Joaquim Serra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Maria Serra Sobrinho Academia Brasileira de Letras
Nascimento 20 de julho de 1838
São Luís do Maranhão, Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
Morte 29 de outubro de 1888 (50 anos)
Rio de Janeiro, Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Jornalista, professor, político e teatrólogo

Joaquim Serra (São Luís do Maranhão, 20 de julho de 1838Rio de Janeiro, 29 de outubro de 1888) foi um jornalista, professor, político e teatrólogo brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos 24 anos de idade redigiu o hebdomadário Ordem e Progresso. Em 1867 fundou o Semanário Maranhense, revista literária que, no ano seguinte parou de circular. Em 1868 Serra mudou-se para a Corte, onde prosseguiu em suas actividades jornalísticas, enviando colaborações aos periódicos ali existentes. Chegou a dirigir o Diário Oficial e foi deputado pela Província do Maranhão.

Abolicionista, fundou e dirigiu os periódicos A Reforma e A Folha Nova. Sobre a sua atuação durante anos, no primeiro, Joaquim Nabuco referiu:

"Joaquim Serra é, na Reforma, a Vida do jornalismo liberal. Foi ele o criador da moderna imprensa política, figura resplandecente na história da Abolição, pela seriedade, constância, sacrifício e heroísmo do seu incomparável combate de dez anos, dia a dia, até à vitória final de 13 de maio."

Colaboraram a seu lado, neste periódico, nomes como os de Francisco Otaviano, Tavares Bastos, Afonso Celso, Rodrigo Otávio e José Cesário de Faria Alvim, posteriormente nomes de destaque na política nacional e na administração pública.

Assinou, também durante anos, a coluna "Tópicos do Dia" no jornal O Paiz. Assumiu o periódico O Abolicionista, órgão da Sociedade Brasileira Contra a Escravidão, que conheceu apenas quatro números entre 1880 e 1881. De formato pequeno, não declarava os nomes de seu corpo editorial (para não expô-los) e nem trazia anúncios, uma vez que nem comerciantes e nem industriais desejavam associar seus nomes, à época, a este tipo de mídia.

É o patrono da cadeira 21 da Academia Brasileira de Letras.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Olivenkranz.png ABL - patrono da cadeira 21
Sucedido por
José do Patrocínio
(fundador)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.