Centro Universitário Celso Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Janeiro de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

O Centro Universitário Celso Lisboa é uma Instituição de Ensino Superior privada que está no mercado desde 1971. Possui duas unidades na cidade do Rio de Janeiro, uma no Centro do Rio e seu primeiro campus no bairro Engenho Novo. Conhecido por sua tradição e inovação, já formou mais de 30 mil alunos e oferece cursos de Graduação, Pós-graduação, MBA e cursos livres. Em 2018, recebeu o selo Great Place to Work, que certifica as melhores empresas para se trabalhar no Brasil.

Unidades:

Unidade Centro - Rua Sete de Setembro, 66.

Unidade Engenho Novo - Rua Vinte e Quatro de Maio, 797.

História[editar | editar código-fonte]

O Professor Celso Lisboa nasceu na cidade do Rio de Janeiro no início do século XX. Filho de professores, iniciou sua vida dedicando-se à política como vereador e deputado estadual na década de 50. Nessa mesma época, desenvolveu projetos de relevância econômico-social e, por iniciativa própria, fundou e manteve o Centro de Recuperação Bela Vista e a Obra de Assistência Social para Menores. Sua busca em diminuir a desigualdade social por meio de um ensino de qualidade era um grande sonho. Para realizar esse desejo, no ano de 1964 abandonou as atividades políticas para fundar o Colégio Atheneu Brasileiro, voltado para os ensinos fundamental e médio. Em busca de realizar seu objetivo, criou em 1971 a Sociedade Universitária Celso Lisboa.

De faculdade a Centro Universitário Celso Lisboa[editar | editar código-fonte]

Em 1973, já com as Faculdades de Pedagogia, de Letras e de Psicologia em funcionamento, a entidade mudou seu nome para Instituto Superior de Ensino Celso Lisboa. Com seu espírito empreendedor, o Professor Celso Lisboa instituiu em 1974, as Faculdades Integradas Celso Lisboa e criou a Faculdade de Ciências. Consolidando sua trajetória de sucesso, em 1998 fundou o Centro Universitário Celso Lisboa. A Instituição cresceu com o passar dos anos e hoje oferece cursos de Graduação, Pós-Graduação, MBA, Tecnólogos e Cursos Livres.

Metodologia[editar | editar código-fonte]

Firmando sua posição como a startup de educação com 48 anos, a Celso Lisboa – como é conhecida – mudou a forma de aprendizagem e implementou uma metodologia própria, a LIGA, e repensou completamente a educação, com um novo modelo de sala de aula e um formato aderente ao mercado de trabalho. As aulas são colaborativas e a aprendizagem é desenvolvida por competências, criando projetos que simulam situações reais.

LIGA - Ecossistema de aprendizagem do Centro Universitário Celso Lisboa[editar | editar código-fonte]

O que é a LIGA?[editar | editar código-fonte]

A LIGA é um ecossistema de aprendizagem colaborativa, que nasceu como resultado de um trabalho de pesquisa aplicada, desenvolvido pela área de Inovação Pedagógica da Celso Lisboa. Os estágios de desenvolvimento do modelo pedagógico atual da Celso Lisboa são denominados por LIGA 1.0, 2.0 e 3.0.

Projeto 124[editar | editar código-fonte]

Tudo começou com um projeto piloto chamado Projeto 124, que consistia em desenvolver experiências pedagógicas com seus estudantes ao longo de um semestre letivo completo, composto por 124 dias. O projeto se dividiu em três etapas: planejamento, execução e acompanhamento dos resultados.

LIGA 1.0 - Uma metodologia[editar | editar código-fonte]

Em 2015, a LIGA trazia a aprendizagem ativa como base do modelo pedagógico, através de ferramentas conceituais que deveriam auxiliar o professor a planejar, executar e avaliar a aprendizagem dos estudantes no contexto da aprendizagem ativa*.

*Aprendizagem ativa é fundamentada em perspectivas cognitivas, mais centradas no engajamento da mente durante o processo de aprendizagem (Barkley, 2010).[1]

LIGA 2.0 - Uma abordagem[editar | editar código-fonte]

Em 2016, o objetivo era entregar uma experiência de aprendizagem verdadeiramente ativa e centrada no estudante. Para isso, seria preciso modificar toda a estrutura da sala de aula, decisões de matriz curricular, processo avaliativo, entre outras atividades acadêmicas.

LIGA 3.0 - Um ecossistema[editar | editar código-fonte]

Em 2017, a aprendizagem baseada em projetos passou a ser o modelo pedagógico central, com a recomendação de que os projetos deveriam ser desenvolvidos como respostas aos problemas reais da sociedade. Foi adotado, também, o currículo baseado em competências, como forma de alinhar as práticas de sala de aula e facilitar o estudante a saber fazer. Desde então, essa abordagem é aplicada na instituição.

Princípios teóricos e fundamentação científica da LIGA 3.0[editar | editar código-fonte]

Aprendizagem colaborativa é um termo “guarda-chuva” que abarca uma variedade de abordagens educacionais. Essas abordagens envolvem o engajamento de estudantes em atividades com seus pares e professores. Assim, eles aprendem por meio de atividades baseadas em zona de desenvolvimento proximal e também de interações com terceiros.

A resposta é visível: gera resultados cognitivos de aprendizagem relacionados ao desenvolvimento, persistência, atitudes e desenvolvimento pessoal; é uma boa prática educacional; beneficia diferentes tipos de estudantes e também é valorizada por eles.

Aprendizagem baseada em projetos[editar | editar código-fonte]

O projeto é a ferramenta pedagógica que vai garantir que os estudantes vivenciem todas as dimensões da competência: suas habilidades, atitudes e conhecimentos. Os conhecimentos básicos devem surgir a partir do projeto proposto, através da mediação docente. No entanto, é preciso levar em conta a autonomia dos estudantes nesse processo, tendo em vista que outros conhecimentos surgirão, a partir da motivação e do engajamento. Essa aprendizagem baseada em projetos é ancorada em quatro fundamentações para desenvolver uma melhor experiência do estudante, são elas:

  • Construção ativa
  • Contexto real
  • Interação social
  • Ferramentas cognitivas

Ao elaborar uma aprendizagem baseada em projetos o educador deve envolver as características descritas abaixo:

  • Problema real
  • Focar nos objetivos de aprendizagem
  • Indução do pensamento científico
  • Colaboração
  • Ferramentas tecnológicas no suporte de aprendizagem
  • Artefatos da criação

Roteiro de aprendizagem e situação de aprendizagem[editar | editar código-fonte]

Através do roteiro de aprendizagem, as habilidades e os conhecimentos necessários para o desenvolvimento dos projetos são exercitados individualmente. Enquanto isso, as situações de aprendizagem garantem que, aspectos e dimensões específicas dessas habilidades e conhecimentos sejam exercitados coletivamente.

Avaliação da aprendizagem[editar | editar código-fonte]

O processo avaliativo como um todo precisa estar conectado tanto ao ambiente de aprendizagem quanto ao processo de ensino. Tradicionalmente, a avaliação apresenta duas dimensões: a somativa e a formativa. A avaliação somativa é necessária para julgar e dar notas, atestando o que o estudante aprendeu ao final de um dado período, seja ao final de uma disciplina, curso ou programa.

A avaliação formativa permite acompanhar o processo de aprendizagem de forma dinâmica, influenciando e possibilitando o seu rendimento quando necessário. O objetivo desta avaliação é permitir que o educador intervenha no processo de aprendizagem do estudante, lidando com as dificuldades e desafios que possam surgir.

Guia Conceitual[editar | editar código-fonte]

Faça Download do Guia Conceitual e tenha informações completas.

Cursos de Graduação[editar | editar código-fonte]

EAD[editar | editar código-fonte]

  • Administração
  • Ciências Contábeis
  • Processos Gerenciais
  • Marketing
  • Gestão Ambiental
  • Logística
  • Gestão de RH
  • Análise e Desenvolvimento de Sistemas
  • Banco de Dados (Big Data)
  • Sistemas para Internet
  • Pedagogia
  • Letras/Inglês
  • Letras/Português
  • História

Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu[editar | editar código-fonte]

MBA

Como Ingressar[editar | editar código-fonte]

É possível ingressar na graduação das seguintes formas:

Como Ingressar na Pós-Graduação ou MBA

Ficheiro:Fotos Celsolisboa(31).jpg
São 14 mil m² de infra-estrutura em um único campus com 5 blocos

Unidade Engenho Novo[editar | editar código-fonte]

O Campus do Engenho Novo tem 14.000m² e compõe sua estrutura com salas de aula inovadoras e tecnológicas, laboratórios de saúde, laboratórios de informática, Sala de Eventos, Espaço Cultural, Clínica Escola, Centro de Psicologia Aplicada, Salão Escola, Quadra, Ginásio Poliesportivo, Restaurante, Biblioteca e Academia.

  • Celso Lisboa Unidade Engenho Novo.jpg

Unidade Centro[editar | editar código-fonte]

Em 2016, foi inaugurada no Centro do Rio, na Rua Sete de Setembro, com 14 andares de infraestrutura, biblioteca, salas de aula inovadoras e tecnológicas, espaço de convivência e fácil acesso a todos os transportes públicos.

Bibliotecas[editar | editar código-fonte]

As Bibliotecas da Celso Lisboa são abertas aos alunos, professores e a comunidade do entorno  para serviços de consulta, empréstimo, reserva e renovação online de periódicos e livros. Ambos espaços são ambientes aconchegantes. No Centro, há estantes com livros sobre diferentes temas de Gestão, Empreendedorismo e Negócios, poltronas, wi-fi e computadores em suas instalações. No Engenho Novo, estão disponíveis gabinetes individuais e salas de estudos coletivas; um acervo com mais de 35.000 títulos  wi-fi e computadores para uso. Em parceria com a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), é concedido aos usuários inscritos o intercâmbio entre bibliotecas, dando acesso gratuito ao acervo da UERJ.

Como chegar ao Centro Universitário Celso Lisboa[editar | editar código-fonte]

TREM - Todos os trens do Ramal Deodoro passam pela Celso Lisboa. O ideal é desembarcar na estação mais próxima: Sampaio.

Ônibus - Acesso pela Rua Vinte e Quatro de Maio: descer e atravessar a rua. Linhas de ônibus: 247, 249, 254 383, 391, 455, 456, 457 e 627.

- Acesso pela Rua Souza Barros: descer na Rua Souza Barros, entrar na Rua Monsenhor Amorim e atravessar o "Buraco do Padre" para chegar à Rua Vinte e Quatro de Maio. Linhas de ônibus: 277, 476, 623, 650, 663 e 696.

- Acesso pela Avenida Marechal Rondon. Linhas de ônibus: 239, 247, 249, 254, 260, 383, 391, 455, 456, 457 e 627.

Segunda opção: descer na Rua Souza Barros, atravessar e passar pelo acesso da Estação Ferroviária do Engenho Novo e seguir a Rua Vinte e Quatro de Maio no sentido contrário. Linhas de ônibus: 622 e 625.

- Acesso pela Rua Barão do Bom Retiro: descer na Rua Barão do Bom Retiro e caminhar até a Rua Vinte e Quatro de Maio no sentido contrário. Linhas de ônibus: 606, 607, 636, 638, 639, 621, 622, 625 e 691.

Fonte: http://www.celsolisboa.edu.br

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Centro Universitário Celso Lisboa
Ícone de esboço Este artigo sobre instituição de ensino superior é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Rosser, John Barkley, 1948- (2010). European economics at a crossroads. [S.l.]: Edward Elgar. ISBN 9781849805544. OCLC 670072229