Evaristo de Moraes Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Gnome globe current event.svg
Este artigo é sobre uma pessoa que morreu recentemente.
Algumas informações relativas às circunstâncias da morte podem mudar a qualquer instante.

Editado pela última vez em 25 de julho de 2016.

Disambig grey.svg Nota: Se procura outros membros da família, veja Evaristo de Moraes (desambiguação).
Evaristo de Moraes Filho Academia Brasileira de Letras
Nome completo Evaristo de Moraes Filho
Nascimento 5 de julho de 1914
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 22 de julho de 2016 (102 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade  brasileiro
Cidadania Brasileiro
Ocupação Escritor
advogado
professor universitário

Evaristo de Moraes Filho (Rio de Janeiro, 5 de julho de 1914Rio de Janeiro, 22 de julho de 2016) foi um advogado trabalhista, escritor, professor universitário e membro da Academia Brasileira de Letras.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Evaristo de Moraes Filho nasceu na Rua dos Coqueiros, no bairro de Catumbi, filho do casal Antônio Evaristo de Moraes e Flávia Dias de Moraes. Concluiu sua educação básica em 1921, na Escola Pública Nilo Peçanha, no bairro de São Cristóvão, ingressando logo depois no Colégio 28 de Setembro, dirigido pelo general Liberato Bittencourt, onde atingiu o posto de capitão-aluno. Em 1933 ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde foi colega de Alzira Vargas (filha de Getúlio Vargas), Arnaldo Lopes Sussekind (futuro ministro da Agricultura) e de Benjamin Eurico Cruz (futuro ministro do Trabalho). Tornou-se bacharel em Direito em 3 de dezembro de 1937, mesmo ano em que fez o curso de extensão em Psicologia com o Professor Euryalo Canabrava. Em 1939 ingressou na recém-criada Faculdade Nacional de Filosofia.

Casado por sete décadas com Hileda Flores de Moraes, tiveram dois filhos, que lhe deram quatro netos e dois bisnetos.

Quinto ocupante da Cadeira de número 40 da Academia Brasileira de Letras, foi eleito em 15 de março de 1984, na sucessão de Alceu Amoroso Lima e recebido em 4 de outubro daquele ano pelo Acadêmico Josué Montello.

Morte[editar | editar código-fonte]

Morreu aos 102 anos de idade, de causas naturais, em sua residência. Conforme a tradição dos membros da Academia Brasileira de Letras, seu corpo foi velado no Salão dos Poetas Românticos, tendo sido sepultado na tarde seguinte no Mausoléu dos Imortais, no Cemitério de São João Batista. [1]

Cargos, formações e títulos[editar | editar código-fonte]

  • Chefe da Seção de Filosofia da revista oficial do corpo discente da Faculdade, “A Época” (1935-37).
  • Curso de Extensão Universitária de Filosofia da Educação da Universidade do Brasil, com os Profs. Lourenço Filho, Carneiro Leão, Padre Penido, Raul Bittencourt, A. Vieira Pinto (1949).
  • Licenciatura, em 1° lugar, em Filosofia, na mesma Faculdade (1949).
  • Curso de Extensão Universitária de Sociologia da Universidade do Brasil com o Prof. Georges Gurvitch (1952).
  • Doutor em Direito (1953).
  • Doutor em Ciências Sociais (1955).
  • Professor Emérito da UFRJ, na qual fundou, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais. Teve seu magistério cassado pelo Ato Institucional Nº 5, após ter sido preso em seu apartamento em Copacabana, aos 13 de junho de 1969 em cárcere de unidade militar do Primeiro Exército Brasileiro.
  • Procurador do Trabalho de Primeira Categoria no Ministério Público do Trabalho, tendo sua primeira lotação, em Salvador, sendo um dos que formaram este ramo do Ministério Público no Brasil.
  • A Associação Nacional dos Procuradores do Trabalho, com sede em Brasília, instituiu em 1998 o Prêmio Evaristo de Moraes Filho, destinado ao melhor arrazoado forense no âmbito do Ministério Público do Trabalho, em função dos relevantes trabalhos prestados pelo jurista.

Referências

  1. «Morre jurista Evaristo de Moraes Filho». O Globo. 22/07/2016. Arquivado desde o original em 23/07/2016. Consultado em 23/07/2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Alceu Amoroso Lima
Lorbeerkranz.png ABL - quinto acadêmico da cadeira 40
1984 — 2016
Sucedido por


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.