Aluísio Azevedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aluísio Azevedo Academia Brasileira de Letras
Nome completo Aluísio Tancredo Belo Gonçalves de Azevedo
Nascimento 14 de abril de 1857
São Luís, Maranhão,  Brasil
Morte 21 de janeiro de 1913 (55 anos)
Buenos Aires,  Argentina
Nacionalidade  Brasileiro
Progenitores Mãe: Emília Amália Pinto de Magalhães
Pai: David Gonçalves de Azevedo
Parentesco irmão de Artur Azevedo
Ocupação Caricaturista, jornalista, romancista e diplomata
Influências
Escola/tradição Realismo/Naturalismo

Aluísio Tancredo Belo Gonçalves de Azevedo (São Luís, 14 de abril de 1857Buenos Aires, 21 de janeiro de 1913) foi um romancista, contista, cronista, diplomata, caricaturista e jornalista brasileiro; além de bom desenhista e discreto pintor.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do vice-cônsul português David Gonçalves de Azevedo, que, ainda jovem, enviuvara-se em boda anterior, e de D. Emília Amália Pinto de Magalhães[1] , separada de um rico comerciante português, Antônio Joaquim Branco, assiste Aluísio, em garoto, ao desabono da sociedade maranhense a essa união dos pais contraída sem segundas núpcias, algo que se configurava grande escândalo à época. Foi Aluísio, irmão mais novo do dramaturgo e jornalista Artur Azevedo, com o qual, em parceria, viria a esboçar peças teatrais.

Ainda em pequeno revela pendores para o desenho e para a pintura, dom que mais tarde lhe auxiliaria na produção literária. Concluindo os preparatórios em São Luís do Maranhão, transfere-se em 1876 para o Rio de Janeiro, onde prossegue estudos na Academia Imperial de Belas-Artes, obtendo, a título de subsistência imediata, ofício de colaborador caricaturista de jornais, como O Fígaro, Mequetrefe, Zig-Zag e A Semana Ilustrada.[1]

Com o falecimento do pai em 1878 volta ao Maranhão para sustentar a família.[1] Ali, instigado por dificuldades financeiras, abandona momentaneamente os desenhos[1] e dá início à atividade literária, publicando Uma Lágrima de Mulher no ano seguinte. Em 1881, ano dentre a crescente efervescência abolicionista, publica o romance O Mulato, obra que deixa a sociedade escandalizada pelo modo cru com que desnuda a questão racial e inaugura o Naturalismo na literatura brasileira.[1] Nela, o autor já demonstra ser abolicionista convicto. [1]

Diante da reação hostil da província, obtendo sucesso com a obra na Corte, onde era considerada como exemplo da escola naturalista, volta à capital imperial e aí, incessantemente, produz romances, contos, crônicas e peças de teatro.[1]

Sua obra é tida na conta de irregular por diversos críticos, uma vez que a produção oscile entre o romantismo de tons melodramáticos, de cunho comercial para o grande público, e o naturalismo já em obras mais elaboradas, deixando a marca de precursor do movimento.

Diplomata[editar | editar código-fonte]

Feito diplomata em 1895 deixa definitivamente da pena, indo servir na Espanha, Inglaterra, Itália, Japão (do qual fez apontamentos antevidentes e singulares), Paraguai e Argentina.[1] Em 1910, feito já cônsul de primeira classe, volta a instalar-se em Buenos Aires, onde convive com Pastora Luquez, de quem adotou os dois filhos.[1] Passados quase três anos, vem a falecer, já como fundador da cadeira nº 04 da Academia Brasileira de Letras.[1]

Em 1918, por iniciativa de Coelho Neto, teve seus restos mortais transladados de Buenos Aires para São Luís, onde repousam definitivamente.[1]

Contribuições[editar | editar código-fonte]

  • É autor de vários romances de estética naturalista: "O mulato" (1881), "Casa de pensão" (1884), "O cortiço" (1890) e outros.
  • Tendo por influência escritores naturalistas europeus, dentre eles Émile Zola, por tal ótica capta a mediocridade rotineira, a vida dos sestros, os preconceitos e mesmo taras individuais, opção contrária à dos românticos precedentes.
  • Fazem-se veementemente presentes em sua obra certos traços fundamentais do Naturalismo, quais sejam a influência do meio social e da hereditariedade na formação dos indivíduos, também o fatalismo. Em Aluísio "a natureza humana afigura-se-lhe uma certa selvageria onde os fortes comem os fracos", afirma o crítico Alfredo Bosi.
  • Segundo Valentin (2013), O cortiço é um dos primeiros romances brasileiros no qual a homossexualidade foi representada[2] .

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Uma Lágrima de Mulher, romance (1880)
  • O Mulato, romance (1881)
  • Mistério da Tijuca ou Girândola de Amores, romance (1882)
  • Memórias de um Condenado ou A Condessa Vésper, romance (1882)
  • Casa de Pensão, romance (1884)
  • Filomena Borges, romance (1884)
  • O Homem, romance (1887)
  • O Cortiço, romance (1890), Editora moderna, São Paulo, 1991, ISBN 85-16-00149-0
  • O Coruja, romance (1890)
  • A Mortalha de Alzira, romance (1894)
  • Demônios, contos (1895)
  • O Livro de uma Sogra, romance (1895)
  • O Japão, publicado, a partir de manuscritos encontrados na Academia Brasileira de Letras (1894)
  • O Touro Negro, crônicas e epistolário
  • Os Doidos, peça
  • Casa de Orates, peça
  • Flor de Lis, peça
  • Em Flagrante, peça
  • Caboclo, peça
  • Um Caso de Adultério, peça
  • Venenos que Curam, peça
  • República, peça

Lorbeerkranz.png Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Aluísio Azevedo foi um dos fundadores do Sodalício Brasileiro, onde ocupou a cadeira 4, que tem por patrono Basílio da Gama.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k Biografia de Aluísio Azevedo. Patrimônio da Humanidade, São Luís do Maranhão. Página visitada em 23 jan 2013.
  2. VALENTIN, Leandro Henrique Aparecido. Representações da homossexualidade nos romances O Ateneu, de Raul Pompéia, e O cortiço, de Aluísio Azevedo. Rascunhos Culturais, Coxim/MS, v. 4, n. 8, p. 179-200, jul./dez. 2013. Disponível em: https://www.academia.edu/6384666/Representacoes_da_homossexualidade_nos_romances_O_Ateneu_de_Raul_Pompeia_e_O_cortico_de_Aluisio_Azevedo

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • COUTINHO, Afrânio; SOUSA, J. Galante de. Enciclopédia de literatura brasileira. São Paulo: Global.
  • BROCA, Brito. Vida Literária Brasil—1900. São Paulo: José Olímpio, 2005, 4ª ed.
  • PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Precedido por
Basílio da Gama
(patrono)
Lorbeerkranz.png ABL - fundador da cadeira 4
18971913
Sucedido por
Alcides Maya