Oscar Araripe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde novembro de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Oscar Araripe
Oscar Araripe em 2017
Nascimento 19 de julho de 1941 (76 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Área escritor e pintor
Página oficial
www.oscarararipe.com.br/

Oscar Araripe (Rio de Janeiro, 19 de julho de 1941) é um escritor e pintor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Estúdio de Oscar Araripe na cidade de Tiradentes.

Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais em 1968 pela Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, foi eleito para o Centro Acadêmico Cândido de Oliveira (CACO), e militou no movimento esquerdista Ação Popular (AP). Foi anistiado pelo governo brasileiro em 2012 pelas punições sofridas na Ditadura Militar de 1964. Foi jornalista cultural no Correio da Manhã, Jornal do Brasil e Última Hora. Escreveu China, o Pragmatismo Possível em 1974 e editou, com o arte-educador Augusto Rodrigues, o jornal Arte & Educação. Autor da trilogia literária Maria, Marta e Eu, sua obra foi analisada pelo crítico literário e diplomata Antônio Houaiss, pelo crítico e acadêmico Eduardo Portella, pelo crítico e poeta José Paulo Moreira da Fonseca e pelo escritor Márcio Souza.

Pintor paisagista, marinista, realista e subjetivo, Oscar Araripe possui vasta obra, em fase de catalogação pela Fundação que leva seu nome, sediada em Tiradentes, MG, onde também possui galeria pessoal. Na pintura introduziu a vela náutica (dracon poliester)[nota 1] como suporte (1984), o "filme laser"[nota 2] (como substituto do papel vegetal) e desenvolveu técnicas próprias, como as transparências obtidas pelas pinturas por trás dos suportes. Tais inovações permitiram-lhe expor grandes telas ao ar-livre permanentemente com estruturas de ferro como moldura. Sua obra Extinção Nunca Mais, exposta durante a Eco-92, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, teve um público estimado de dois milhões.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

É casado com Cidinha Ribeiro de Alencar Araripe, advogada, natural da cidade mineira de Catas Altas, e mãe dos gêmeos Octávio e Victtoria de Alencar Araripe.

Acontecimentos importantes[editar | editar código-fonte]

Obra[editar | editar código-fonte]

Tela de Oscar Araripe.

Sua obra de pintura e desenho mereceu a atenção da crítica de Frederico de Moraes, Milton Ribeiro, Jean Boghici, Sérgio Rouanet, Luiz Galdino, Antônio Houaiss, Mário Margutti, Fernando Lemos, Tertuliano dos Passos, Marylka Mendes, Oscar D'Ambrosio, José Roberto Teixeira Leite, Pierre Santos, Wilson Lima, Jacob Klintowitz e Gustavo Praça.

Em sua obra, se destacam Pilares, de 1200 imagens; seus bico-de-pena sobre Tiradentes, Ouro Preto, Bahia e Ceará; seus eróticos; e seus Jarros de Flores. Realizou quase uma centena de exposições, majoritariamente individuais, no Rio, em Minas, na Bahia, em Brasília, no Ceará, em São Paulo. Expôs também fora do Brasil, nos Estados Unidos, China, França, Espanha, Eslovênia, Grécia, Cuba, México e Reino Unido. Retratou três heróis brasileiros: Tiradentes, Bárbara de Alencar e Tristão Araripe.


Prêmios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Medalha da Comenda Lyda Monteiro da Silva / CAA Vanguarda (OAB-MG (2017)

Lista de obras literárias[editar | editar código-fonte]

  • China, o Pragmatismo Possível (1974)
  • Maria na Terra de Meus Olhos (1975)
  • Marta, Júpiter e Eu (1986)
  • Eu Promeu, o que Amazoneu (1992).
  • Oscar Araripe / Vida e Obra (2011)
  • Oscar Araripe / Catálogo sobre o painel Tiradentes, o Animoso Alferes / Coleção Memória e Arte (2017)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Dicionário Aurélio
  • Enciclopédia da Literatura Brasileira de Afrânio Coutinho.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. O Drácon é produzido através da condensação de ácido tereftálico junto com etilenoglicol. Ele foi obtido entre 1947-48, sendo assim usado na fabricação de fibras sintéticas com grande resistência à tração, fitas magnéticas, garrafas de refrigerante e etc.
  2. Filme de poliester matte com tratamento nas duas faces, espessura de 0,75 micra. Permite uma fixação superior e definição de traços processados em impressoras laser.

Referências

  1. a b «Oscar Araripe será homenageado em Reunião Especial na ALMG». ALMG. 12 de fevereiro de 2017. Consultado em 16 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 16 de novembro de 2017 
  2. «Medalha de Mérito Pedro Ernesto». Câmara Municipal do Rio de Janeiro. 12 de março de 2014. Consultado em 17 de novembro de 2017. Cópia arquivada em 17 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Oscar Araripe