Haroldo Maranhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Haroldo Maranhão
Nome completo Haroldo Paulo de Lima Maranhão
Nascimento 7 de agosto de 1927
Belém, Brasil
Morte 2004 (77 anos)
Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Alma mater Faculdade de Direito do Pará (atual Universidade Federal do Pará)
Ocupação Escritor, jornalista e advogado
Prémios Prémio Vértice (1983)
Magnum opus Memorial do Fim: a Morte de Machado de Assis

Haroldo Paulo de Lima Maranhão (Belém, 7 de agosto de 1927Rio de Janeiro, 2004) foi um escritor, jornalista e advogado brasileiro.

Além dos contos, sua produção literária ganhou destaque com as recriações históricas, como em O tetraneto Del Rey, quando volta ao período colonial, inspirado pelo romance píncaro e pelo barroco espanhol, e o Memorial do Fim. Nele, Maranhão revisita ficcionalmente o ambiente que cercava Machado de Assis às vésperas da morte em 1908. Em Cabelos no Coração, considerada por Antonio Houaiss obra-prima, para narrar as aventuras de Felipe Patroni, personagem da História do Pará, Haroldo Maranhão constrói um texto ficcional fundamentado na intertextualidade, deixando perceber influências e diálogos com a literatura de Rabelais, Gregório de Matos e Guimarães Rosa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Haroldo Maranhão foi jornalista desde os 13 anos de idade, trabalhando como repórter de polícia no jornal Folha do Norte, de propriedade de seu avô, Paulo Maranhão. Fundou e dirigiu o Suplemento Arte Literatura desse jornal.[1]

Formou-se pela Faculdade de Direito do Pará (posteriormente encampada pela Universidade Federal do Pará).[1]

Nos anos 50, fundou a Livraria Dom Quixote, que se tornou ponto de encontro de intelectuais paraenses, tais como seus amigos Mário Faustino, Max Martins e Benedito Nunes.[1]

Obra publicada[editar | editar código-fonte]

  • 1968 - A Estranha Xícara
  • 1975 - Chapéu de Três Bicos
  • 1980 - Voo de Galinha
  • 1981 - A Morte de Haroldo Maranhão
  • 1982 - O Tetraneto Del Rey — O Torto: suas idas e vindas
  • 1983 - As Peles Frias
  • 1983 - Flauta de Bambu
  • 1983 - Os Anões
  • 1983 - A Porta Mágica
  • 1986 - Jogos Infantis
  • 1987 - Rio de Raivas
  • 1989 - Senhores & Senhoras
  • 1990 - Cabelos no Coração
  • 1991 - Memorial do Fim
  • 1992 - Miguel, Miguel (novela)
  • 1998 - Querido Ivan (Cartas)
  • 1998 - Dicionário de Futebol
  • 2000 - Pará, Capital: Belém - Memória & Pessoas & Coisas & Loisas da cidade
  • 2005 - Feias, Quase Cabeludas (Contos) - Seleção de Benedito Nunes

Obra inédita[editar | editar código-fonte]

  • Suíte policial - romance
  • Guerrilheiros do vento - romance juvenil
  • A respiração das palavras - contos
  • O Sol é azul - infantil
  • O menino que comia letras - infantil
  • O que eu contei a Theodoro -
  • As carnes quebradas - Peça teatral

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio União Brasileira de Escritores - SP
  • Prêmio Guimarães Rosa
  • "Hors Concours" do Prêmio Fernando Chinaglia
  • Prêmio Instituto Nacional do Livro
  • Prêmio Nacional Mobral de Crônicas e Contos
  • Prêmio José Lins do Rego
  • Prêmio Vértice de Literatura

Honrarias[editar | editar código-fonte]

  • Medalha Francisco Caldeira Castelo Branco (Prefeitura de Belém)

Referências

  1. a b c COELHO, Marinilce Oliveira. Memórias literárias de Belém do Pará: o Grupo dos Novos, 1946-1952. Tese de doutorado - UNICAMP: Campinas, 2003