Por ali passam diversas linhas intercampi e internas transitando 24h por toda extensão da Cidade Universitária, oferecidas gratuitamente;[188] além de linhas regulares municipais e intermunicipais[189] que atendem a população oriunda da Baixada Fluminense e das regiões Metropolitana[190] e Serrana.[191] [192]

Nucleo Interdisciplinar de Dinâmica dos Fluidos - COPPE/UFRJ. Em sua curta existência, o NIDF motivou a criação de outros quatro laboratórios associados

O campus da Praia Vermelha, localizado na Urca, Zona Sul do Rio de Janeiro, concentra, principalmente, cursos ligados às ciências humanas. Seu prédio de maior destaque é o Palácio Universitário, construído em estilo neoclássico entre 1842 e 1852 para o Hospício Pedro II – inaugurado por Dom Pedro II dez anos mais tarde.[193] Em 1949, o edifício foi cedido à Universidade do Brasil, que restaurou e adaptou as instalações para ser sua sede.[194]

Palácio Universitário, principal prédio que compõe o campus da Praia Vermelha.
Sala de aula no COPPEAD.

Já na região central do Rio de Janeiro, estão distribuídas diversas unidades isoladas. A Faculdade de Direito no Palácio do Conde dos Arcos que abrigou o Senado Federal;[195] a Escola de Música instalada desde 1913 no antigo prédio da Biblioteca Nacional;[196] o Observatório do Valongo no topo do Morro da Conceição;[197] o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais e o Instituto de História, situados no prédio que sediou a Escola Nacional de Engenharia, no Largo de São Francisco de Paula.[198]

LNDC - Laboratório de Ensaios Não Destrutivos, Corrosão e Soldagem - COPPE/UFRJ
Fachada de um dos edifícios que compõem do Centro de Tecnologia 2 - CT2

No Plano Diretor UFRJ 2010-2020 há um projeto de transformação do campus da Praia Vermelha em um grande centro cultural e de transferência da maior parte das atividades acadêmicas deste campus e das unidades isoladas para a Cidade Universitária, retomando o projeto inicial da Cidade Universitária de concentrar as atividades universitárias na Ilha.[199] Isso tem gerado discussões na universidade pelo fato de boa parte dos alunos, professores e funcionários das unidades a serem transferidas não aceitarem a concentração destas na Cidade Universitária, visto a distância da Zona Sul à Zona Norte e o trânsito caótico da Linha Vermelha.[200]

Aloísio Teixeira, então reitor e defensor da integração, argumentou que o Palácio Universitário não suporta mais a circulação de duas a três mil pessoas ao dia, estando os problemas da Cidade Universitária em seus acessos.[201] Com o objetivo de sanar parte deste problema, em meados de 2010 foi iniciada a obra da primeira ponte estaiada do Rio, denominada Ponte do Saber, inaugurada no início de 2012 para receber diariamente 25 mil veículos.[202]

Duque de Caxias[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Polo Avançado de Xerém

Através do curso de graduação em Biofísica, no segundo semestre de 2008, a UFRJ iniciou suas atividades em Xerém, uma região com grande potencial industrial e tecnológico no município de Duque de Caxias.[203] Com o objetivo de colaborar com o Inmetro, a Universidade estabeleceu parceria com a Prefeitura Municipal de Duque de Caxias e com a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico e Políticas Sociais.[204] [205] Atualmente são oferecidos, além de Biofísica, os cursos de Biotecnologia e Nanotecnologia, ambos implantados no primeiro semestre de 2010.[206] Já no ano seguinte, deu-se início ao mestrado profissional em Formação Científica para Professores de Biologia, com o público-alvo licenciados em Ciências Biológicas que buscam atualização e aperfeiçoamento.[207] Os alunos têm à disposição a infraestrutura e os laboratórios do Inmetro, apesar de muitos ainda realizarem seus estágios curriculares na Cidade Universitária, assim como a maioria dos docentes cujos laboratórios estão no campus sede. A inauguração do campus universitário em área do Inmetro cedida à UFRJ está prevista para meados de 2012.[208]

Macaé[editar | editar código-fonte]

Complexo universitário do campus de Macaé no norte fluminense.

A presença da UFRJ em Macaé vem desde a década de 1980, em que pesquisadores do Instituto de Biologia realizavam pesquisas em lagoas da Região dos Lagos. Em parceria com a Prefeitura Municipal de Macaé, em 1994, foi instituído o Núcleo de Pesquisas Ecológicas de Macaé (NUPEM).[209] O reconhecimento da presença e importância da universidade no município foi visível, tanto que a Prefeitura doou um terreno de 29 mil m² em que foi instalada a infraestrutura inicial, formando um centro universitário.[210]

Em 2005, o NUPEM foi oficializado como órgão suplementar do Centro de Ciências da Saúde, e no ano de 2006, pela primeira vez se iniciou um curso de graduação presencial da UFRJ fora da Rio de Janeiro – a licenciatura em Ciências Biológicas na sede do NUPEM.[211] Em 2007 a Prefeitura Municipal de Macaé inaugurou um complexo universitário, com dois prédios construídos, de um total de sete previstos, para receber cursos de graduação, pós-graduação e extensão, nesta solenidade ocorreu também a assinatura do Protocolo de Intenções entre a Prefeitura e a UFRJ para que em 2008 fossem iniciados os cursos de Química e Farmácia, aumentando para três o número de cursos oferecidos pela universidade em Macaé.[212]

Mapa do estado do Rio de Janeiro mostrando os municípios com atuação da UFRJ (em vermelho).

Na atualidade, o campus está distribuído fisicamente em três polos (Universitário, Barreto e Ajuda) em que são ofertados os seguintes cursos de graduação: Licenciatura Ciências Biológicas, Bacharelado em Ciências Biológicas, Licenciatura em Química, Bacharelado em Química, Enfermagem e Obstetrícia, Engenharia (Produção, Civil e Mecânica), Farmácia, Medicina e Nutrição.[213] O campus também conta com dois programas de pós-graduação, em Ciências Ambientais e Conservação e em Produtos Bioativos e Biociências.[214] O nome do ex-reitor Aloísio Teixeira – que dirigiu a instituição entre 2003 e 2011 – passou a integrar a denominação do campus em 2012, passando a ser chamado de Campus UFRJ–Macaé Professor Aloísio Teixeira, em homenagem a uma figura decisiva no processo de interiorização da universidade.

Polos de Educação a Distância[editar | editar código-fonte]

Os cursos à distância funcionam através do consórcio do Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro (CEDERJ), firmado entre a UFRJ e as seguintes instituições: Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) e Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ).[215]

Ministrados na modalidade semipresencial, em que é necessária a participação de alunos em determinadas atividades presenciais, a UFRJ oferece os cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas, Física e Química.[216] Ao final do curso, o aluno recebe o diploma igual ao do aluno presencial da universidade que é matriculado, de acordo com o polo escolhido.[217] O ingresso é por meio do vestibular do próprio consórcio. Os polos com atuação da UFRJ estão instalados nos seguintes municípios: Angra dos Reis, Duque de Caxias, Itaperuna, Macaé, Nova Iguaçu, Paracambi, Piraí, Rio de Janeiro, São Gonçalo, Três Rios e Volta Redonda.[218]

Parque Tecnológico do Rio[editar | editar código-fonte]

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva, o governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Filho, e o prefeito do Rio Eduardo Paes, em visita ao CENPES.

Na Cidade Universitária está instalado o Parque Tecnológico do Rio, um complexo tecnológico voltado para pesquisas em energia, petróleo e gás.[219] Em parceria com a Petrobras, a UFRJ objetiva transformar a área de 350 mil m² no maior centro global de pesquisa tecnológica do setor petrolífero, tendo em vista que a exploração do pré-sal necessita de desenvolvimento de novas tecnologias. Talvez, seja por isso que comparações com o Vale do Silício, na Califórnia, tornaram-se comuns.[220] Destacam-se:

Um dos auditórios do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia. Esse localizado no Centro de Tecnologia 2.
O Centro de Tecnologia Mineral (CETEM), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Há também o Centro de Excelência em Gás Natural (CEGN),[229] o Instituto de Engenharia Nuclear (IEN),[230] o Núcleo de Tecnologias de Recuperação de Ecossistemas (NUTRE)[231] e um centro de realidade virtual vinculado ao Laboratório de Métodos Computacionais em Engenharia (LAMCE).[232] Outras empresas já estabeleceram centros de pesquisa na Cidade Universitária, como L'Oréal,[233] Siemens AG,[234] Usiminas,[235] Schlumberger,[236] Baker Hughes,[237] FMC Technologies,[238] Repsol YPF,[239] Halliburton[240] e Tenaris Confab.[241] Ainda estão sendo abertas licitações para a construção de novos centros de pesquisa e uma torre para abrigar até cem empresas.[242] O projeto do Parque já atraiu mais de 200 empresas de pequeno e médio porte, que agregam alto valor tecnológico.[243]

Projetos[editar | editar código-fonte]

Projeto do H2+2, um ônibus híbrido a hidrogênio com tração elétrica desenvolvido pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia em exposição na Rio+20.

Jornal da UFRJ[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Jornal da UFRJ

O Jornal da UFRJ é uma publicação de periodicidade mensal da Coordenadoria de Comunicação Social da UFRJ. Vem sendo publicado desde 2003 abordando assuntos de interesse do público discente, docente, do funcionalismo, além do público externo. É disponibilizado tanto digital como impresso, tendo uma tiragem de 25 mil exemplares e sendo distribuído pelos diversos campi da universidade.[244]

UFRJ Mar[editar | editar código-fonte]

O UFRJ Mar é um projeto desenvolvido no litoral do estado do Rio de Janeiro abrangendo diversas áreas do conhecimento, como Educação Física, Engenharia, Ciências Biológicas e Geociências. O projeto utiliza um dos mais completos conjuntos de laboratórios para ensino e pesquisa de estudos marítimos e costeiros no desenvolvimento de soluções para os problemas que enfocam o mar como meio ambiente e fonte de recursos.[245]

Conhecendo a UFRJ[editar | editar código-fonte]

O Conhecendo a UFRJ é um evento que ocorre anualmente durante dois dias na Cidade Universitária, em que estudantes do ensino médio vivenciam o dia-dia da universidade através de palestras e visitas guiadas pelo campus. Em sua oitava edição, no ano de 2010, aproximadamente 14 mil estudantes participaram do evento.[246]

Usina de Ondas[editar | editar código-fonte]

Usina de Ondas de Pecém, a primeira usina da América Latina

Desenvolvido pela COPPE com apoio do Governo do Ceará a Usina de Ondas do Pecém é a primeira da América Latina e coloca o Brasil em um seleto grupo de países com conhecimento para extrair energia elétrica das ondas do mar. Fabrica com tecnologia 100% brasileira, está localizada a 60 km de Fortaleza no quebra mar do Porto de Pecém. O projeto dos pesquisadores do Laboratório de Tecnologia submarina da COPPE foi concebido em módulos o que permite a ampliação da capacidade da usina.[247]

O trem movido à levitação magnética em movimentos. Além do baixo custo para implantação, sua manutenção pode ser até 50% mais barata e o resultado final é um veículo de transporte não poluente.

MagLev Cobra[editar | editar código-fonte]

O Maglev Cobra é um trem de levitação desenvolvido na UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) pela Coppe (Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia) e pela Escola Politécnica através do LASUP (Laboratório de Aplicações de Supercondutores). O trem brasileiro, assim como o maglev alemão, flutua sobre os trilhos, tendo atrito apenas com o ar durante seu deslocamento. O Maglev Cobra se baseia em levitação, movendo-se sem atrito com o solo através de um motor linear de primário curto. O veículo foi concebido visando uma revolução no transporte coletivo através da alta tecnologia, de forma não poluente, energeticamente eficiente e de custo acessível para os grandes centros urbanos.

O custo de implantação do Maglev Cobra é significativamente menor do que o do metrô, chegando a custar apenas um terço deste. Sua velocidade normal de operação ocorrerá dentro de uma faixa de 70 a 100km/h, compatível à do metrô e ideal para o transporte público urbano.[248] [249]

LabOceano: O maior tanque oceânico do mundo[editar | editar código-fonte]

O Tanque Oceânico do Laboratório de Tecnologia Oceânica - LabOceano - faz parte do Programa de Engenharia Naval e Oceânica da COPPE/UFRJ.

Capaz de reproduzir as principais características do meio ambiente marinho e simular fenômenos que ocorrem em lâminas d`água superiores a 2 mil metros de profundidade, o LabOceano representa um suporte tecnológico estratégico para o Brasil, que possui mais de 90% de suas reservas de petróleo concentradas no mar, e para as indústrias do setor petrolífero e naval. O tanque oceânico comporta 23 milhões de litros de água e sua altura corresponde a um prédio de oito andares. Hoje, só existem no mundo duas instalações com características similares às do tanque projetado pelos pesquisadores da COPPE, que tem 15 metros de profundidade e mais 10 metros adicionais em seu poço central: o Marintek, na Noruega, com 10 metros, e o Marin, na Holanda, com 10, 5 metros. [250]

Portal do Palácio Universitário.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O Instituto Militar de Engenharia também alega descender da mesma instituição que gerou a Escola Politécnica.[27] [28] [29] [30]

Referências

  1. a b Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas Unidades
  2. «UFRJemnúmeros2012.pdf» (PDF). Consultado em 06 de março de 2016. 
  3. a b «Roberto Leher é eleito o novo reitor da UFRJ». UFRJ. 07 de maio de 2015. Consultado em 8 de fevereiro de 2015. 
  4. «ufrj-em-numeros-2013.pdf» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  5. «ufrj-em-numeros-2013.pdf» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  6. «ufrj-em-numeros-2013.pdf» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  7. «Instituições que compõe a Rede Nacional de Extensão - RENEX». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  8. «ufrj-em-numeros-2013.pdf» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  9. a b «UFRJ vai voltar a se chamar Universidade do Brasil». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  10. «Lista das maiores universidades brasileiras em número de matrículas» (PDF). Consultado em 9 de janeiro de 2012. 
  11. «Ranking de melhores universidades do mundo tem 7 brasileiras». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  12. «Brasil: mesmo sem ocupar topo, universidades se destacam em 2011». Consultado em 4 de março de 2012. 
  13. «QS Latin University Rankings». Consultado em 27 de maio de 2014. 
  14. «USP perde liderança de ranking acadêmico da América Latina». Consultado em 27 de maio de 2014. 
  15. «USP perde liderança em ranking de universidades da América Latina». Consultado em 27 de maio de 2014. 
  16. Revista Época, : (4 de dezembro de 2013). «Brasil tem 4 universidades entre as melhores dos países emergentes». Consultado em 5 de dezembro de 2013. 
  17. Portal Terra, : (4 de dezembro de 2013). «Ranking: USP é 11ª melhor universidade de países emergentes». Consultado em 5 de dezembro de 2013. 
  18. «UFRJ é considerada a 2ª melhor universidade do Brasil, segundo o Ranking Universitário Folha (RUF)». Consultado em 15 de setembro de 2013. 
  19. «Conde de Resende, o fundador do ensino militar acadêmico nas américas e do ensino superior civil no brasil em 1792 e o criador da cidade e município de Resende em 1801». Consultado em 5 de maio de 2012. 
  20. «"Inventando Tradições": As principais comemorações do Exército Brasileiro desde o final do século XIX aos nossos dias» (PDF). Consultado em 5 de maio de 2012. 
  21. «Origens da Universidade Brasileira» (PDF). Consultado em 8 de maio de 2007. 
  22. «Uma universidade modelo para o Brasil: a Educação Superior e o projeto de construção da nacionalidade brasileira (1935-1945)» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  23. «UFRJ em números 2013» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  24. «O Ensino, a Universidade e a Realidade» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  25. a b «História da Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 22 de junho de 2011. 
  26. «Os cursos de engenharia no Brasil e as transformações nos processos produtivos» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  27. «A Escola Politécnica da UFRJ». Consultado em 5 de maio de 2012. 
  28. «História do CREA». Consultado em 5 de maio de 2012. 
  29. «Academia Real Militar». Consultado em 5 de maio de 2012. 
  30. «Instituto Militar de Engenharia - História». ime.eb.br. Consultado em 19 de março de 2012. 
  31. «Escola Anatômica, Cirúrgica e Médica do Rio de Janeiro». Consultado em 4 de março de 2012. 
  32. «Histórico da Faculdade Nacional de Direito da UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  33. «A Universidade do Brasil - Um itinerário marcado de luta» (PDF). Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  34. «O sistma de ensino superior do Brasil - características, tendências e perspectivas» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  35. «Brasil: o ensino superior às primeiras universidades» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  36. «Formação do magistério do ensino secundário:instituições e projetos de hegemonia» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  37. «Reforma do Ensino Superior no Brasil: um olhar a partir da história». Consultado em 4 de março de 2012. 
  38. «USP e UFRJ: a influência das concepções alemã e francesa em suas fundações». Consultado em 26 de fevereiro de 2012. 
  39. «Políticas de Modernização da Universidade no Brasil:» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  40. «Memória da Universidade». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  41. «Memória UFRJ - Biblioteca Pedro Calmon». Consultado em 4 de março de 2012. 
  42. «Decreto-lei nº 53 de 18 de novembro de 1966». Consultado em 4 de março de 2012. 
  43. «A Universidade no Brasil: das origens à Reforma Universitária de 1968» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  44. «WikiRio». 
  45. «Intercâmbio - Superintendência de Convênios e Relações Internacionais». Consultado em 4 de março de 2012. 
  46. «Escultura da Minerva no Centro de Ciências da Saúde». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  47. «Minerva: deusa da sabedoria, da guerra, das ciências e das artes». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  48. «Indicadores da extensão universitária» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  49. «Relação de Hospitais Universitários da UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  50. «Indicador de qualidade das instituições de educação superior - IGC 2009» (PDF). Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  51. «Indicador de qualidade das instituições de educação superior - IGC 2010». Consultado em 12 de janeiro de 2012. 
  52. «O Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho abre suas portas». Consultado em 19 de dezembro de 2011. 
  53. «Autarquias e demais entidades da administração indireta». Consultado em 4 de março de 2012. 
  54. «Colegiados Superiores da Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  55. «Carlos Levi vence eleição para reitor na UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  56. «Reitoria da UFRJ». Arquivado desde o original em 11 de janeiro de 2016. Consultado em 11 de janeiro de 2016. 
  57. «Carlos Antônio Levi é eleito novo reitor da UFRJ pela comunidade acadêmica». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  58. «Pró-reitorias - Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 4 de março de 2012. 
  59. «Órgãos administrativos da Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 12 de janeiro de 2012. 
  60. «Galeria de Ex-Reitores da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  61. «Benjamin Franklin Ramiz Galvão – Barão de Ramiz». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  62. «Raul Leitão da Cunha». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  63. «Pedro Calmon Moniz Bittencourt». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  64. «Deolindo Augusto de Nunes Couto». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  65. «Raymundo Augusto de Castro Moniz de Aragão». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  66. «Carlos Francisco Theodoro Machado Ribereiro de Lessa». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  67. «UFRJemnúmeros2012.pdf» (PDF). Consultado em 6 de março de 2016. 
  68. «PR-3 - Patrimônio da UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  69. «Centros e Decanias da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  70. «Informações sobre os Cursos de Graduação». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  71. «História do Centro de Ciências da Saúde». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  72. «Apresentação - Centro de Tecnologia». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  73. «Histórico do Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  74. «Sobre o Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  75. «Informações osbre o Centro de Filosofia e Ciências Humanas». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  76. «Informações sobre o Centro de Letras e Artes». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  77. «A UFRJ - Estatuto da Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 4 de março de 2012. 
  78. «Sistema de Bibliotecas e Informação da UFRJ». Consultado em 18 de dezembro de 2011. 
  79. «A importância do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  80. «Museu Nacional de História Natural». Consultado em 4 de março de 2012. 
  81. «D. Pedro II, os fósseis da Bacia de Paris e o Museu Nacional». Consultado em 4 de março de 2012. 
  82. «Museus e Centros de Arte da Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  83. «Centros culturais Casa da Ciência da UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  84. «Informações sobre os Hospitais da Universidade». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  85. «A implantação do Hospital Universitário da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  86. «Histórico do Instituto de Atenção à Saúde São Francisco de Assis». Consultado em 18 de dezembro de 2011. 
  87. «Histórico - Instituto de Psiquiatria da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  88. «Ministério da Educação: o Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira» (PDF). Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  89. «História do Instituto de Doenças do Tórax». Consultado em 29 de fevereiro de 2012. 
  90. «fundação do Instituto de Neurologia Deolindo Couto» (PDF). Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  91. «Breve histórico da cátedra de Ginecologia da Universidade do Brasi». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  92. «Histórico do Instituto do Coração Edson Saad» (PDF). Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  93. «Maternidade Escola - MEC» (PDF). Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  94. «Ingresso à Universidade Federal do Rio de Janeiro». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  95. «As razões de uma ruptura: elementos para uma história da prova de redação nos exames vestibulares isolados da UFRJ - 1987/88 - 2007/08» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  96. «História e Informações sobre o Concurso de Acesso da UFRJ». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  97. «UFRJ e UFRRJ vão usar novo Enem no vestibular 2010». Consultado em 4 de março de 2012. 
  98. «UFRJ decide acabar com vestibular e adotar o Enem». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  99. «UFRJ decide acabar com vestibular e adotar o Enem». Consultado em 17 de julho de 2012. 
  100. «WikiRio». 
  101. «Ações afirmativas, relações raciais e política de cotas nas universidades: uma comparação entre os Estados Unidos e o Brasil». Consultado em 4 de março de 2012. 
  102. «Resolução do Consuni para o Acesso à Graduação e, 2012». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  103. «Carlos Chagas – O esquecido pelo Nobel e a saúde pública no Brasil». Consultado em 20 de fevereiro de 2012. 
  104. «Carlos C. F.». 
  105. «Her Lent». 
  106. «M R S». 
  107. «Biografia Osvaldo Cruz - Médico e sanitarista brasileiro». Consultado em 20 de fevereiro de 2012. 
  108. «Vital Brazil - Instituto Osvaldo Cruz - Saúde para a Saúde Pública Brasileira». Consultado em 2 de março de 2012. 
  109. «Susana». 
  110. «A polêmica em torno das cotas para negros». Consultado em 4 de março de 2012. 
  111. «Biografia de Fátima Bernardes». Consultado em 4 de março de 2012. 
  112. «Oscar Niemeyer, 100 anos - Parte I». Consultado em 20 de fevereiro de 2012. 
  113. Roberto Burle Marx. Página visitada em 21 de abril de 2014.
  114. Aïda Espinola: uma pioneira da área de química industrial. Página visitada em 11 de maio de 2014.
  115. Site ADUFRJ - Falecem os professores Joel Teodósio e Belkis Valdman. Página visitada em 2 de março de 2012.
  116. «Dados biográficos de Benjamin Constant». Consultado em 4 de março de 2012. 
  117. [1]
  118. [2]
  119. «A Reforma Pereira Passos». Consultado em 4 de março de 2012. 
  120. «JICAC - Biografia Giulio Massarani». Consultado em 4 de março de 2012. 
  121. «ALERJ - Projeto de Resolução Nº 1073/2009». Consultado em 4 de março de 2012. 
  122. «Lattes». 
  123. «CV». 
  124. «Nova exposição no Museu da Escola Politécnica celebra Paulo de Frontin e Real Academia Militar». Consultado em 4 de março de 2012. 
  125. «Histórico do PPGD - Faculdade Nacional de Direito». Consultado em 21 de fevereiro de 2012. 
  126. «Evandro Lins e Silva: guardião da honra brasileira». Consultado em 4 de março de 2012. 
  127. a b «O jornalista Villas-Bôas Corrêa é o entrevistado do mês». Consultado em 4 de março de 2012. 
  128. «O mistério do professor Schimidt». Consultado em 2 de março de 2012. 
  129. «Francisco de Assis Barbosa - Biblioteca Virtual - Literatura». Consultado em 4 de março de 2012. 
  130. «Dr. Rubem Fonseca - Carta Forense». Consultado em 4 de março de 2012. 
  131. «Sérgio Buarque de Holanda - Biografia - UOL Educação». Consultado em 4 de março de 2012. 
  132. «UFCG - Biografia de José Honório Rodrigues». Consultado em 4 de março de 2012. 
  133. http://www.revistadehistoria.com.br/secao/entrevista/francisco-jose-calazans-falcon
  134. Corpo do antropólogo Gilberto Velho é velado no Rio. Página visitada em 21 de abril de 2014.
  135. Currículo Lattes. Visitado em 21 de novembro de 2014.
  136. «Biografia de Carlos Lacerda para o Museu da Televisão Brasileira». Consultado em 4 de março de 2012. 
  137. «O Deputado Antonio Pedro de Siqueira Índio da Costa». Consultado em 4 de março de 2012. 
  138. «Desaparece grande figura da revolução de 1930: morreu ontem Osvaldo Aranha». Consultado em 4 de março de 2012. 
  139. «Biografias». Alerj. Consultado em 13/04/15. 
  140. «Pensando a Universidade com Anísio Teixeira» (PDF). Consultado em 4 de março de 2012. 
  141. «IHU UNISINOS - Carlos Lessa». Consultado em 4 de março de 2012. 
  142. Conheça o perfil do novo ministro da Fazenda Joaquim Levy. Visitado em 21 de novembro de 2014.
  143. [Jose A. Scheinkman «Curriculum - Pagina pessoal»] Verifique |url= (Ajuda). 
  144. «Projeto Biografias - Mário Henrique Simonsen». Consultado em 4 de março de 2012. 
  145. «Ministro Marco Aurélio: 20 anos de história no STF - Notícias STF». Consultado em 4 de março de 2012. 
  146. «Leopoldo Nachbin - Departamento de Engenharia Civil». Consultado em 4 de março de 2012. 
  147. [3]
  148. [4]
  149. «Curriculum». 
  150. «Curriculum». 
  151. «Lattes». 
  152. «Curriculum». 
  153. «Lattes». 
  154. [5]
  155. «Revista». 
  156. «Revista». 
  157. «Revista na pratica». 
  158. «Atores com formação em Direito - Angela Leal». Consultado em 4 de março de 2012. 
  159. «Ary Barroso, Vida, Composição, Obras, Carnavalesco Ary Barroso». Consultado em 4 de março de 2012. 
  160. «O internacional Ivan Lins completa 65 anos - Música - R7». Consultado em 4 de março de 2012. 
  161. «Centenário de Mário Lago é lembrado com festas no Rio e em São Paulo». Consultado em 4 de março de 2012. 
  162. «Vinicius de Moraes - Biografia - UOL Educação». Consultado em 4 de março de 2012. 
  163. «Movimento Estudantil Popular Revolucionário - Mário Prata». Consultado em 11 de fevereiro de 2012. 
  164. «O mistério do professor Schimidt». Consultado em 23 de fevereiro de 2012. 
  165. «A³P recebe o humorista Marcelo Madureira». Consultado em 23 de fevereiro de 2012. 
  166. «Blog do Beto Silva - Eu fiz um discurso». Consultado em 4 de março de 2012. 
  167. «HISTÓRIA DO CASSETA & PLANETA». Consultado em 23 de fevereiro de 2012. 
  168. «História - Centro Acadêmico Carlos Chagas». Consultado em 4 de março de 2012. 
  169. «Site do Centro Acadêmico de Engenharia/CAEng». Consultado em 4 de março de 2012. 
  170. «História do CACO - CA de Direito na UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  171. «CA Max Plank do IF-UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  172. «Infraestrutura da Escola de Química da UFRJ». Consultado em 4 de março de 2012. 
  173. «O massacre da Praia Vermelha». Consultado em 12 de fevereiro de 2012. 
  174. «Memória do Movimento Estudantil - Depoimento de Vladimir Palmeira.pdf». Consultado em 12 de fevereiro de 2012. 
  175. «Para não esquecer: "Massacre da Praia Vermelha"». Consultado em 12 de fevereiro de 2012. 
  176. a b Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas NumerosAtual2011
  177. «Sobre a graduação em Nanotecnologia». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  178. a b «Lista de cursos e distribuições curriculares no SIGA». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  179. «Números da pós-graduação no portal da PR-2» (PDF). Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  180. «WikiRio». 
  181. «História de Ilha do Fundão (Cidade Universitária)». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  182. «A Ilha do Fundão, promessa de progresso e superação!». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  183. «História de Ilha do Fundão (Cidade Universitária)». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  184. «Prédio da Faculdade de Arquitetura». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  185. «SUPEREST - Alojamento Estudantil». Consultado em 20 de fevereiro de 2012. 
  186. «Futuros alunos da UFRJ terão novo restaurante». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  187. «Restaurante Universitário Central é inaugurado». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  188. «UFRJ inaugura estação de integração no campus Cidade Universitária». Consultado em 27 de janeiro de 2012. 
  189. «Como Chegar à Cidade Universitária». Consultado em 05 de novembro de 2012. 
  190. «Linhas e horários - Cidade Universitária-Niterói». Consultado em 05 de novembro de 2012. 
  191. «Linhas e horários - Cidade Universitária-Petrópolis». Consultado em 05 de novembro de 2012. 
  192. «Linhas e horários - Cidade Universitária-Teresópolis». Consultado em 05 de novembro de 2012. 
  193. «A Psiquiatria e o Velho Hospício» (PDF). Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  194. «Curiosidades Cariocas: Palácio Universitário». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  195. «Jornal do Senado - 180 anos» (PDF). Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  196. «Lapa Criativa - Escola Nacional de Música». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  197. «A Trajetória da formação da Coleção de Objetos de C&T do Observatório do Valongo». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  198. «Largo de São Francisco - Rio de Janeiro». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  199. «Plano Diretor da Universidade Federal do Rio de Janeiro 2010-2020». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  200. «Unidades deliberam sobre possível transferência para o Fundão» (PDF). Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  201. «Transferência de campus da UFRJ, na Urca, para o Fundão causa polêmica» (PDF). Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  202. «Inaugurada a primeira ponte estaiada do Rio». Consultado em 22 de fevereiro de 2012. 
  203. «UFRJ oferece 60 vagas em ciências biológicas no campus Xerém». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  204. «Termo de cooperação para instalação de unidade da UFRJ em Xerém é assinado no Inmetro». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  205. «O campus da UFRJ em Xerém, artigo de Wanderley de Souza». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  206. «UFRJ terá mais um campus dedicado a graduação em novas tecnologias». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  207. Mestrado Profissional em Formação Científica para Professores de Biologia, SIGA-UFRJ.
  208. «Reestruturação da UFRJ inclui novo campus avançado em Xerém». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  209. «UFRJ em Macaé representa grandes inovações». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  210. «UFRJ/Macaé tem novo campus de engenharia». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  211. «Macaé formou primeira turma em Ciências Biológicas». Consultado em 4 de março de 2012. 
  212. «Campus da UFRJ em Macaé terá Pró Reitoria». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  213. «Cursos ministrados no Campus UFRJ-Macaé». Consultado em 29 de março de 2012. 
  214. «Macaé é o primeiro município do interior a ter mestrado da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  215. «Cederj abre inscrições para curso superior à distância». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  216. «Cursos de graduação oferecidos através do Consórcio CEDERJ na educação a distância». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  217. «Informações importantes que o candidato ao Vestibular UFF/CEDERJ precisa saber». Consultado em 4 de março de 2012. 
  218. «Polos regionais do Cederj». Consultado em 4 de março de 2012. 
  219. «Parque Tecnológico do Rio de Janeiro». Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  220. «Um “Vale do Silício” para o pré-sal». Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  221. «Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello - Cenpes». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  222. «Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  223. «Centro de Tecnologia Mineral - CETEM». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  224. «GE anuncia expansão de sua rede de pesquisa global e Brasil pode receber primeiro Centro de Tecnologia da empresa na América Latina». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  225. «GE já está com centro provisório no Fundão». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  226. «COPPE tornou-se o maior centro de ensino e pesquisa em engenharia da América Latina». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  227. «Roberto Amaral inaugura maior tanque oceânico do mundo». Consultado em 25 de fevereiro de 2012. 
  228. «Laboratório de Tecnologia Oceânica da COPPE». Consultado em 12 de outubro de 2011. 
  229. «UFRJ vai precisar de técnicos, pesquisadores e engenheiros». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  230. «Instituto de Engenharia Nuclear - IEN». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  231. «Sustentabilidade dita a construção do NUTRE na Cidade Universitária». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  232. «Grupo de Realidade Virtual Aplicada». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  233. «Centro de pesquisa da L'Oréal no Rio fica pronto em 2013». Consultado em 06 de fevereiro de 2012. 
  234. «Siemens e Chemtech anunciam a conquista do CT no Parque Tecnológico da UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  235. «Usiminas vai construir centro de pesquisa de tecnologias para petróleo em universidade carioca». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  236. «Prefeito Eduardo Paes visita o Parque Tecnológico do Rio e anuncia chegada das empresas Schlumberger e FMC». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  237. «CT - Petrobras e Baker Hughes assinam cooperação». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  238. «FMC constrói unidade no Parque Tecnológico do Rio». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  239. «Repsol constrói laboratório de tecnologia em parceria com UFRJ». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  240. «Halliburton Begins Work on Research Center at Rio’s UFRJ Technology Park». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  241. «UFRJ - Halliburton e Tenaris Confab investem R$ 42 milhões em centro de pesquisa». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  242. «UFRJ quer construir torre para pequenas e médias empresas». Consultado em 6 de fevereiro de 2012. 
  243. «Expectativa de contratação nos próximos anos». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  244. «Jornal da UFRJ completa 50 edições». Consultado em 26 de janeiro de 2012. 
  245. «Textos do Núcleo Interdisciplinar UFRJ Mar». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  246. «Universidade realiza nona edição do “Conhecendo a UFRJ”». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  247. «Informações». 
  248. «Maglev o Globo». 
  249. «Wiki Maglev». 
  250. «Tanque». 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons
Commons Categoria no Commons
Wikinotícias Categoria no Wikinotícias