Milton Hatoum

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Milton Hatoum
Data de nascimento 19 de agosto de 1952 (63 anos)
Local de nascimento Manaus, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Escritor
Magnum opus Relato de um certo oriente: romance

Milton Assi Hatoum (Manaus, 19 de agosto de 1952) é um escritor, tradutor e professor brasileiro. Hatoum é considerado um dos grandes escritores vivos do Brasil.[1]

Descendente de libaneses, ensinou literatura na Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e na Universidade da Califórnia em Berkeley. Escreveu quatro romances: Relato de um Certo Oriente, Dois Irmãos, Cinzas do Norte (esse último vencedor do Prêmio Portugal Telecom de Literatura e todos os três primeiros ganhadores do Prêmio Jabuti de melhor romance) e Órfãos do Eldorado. Seus livros já venderam mais de 200 mil exemplares no Brasil e foram traduzidos em oito países, como a Itália, os Estados Unidos, a França e a Espanha.[2]

Hatoum costuma em suas obras falar de lares desestruturados com uma leve tendência política. Em suas duas últimas obras, Dois Irmãos e Cinzas do Norte, Milton Hatoum fez uma sutil crítica ao regime militar brasileiro.

Em janeiro de 2015, o diretor Luiz Fernando Carvalho inicia as gravações da adaptação de Dois Irmãos para a minisserie da TVGlobo.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nasceu na cidade de Manaus, no Amazonas.

Depois dos estudos secundários na capital brasileira, Hatoum mudou-se para São Paulo. Três anos depois, ingressou na Universidade de São Paulo, cursando arquitetura e urbanismo. Foi perseguido ainda na FAU pelo DOPS da ditadura, por envolvimento com o DCE da USP. Em 1980 viajou para a Espanha como bolsista do instituto Iberoamericano de Cooperación. Nesta década, viveu entre Madri e Barcelona. Logo depois, mudou-se para a França, onde cursou pós-graduação na Universidade de Paris III.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Depois de concluído seus cursos superiores, Milton retornou para Manaus, onde passou a lecionar língua e literatura francesa na Universidade Federal do Amazonas. Relato de um Certo Oriente foi publicado quando ele tinha 37 anos.

Titulou-se doutor em teoria literária na USP em 1998, quando sentiu-se insatisfeito com a política de Manaus e passou a morar, definitivamente, em São Paulo.[3] Onze anos após a publicação do primeiro romance, Milton publica Dois Irmãos. Entre a publicação do primeiro livro e do segundo, publicou diversos contos em jornais e revistas brasileiras e do exterior.

Literatura[editar | editar código-fonte]

Estilo[editar | editar código-fonte]

Hatoum é conhecido por misturar experiência e lembranças pessoais com o contexto sócio-cultural da Amazônia e do Oriente.[1] Sobre o primeiro livro, assim ele explica: "No Relato de um certo Oriente há um tom de confissão, é um texto de memória sem ser memorialístico, sem ser auto-biográfico; há, como é natural, elementos de minha vida e da vida familiar. Porque minha intenção, do ponto de vista da escritura, é ligar a história pessoal à história familiar: este é o meu projeto. Num certo momento de nossa vida, nossa história é também a história de nossa família e a de nosso país (com todas as limitações e delimitações que essa história suscite)."[4]

O colunista Roberto Amorim considera a escrita de Milton possuidora de "uma linguagem caudalosa e envolvente que faz o leitor sentir a força da boa literatura."[1]

Reputação[editar | editar código-fonte]

A partir do romance Relato de um certo Oriente, Milton Hatoum vem gozando de um reconhecimento muito grande por parte dos críticos e também dos leitores do seu país e do exterior.[4] O primeiro livro, assim como seu recente Orfãos do Eldorado, são considerados por diversos críticos como uma "obra-prima".[1] Milton já foi chamado de "O escritor que coleciona prêmios",[5] mas disse certa vez: "não escrevo para ganhá-los".[1]

Novos Trabalhos[editar | editar código-fonte]

As novas obras de Milton Hatoum começam a ganhar novas fronteiras. Dois livros do escritor e um conto estão sendo adaptados para o cinema, e Dois Irmãos ganhará uma minissérie na TV Globo - além de uma versão em quadrinhos lançada há pouco. Hatoum ainda trabalha num novo livro, O Lugar Mais Sombrio e diz, a ser levado ou não a sério, que, depois dessa publicação, não irá mais escrever, pois considera que não terá mais nada a dizer[6] .

Romances[editar | editar código-fonte]

  • Relato de um Certo Oriente (romance). São Paulo: Cia. das Letras, 1989.
  • Dois Irmãos (romance). São Paulo: Cia. das Letras, 2000.
  • Cinzas do Norte, 2005
  • Orfãos do Eldorado. São Paulo: Cia. das Letras, 2008;

Contos[editar | editar código-fonte]

  • A cidade ilhada (Livro de Contos). São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

Traduções[editar | editar código-fonte]

  • Flaubert, Gustave. Um coração simples. In:Três contos. [Por: Milton Hatoum & Samuel Titan Jr.]. São Paulo: Cosac & Naify, 2004. (Trois contes).
  • Said, Edward. Representações do intelectual. [Por: Milton Hatoum]. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. (Representations of the intellectual).
  • Sand, George. Esperidião. [Por: Milton Hatoum]. In: Contos de horror do século XIX, Companhia das Letras, São Paulo, 2005. (Spiridion).
  • Schwob, Marcel. A cruzada das crianças. Edição bilingüe (português/francês). São Paulo: Iluminuras, 1988. (La croisade des enfants).

Referências

  1. a b c d e Amorim, Roberto. "Ler Milton Hatoum é sentir a força da literatura" (11/03/2008). TudoNaHora.com.br
  2. Milton Hatoum, em KlickEscritores.com.br. Acesso: 14 de março, 2009].
  3. Hatoum, Milton (1952). Enciclopédia Itaú Cultural Literatura Brasileira. Acesso: 14 de março, 2009.
  4. a b Entrevista – Milton Hatoum. Entrevista concedida a Aida Ramezá Hanania em 5-11-93. Transcrita e editada por ARH. Acesso: 14 de março, 2009.
  5. Ventura, Mauro. O escritor que coleciona prêmios. O Globo, 03 set. 2006.
  6. Folha de S. Paulo - Milton Hatoum Lança Livro e Ganha Adaptações no Cinema, TV e HQ (29 de março de 2015). Visitado em 29 de março de 2015.

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Carnero, Flávio. A casa, a memória, o rio. In: –––. No país do presente: ficção brasileira no início do século XXI. Rio de Janeiro: Rocco, 2005, p. 53-55.
  • Pellegrini, Tânia. Prosa brasileira: um difícil enigma. Jornal do Brasil, 05 abril 2008.
  • Chiarelli, Stefania. Na biblioteca de Hatoum: leituras de mediações. In: Chiarelli, Stefania, *Dealtry, Giovanna e Lemos, Masé (orgs.). Alguma Prosa. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.
  • Carreira, Shirley. Diferença e alteridade em Cinzas do Norte, de Milton Hatoum. In: Revista Vertentes, São João del-Rei, n.34, p.20-28, jul./dez. 2009.
  • Carreira, Shirley. Imigrantes: a representação da identidade cultural em Relato de um certo Oriente e Amrik.In: Adelaide Clhman de Miranda [et al.] Protocolos críticos. São Paulo:Iluminuras, Itaú Cultural,2008.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Nélida Piñon
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Melhor Livro de Romance
2006
Sucedido por
Carlos Nascimento Silva
Precedido por
Nélida Piñon
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Livro do Ano Ficção
2006
Sucedido por
Ferreira Gullar