Ana Miranda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ana Miranda
Nome completo Ana Maria Nóbrega Miranda
Nascimento 1951 (66 anos)
Fortaleza
Residência Fortaleza
Nacionalidade brasileiro(a)
Cônjuge Arduino Colasanti
Ocupação Escritora e atriz
Prémios Jabuti (1990)

Prêmio ABL de Ficção, romance, teatro e conto (2015, 2003)
Green Prize of the Americas
Sereia de Ouro

Magnum opus Boca do Inferno (1989)
Assinatura
Ana Miranda (escritora) autógrafo.jpg

Ana Maria Nóbrega Miranda (Fortaleza, de 1951) é uma romancista e atriz brasileira.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Fortaleza, Ceará e cresceu no Rio e em Brasília. A partir de 1969 radicou-se no Rio de Janeiro e em 2001 mudou-se para São Paulo. Enquanto estava casada com o ator Arduino Colasanti, trabalhou em filmes do cinema novo brasileiro entre 1971 e 1979. Dirigiu o Instituto de Artes da Funarte e foi editora chefe dessa instituição, entre 1977 e 1983. Recebeu formação na área de artes plásticas, cursando o Instituto Central de Artes da Universidade de Brasília. E era desenhista, ilustrando as capas de seus livros. Teve formação literária com o escritor Rubem Fonseca, entre 1979 e 1989. [1] Em 2006 voltou a morar no Ceará.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Estreou como escritora, com as poesias de Anjos e demônios,1978 e Celebrações do outro, 1983.[1] O crítico Fernando Py, em matéria no Jornal do Brasil (19 de maio de 1979) escreveu: "Anjos e demônios é um livro que, a princípio, fala mais à sensibilidade e à emoção; seguimos os versos da autora como se fossem fruto de confessionário, com suas aparentemente ingênuas nudezas de anjos e demônios internos. Essa impressão, no entanto, vai se desfazendo aos poucos; vemos surgir, aqui e ali, uma poesia de maior densidade, especialmente em certos poemas em que a expressão atinge uma invenção feliz"... Em O Globo de 11/3/79 Elias Fajardo da Fonseca escreveu a resenha "A moça que libertou anjos e demônios".

Em 1989 lança Boca do inferno, na linha do resgate ou reinvenção da história e que tem como tema a cidade da Bahia do século XVII, e como protagonistas o poeta Gregório de Matos e o jesuíta Antonio Vieira. O romance foi traduzido em vários países como Suécia (Wahlström & Widstrand, 1990); Dinamarca (Samleren, 1990); Holanda (Amber, 1990); Argentina (Editorial Sudamericana, 1990); Noruega (Gyldendal Norsk-Forlag, 1990); Itália (Rizzoli, 1991); Estados Unidos (Viking/Penguin, 1991); Espanha (Anagrama, 1991); França (Julliard, 1992); Inglaterra (Harvill/ Harper Collins, 1992); Alemanha (Kiepenheuer & Witsch, 1992, também em edição de bolso), entre outros. Este livro lhe rendeu o Prêmio Jabuti, Revelação, em 1990.[1][2] Boca do Inferno foi incluído na lista dos cem maiores romances em língua portuguesa do século XX, elaborada por escritores, intelectuais e críticos brasileiros e portugueses, publicada no caderno Prosa & Verso do jornal O Globo em 5 de setembro de 1998.

Em entrevista.

Em 1991 a autora publica o romance O retrato do rei, situado no ciclo do ouro em Minas Gerais. Em 1995, A última quimera, que tem o poeta Augusto dos Anjos como tema central do romance. Em 1996, Desmundo; trata da história de órfãs que vinham de Portugal para casarem-se com os colonos no Brasil. Este romance foi adaptado para o cinema em 2002, com o mesmo título, pelo cineasta Alain Fresnot. No mesmo ano a autora publica a novela Clarice, com Clarice Lispector como personagem. No ano seguinte o romance Amrik revive a saga de imigrantes árabes recém-chegados em São Paulo, no final do século XIX. Em 2002 publica Dias & Dias, romance que tem o poeta Gonçalves Dias como tema. Em 2009, o romance Yuxin, alma, de tema indígena, acompanhado de CD com músicas indígenas de Marluí Miranda, irmã da escritora. Em 2014 publica o romance Semíramis, que tematiza o escritor José de Alencar. É romancista de linguagem e fabulação. Foi escritora visitante em diversas universidades estrangeiras, como Stanford, Yale, Berkeley, nos Estados Unidos, ou Tor Vergata, na Itália. Realiza palestras em instituições de ensino e culturais. Foi colaboradora da revista Caros amigos, colunista do Correio Braziliense, e escreve no jornal O Povo, de Fortaleza - CE. Recebeu em 2015 o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal do Ceará.

Prêmios e reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Obra literária[editar | editar código-fonte]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • Anjos e Demônios (poesia), José Olympio Editora/INL, Rio de Janeiro, 1978;
  • Celebrações do Outro (poesia), Editora Antares, Rio de Janeiro, 1983;
  • Boca do Inferno (romance), Editora Companhia das Letras, São Paulo, 1989;
  • O Retrato do Rei (romance), Companhia das Letras, São Paulo, 1991;
  • Sem Pecado (romance), Companhia das Letras, São Paulo, 1993;
  • A Última Quimera (romance), Companhia das Letras, SP, 1995;
  • Clarice (novela), Companhia das Letras, São Paulo, 1996;
  • Desmundo (romance), Companhia das Letras, SP, 1996;
  • Amrik (romance), Companhia das Letras, SP, 1997;
  • Que seja em segredo (antologia poética), Editora Dantes, Rio, 1998;
  • Noturnos (contos), Companhia das Letras, São Paulo, 1999;
  • Caderno de sonhos (diário), Editora Dantes, Rio, 2000;
  • Dias & Dias (romance), Companhia das Letras, SP, 2002;
  • Deus-dará (crônicas), Editora Casa Amarela, São Paulo, 2003;
  • Prece a uma aldeia perdida (poesia), Editora Record, São Paulo, 2004;
  • Flor do cerrado: Brasília (infanto-juvenil), Companhia das Letrinhas, São Paulo, 2004;
  • Lig e o gato de rabo complicado (infantil), Companhia das Letrinhas, São Paulo, 2005;
  • Mig, o descobridor (infantil), Editora Record, Rio de Janeiro, 2006;
  • Tomie, cerejeiras na noite (infanto-juvenil), Companhia das Letrinhas, São Paulo, 2006;
  • Lig e a casa que ri (infantil), Companhia das Letras, 2009;
  • Yuxin, alma (romance), Companhia das Letras, São Paulo, 2009;
  • Carta do tesouro (infantil e adulto), Armazém da Cultura, Fortaleza, 2010;
  • Mig, o sentimental (infantil), Editora Record, Rio, 2010;
  • Carta da vovó e do vovô (infantil e adulto), Armazém da Cultura, Fortaleza, 2012;
  • O peso da luz, Einstein no Ceará (novela), Armazém da Cultura, Fortaleza, 2013;
  • Como nasceu o Ceará? (infantil) Edições Demócrito Rocha, Fortaleza, 2014;
  • Semíramis (romance), Companhia das Letras, São Paulo, 2014;
  • Musa Praguejadora, a vida de Gregório de Matos (biografia), Record, 2014;
  • Menina Japinim (infantil), Companhia das letrinhas, 2014.

Trabalhos como atriz[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Nelly Novaes Coelho. Dicionário crítico de escritoras brasileiras: 1711-2001. Escrituras; 2002. ISBN 978-85-7531-053-3. p. 59 – 60.
  2. a b Prêmio Jabuti, 1990

Ver também[editar | editar código-fonte]

  • Desmundo (2003), filme baseado na obra homónima de Ana Miranda

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Ana Miranda
  • Ana Miranda (em inglês) no Internet Movie Database
  • Entrevista
  • Carreira, Shirley. Imigrantes: a representação da identidade cultural em Relato de um certo Oriente e Amrik. In: Adelaide Clhman de Miranda [et al.] Protocolos críticos. São Paulo:Iluminuras, Itaú Cultural,2008.
  • Carreira, Shirley.Amrik, de Ana Miranda: a imigração libanesa revisitada[1].

In:Kúmá / Decolonizziamoci – Interculturalità. n. 17, Roma,Uniroma, 2009.