Amadeu Amaral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amadeu Amaral Academia Brasileira de Letras
Photo taken from the website of the Brazilian Academy of Letters
Nascimento 6 de novembro de 1875
Capivari (hoje Monte-Mor),  São Paulo
Morte 24 de outubro de 1929 (53 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Poeta, folclorista, filólogo e ensaísta

Amadeu Ataliba Arruda Amaral Leite Penteado (Capivari (hoje Monte-Mor), 6 de novembro de 1875São Paulo, 24 de outubro de 1929) foi um poeta, folclorista, filólogo e ensaísta brasileiro.

Estudos Linguísticos[editar | editar código-fonte]

Autodidata, surpreendeu a todos por sua extraordinária erudição, num tempo em que não havia, em São Paulo, os estudos acadêmicos e os cursos especializados que se especializariam pouco depois. Dedicou-se paralelamente à poesia aos estudos folclóricos e, sobretudo, à dialectologia. No Brasil, foi o primeiro a estudar cientificamente um dialeto regional. O Dialeto Caipira, publicado em 1920, escrito à luz da linguística, estuda o linguajar do caipira paulista da área do vale do rio Paraíba, analisando suas formas e esmiuçando-lhe sistematicamente o vocabulário. Esta obra é considerada como sua melhor contribuição às Letras.[1]

Percurso literário[editar | editar código-fonte]

Sua poesia enquadra-se na fase pós-parnasiana, das duas primeiras décadas do século XX. Como poeta, não esteve à altura de seus dois predecessores, Gonçalves Dias e Olavo Bilac, mas destacou-se pelo desejo de contribuir, com suas obras, para a elevação de seus semelhantes.[1]

Seu primeiro Livro, Urzes, revela a influência pelo Simbolismo, notadamente na parte referente aos sonetos, estética da qual se afastaria gradualmente dos volumes posteriores, Névoa e Espumas, já ligados ao Parnasianismo. Em seu último livro de versos, Lâmpada Antiga, é constituído de sessenta sonetos, os quais verifica os princípios de humildade, na análise de personalidade do ser humano e dos princípios da moral e cívica, visando diretamente ao aperfeiçoamento humano.

Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi eleito para a cadeira 15 da Academia Brasileira de Letras, na vaga de Olavo Bilac, recebido em 14 de novembro de 1919 pelo acadêmico Magalhães Azeredo.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Urzes, poesia (1899)
  • Névoa, poesia (1902)
  • Espumas, poesia (1917)
  • Lâmpada antiga, poesia (1924)
  • Letras floridas, ensaio (1920)
  • O dialeto caipira, filologia (1920)
  • O elogio da mediocridade, ensaio (1924)
  • Tradições populares, folclore (1948)
  • Obras completas de Amadeu Amaral, com prefácio de Paulo Duarte (1948).

Referências

  1. a b «Amadeu Amaral». Academia Brasileira de Letras: Arquivo dos Acadêmicos. Consultado em 12 de novembro de 2013 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Precedido por
Olavo Bilac
Lorbeerkranz.png ABL - segundo acadêmico da cadeira 15
1919 — 1929
Sucedido por
Guilherme de Almeida