Márcio Souza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde julho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde julho de 2017). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Márcio Souza
Nome completo Márcio Gonçalves Bentes de Souza
Nascimento 4 de março de 1946
Manaus,  Amazonas
Nacionalidade brasileira
Ocupação escritor
jornalista
dramaturgo
Prémios Troféu APCA (1997)
Magnum opus Mad Maria e Galvez - Imperador do Acre
Página oficial
www.marciosouza.com.br

Márcio Gonçalves Bentes de Souza (Manaus, 4 de março 1946) é um escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em Manaus, ainda jovem, começou a trabalhar como crítico de cinema no jornal O Trabalhista, do qual seu pai era sócio. Em 1965 assumiu a coordenação das edições do governo do estado do Amazonas, mas logo em seguida mudou-se para São Paulo e ingressou no curso de ciências sociais da Universidade de São Paulo (USP). Perseguido pela ditadura militar, interrompeu os estudos em 1969 e começou a vida profissional no cinema, como crítico, roteirista e diretor. Na dramaturgia, escreveu peças como As folias do látex e Tem piranha no pirarucu.

Com a obra Galvez - Imperador do Acre, iniciou sua carreira literária, em 1976. Escreveu diversas obras inseridas no ambiente sociocultural da Amazônia, tais como Mad Maria, Plácido de Castro contra o Bolivian Syndicate, Zona Franca, meu amor e Silvino Santos: o cineasta do ciclo da borracha, entre outras.

Entre 1981 e 1982 publicou em folhetins, no jornal Folha de S.Paulo, o romance A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi.[1]

Destacou-se também como cineasta e ensaísta (A selva; A expressão amazonense do neolítico à sociedade de consumo). Mais recentemente, tem-se dedicado a uma tetralogia sobre os anos em que a antiga Província do Grão-Pará,[2] que fora durante todo o período colonial um estado separado, atravessou a séria crise de sua anexação ao Brasil e de revoltas contra o poder do Rio de Janeiro e/ou contra a desigualdade social, de que padeciam sobretudo os negros e os indígenas.

Vida pública[editar | editar código-fonte]

Em 1976 assumiu o cargo de diretor de planejamento da Fundação Cultural do Amazonas.

Foi também presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte) entre 1995 e 2003, no governo de Fernando Henrique Cardoso.

Ocupa, desde janeiro de 2013, a presidência do Conselho Municipal de Política Cultural da cidade de Manaus.[3]

Obras[4][editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Livroː Um olhar sobre a cultura brasileira, editado em 1998, Ministério da Cultura, organizado por Francisco Weffort e Márcio Souza
  • Mostrador de Sombras, UBE/Amazonas e Editora Sérgio Cardoso. 1969
  • Galvez – Imperador do Acre, Edições Governo do Estado do Amazonas. 1976
  • A Expressão Amazonense, Editora Alfa-ômega, São Paulo. 1977
  • Operação Silêncio, Editora Civilização Brasileira, Rio de Janeiro. 1978
  • Teatro Indígena do Amazonas, Editora Codecri, Rio de Janeiro. 1979
  • Feira Brasileira de Opinião, Editora Global, São Paulo. 1979
  • Malditos Escritores, Movimento, São Paulo. 1979
  • Mad Maria, Editora Civilização Brasileira, Rio de Janeiro. 1980
  • Tem Piranha no Pirarucu, Editora Codecri, Rio de Janeiro. 1980
  • A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi, Editora Marco Zero, Rio de Janeiro. 1982
  • A Ordem do Dia, Editora Marco Zero, Rio de Janeiro. 1983
  • O Palco Verde, Editora Marco Zero, São Paulo. 1983
  • A Condolência, Editora Marco Zero, São Paulo. 1984
  • O Brasileiro Voador, Editora Marco Zero, São Paulo. 1985
  • O Empate Contra Chico Mendes, Editora Marco Zero, São Paulo. 1986
  • O Fim do Terceiro Mundo, Editora Marco Zero, São Paulo;1989
  • Breve História da Amazônia, Editora Marco Zero, São Paulo. 1992
  • A Caligrafia de Deus, Editora Marco Zero, São Paulo. 1993
  • Anavilhanas, o Jardim do Rio Negro Editora Agir, Rio de Janeiro. 1996
  • Lealdade, Editora Marco Zero, São Paulo. 1997
  • Teatro Completo – Volumes I, II e III, Editora Marco Zero, São Paulo. 1997
  • Um Olhar sobre a Cultura Brasileira, com Francisco Weffort. Edição do Ministério da Cultura, Brasília. 1998
  • Silvino Santos, o cineasta do ciclo da borracha, Edições Funarte, Rio de Janeiro. 1996
  • Parque do Jaú, Editora Agir, Rio de Janeiro. 2000
  • Fascínio e Repulsa, Edições do Fundo Nacional de Cultura, Rio de Janeiro. 2000
  • Entre Moisés e Macunaíma, com Moacyr Scliar, Editora Garamond, Rio de Janeiro. 2000
  • Desordem, Editora Record Rio de Janeiro. 2001
  • Pico da Neblina, Editora Agir, Rio de Janeiro. 2001
  • Breve História da Amazônia, Editora Agir, Rio de Janeiro. 2001
  • Políticas Culturais Brasileiras, Editora Manole, São Paulo. 2002
  • A Expressão Amazonense, edição revista, Editora Valer, Manaus. 2002
  • Galvez, Imperador do Acre, versão em quadrinhos. Secult-Pará, Belém. 2004

Cinema[editar | editar código-fonte]

A Selva[5]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Márcio Souza
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.