Cândido Mota Filho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre o político. Se procura o município paulista, veja Cândido Mota.
Cândido Motta Filho Academia Brasileira de Letras
Data de nascimento 16 de setembro de 1897
Local de nascimento São Paulo, SP
Nacionalidade  Brasileiro
Data de morte 4 de fevereiro de 1977 (79 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
Ocupação Advogado, professor, magistrado, jornalista, escritor, ensaísta, tradutor e político
Magnum opus O poder executivo e as ditaduras constitucionais
Prémios Prémio Jabuti (1967), (1972)

Cândido Motta Filho (São Paulo, 16 de setembro de 1897Rio de Janeiro, 4 de fevereiro de 1977) foi um advogado, professor, magistrado, jornalista, escritor, ensaísta e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu pai foi advogado e professor de Direito Penal na Faculdade de Direito de São Paulo, deputado, senador e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura do Estado de São Paulo.

Motinha, assim o chamavam seus amigos mais chegados e os sempre irreverentes estudantes da Academia, também se formou pela mesma Faculdade, turma de 1919, e, tal como o pai, fez parte do corpo docente como professor catedrático de Direito Constitucional. Mais tarde, seria nomeado para o cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal.

Na mocidade, engajou-se ao movimento modernista tendo participado ativamente de Semana de Arte Moderna de 1922.

Com Cassiano Ricardo e Menotti del Picchia, promoveu o Movimento Verde-Amarelo, que procurava imprimir novos rumos à literatura brasileira.

Foi casado com Elza Lichtenfels. É avô do jornalista e produtor musical Nelson Motta.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Introdução ao estudo do pensamento nacional, ensaio (1926);
  • Bernardino de Campos, biografia (1931);
  • Alberto Torres e o tema da nossa geração, crítica (1933);
  • Introdução ao estudo da política moderna, política (1934);
  • A função de punir, direito (1936);
  • Rui Barbosa, esse desconhecido, ensaio (1937);
  • O caminho das três agonias, crítica (1938);
  • A defesa da infância contra o crime, direito (1938);
  • Da premeditação, direito (1939);
  • Do estado de necessidade, direito (1940);
  • O Poder Executivo e as ditaduras constitucionais, política (1942);
  • O conteúdo político das constituições, política (1951);
  • Notas de um constante leitor, crítica (1958);
  • A vida de Eduardo Prado, biografia (1967);
  • Contagem regressiva, memórias (1972);
  • Dias lidos e vividos, memórias (1977).

Lorbeerkranz.png Academia Brasileira de Letras[editar | editar código-fonte]

Foi eleito em 7 de abril de 1960 para a cadeira 5 da Academia Brasileira de Letras, sucedendo Aloísio de Castro, e recebido em 20 de julho de 1960 pelo acadêmico Josué Montello.

Prêmio Jabuti[editar | editar código-fonte]

Em 1968 recebeu o Prêmio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, pela publicação da biografia de Eduardo Prado.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Edgar Santos
Ministro da Educação do Brasil
1954 — 1955
Sucedido por
Abgar Renault
Precedido por
Aloísio de Castro
Lorbeerkranz.png ABL - quarto acadêmico da cadeira 5
1960 — 1977
Sucedido por
Rachel de Queiroz
Precedido por
Vicente de Paulo Vicente de Azevedo
Jabuti 01.jpg Prêmio Jabuti - Biografia e/ou Memórias
1968
Sucedido por
Afonso Arinos de Melo Franco
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.