Suzana Herculano-Houzel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Suzana Herculano-Houzel
Neurociência
Nacionalidade Brasil Brasileira
Residência Rio de Janeiro, Brasil
Nascimento 1972 (45 anos)
Local Rio de Janeiro
Atividade
Campo(s) Neurociência
Instituições Universidade Vanderbilt
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro, Case Western Reserve University, Universidade Pierre e Marie Curie, Instituto Max Planck
Religião Nenhuma (Ateia)

Suzana Herculano-Houzel (Rio de Janeiro, 1972) é uma neurocientista brasileira [1] conhecida por seu trabalho de divulgação científica. Graduada em biologia, possui mestrado, doutorado e pós-doutorado em neurociência. É professora universitária, escreveu diversos artigos, livros e participou de programas de TV.

Seu principal campo de pesquisa é neuroanatomia comparada. Suas descobertas incluem um método de contagem de neurônios em cérebros humanos e de outros animais e a relação entre a área e espessura do córtex cerebral e o número de dobras em sua superfície.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Formou-se em Biologia Modalidade Genética pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1992). Fez mestrado pela universidade americana Case Western Reserve (1995), doutorado na França pela Universidade Pierre e Marie Curie (1998) e pós-doutorado na Alemanha pelo Instituto Max Planck (1999), todos em neurociências.

Em 1999 voltou ao Brasil e passou a dedicar-se à divulgação científica, lançando também o site Cérebro Nosso de Cada Dia.

É autora de alguns livros, produziu inúmeros artigos científicos, além de textos e colunas para revistas e jornais como Folha de S.Paulo.

Exerce o cargo de professora associada da Universidade Vanderbilt desde maio de 2016, pesquisando as regras de construção do sistema nervoso central em humanos e outras espécies.

Em 2008 foi apresentadora e roteirista do quadro Neurológica, do programa de TV Fantástico.

Em 2013 foi a primeira brasileira a participar da conferência TED Global. [2]

No final de 2015, [3] "Suzana chegou a tirar dinheiro do próprio bolso para continuar com a pesquisa, para depois encabeçar campanha de financiamento coletivo para levantar recursos para seu laboratório na UFRJ. Em dois meses, a cientista conseguiu levantar R$ 113 mil, recursos que permitiram bancar o laboratório por cinco meses." [4]

E em maio de 2016, inclusive tendo considerado a negociação como necessariamente rápida, decidiu voltar aos Estados Unidos; concretizado (e repercutido [5][6][7]) o contrato com a Universidade Vanderbilt.

É membro do corpo editorial da Revista Neurociências e colaboradora de Jorge Zahar Editor.

Foi a primeira estudiosa brasileira da Fundação James McDonnell a receber o Scholar Award para financiar sua pesquisa.

Suzana já publicou mais de 45 artigos científicos em 11 anos. Um dos mais importantes, publicado na Science, em que explica as dobras que temos em nossos cérebros. [8]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Suzana é casada e tem dois filhos.

Em 2010, durante a campanha para a eleição presidencial, devido ao debate entre Dilma Rousseff e José Serra sobre aborto no Brasil, ela se declarou irritada com o discurso religioso que permeava o debate e declarou em seu blog que era ateia e que se sentia discriminada por isso.[9][10]

Livros[editar | editar código-fonte]

  • O Cérebro Nosso de Cada Dia (Vieira & Lent, 2002)
  • Sexo, Drogas, Rock and Roll... & Chocolate (Vieira & Lent, 2003)
  • O Cérebro em Transformação (Objetiva, 2005)
  • Por que o Bocejo É Contagioso? (Jorge Zahar Editor, 2007)
  • Fique de Bem com seu Cérebro (Sextante, 2007)
  • Pílulas de Neurociência para uma Vida Melhor (Sextante, 2009)

Referências

  1. Ariane Abdallah (11 de abril de 2011). «Mulher Cabeça». Trip + UOL. Cópia arquivada desde o original em 8 de junho de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  2. «A mulher que encolheu o cérebro humano». O Globo. 24 de maio de 2013. Cópia arquivada desde o original em 4 de março de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  3. Carla Matsu (IDGNow! / Portal Terra). «Ciência no Brasil é insustentável, diz cientista que lançou crowdfunding». Cópia arquivada desde o original em 28 de outubro de 2015. Consultado em 7 de maio de 2016 
  4. Redação (do IDGNow! / Portal Terra). «Suzana Herculano-Houzel deixa o Brasil para ser pesquisadora nos EUA». Cópia arquivada desde o original em 6 de maio de 2016. Consultado em 7 de maio de 2016 
  5. Rafael Ciscati (6 de maio de 2016). «Suzana Herculano-Houzel: "Nos EUA, farei mais pela ciência do Brasil do que se ficar aqui"». Época. Cópia arquivada desde o original em 7 de maio de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  6. Felipe Ventura (3 de maio de 2016). «Suzana Herculano-Houzel deixa o Brasil e expõe problemas profundos da ciência no país». Gizmodo Brasil / UOL. Cópia arquivada desde o original em 4 de maio de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  7. Reinaldo José Lopes (5 de maio de 2016). «'Engessamento me fez deixar o país', diz a neurocientista Suzana Herculano». Folha de S.Paulo. Cópia arquivada desde o original em 5 de maio de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  8. Érika Kokay (19 de agosto de 2015). «Suzana Herculano-Houzel: "Fazemos ciência no Brasil em condições miseráveis"». Época. Cópia arquivada desde o original em 19 de agosto de 2015. Consultado em 8 de junho de 2016 
  9. Paulo Lopes (6 de maio de 2016). «Neurocientista Suzana diz sofrer discriminação por ser ateia». Paulopes. Cópia arquivada desde o original em 8 de junho de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 
  10. Alex Rodrigues (introdutor e divulgador) (19 de outubro de 2010). «Sou ateia e sinto-me discriminada. Pronto, falei.». Blog Oficial da Liga Humanista Secular do Brasil. Cópia arquivada desde o original em 8 de junho de 2016. Consultado em 8 de junho de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]