Silviano Santiago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Silviano Santiago
Nascimento 29 de setembro de 1936 (86 anos)
Formiga, Minas Gerais, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cidadania Brasil
Ocupação Escritor, ensaísta, poeta, contista e professor
Prémios Prémio Jabuti (1982), (1993)

Prêmio ABL de Ficção romance teatro e conto (2009)
Prémio Machado de Assis (2013)
Prémio Iberoamericano de Letras José Donoso (2014)
Prémio Oceanos (2015)
Prémio Jabuti (2017)
Prémio Pessoa (2022) Prêmio Camões (2022)

Obras destacadas Em liberdade
Uma história de família
Keith Jarret no Blue Note

Silviano Santiago (Formiga, MG, 29 de setembro de 1936) é um ensaísta, poeta, professor[1] contista e romancista brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Com dez anos, mudou-se para Belo Horizonte. Em 1954, principiou a escrever para uma revista de cinema. Ajudou a idealizar e publicar a revista Complemento, em 1955. Em 1959, laureou-se em Letras Neolatinas[2].

Vivendo no Rio de Janeiro, especializou-se em literatura francesa, o que o levou ao doutorado na Universidade de Paris[3], Sorbonne, onde decifrou o manuscrito Moedeiros Falsos de André Gide[4].

Candidatou-se de Paris ao posto de instrutor na Universidade do Novo México, em Albuquerque, entre os anos 1962 a 1964. Em 1969, publicou em Nova York a antologia Brasil.

Passou pelas universidades de Rutgers, Toronto, Nova York, Buffalo e Indiana. No Brasil, foi catedrático da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e na Universidade Federal Fluminense[5].

Em 1975, publicou uma antologia de prosa e verso de Ariano Suassuna e a edição comentada do romance Iracema[6]. No ano seguinte, participou do X Festival de Inverno de Ouro Preto.

Em 1985, publicou suas traduções para os Poemas de Jacques Prévert e, dez anos depois, traduziu Por Que Amo Barthes, de Alain Robbe-Grillet. Foi nomeado pelo ministro da Cultura como membro da Comissão Julgadora do Prêmio Literário Nacional/1989.

Auxiliou Heloísa Buarque de Hollanda e sua equipe a montar o Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC), em 1994[7]. No ano seguinte, participou do II Encontro Internacional de Poetas, na Universidade de Coimbra [8].

Em 1996, participou em Toronto da conferência sobre o projeto de História da Literatura Latino-americana, originado em Bellagio[9].

Em 2013, recebeu o prestigioso Prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras, pelo conjunto da obra. Em 2015 venceu o Prémio Oceanos de Literatura em Língua Portuguesa.[10]

Em 2020, recebeu o Prêmio Ezequiel Martínez Estrada, conferido pela prestigiosa Casa de las Américas[11]

Em 2022, recebeu o Prêmio Camões.[12][13]

Obras do autor[editar | editar código-fonte]

  • 1955 Os velhos (primeiro conto - publicado na Revista Complemento).
  • 1960 4 poetas (livro de poemas, publicado juntamente com outros autores).
  • 1961 Duas faces (livro de contos publicado juntamente com Ivan Ângelo).
  • 1969 Brasil: prosa e poesia (Antologia publicada em Nova York).
  • 1970 Salto (poemas). O banquete (contos).
  • 1974 O olhar (romance).
  • 1975 Ariano Suassuna (Antologia comentada). Iracema (edição comentada do romance de José de Alencar).
  • 1976 Carlos Drummond de Andrade (ensaios). Glossário de Derrida (supervisor desta publicação dos seus alunos do mestrado em Letras da PUC-RJ).
  • 1978 Crescendo durante a guerra numa província ultramarina (poemas). Uma literatura nos trópicos; ensaios sobre dependência cultural (ensaios).
  • 1981 Em liberdade (romance).
  • 1982 Vale quanto pesa; ensaios sobre questões político-culturais (ensaios).
  • 1985 Stella Manhattan (romance). Poemas (Tradução do livro de Jacques Prévert).
  • 1988 Brasilianische Literatur der Zeit der Militärherrschaft (1964-1988) (organizador desta obra sobre a literatura brasileira no período 1964 a 1988).
  • 1989 Nas malhas da letra (ensaios).
  • 1993 Uma história de família (romance). Viagem ao México (romance).
  • 1995 Cheiro forte (poemas). Por que amo Barthes (Tradução do livro de Alain Robbe-Grillet).
  • 1996 Keith Jarrett no Blue Note (improvisos de jazz) (contos).
  • 1999 De cócoras (romance).
  • 2000 Intérpretes do Brasil (organizador desta obra em três volumes, que reúne textos de autores que pensaram o Brasil).
  • 2001 The Space in-between - essays on Latin American culture (Antologia de ensaios editada por Ana Lúcia Gazzola,[14] na Duke University Press).
  • 2002 Carlos e Mário (organização e notas da correspondência completa entre Mário de Andrade e Carlos Drummond de Andrade).
  • 2003 República das Letras, de Gonçalves Dias a Ana Cristina César: cartas de escritores brasileiros: 1965-1995 (organizador).
  • 2004 O Cosmopolitismo do Pobre: Crítica Literária e Crítica Cultural (ensaios). O Falso Mentiroso: memórias (romance).
  • 2005 Histórias Mal Contadas (contos).
  • 2006 As Raízes e o Labirinto da América Latina (ensaios). A Vida como Literatura: o amanuense Belmiro (ensaios).Ora (Direis) puxar conversa! (ensaios).
  • 2008 Heranças (romance).
  • 2010 Anônimos (contos).
  • 2014 Mil Rosas Roubadas. Vencedor do Prémio Oceanos 2015.[15]
  • 2016 Machado (romance). Vencedor do Prêmio Jabuti 2017 nas categorias Romance e Livro do Ano e segundo colocado no Prêmio Oceanos 2017.
  • 2017 Genealogia da Ferocidade (análise da obra Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa)[16]

Referências

  1. Jornal de Londrina
  2. Pinto, Cristina Ferreira - Urban voices: contemporary short stories from Brazil - Editora University Press of America, 1999 - 250 páginas
  3. Notícias UFF
  4. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis - Anais, Volume 1961 - Editora Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis, 1963 - 666 páginas
  5. Miranda, Wander Melo - Corpos escritos - EdUSP, 1992 - 174 páginas
  6. Alencar, José Martiniano de e Santiago, Silviano - Iracema: notas de Silviano Santiago - Editora F. Alves, 1975 - 86 páginas
  7. «Prefeitura de Recife». Consultado em 22 de maio de 2019. Arquivado do original em 4 de março de 2016 
  8. Resende, Beatriz - Contemporâneos: expressôes da literatura brasileira no século XXI - Casa da Palavra, 2008 - 175 páginas
  9. Aragão, Verônica de - O narrador pós-moderno em Silviano Santiago - Editora Caetés, 2009 - 104 páginas
  10. http://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/silviano-santiago-vence-premio-oceanos-de-literatura-em-lingua-portuguesa-1716869
  11. Jornal O TEMPO[1]]
  12. «Prêmio Camões 2022 vai para Silviano Santiago, crítico e autor de 'Machado'». Folha de S.Paulo. 24 de outubro de 2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  13. publico.pt (24 de outubro de 2022). «Prémio Camões para o ensaísta, romancista e poeta brasileiro Silviano Santiago». 24-10-2022. Consultado em 24 de outubro de 2022 
  14. Aécio sucateou a Educação, desempregou 71 mil e não convocou os concursados - Eis o legado do tucano!
  15. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2015/11/1704831-chico-buarque-e-glauco-mattoso-sao-finalistas-do-premio-oceanos-veja-lista.shtml
  16. http://fontessobresilviano.blogspot.com/p/biografia.html

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]