Benedito Nunes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Benedito Nunes
Nascimento 21 de novembro de 1929
Belém, Pará
Morte 27 de fevereiro de 2011 (81 anos)
Belém, Pará
Nacionalidade Brasileiro
Cônjuge Maria Sylvia Nunes
Alma mater Universidade Federal do Pará
Ocupação Filósofo, professor, crítico literário
Influências
Prêmios Prêmio Jabuti (1987 e 2010), Prêmio Machado de Assis (2010)
Magnum opus Passagem para o Poético - Filosofia e Poesia em Heidegger (1986)
Principais interesses Filosofia da Arte, Estética, Literatura, Hermenêutica
Religião Agnosticismo[1]

Benedito José Viana da Costa Nunes (Belém, 21 de novembro de 1929 - Belém, 27 de fevereiro de 2011) foi um filósofo, professor, crítico de arte e escritor brasileiro.[2] [3] [4]

Foi um dos fundadores da Faculdade de Filosofia do Pará, depois incorporada à Universidade Federal do Pará (UFPA), e da Academia Brasileira de Filosofia. Ensinou literatura e filosofia em outras universidades do Brasil, da França e dos Estados Unidos. Escreveu artigos e ensaios para jornais e publicações locais, nacionais e internacionais. Aposentou-se como professor titular de Filosofia na UFPA,[5] tendo recebido o título de Professor Emérito em 1998. No mesmo ano, foi um dos ganhadores do Prêmio Multicultural Estadão.[6]

Recebeu duas vezes o Prêmio Jabuti de Literatura: em 1987, pelo estudo da obra de Martin Heidegger que culminou em Passagem para o Poético; e em 2010 pela crítica literária A Clave do Poético.[7] Também em 2010 foi agraciado com o Prêmio Machado de Assis da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra.[7]

Era sobrinho do tradutor Carlos Alberto Nunes.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Benedito Nunes nasceu em Belém do Pará, no dia 21 de novembro de 1929.

Em 1943, aos 14 anos, publicou com o amigo Haroldo Maranhão o pequeno jornal O Colegial, que circulava pelas escolas belenenses.[8]

Em 1946, foi convidado para ser colaborador do Suplemento Literário do jornal Folha do Norte (de propriedade do avô de Maranhão), encarte literário que recebeu colaborações de autores como Antonio Candido, Aurélio Buarque de Holanda, Otto Maria Carpeaux, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Cecília Meireles. Ali, Benedito publicou, até 1952, um texto de ficção em prosa, vinte e dois poemas, dois textos teóricos sobre poesia, análises dos romances A morte de Ivan Ilitch, de Liev Tolstoi, e A Peste, de Albert Camus, e uma série de aproximadamente setenta aforismos no estilo de Friedrich Nietzsche, denominada Confissões do Solitário, que marcou o início de seus estudos lítero-filosóficos. Em 1949, decidiu parar de escrever poesia, escolhendo dedicar-se à escrita de textos filosóficos.[9]

Em 1952, formou-se bacharel em Direito pela Faculdade de Direito do Pará (posteriormente encampada pela Universidade Federal do Pará), atraído pelo fato de aquele curso proporcionar o ensino da epistemologia, a qual ele estudou com base, principalmente, no livro Teoria do Conhecimento de Nicolai Hartmann. Desgostoso do estudo da legislação, jamais seguiu a carreira jurídica. De 1954 a 1960, foi professor de história da filosofia e ética nos cursos de pedagogia, ciências sociais, história e biblioteconomia da então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras do Pará (também encampada com a criação da UFPA em 1957), tornando-se professor titular em 1966.[10]

Também lecionou e dirigiu seminários na Université de Haute-Bretagne - Rennes II (França), na University of Texas at Austin (EUA), na Vanderbilt University, Nashville (EUA), na Universidade de Stanford (EUA), e na Universidade de Montreal (Canadá), além de em Portugal e no Uruguai.[11]

Em 1960, sua esposa Maria Sylvia Nunes, diretora de teatro, recebeu uma viagem para a França como prêmio de um festival. Acompanhando-a, Benedito frequentou os cursos de Paul Ricoeur e Maurice Merleau-Ponty no Collège de France (Paris). Entre 1967 e 1969, o casal viajou novamente à França e Benedito realizou estudos de pós-graduação no Instituto de Estudos Portugueses e Brasileiros da Sorbonne (Paris), orientado pelo professor Léon Bourdon.[12] [13]

Embora não tivesse se filiado a nenhum partido político, Nunes se considerava mais de esquerda do que de direita, e durante os anos de chumbo posicionou-se em oposição ao regime militar, chegando a ser indiciado em um inquérito em 1970.[14] Em 1976, convidou Michel Foucault para proferir palestra em Belém. Após a partida do filósofo francês, o Serviço Nacional de Informações requisitou a lista dos presentes no evento, que Benedito Nunes recusou-se a entregar.[15]

Recebeu o prêmio Jabuti em 1987, na categoria Estudos Literários, pela obra Passagem para o Poético - Filosofia e Poesia em Heidegger.

Em 1989, foi um dos membros fundadores da Academia Brasileira de Filosofia, na qual ocupou a cadeira de número 8.[16]

Aposentou-se da UFPA em 1998, recebendo o título de professor emérito.

Em 2010, recebeu novamente o Prêmio Jabuti, primeiro lugar na categoria Estudos Literários, pela crítica literária A Clave do Poético.[7] No mesmo ano, recebeu o Prêmio Machado de Assis concedido pela Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra.[7] [17]

Prosseguiu escrevendo e ministrando cursos e palestras até seu falecimento, provocado por complicações em decorrência de uma úlcera gástrica, em 27 de fevereiro de 2011.[18]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • O mundo de Clarice Lispector, 1966
  • A Filosofia Contemporânea, 1967
  • Introdução à Filosofia da Arte, 1967
  • O Dorso do Tigre (Coleção Debates - ensaios literários e filosóficos), 1969
  • Leitura de Clarice Lispector (Coleção Escritores de Hoje), 1973
  • João Cabral de Melo Neto (Coleção Poetas Modernos do Brasil), 1974
  • Oswald Canibal (Coleção Elos), 1979
  • Passagem para o Poético - Filosofia e Poesia em Heidegger, 1986
  • O tempo na narrativa, 1988
  • O drama da linguagem - Uma leitura de Clarice Lispector, 1989
  • No tempo do niilismo e outros ensaios, 1993
  • Crivo de papel (ensaios literários e filosóficos), 1998
  • Hermenêutica e poesia - O pensamento poético, 1999
  • Dois Ensaios e Duas Lembranças, 2000
  • O Nietzsche de Heidegger, 2000
  • Heidegger e Ser e Tempo, 2002
  • Crônica de Duas Cidades - Belém e Manaus, 2006 (em coautoria com Milton Hatoum)
  • João Cabral: a máquina do poema, 2007
  • A Clave do Poético, 2009
  • Ensaios Filosóficos, 2010
  • Do Marajó ao Arquivo - Breve Panorama da Cultura no Pará, 2012 (póstumo)
  • A Rosa o que é de Rosa - Literatura e Filosofia em Guimarães Rosa, 2013 (póstumo)
  • Heidegger, 2017 (póstumo)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ser, para o homem, é transcender». Estadão. 5 de março de 2011. Consultado em 16 de abril de 2017 
  2. «Pará perde o grande pensador Benedito Nunes». Agência de notícias do Governo do Pará. Agenciapara.com.br 
  3. «Morre Benedito Nunes, um dos mais importantes pensadores da atualidade». Jornal do Brasil. Jb.com.br. 27 de fevereiro de 2011 
  4. COELHO, Marinilce Oliveira. Memórias literárias de Belém do Pará: o Grupo dos Novos, 1946-1952. Tese de doutorado - UNICAMP: Campinas, 2003, p. 150.
  5. http://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=4477
  6. «Morre o escritor e filósofo Benedito Nunes». Estadão. 27 de fevereiro de 2011. Consultado em 30 de dezembro de 2015 
  7. a b c d Bini, Fabrício (27 de fevereiro de 2011). «Escritor e filósofo Benedito Nunes morre aos 81 anos». Site da Folha de S. Paulo. Consultado em 28 de fevereiro de 2011 
  8. TARRICONE, Jucimara. Hermenêutica e crítica: a obra e o pensamento de Benedito Nunes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011, p. 31.
  9. http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/seta/article/viewFile/617/446
  10. TARRICONE, Jucimara. Hermenêutica e crítica: a obra e o pensamento de Benedito Nunes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011, p. 35-36.
  11. TARRICONE, Jucimara. Hermenêutica e crítica: a obra e o pensamento de Benedito Nunes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011, p. 37.
  12. Nunes, Benedito (2010). Ensaios filosóficos. São Paulo: Martins Fontes 
  13. TARRICONE, Jucimara. Hermenêutica e crítica: a obra e o pensamento de Benedito Nunes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011, p. 17.
  14. TARRICONE, Jucimara. Hermenêutica e crítica: a obra e o pensamento de Benedito Nunes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo - Belém: Editora da Universidade Federal do Pará, 2011, p. 38.
  15. http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/918570-as-viagens-de-foucault-ao-brasil.shtml
  16. http://www.filosofia.org.br/mem.html
  17. Nunes, Benedito (2010). lido pelo senhor Victor Sales Pinheiro. «Discurso de Benedito Nunes». Rio de Janeiro: ABL. Anais da Academia Brasileira de Letras. 200: 64-72. ISSN 1677-7255 
  18. http://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=4474

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Trabalhos acadêmicos sobre Benedito Nunes[editar | editar código-fonte]

Artigos em jornais e revistas sobre Benedito Nunes[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Salim Miguel
Prêmio Machado de Assis
2010
Sucedido por
Carlos Guilherme Mota
Precedido por
José Paulo Pais
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Estudos Literários
1987
Sucedido por
Roberto Schwarcz