Clementino Fraga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2012)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde maio de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Clementino Fraga Academia Brasileira de Letras
Medalha em homenagem a Fraga, 1928
Nascimento 15 de setembro de 1880
Muritiba, Bahia Bahia
Morte 8 de janeiro de 1971 (90 anos)
Rio de Janeiro, Guanabara Guanabara
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Médico, escritor e político

Clementino da Rocha Fraga (Muritiba, 15 de setembro de 1880Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 1971) foi um médico, escritor e político brasileiro[1]. Foi professor catedrático de Clínica Médica da Faculdade Nacional de Medicina, na cidade do Rio de Janeiro.

Chefiou a campanha contra a febre amarela no Rio de Janeiro, a então capital do país, convocado pelo presidente Washington Luís. Exerceu o cargo de secretário geral de saúde e assistência no então Distrito Federal entre 1937 e 1940.[1]

Acadêmico[editar | editar código-fonte]

Foi eleito para a cadeira 36 da Academia Brasileira de Letras em 1938, sucedendo Afonso Celso.

Pertenceu, em caráter honorífico, à Academia de Medicina de Paris, Academia de Medicina de Buenos Aires, Academia das Ciências de Lisboa e Academia Nacional de Medicina.

É patrono da cadeira 12 da Academia Brasileira de Médicos Escritores.[1]

Obras literárias[editar | editar código-fonte]

Publicou as seguintes obras:[1]

  • Discursos e Conferências, 1912
  • Orações à Mocidade, 1923
  • A Febre Amarela no Brasil, 1929
  • Ceticismo em Medicina, 1930
  • Ensino Médico e Medicina Social, 1932
  • Orientação Profissional e Higiene Pública, 1934
  • Ciência e Arte em Medicina, 1938
  • Bovarismo antes e depois de Flaubert, 1939
  • Médicos educadores, 1940
  • Amores Crepusculares, 1941
  • A vocação de Xavier Marques, 1941
  • Medicina e Humanismo, 1942
  • Doença e Gênio Literário, 1943
  • Últimas Orações, 1944
  • Vida e obra de Teófilo Dias, 1946
  • A cadeira 36 da Academia Brasileira de Letras, 1946
  • Vocação liberal de Castro Alves, 1948
  • Rui Acadêmico, 1949
  • Medicina e médicos na vida de Rui Barbosa, 1949
  • Meditações, 1965
  • Reencontros imaginários, 1968
  • Vida e obra de Oswaldo Cruz, 1972.

Referências

  1. a b c d * BEGLIOMINI, Helio. Imortais da Abrames. São Paulo:Expressão e Arte Editora, 2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Afonso Celso de Assis Figueiredo Júnior
(fundador)
Lorbeerkranz.png ABL - segundo acadêmico da cadeira 36
1939 — 1971
Sucedido por
Paulo Carneiro
Ícone de esboço Este artigo sobre um médico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.