A Morte de Ivan Ilitch

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A morte de Ivan Ilitch)
Ir para: navegação, pesquisa
A Morte de Ivan Ilitch
Autor(es) Liev Tolstói
Idioma Russo
País  Rússia
Género Romance
Lançamento 1886
Edição portuguesa
Tradução Adolfo Casais Monteiro
Editora Inquérito
Lançamento 1940
Páginas 86
Edição brasileira
Tradução Carlos Lacerda
Editora Leitura
Lançamento 1944

A Morte de Ivan Ilitch (em russo: Смерть Ивана Ильича, Smert' Ivana Ilyicha) é uma novela de Liev Tolstói, publicado pela primeira vez em 1886. Trata-se sobre a morte e a vida antes e durante

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

O livro começa por narrar o velório. Depois, retorna no tempo para mostrar como Ivan Ilitch, um juiz respeitado, conhece a sua esposa, com quem se casa por dinheiro e pela sua beleza. Após lhe ser apresentada a proposta de se tornar juiz em outra cidade, Ivan Ilitch compra um apartamento para si, a sua mulher e casal de filhos que têm. Ivan muda-se primeiro e inicia as obras para decorar o apartamento da maneira que lhe agradava, mas cai e se fere na região do rim. Neste ponto, Ivan Ilitch acredita ter contraído uma doença - que no entanto em momento nenhum é diagnosticada -, a qual gira sempre em torno de um rim ou apêndice doente. Nesse ponto, a grande alavanca da narrativa é a continuidade da vida ou a morte.

À medida que o tempo passa, o ferimento agrava-se, até que a personagem atinge o ponto de não poder mais sair de casa: quando tenta ir trabalhar, não é mais capaz desempenhar as suas funções adequadamente. Restrito ao ambiente familiar, passa a acreditar que em sua casa vive uma mentira, e que a sua família o esconde dos amigos. O seu único prazer é a companhia do filho, de apenas 14 anos, e de um criado seu, por entender que estes jamais lhe mentiriam.

Ivan Ilitch quer morrer, porque será o término da sua dor e da vida de mentiras em que acredita viver, mas o seu instinto de sobrevivência insiste em fazê-lo lutar pela vida, e ele interroga-se: que tipo vida quer ter? O personagem inicia então um longo processo de busca pelo sentido da vida, durante o qual percebe terem sido poucos os momentos da sua existência que tiveram significado. Decisões, buscas, gestos, palavras, todas as respostas e necessidades impostas pelo meio social em que nasceu. Quando está prestes a morrer, ele despede-se da família.

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Nas palavras do crítico Otto Maria Carpeaux: "A Morte de Ivan Ilitch é uma das obras mais comoventes e mais pungentes da literatura universal, talvez a obra-prima de Tolstói".

O escritor russo Vladimir Nabokov considerava-a uma das obras máximas da Literatura Russa.