José Maria Goulart de Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Goulart de Andrade Academia Brasileira de Letras
Nascimento 6 de abril de 1881
Porto de Jaraguá,  Alagoas
Morte 19 de dezembro de 1936 (55 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Engenheiro, geógrafo, jornalista, poeta, cronista, romancista e teatrólogo

José Maria Goulart de Andrade (Porto de Jaraguá, Maceió, 6 de abril de 1881Rio de Janeiro, 19 de dezembro de 1936) foi um escritor brasileiro.

Era filho de Manuel Cândido Rocha de Andrade, oficial da Marinha e engenheiro, e de Leopoldina Pimentel Goulart de Andrade. Fez os estudos preparatórios na terra natal, indo matricular-se, aos 16 anos de idade na Escola Naval do Rio de Janeiro, onde fez o curso prévio. Ingressou na Escola Politécnica, por onde se diplomou em Engenharia civil em 1906.

Ao deixar de lado as aspirações de fazer-se oficial de marinha, procurou e obteve um posto na prefeitura do Rio de Janeiro. Desde cedo, vinculou-se ao grupo de poetas boêmios, entre os quais Guimarães Passos (seu conterrâneo), Olavo Bilac, Emílio de Menezes e Martins Fontes.

Como poeta, esmerou-se na especialidade das poesias difíceis, foi um cultor do soneto de forma fixa, o vilancete, o rondó, a balada e sobretudo o canto real, uma das mais complexas formas poéticas. Tornou-se também jornalista, sendo um dos redatores de O Imparcial nos primeiros tempos, onde teve convívio com João Ribeiro, Humberto de Campos e Augusto de Lima. Publicou inúmeros trabalhos na Revista da Academia Brasileira de Letras.

Goulart de Andrade foi engenheiro, geógrafo, jornalista, poeta, cronista, romancista e dramaturgo.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Poesias, 1909-1905 (contém: Livro Bom, Livro Proibido e Livro Intimo (1907)
  • Névoas e Flamas (1911)
  • Assunção (1913)
  • Poesias (1917) (em dois volumes, contém Livro Bom, Livro Proibido, Livro Íntimo e Névoas e Palmas.
  • Contos do Brasil novo (1923)
  • Ocaso (1934)

Peças de teatro[editar | editar código-fonte]

  • Depois da Morte
  • Renúncia
  • Sonata ao Luar
  • Jesus
  • Os Inconfidentes (1909)
  • Numa nuvem (1909)
  • Um dia a casa cai (1923)

Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Apresentou-se candidato à Academia Brasileira de Letras, para a cadeira 6, sucedendo a Artur Jaceguai. Teve como concorrente o príncipe D. Luís de Bragança. Foi eleito em 22 de maio de 1915, recebido em 30 de setembro de 1916 pelo acadêmico Alberto de Oliveira.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Poetas do Brasil: (bibliografia) de Antônio Simões dos Reis publicado em 1949 pelas Organizações Simões citado na página 190.
  • Panorama da poesia brasileira de Antônio Soares Amora, Edgard Cavalheiro publicado em 1959 citado na página 176.


Precedido por
Artur Jaceguai
Lorbeerkranz.png ABL - terceiro acadêmico da cadeira 6
1915 — 1936
Sucedido por
Barbosa Lima Sobrinho