Eduardo Ramos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo futebolista brasileiro, veja Eduardo Ramos Martins.
Eduardo Ramos Academia Brasileira de Letras
Nascimento 25 de maio de 1854
Salvador
Morte 15 de maio de 1923 (68 anos)
Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Escritor e político

Eduardo Pires Ramos (Salvador, 25 de maio de 1854Rio de Janeiro, 15 de maio de 1923) foi um escritor e político brasileiro.[1]

Eleito para a cadeira 11 da Academia Brasileira de Letras, na sucessão de Pedro Lessa, não chegando a tomar posse.[1]

Após ter concluído seus estudos na Faculdade de Direito de São Paulo, foi nomeado promotor público na comarca de Feira de Santana, estado da Bahia, e depois diretor-geral da Instrução Pública da Bahia. Foi Diretor da Faculdade Livre de Direito da Bahia, hoje parte da Universidade Federal da Bahia, entre 1899 e 1901.

Tornou-se político, sendo eleito senador[1] e fazendo parte da I Constituinte. Conseguiu se distinguir entre outros parlamentares pelo talento e pela forma que expressava seus projetos.

Foi autor do projeto de criação da universidade na capital da União. Também, foi o responsável pelo projeto, depois transformado na Lei nº 726/1900, que autorizava a Academia Brasileira de Letras a se instalar em prédio público e a fazer suas publicações na Imprensa Nacional, como instituição de utilidade pública.

Suas crônicas publicadas na imprensa, assinadas sob os pseudônimos de Erasmo e Deaudor Mosar, foram posteriormente reunidas. Quanto às suas poesias, encontram-se esparsas em álbuns ou em jornais da época.

Referências

  1. a b c Academia Brasileira de Letras. «Biografia». Consultado em 1 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Pedro Lessa
Lorbeerkranz.png ABL - terceiro acadêmico da cadeira 11
1922
Sucedido por
João Luís Alves


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.