Maria Eugênia Boaventura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria Eugênia Boaventura
Cidadania Brasil
Ocupação professora, escritora
Prêmios Prêmio Jabuti
Empregador Universidade Estadual de Campinas

Maria Eugênia Boaventura (Maria Eugenia da Gama Alves Boaventura Dias) é ensaísta e professora titular de literatura brasileira do Departamento de Teoria Literária da Unicamp. Orientadora de inúmeras pesquisas de iniciação científica, mestrado e doutorado, além de supervisão de projeto de pós-doutorado. Suas pesquisas, bem como as de seus orientandos, são assiduamente contempladas com financiamento de agências de fomento nacional, como CNPq, Capes, e Fapesp.

Sua especialidade é a literatura brasileira como um todo, embora seja referência nos estudos sobre o modernismo e a literatura contemporânea. É pesquisadora relevante também sobre fontes primárias e arquivos pessoais.

Formação acadêmica[editar | editar código-fonte]

  • Graduação em Letras. Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil. (1965 - 1969)
  • Licenciatura em Letras. Universidade Federal da Bahia, UFBA, Brasil. (1970)
  • Mestrado em Letras - Universidade de São Paulo, USP, Brasil. (1972 - 1975)
  • Doutorado em Letras (Letras Clássicas)- Universidade de São Paulo, USP, Brasil. (1977 - 1980)

São Paulo / Paris: duas paixões

A vida cosmopolita das grandes cidades fascinava o escritor. No tempo em que São Paulo perdia para o Rio em animação literária, Oswald arrumava sempre um bom pretexto para pegar o trem ou embarcar no luxuoso Frizia e encontrar-se com os inúmeros amigos cariocas. A primeira vez que conheceu o Rio de Janeiro (1910), sua mão ainda estava viva, ficou no palacete da rua São Clemente n. 271, residência de seu tio, o escritor Inglês de Sousa. Presenciou a revolta dos marinheiros comandadas por João Cândido. Hospedava-se no Hotel Avenida, quarto n. 12 ou n. 31 e no Bristol Hotel, invariavelmente até os anos 20s. Seu amigo o jornalista Renato Lopes, mais tarde diretor de O Jornal, e marido de sua prima Guiomar Inglês de Sousa, abria-lhe os olhos para as facilidades que a vida no Rio poderia oferecer para quem quisesse seguir a carreira literária: Tu precisas abandonar São Paulo. O Rio como diz o Paulo muito bem, já tem suas vantagens de grande capital. Mas foi outra a imagem que Oswald passou do Rio para seus leitores no poema Capital da República (...)”

O Salão e a Selva - 1988-1990

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • "O Salão e a Selva" - Uma biografia ilustrada de Oswald de Andrade [1] - Prêmio Jabuti 1996
  • "A Vanguarda Antropofágica" - O cômico e a paródia na Revista de Antropofagia ISBN 85 08 00637 3 [2]
  • "Movimento Brasileiro" - Um estudo do Modernismo carioca [3]
  • "22 por 22" - Artigos sobre a Semana de Arte Moderna, escritos e publicados exclusivamente no ano de 22. São Paulo, EDUSP, 2000[4][5]
  • "Artesanatos de Poesia: Fontes e Correntes de Poesia Ocidental por Mário Faustino" - Companhia das Letras [6][7]
  • "O furacão Mário Faustino" [8]
  • "Dicionário de Bolso (Oswald de Andrade)" - Organização, introdução e notas[9]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Jabuti - Categoria Literária - menção Honrosa, CBL (2005)
  • Prêmio Jabuti - Categoria crítica literária - menção honrosa, CBL (2004)
  • Prêmio Jabuti - Categoria Ensaio do Livro O salão e a Selva, Câmara Brasileira do Livro (1996)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]