Maurice Merleau-Ponty

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Maurice Merleau-Ponty
Nascimento 14 de março de 1908
Rochefort-sur-Mer, França
Morte 3 de maio de 1961 (53 anos)
Paris, França
Nacionalidade Francesa
Ocupação Filósofo
Influências
Escola/tradição Fenomenologia e Existencialismo
Principais interesses Ontologia e Epistemologia

Maurice Merleau-Ponty (Rochefort-sur-Mer, 14 de março de 1908Paris, 4 de maio de 1961) foi um filósofo fenomenólogo francês.

Estudou na École normale supérieure de Paris, graduando-se em filosofia em 1931. Lecionou em vários liceus antes da Segunda Guerra, durante a qual serviu como oficial do exército francês. Em 1945 foi nomeado professor de filosofia da Universidade de Lyon. Em 1949 foi chamado a lecionar na Universidade de Paris I (Panthéon-Sorbonne).

Em 1952 ganhou a cadeira de filosofia no Collège de France. De 1945 a 1952 foi co-editor (com Jean-Paul Sartre) da revista Les Temps Modernes.

Suas primeiras obras procuraram dialogar com a psicologia La Structure du comportement (1942) e Phénoménologie de la perception (1945). Influenciado pela obra de Edmund Husserl, Merleau-Ponty procura dar carnalidade à consciencia intencional de seu mestre e precursor, nesse sentido leva a filosofia de Husserl até as últimas consequência de sua encarnação no mundo da vida. Em Fenomenologia da percepção, Merleau-Ponty critica a existência do homem cartesiana pelo cogito. Para o fenomenólogo o homem se faz presente pelo seu corpo e este participa do processo cognitivo.[1]

Voltando sua atenção para a questões sociais e políticas, Merleau-Ponty publicou em 1947 um conjunto de ensaios marxistas - Humanisme et terreur ("Humanismo e Terror"), a mais elaborada defesa do comunismo soviético do final dos anos 1940. Contrário ao julgamento do terrorismo soviético, atacou o que considerava "hipocrisia ocidental". Porém a guerra da Coreia desiludiu-o e fê-lo romper com Sartre, que apoiava os comunistas da Coreia do Norte.

Em 1955, Merleau-Ponty publicou mais ensaios marxistas, Les Aventures de la dialectique ("As Aventuras da Dialética"). Essa coleção, no entanto, indicava sua mudança de posição: o marxismo não aparece mais como a última palavra na História, mas apenas como uma metodologia heurística.

Segundo Merleau-Ponty, quando o ser humano se depara com algo que se apresenta diante de sua consciência, primeiro nota e percebe esse objecto em total harmonia com a sua forma, a partir de sua consciência perceptiva. Após perceber o objecto, este entra em sua consciência e passa a ser um fenómeno.

Com a intenção de percebê-lo, o ser humano intui algo sobre ele, imagina-o em toda sua plenitude, e será capaz de descrever o que ele realmente é. Dessa forma, o conhecimento do fenómeno é gerado em torno do próprio fenómeno.

Para Merleau-Ponty, o ser humano é o centro da discussão sobre o conhecimento. O conhecimento nasce e faz-se sensível em sua corporeidade.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • AYOUCH, Thamy. Maurice Merleau-Ponty e a psicanálise: a consonância imperfeita. Paris: Le Bord de L’eau, 2012.
  • CHAUÍ, M. S. Experiência do pensamento: ensaios sobre a obra de Merleau-Ponty. São Paulo: Martins Fontes, 2002 (Coleção Tópicos).
  • DIAS, I. M. O elogio do sensível: corpo e reflexão em Merleau-Ponty. Lisboa: Litoral Edições, 1989.
  • FONTES FILHO, Osvaldo. Merleau-Ponty, na trama da experiência sensível. São Paulo: Editora Fap-Unifesp, 2012.
  • MÜLLER, M. J. Merleau-Ponty, acerca da expressão. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.
  • OLIVEIRA, I. C. (Org.). Merleau-Ponty em João Pessoa. João Pessoa: Editora da UFPB, 2012.
  • SILVA, C. A. F. A carnalidade da reflexão: ipseidade e alteridade em Merleau-Ponty. São Leopoldo, RS: Nova Harmonia, 2009.
  • SILVA, C. A. F. A natureza primordial: Merleau-Ponty e o logos do mundo estético. Cascavel, PR: Edunioeste, 2010 (Série Estudos Filosóficos, n° 12).
  • SILVA, C. A. F.; MÜLLER, M. J. (Orgs.). Merleau-Ponty em Florianópolis. Porto Alegre: FI, 2015.
  • VALVERDE, M. E. G. L. (Org.). Merleau-Ponty em Salvador. Salvador: Arcádia, 2008.


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maurice Merleau-Ponty


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


  1. MERLEAU-PONTY, Maurice. fenomenologia da percepção. Tradução de carlos Alberto Siqueira de Moura. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.