Fernando Bastos de Ávila

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fernando Bastos de Ávila Academia Brasileira de Letras
Nascimento 17 de março de 1918
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 6 de novembro de 2010 (92 anos)
Belo Horizonte,  Minas Gerais
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Padre da Companhia de Jesus
Fernando Bastos de Ávila, S.J.
Presbítero da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Congregação Companhia de Jesus
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1948
Dados pessoais
Nascimento Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
17 de março de 1918
Morte Belo Horizonte,  Minas Gerais
6 de novembro de 2010 (92 anos)
Nacionalidade  brasileiro
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Fernando Bastos de Ávila (Rio de Janeiro, 17 de março de 1918Belo Horizonte, 6 de novembro de 2010) foi um escritor e padre brasileiro da Companhia de Jesus, em razão do que assinava Fernando Bastos de Ávila, S.J..

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do professor José Bastos de Ávila e de D. Cinyra Muniz Freire Bastos de Ávila, entrou para a Companhia de Jesus em 1935, onde começou o seu noviciado. Ali fez cursos de Humanidades, Retórica e Filosofia Escolástica. Fez o mestrado em Roma, Itália, em Filosofia e Teologia na Universidade Gregoriana e em 1948, em Roma, recebeu sua ordenação sacerdotal. Seu doutorado em Ciências Políticas e Sociais foi na Universidade Católica de Louvain, Bélgica, onde defendeu a tese L’Immigration au Brésil.

Em 1955 criou a Escola de Sociologia, Política e Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro,[1] onde lecionou de 1954 a 2010 as cadeiras de Sociologia, Introdução às Ciências Sociais, Ética e Doutrina Social da Igreja. No exercício da função de Vice-Reitor da PUC-Rio de Janeiro, juntamente com Evaristo de Moraes Filho e Djacir Menezes, empenhou-se na luta pelo reconhecimento da profissão de sociólogo, que ganhou aprovação por parte do então Ministério da Educação e Cultura. Em 1990, foi nomeado pelo Papa João Paulo II membro da Comissão Pontifícia Justiça e Paz,[2] da qual é um dos relatores, havendo sido reconduzido para o cargo em 1996.

Foi o articulador da criação do do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (IBRADES), orgão de assessoria da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e seu primeiro diretor.

Sexto membro da cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras, foi eleito em 14 de agosto de 1997, sucedendo a Dom Marcos Barbosa e tomou posse em 12 de novembro de 1997.

Faleceu no início da manhã do dia 6 de novembro de 2010, aos 92 anos, na cidade de Belo Horizonte, em decorrência de câncer.[3]

Obras[editar | editar código-fonte]

A obra de Padre Ávila — quinze livros publicados e numerosos ensaios, artigos e conferências — pode ser classificada em sociologia teórica, problemas brasileiros, história e doutrina social da Igreja. Autor de O problema da imigração, O pensamento social cristão antes de Marx, Fé cristã e compromisso social, Solidarismo: alternativa para a globalização, A Igreja e o Estado no Brasil: perspectivas e prospectivas, Pequena Enciclopédia de Doutrina Social da Igreja, Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo, Reflexão cristã sobre o meio ambiente, entre tantos títulos, ele era considerado um polímata da cultura brasileira.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Marcos Barbosa
Lorbeerkranz.png ABL - sexto acadêmico da cadeira 15
1997 — 2010
Sucedido por
Marco Lucchesi