Lilia Schwarcz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Lilia Moritz Schwarcz
Nome completo Lilia Katri Moritz Schwarcz
Nascimento 27 de dezembro de 1957
São Paulo, SP
Brasil
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cônjuge Luiz Schwarcz
Alma mater Universidade de São Paulo
Ocupação
Prémios Prêmio ABL de História e Ciências Sociais (2014)
Magnum opus Batalha do Avaí
Religião Judaísmo

Lilia Katri Moritz Schwarcz (São Paulo, 27 de dezembro de 1957) é uma historiadora e antropóloga brasileira. É doutora em antropologia social pela Universidade de São Paulo e, atualmente, professora titular da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas na mesma universidade.[1] É autora de importantes obras como Raça e diversidade e As Barbas do Imperador, vencedor do Prêmio Jabuti de 1999 de livro do Ano na categoria não-ficção.[2] Também é fundadora da editora Companhia das Letras junto com Luiz Schwarcz.[3][4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

"A longa viagem da biblioteca dos reis" (2002)[editar | editar código-fonte]

No livro "A Longa Viagem da Biblioteca dos Reis", teve a colaboração em alguns capítulos de Paulo Cesar de Azevedo e Angela Marques da Costa. O livro começa no relato do terremoto de Lisboa em 1755 e vai até a Independência do Brasil. Teve o objetivo de recuperar o acervo da Real Biblioteca – hoje pertencente à Biblioteca Nacional.

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Lilia Schwarcz esteve envolvida em uma polêmica em 1999 sobre o possível plágio de uma obra infantil. Foi acusada de copiar o enredo de um conto de Mercer Mayer numa história assinada por ela na obra "O livro dos medos", publicada pela Companhia das Letras em 1998. Quando soube da acusação, Lilia traduziu seu conto, enviou-o para a editora e para autora do livro em questão, e ambas as instâncias declararam que não consideravam plágio. Mesmo assim, Lilia achou por bem, e por vontade própria, retirar seu conto da coletânea organizada por Heloísa Prieto.[6]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Em 2017 apresentou, junto com o ator Dan Stulbach, a minissérie Era Uma Vez Uma História, da Rede Bandeirantes. O programa apresenta em 4 capítulos eventos históricos desde a transferência da corte portuguesa até a abolição da escravatura no Brasil.[7]

Referências

  1. «Sempre um Papo — Lilia Katri Moritz Schwarcz (antropóloga)». TV Câmara. Consultado em 12 de julho de 2008. 
  2. «"As Barbas do Imperador" leva Livro do Ano de não-ficção». Folha de S.Paulo. 24 de abril de 1999. Consultado em 17 de outubro de 2018. 
  3. Revista de História da Biblioteca Nacional
  4. Meireles, Maurício (31 de outubro de 2018). «Penguin Random House compra controle majoritário da Companhia das Letras». Folha de S. Paulo. Consultado em 31 de outubro de 2018. 
  5. CBL
  6. Bergamo, Mônica (2 de julho de 1999). «Lilia Schwarcz é acusada de plágio — Editora retira conto de livro infantil em segunda edição». Folha de S.Paulo. Consultado em 8 de outubro de 2018. 
  7. «Dan Stulbach comanda série 'Era Uma Vez Uma História'». O Dia. 26 de abril de 2017. Consultado em 11 de outubro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Lilia Moritz Schwarcz