Flávio Aguiar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Flávio Aguiar
Nome completo Flávio Wolf de Aguiar
Nascimento 12 de maio de 1947 (71 anos)
Porto Alegre,  Brasil
Residência Berlim
Cônjuge Zinka Ziebell
Prémios Prémio Jabuti (1984, 2000)
Género literário Estudos literários
Movimento literário Geração do Mimeógrafo.
Magnum opus Anita

Flávio Wolf de Aguiar (Porto Alegre, 1947) é professor, autor, jornalista, tradutor brasileiro, organizador e colaborador de dezenas de livros. Seu nome de autor mais comum é Flávio Aguiar.

Atualmente vive em Berlim, onde é correspondente de publicações brasileiras, impressas ou na internet, fazendo reportagens também para TV e rádio.

Graduado em Letras(1970) pela Universidade de São Paulo também é Mestre (1974) e Doutor (1979, tendo defendido tese sobre A comédia nacional no teatro de José de Alencar) em Teoria Literária e Literatura Comparada pela mesma universidade. Em 1982 cumpriu um programa de Pós-Doutorado na Universidade de Montreal. Foi professor convidado e conferencista em universidades no Brasil, Uruguai, Argentina, Canadá, Alemanha, Costa do Marfim e Cuba.

Foi professor de Literatura Brasileira da USP (1973 - 2006), tendo orientado mais de quarenta teses e dissertações de doutorado e mestrado. No período da ditadura militar, foi editor de cultura do jornal Movimento. Atualmente é professor assistente doutor aposentado da USP.[1][2] É colunista quinzenal do Blog da Boitempo.

Tem três filhas de seu primeiro casamento com Iole de Freitas Druck: Renata Druck de Aguiar (1973), Maria Druck de Aguiar (1977) e Tânia Druck de Aguiar (1981), duas netas (Naomi e Clara) e dois netos (Davi e Francisco). É casado com a professora Zinka Ziebell, da Universidade Livre de Berlim.

Obras[editar | editar código-fonte]

Flávio de Aguiar tem mais de trinta livros publicados, como autor, co-autor ou organizador. São obras de crítica literária, ficção e poesia. Participou de várias antologias de poemas e contos no Brasil e no exterior (França, Itália e Canadá).

Seu último livro é O legado de Capitu.

Livros publicados, organizados ou edições[editar | editar código-fonte]

O legado de Capitu. (romance policial) (São Paulo: e-galáxia, Boitempo, 2017. Em ebook. É também seu primeiro romance cuja ação se passa, na maior parte, em Berlim.

  • A Bíblia segundo Beliel: da Criação ao Fim do Mundo: como tudo de fato aconteceu e vai acontecer (São Paulo: Boitempo 2012), ISBN 978-85-7559-297-7.
  • Crônicas do mundo ao revés. Apresentação: Maria Rita Kehl. Boitempo, 2011[3]
  • José de Alencar - Comédias. São Paulo: Martins Fontes, 2004. v. 1. 514p .
  • Álbum de família - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 112p.
  • Viúva porém honesta - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 80p.
  • Perdoa-me por me traíres - Nelson Rodrigues(org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 96p.
  • Os sete gatinhos - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 112p.
  • Valsa n° 6 - Nelson Rodrigues(org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 64p.
  • Senhora dos afogados - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 112p.
  • Vestido de Noiva - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004, 96p.
  • Boca de Ouro - Nelson Rodrigues (org.). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2004. v. 1. 128p .
  • O tempo e o vento - Érico Veríssimo (org.). 3ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, 7 vol.
  • Antologia de Comédia de Costumes. São Paulo: Martins Fontes, 2003. v. 1.
  • Colar de vidro e outros poemas. Porto Alegre: Corag, IEL, 2002.
  • Com palmos medida. Terra, trabalho e conflito na literatura brasileira. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo/Boitempo, 1999. v. 1. 350p .
  • Antonio Candido: pensamento e militância. São Paulo: Humanitas/Fundação Perseu Abramo, 1999, 84p.
  • Anita. São Paulo: Boitempo, 1999.
  • A palavra no purgatório. Literatura e Cultura nos anos 70. São Paulo: Boitempo, 1998, 198p.
  • A comédia nacional no Teatro de José de Alencar. 1. ed. São Paulo: Ática, 1984, 284p.
  • Os homens precários. Inovação e convenção na dramaturgia de Qorpo Santo. Porto Alegre: A Nação/ Instituto Estadual do Livro, 1975, 295p .

Capítulos de livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • "Antonio Candido". In: Luiz Bernardo Pericás & Lincoln Secco (orgs.). Intérpretes do Brasil: Clássicos, rebeldes e renegados. São Paulo: Boitempo, 2014.
  • "O conceito de transculturação na obra de Ángel Rama" (com Sandra Guardini Teixeira Vasconcelos). In: Benjamin Abdala Jr. (org.). Margens da Cultura. São Paulo: Boitempo, 2004.
  • "O portal do inferno". In: Márcia Moura Coelho; Marcos Fleury de Oliveira (org.). Machado de Assis no espelho. São Paulo: Alameda/Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica, 2004.
  • "O verso e o reverso de José de Alencar". In: Flávio Aguiar (org.). José de Alencar - Comédias. São Paulo: Martins Fontes, 2004, v. 1, p. -.
  • "A máscara da melancolia'. In: Flávio Aguiar. (Org.). Antologia de Comédia de Costumes. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Outras produções bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Diários de Berlim, 1940 – 1945: os bastidores da operação que planejou assassinar Hitler. (tradução e apresentação). De Marie Vassiltchikov. São Paulo, Boitempo: 2015.
  • Criador e criatura (com Ariclê Perez). São Paulo: Alameda/Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica, 2004 (dramaturgia).
  • O Código dos códigos - A Bíblia e a literatura (tradução). São Paulo: Boitempo, 2004 .
  • O tempo e o romance. Porto Alegre: Editora Globo, 1972. (tradução).

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Flávio Aguiar ganhou quatro vezes o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro:

  • 1984 A comédia nacional no teatro de José de Alencar (ensaio; Ática, 1984);
  • 2000 Anita (romance; Boitempo, 1999);
  • 2007 , como participante (responsável pela área de literatura) da obra coletiva Latinoamericana – Enciclopédia sobre a América Latina e o Caribe (org. de Emir Sader e Ivana Jinkings), também premiado na categoria Ciências Humanas e livro do ano na categoria não ficção (publicado pela Boitempo, 2006)
  • 2013, colaborador do livro 'História do teatro brasileiro, vol. I', org de João Roberto Faria. São Paulo: Perspectiva, SESCP, 2012.
  • Em 2002 seu livro "Colar de vidro e outros poemas" foi finalista do Prêmio Açorianos da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre.

Referências

  1. Homenagem da Congregação da FFLCH/USP a Flávio Wolf de Aguiar. Por Sandra Nitrini.
  2. Currículo Lattes
  3. "Arte Memorável", por Roniwalter Jatobá. Outras Oalavras, 15 de março de 2011

Ligações externas[editar | editar código-fonte]