Ferreira Gullar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ferreira GullarGold Medal.svg
OMC
Ferreira Gullar no Fronteiras do Pensamento, São Paulo, 2015
Nome completo José Ribamar Ferreira
Nascimento 10 de setembro de 1930
São Luís, MA
Morte 4 de dezembro de 2016 (86 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Alzira Goulart
Pai: Newton Ferreira
Ocupação Poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta
Prêmios Prémio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (1976)

Prémio Machado de Assis (2005)
Prêmio Camões (2010)
Prêmio ABL de Literatura Infantojuvenil (2011)
Grã-Cruz da Ordem do Mérito Cultural (2016)

Magnum opus Poema Sujo (1976)
Assinatura
Assinatura de Ferreira Gullar.gif

Ferreira Gullar, pseudônimo de José Ribamar Ferreira (São Luís, 10 de setembro de 1930Rio de Janeiro, 4 de dezembro de 2016[1]), foi um escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta brasileiro e um dos fundadores do neoconcretismo[2]. Foi o postulante da cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras, na vaga deixada por Ivan Junqueira,[3][4] da qual tomou posse em 5 de dezembro de 2014.[5]

Gullar foi reverenciado pelos maiores poetas e escritores brasileiros de sua geração. Vinícius de Moraes disse que poema sujo foi “o mais importante poema escrito no Brasil (e não só no Brasil) nos últimos dez anos, pelo menos. De acordo com Sérgio Buarque de Holanda, Gullar foi “o nosso único poeta maior dos tempos de hoje”, no qual “a voz pública não se separa em momento algum do seu toque íntimo [...], das recordações da infância numa cidade azul, evocada no meio de triste exílio portenho”, sendo que “para a singularidade e importância da sua contribuição, só encontro de comparável, no Brasil, a prosa de Guimarães Rosa”.[6]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Em 1970.

Ferreira Gullar nasceu em São Luís, em 10 de setembro de 1930, com o nome de José Ribamar Ferreira. É um dos onze filhos do casal Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart.[2]

Sobre o pseudônimo, o poeta declarou o seguinte: "Gullar é um dos sobrenomes de minha mãe, o nome dela é Alzira Ribeiro Goulart, e Ferreira é o sobrenome da família, eu então me chamo José Ribamar Ferreira; mas como todo mundo no Maranhão é Ribamar, eu decidi mudar meu nome e fiz isso, usei o Ferreira que é do meu pai e o Gullar que é de minha mãe, só que eu mudei a grafia porque o Gullar de minha mãe é o Goulart francês; é um nome inventado, como a vida é inventada eu inventei o meu nome".[7]

Segundo Mauricio Vaitsman, ao lado de Bandeira Tribuzi, Lucy Teixeira, Lago Burnett, José Bento, José Sarney e outros escritores, fez parte de um movimento literário difundido através da revista que lançou o pós-modernismo no Maranhão, A Ilha, da qual foi um dos fundadores. Até sua morte, muitos o consideravam o maior poeta vivo do Brasil e não seria exagero dizer que, durante suas seis décadas de produção artística, Ferreira Gullar passou por todos os acontecimentos mais importantes da poesia brasileira e participou deles.[8]

Morando no Rio de Janeiro, participou do movimento da poesia concreta, sendo então um poeta extremamente inovador, escrevendo seus poemas, por exemplo, em placas de madeira, gravando-os.[2]

Em 1956 participou da exposição concretista que é considerada o marco oficial do início da poesia concreta, tendo se afastado desta em 1959, criando, junto com Lígia Clark e Hélio Oiticica, o neoconcretismo, que valoriza a expressão e a subjetividade em oposição ao concretismo ortodoxo.[2] Posteriormente, ainda no início dos anos de 1960, se afastará deste grupo também, por concluir que o movimento levaria ao abandono do vínculo entre a palavra e a poesia, passando a produzir uma poesia engajada e envolvendo-se com os Centros Populares de Cultura (CPCs).[9]

Em 2014, ele foi considerado um imortal na Academia Brasileira de Letras, passando a ocupar a cadeira de número trinta e sete antes ocupada por Ivan Junqueira.[5][10][11]

Ferreira Gullar morreu em 4 de dezembro de 2016, na cidade do Rio de Janeiro em decorrência de vários problemas respiratórios que culminaram em uma pneumonia.[12] O velório do escritor foi realizado inicialmente na Biblioteca Nacional[13], pois esse era um desejo de Gullar. Dali, o corpo foi levado em um cortejo fúnebre até a Academia Brasileira de Letras[14] no Rio de Janeiro. Uma semana antes de morrer, Ferreira Gullar pediu à filha Luciana para que o levasse até a Praia de Ipanema.[13] O enterro foi no Cemitério de São João Batista em Botafogo no Rio. Gullar ocupava a trigésima sétima cadeira da ABL.[15]

Neoconcretismo[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: neoconcretismo

Ferreira Gullar escreveu o Manifesto Neo-Concreto em 1959 e descreveu uma obra de arte como “algo que representa mais do que a soma de seus elementos constituintes; algo cuja análise pode se decompor em vários elementos, mas que só pode ser compreendido fenomenologicamente ”.[16] Em contraste com o concretismo, Gullar clamava por uma arte que não fosse baseada no racionalismo ou na busca da forma pura. Ele procurou obras de arte que se tornaram ativas assim que o espectador estava envolvido. A arte neoconcreta deve desmontar as limitações do objeto e “expressar realidades humanas complexas”.[16]

Enquanto o concretismo construía sua arte com base na lógica e no conhecimento objetivo com cor, espaço e forma transmitindo universalismo e objetividade, os artistas neoconcretos viam as cores, o espaço e a forma como “não [pertencentes] a esta ou aquela linguagem artística, mas para a experiência viva e indeterminada do homem. ” [6] Embora a arte neoconcreta ainda mantivesse o concretismo como base para suas idéias, os neoconcretistas acreditavam que a objetividade e os princípios matemáticos por si só não poderiam cumprir o objetivo concretista de criar uma linguagem visual transcendental.[16]

Militância e posições políticas[editar | editar código-fonte]

Em 1957.

Ferreira Gullar foi militante do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e, exilado pela ditadura militar, viveu na União Soviética, na Argentina e Chile.[17][18] Ele comentou que "bacharelou em subversão" em Moscou durante o seu exílio, mas que ao longo do tempo e devido a certos fatos históricos, se desiludiu do socialismo, sustentando em 2014 que o socialismo não fazia mais sentido, pois fracassou.[19]

(...) toda sociedade é, por definição, conservadora, uma vez que, sem princípios e valores estabelecidos, seria impossível o convívio social. Uma comunidade cujos princípios e normas mudassem a cada dia seria caótica e, por isso mesmo, inviável.
 
Ferreira Gullar[20].

Nas eleições presidenciais de 2014, no primeiro turno Gullar defendeu voto em Marina Silva (PSB), e no segundo turno declarou voto em Aécio Neves (PSDB), tecendo críticas ao Partido dos Trabalhadores e ao Lulismo.[21][22][23] Em 2016, em entrevista ao jornal carioca O Globo, defendeu a saída da então presidente Dilma Rousseff da presidência.[24]

Olive wreath.svg Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Velório de Ferreira Gullar na Academia Brasileira de Letras

Ferreira Gullar foi postulante eleito da cadeira 37 na Academia Brasileira de Letras, tendo obtido na votação 36 dos 37 votos possíveis derrotando os outros candidatos: Ademir Barbosa Júnior, José Roberto Guedes de Oliveira e José William Vavruk em apenas 15 minutos, com uma abstenção que permanece anônima devido a queima das fichas após o resultado[25] da urna em 9 de outubro de 2014, tendo votado 19 acadêmicos por presença física e 18 por cartas.

A cadeira tem como patrono o poeta e inconfidente mineiro Tomás Antônio Gonzaga e foi ocupada anteriormente por personalidades como Silva Ramos, Alcântara Machado, Getúlio Vargas, Assis Chateubriand, João Cabral de Melo Neto e recentemente pelo ensaísta e curador Ivan Junqueira, amigo de Gullar.[26]

Sua posse era marcada para novembro, depois de várias recusas do escritor em convites anteriores.[27]

Em 5 de dezembro de 2014, Gullar tomou posse de sua cadeira, a número 37, na Academia Brasileira de Letras.[5]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casado durantes anos com Theresa Aragon com quem veio a se divorciar.[28] Casou-se posteriormente com a poeta gaúcha Claudia Ahinsa, com que viveu até a morte.[29] Em seu leito de morte, Gullar disse para a esposa "se me ama, me deixa ir em paz."[30][31]

Gullar teve três filhos, Luciana, Marcos e Paollo.[32] Marcos e Paollo, foram diagnosticados com esquizofrenia, o que levou a falar abertamente sob os dilemas das doenças mentais e o despreparo muitas vezes por profissionais brasileiros para com a doença em colunas na Folha de S.Paulo.[33][34][35]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ganhou o concurso de poesia promovido pelo Jornal de Letras com seu poema "O Galo" em 1950.[36] Os prêmios Molière, o Saci e outros prêmios do teatro em 1966 com Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, que é considerada uma obra prima do teatro moderno brasileiro.[36]

Em 2002, foi indicado por nove professores dos Estados Unidos, do Brasil e de Portugal para o Prêmio Nobel de Literatura.[37] Em 2007, seu livro Resmungos ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano.[38] O livro, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, reúne crônicas de Gullar publicadas no jornal Folha de S. Paulo no ano de 2005.[39] Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.[40]

Foi agraciado com o Prêmio Camões em 2010.[41]

Em 15 de outubro de 2010, foi contemplado com o título de Doutor Honoris causa, na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).[42]

Na cidade de Imperatriz no interior do Maranhão, ganhou em sua homenagem o Teatro Ferreira Gullar.[43] No ano de 1999, é inaugurada em São Luís, capital do Maranhão, a Avenida Ferreira Gullar.[44][45]

Em 20 de outubro de 2011, ganhou o Prêmio Jabuti com o livro de poesia[46] Em Alguma Parte Alguma, que foi considerado "O Livro do Ano" de ficção.[47]

Em 2011, a obra Poema Sujo inspirou a vídeo instalação Há muitas noites na noite, dirigida por Silvio Tendler.[48] Em 2015, o poema inspirou uma série documental, também denominada: "Há muitas noites na noite", com sete episódios com 26 minutos cada, exibida na TV Brasil entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016, também dirigida por Silvio Tendler.[49][50][51][52]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Poesia
Antologias
  • Antologia Poética, 1977
  • Toda poesia, 1980
  • Ferreira Gullar - seleção de Beth Brait, 1981
  • Os melhores poemas de Ferreira Gullar - seleção de Alfredo Bosi, 1983
  • Poemas escolhidos, 1989
Contos e crônicas
  • Gamação, 1996
  • Cidades inventadas, 1997
  • Resmungos, 2007
Teatro
  • Um rubi no umbigo, 1979
Crônicas
  • A estranha vida banal, 1989
  • O menino e o arco-íris, 2001
Memórias
  • Rabo de foguete - Os anos de exílio, 1998
Biografia
Literatura infantil
  • Zoologia bizarra, 2011
Ensaios
  • Teoria do não-objeto, 1959
  • Cultura posta em questão, 1965
  • Vanguarda e subdesenvolvimento, 1969
  • Augusto do Anjos ou Vida e morte nordestina, 1977
  • Tentativa de compreensão: arte concreta, arte neoconcreta - Uma contribuição brasileira, 1977
  • Uma luz no chão, 1978
  • Sobre arte, 1983
  • Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte neoconcreta, 1985
  • Indagações de hoje, 1989
  • Argumentação contra a morte da arte, 1993
  • O Grupo Frente e a reação neoconcreta, 1998
  • Cultura posta em questão/Vanguarda e subdesenvolvimento, 2002
  • Rembrandt, 2002
  • Relâmpagos, 2003
Televisão
Filmes
Ano Título Personagem
1968 Desesperato
A Vida Provisória Augusto [53]
1970 Os Herdeiros Davi Martins
1978 O Aleijadinho Narrador
2002 Poeta de Sete Faces Ele mesmo
2005 Vinicius Ele mesmo

Referências

  1. «Morre o poeta Ferreira Gullar, aos 86 anos». O Globo. 4 de dezembro de 2016 
  2. a b c d «Ferreira Gullar». UOL - Educação. Consultado em 10 de setembro de 2012 
  3. «Ferreira Gullar se candidata a vaga na Academia Brasileira de Letras». Globo.com. 14 de julho de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2014 
  4. «Vagas na ABL serão ocupadas por Zuenir, Evaldo Mello e Ferreira Gullar». Diário de Pernambuco. 1 de agosto de 2014. Consultado em 26 de agosto de 2014. Arquivado do original em 3 de setembro de 2014 
  5. a b c Daniel Silveira (5 de dezembro de 2014). g1.globo, ed. «Poeta Ferreira Gullar toma posse na Academia Brasileira de Letras». Consultado em 11 de dezembro de 2014 
  6. Franchetti, P. (2017). Ferreira Gullar: notas sobre heroísmo. Revista Texto Poético, 13(23), p.315
  7. «Ferreira Gullar dá palestra em Pinda». Tribunadonorte.net. 16 de novembro de 2010 
  8. Educar para Crescer - "O maior poeta do Brasil"
  9. Oliveira Filho, Odil José. Unesp. São Paulo. 18/02/2010.
  10. «Ferreira Gullar é eleito imortal pela Academia Brasileira de Letras». R7.com. 9 de outubro de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  11. Poeta Ferreira Gullar se torna imortal na Academia Brasileira de Letras - G1 Maranhão - JMTV 1ª Edição - Catálogo de Vídeos, consultado em 27 de agosto de 2020 
  12. «Morre o poeta Ferreira Gullar, aos 86 anos». O Globo. 4 de dezembro de 2016 
  13. a b «Corpo de Ferreira Gullar é velado no Rio nesta segunda». G1 
  14. «Velório de Ferreira Gullar reúne amigos famosos e imortais na ABL». Ego 
  15. «Membros». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 5 de dezembro de 2016 
  16. a b c Gullar, Ferreira. “Neo-Concrete Manifesto.” History of Modern Latin American Art Course Reader. Spokane: Whitworth University, 2014.
  17. Flávio, Lúcio (18 de novembro de 2018). «Livro de Ferreira Gullar escrito durante exílio é relançado». Metrópoles. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  18. Bafafá, Agenda. «Ferreira Gullar: Eu me filiei ao PCB no dia do golpe de 64». Descubra a Essência do Rio | Agenda Bafafá. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  19. Ferreira Gullar, em entrevista à revista piauiense Revestres, Jan/Fev 2014
  20. Gullar, Ferreira. (6 de maio de 2012). Dialética da mudança. Folha de S.Paulo, p. E10.
  21. Lobato, Eliane (17 de outubro de 2014). «"A continuação do PT no poder é um desastre"». ISTOÉ Independente. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  22. Mazini, Leandro (13 de setembro de 2015). «Em sua festa, Ferreira Gullar critica Dilma e o PT». Política. UOL. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  23. Attuch, Leonardo (24 de agosto de 2014). «Para Gullar, Marina é o maior pesadelo do PT». Brasil 247. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  24. Raner, Verônica (7 de abril de 2016). «Ferreira Gullar: Dilma deve sair do governo». Blog do Moreno - O Globo. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  25. «Ferreira Gullar é eleito para a Academia Brasileira de Letras». Lívia Torres. G1 Rio de Janeiro. 9 de outubro de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  26. «Poeta Ferreira Gullar é eleito para a ABL». Exame. 9 de outubro de 2014. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  27. «Ferreira Gullar não vai para a ABL». Associação Brasileira de Imprensa. 1 de março de 2011. Consultado em 14 de outubro de 2014 
  28. «Ferreira Gullar > Meu Lado Poético». Meu Lado Poético. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  29. «Autobiografia revela a formação literária do poeta Ferreira Gullar - Cultura». Estadão. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  30. «'Se me ama, me deixa ir em paz', disse Gullar à esposa». VEJA. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  31. «'Se me ama, me deixa ir em paz', disse Gullar à esposa». Época Negócios. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  32. «Filha de Ferreira Gullar diz que pai soube preparar a família para a sua morte - Cultura». Estadão. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  33. «O Cuidador - Pais saem do silêncio! A esquizofrenia é fala de Ferreira Gullar.». O Cuidador. 5 de fevereiro de 2014. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  34. Syclar, Moacir (2 de junho de 2009). «O drama da doença mental». Academia Brasileira de Letras. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  35. Vilicic, Filipe (4 de dezembro de 2016). «Ferreira Gullar a VEJA: "Quando ser de esquerda dava cadeia, ninguém era" | ReVEJA». VEJA. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  36. a b «Ferreira Gullar». Fundação Getúlio Vargas. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  37. Resende, Adriana (7 de fevereiro de 2002). «Folha Online - Ilustrada - "Indicação ao Nobel é "estratosférica", diz poeta Ferreira Gullar - 07/02/2002». Folha de S. Paulo. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  38. «'Resmungos', de Ferreira Gullar, e enciclopédia sobre América Latina e Caribe são eleitos os ...». O Globo. 1 de novembro de 2007. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  39. «Folha de S.Paulo - Gullar ganha o Prêmio Jabuti pelo livro de crônicas "Resmungos" - 01/11/2007». Folha de S. Paulo. 1 de novembro de 2007. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  40. «Época - NOTÍCIAS - Os 100 brasileiros mais influentes de 2009». Revistaepoca.globo.com. Consultado em 20 de dezembro de 2009 
  41. G1. «Poeta Ferreira Gullar ganha Prêmio Camões de 2010». G1. Consultado em 31 de maio de 2010 
  42. «Morre, aos 86 anos, o poeta Ferreira Gullar». JC. UOL. 4 de dezembro de 2016. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  43. «Teatro Ferreira Gullar, palco de muitas histórias». Prefeitura Municipal de Imperatriz - Maranhão. 27 de março de 2018. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  44. «Veículo e motocicleta colidem na Avenida Ferreira Gullar em São Luís». G1. 8 de fevereiro de 2019. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  45. Emir, Aquiles (23 de janeiro de 2019). «Governo do Estado anuncia obras de infraestrutura no pior cartão postal de São Luís». Maranhão Hoje. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  46. «Ferreira Gullar e Laurentino Gomes levam Prêmio Jabuti». Exame 
  47. «Ferreira Gullar e Laurentino Gomes são os grandes vencedores do Prêmio Jabuti 2011». Universo Online. Abril de 2012 
  48. «Silvio Tendler estreia na TV Brasil "Há muitas Noites na Noite" | Recanto Adormecido». Recanto Adormecido. 4 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2020 
  49. «"Há muitas noites na noite", Videoinstalação sobre "Poema Sujo", de Ferreira Gullar». Arquivado do original em 15 de agosto de 2016 
  50. Silvio Tendler estreia na TV Brasil “Há muitas Noites na Noite”, acesso em 24 de julho de 2016.
  51. Silvio Tendler dirige série sobre 'Poema Sujo', de Ferreira Gullar, acesso em 24 de julho de 2016.
  52. TV Brasil estreia série documental sobre a trajetória do poeta Ferreira Gullar no exílio neste sábado (5/12), acesso em 24 de julho de 2016.
  53. «A Vida Provisória». Cinemateca Brasileira. Consultado em 18 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Arménio Vieira
Prêmio Camões
2010
Sucedido por
Manuel António Pina
Precedido por
Ivan Junqueira
Lorbeerkranz.png ABL - sétimo acadêmico da cadeira 37
2014–2016
Sucedido por
Arno Wehling
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons