Instituto Federal do Rio de Janeiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Instituto Federal
de Educação, Ciência e Tecnologia do
Rio de Janeiro
IFRJ
Lema Da Escola de Química ao Instituto de Ciência e Tecnologia:
Excelência no Ensino, Pesquisa e Extensão.
Fundação 1947 (Escola Superior de Química)
2008 (Instituto de Ciência e Tecnologia)
Tipo de instituição Pública Federal
Localização Rio de Janeiro
Reitor(a) Rafael Barreto Almada
Vice-reitor(a) João Gilberto Carvalho
Campus
Cores da escola         Verde
Afiliações ANDIFES e RENEX[1]
Página oficial ifrj.edu.br

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, mais conhecido como Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), é a segunda maior rede federal de ensino técnico do país, que perde apenas para a Rede Estadual de escolas técnicas. Sendo um respeitado polo de formação de jovens cientistas no Brasil e na América Latina; por meio da excelência do ensino de tecnologia e extensões voltadas à iniciação científica. Criado em 2008 mediante integração do tradicional CEFETEQ dos municípios de Rio de Janeiro e Nilópolis - os principais da rede, além da absorção de outras escolas técnicas fluminenses. Em 2014 uma minuciosa pesquisa do jornal Folha de S.Paulo elegeu o IFRJ como a 7º melhor instituição pública do Estado, colocando-o a frente da UENF, FAETERJ, IFF, UEZO, ISERJ e FESM respectivamente. Sua reitoria está instalada no Rio de Janeiro.

História[editar | editar código-fonte]

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro foi criado, de acordo com a Lei 11.892, de 29 de dezembro de 2008, mediante a transformação do Centro Federal de Educação Tecnológica de Química de Nilópolis, conforme o artigo 5º, inciso XXVI. Seguindo-se, conforme o anexo II, a integração do Colégio Agrícola Nilo Peçanha, até então vinculado à Universidade Federal Fluminense. Mas a criação original vem do decreto federal nº 7.566, de 23 de setembro de 1909 que criou em todas as capitais dos estados brasileiros a Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito[2].

A história teve início em 1945, com a criação do Curso Técnico de Química Industrial (CTQI). Desde fevereiro de 1942 que o Decreto-Lei no 4.127/1942 previa, em seu artigo 4º, a criação de uma Escola Técnica de Química. No entanto, apenas em 16 de agosto de 1943, através do Decreto-Lei , foi formalmente criado o curso pela Escola Nacional de Química da Universidade do Brasil, atual Universidade Federal do Rio de Janeiro. Este curso funcionou nas dependências daquela Universidade de 1944 a 1946, porém, logo em seguida, mesmo sem que fosse alterada a vinculação administrativa, o curso passou a funcionar em espaço cedido pela Escola Técnica Nacional (ETN), atual Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET-RJ) no Rio de Janeiro. Somente em 16 de fevereiro de 1956, promulgada a Lei no 3.552/1956, segunda Lei Orgânica do Ensino Industrial, foi criada a Escola Técnica Federal de Química do Rio de Janeiro (ETFQ-RJ), autarquia que tinha como missão oferecer o Curso Técnico de Química Industrial.

Durante quatro décadas a Instituição permaneceu funcionando nas dependências da ETN com Curso Técnico de Química Industrial. As instalações foram ampliadas salas de aula e mais laboratórios em 1977. Em 1981, após ampliação de suas instalações, a ETFQ-RJ, acompanhando o processo de desenvolvimento industrial e tecnológico da nação, deu início à atualização e à expansão de seus cursos, criando o Curso Técnico de Alimentos. O ano de 1986 marcou a conquista da sede própria, no bairro do Maracanã, Município do Rio de Janeiro e em 1988 a criação do curso Técnico em Biotecnologia.

Em 1994, a ETFQ-RJ fundou a Unidade de Ensino Descentralizada de Nilópolis (UnED). Inicialmente, eram oferecidos apenas cursos técnicos, apresentando novas instalações, que contavam com laboratórios para o ensino e a pesquisa, salas ambiente, salas de aula, biblioteca, refeitório, auditório, e quadras poliesportivas. Em 1999 a ETFQ-RJ teve sua sede transferida para Nilópolis e assumiu novas responsabilidades, ao ser transformada em Centro Federal de Educação Tecnológica de Química - CEFET Química/RJ. A transformação em Instituição de Ensino Superior permitiu a oferta de cursos de graduação e de pós-graduação, juntamente criado com o Centro de Ciência e Cultura, um espaço destinado à formação e treinamento de professores, divulgação e popularização da ciência e suas interações com as mais diversas atividades humanas.

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro – IFRJ é formado atualmente por quinze campi: Maracanã, Nilópolis, Pinheiral, Duque de Caxias, Paracambi, São Gonçalo, Volta Redonda, Paulo de Frontin, Arraial do Cabo, Realengo, Mesquita, Niterói, Resende, Belford Roxo e São João de Meriti, com a Reitoria instalada no município do Rio de Janeiro.

Campi[editar | editar código-fonte]

Rio de Janeiro[editar | editar código-fonte]

  • Campus Rio de Janeiro
  • Campus Realengo

Outros municípios[editar | editar código-fonte]

  • Campus Arraial do Cabo
  • Campus Belford Roxo
  • Campus Duque de Caxias
  • Campus Engenheiro Paulo de Frontin
  • Campus avançado Mesquita
  • Campus Nilópolis

Campus Niterói

  • Campus Paracambi
  • Campus Pinheiral (antigo Colégio Agrícola Nilo Peçanha)
  • Campus avançado Resende
  • Campus São Gonçalo
  • Campus São João de Meriti
  • Campus Volta Redonda

Referências

  1. «Instituições que compõe a Rede Nacional de Extensão - RENEX». Consultado em 10 de janeiro de 2012. 
  2. DECRETO Nº 7.566, DE 23 DE SETEMBRO DE 1909. Câmara dos Deputados. Acesso em 16 de setembro de 2017.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]