Jorge Bornhausen

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jorge Bornhausen
21.º Governador de Santa Catarina
Período 15 de março de 1979
até 14 de maio de 1982
Vice-governador Henrique Córdova
Antecessor(a) Antônio Carlos Konder Reis
Sucessor(a) Henrique Córdova
Vice-governador de Santa Catarina
Período 9 de março de 1967
até 15 de março de 1971
Governador Ivo Silveira
Antecessor(a) Francisco Dall'Igna
Sucessor(a) Attilio Fontana
Senador por Santa Catarina
Período 1º 1983 a 1991
2º 1999 a 2007
Ministro da Educação do Brasil
Período 14 de fevereiro de 1986
até 6 de outubro de 1987
Antecessor(a) Marco Maciel
Sucessor(a) Aloísio Guimarães Sotero
Dados pessoais
Nascimento 1 de outubro de 1937 (80 anos)
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Maria Konder Bornhausen
Pai: Irineu Bornhausen
Esposa Dulce Bornhausen
Partido PSD
Profissão Advogado
linkWP:PPO#Brasil

Jorge Konder Bornhausen GCIH (Rio de Janeiro, 1 de outubro de 1937) é um advogado e político brasileiro.

Formação[editar | editar código-fonte]

Filho de Irineu Bornhausen e Maria Konder Bornhausen. Bacharel em direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 1960[1] com especializações pela Universidade de Paris e pela Fundação Getúlio Vargas,[2] estabeleceu-se como advogado em Blumenau e logo ingressou na UDN a exemplo de outros membros da família que, apeada do poder após a Revolução de 1930, fez oposição a Getúlio Vargas. Posteriormente dirigiu empresas de seguro, trabalhou nas Indústrias Gropp e foi chefe do departamento jurídico do Banco Indústria e Comércio de Santa Catarina.

Política[editar | editar código-fonte]

Mediante a outorga do Ato Institucional Número Dois o vice-governador de Santa Catarina, Francisco Dall'Igna, teve o seu mandato cassado em 19 de julho de 1966[3] e o cargo ficou vago até 9 de março de 1967 quando a Assembleia Legislativa escolheu Jorge Bornhausen para ocupar o posto quando já estava filiado à ARENA, partido que sustentava o Regime Militar de 1964. Sua eleição com idade abaixo da exigida para o cargo foi possível mediante a ação do governador Ivo Silveira que engendrou a aprovação de uma emenda alterando para menos de 30 anos a idade mínima para o posto.[4] Findo o mandato, foi eleito para o diretório regional do partido governista.

Nomeado presidente do Banco do Estado de Santa Catarina em 1975 por seu primo, o então governador Antônio Carlos Konder Reis, deixou o cargo para ser indicado governador biônico pelo presidente Ernesto Geisel em 1978. Em sua gestão ocorreu a manifestação popular conhecida como Novembrada, em Florianópolis quando da visita do general-presidente João Figueiredo a Santa Catarina em 30 de novembro de 1979, o que levou à prisão um grupo de sete estudantes com base na Lei de Segurança Nacional.[5] Jorge Bornhausen renunciou ao cargo em favor do vice-governador Henrique Córdova para concorrer ao pleito de 1982 quando foi eleito senador[6] pelo PDS.

Ex-senador Jorge Bornhausen em Florianópolis no dia 25 de abril de 2014.

Em 1984 a campanha das Diretas Já, embora malograda, expôs as articulações urdidas por ocasião da sucessão presidencial e nesse ínterim o PDS viu surgirem diferentes postulantes à cadeira de João Figueiredo até que, em 11 de agosto, o deputado Paulo Maluf obteve a indicação do partido ao derrotar o Ministro do Interior, Mário Andreazza. Como resultado, os "andreazzistas" engrossaram as fileiras da Frente Liberal em apoio a Tancredo Neves que recebeu José Sarney como candidato a vice-presidente. Após esse fato, Bornhausen assumiu a presidência do PDS após curto espaço de tempo e logo acompanharia Sarney, seu antecessor no cargo.

Eleitor de Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 15 de janeiro de 1985, Jorge Bornhausen migrou para o PFL e foi eleito presidente nacional da legenda, posto do qual abdicou em favor de Guilherme Palmeira ao ser nomeado Ministro da Educação do Governo Sarney,[7] que assumira a presidência ante a doença e morte de Tancredo Neves. Em sua gestão o prédio da União Nacional dos Estudantes foi devolvido à entidade após 23 anos.[4]

A 26 de Novembro de 1987 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique de Portugal.[8]

Nas eleições presidenciais de 1989 apoiou o candidato Fernando Collor, de quem foi uma espécie de ministro-chefe[9] da Casa Civil,[10] sendo que antes abteve-se de disputar a reeleição em 1990.

Derrotado ainda em primeiro turno ao concorrer ao governo de Santa Catarina em 1994, foi embaixador do Brasil em Portugal durante o primeiro mandato de Fernando Henrique Cardoso, retornando ao país por ocasião das eleições de 1998 quando conquistou seu segundo mandato de senador.

Foi membro da oposição aos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, após anos de serviços prestados ao Democratas, sucessor do PFL. Em 2010, ele optou por deixar a vida partidária, se desfiliando do DEM e auxiliando informalmente a criação do PSD, Partido Social Democrático, de Gilberto Kassab.

Pai do também político Paulo Bornhausen e de Rafael Bornhausen, Fernanda Bornhausen e Irineu Bornhausen Neto, os quais optaram por não exercer a política.

Referências

  1. «Página do Ministério da Educação». Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  2. «Portal do Senado Federal». Consultado em 22 de janeiro de 2011 
  3. Acervo do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina.
  4. a b Acervo da Fundação Getúlio Vargas.
  5. Almanaque Abril 1986, p. 114.
  6. Segundo os arquivos do TSE obteve 816.386 votos.
  7. De 14 de fevereiro de 1986 a 6 de outubro de 1987, período em que sua vaga no Senado foi ocupada por Ivan Bonato.
  8. «Cidadãos Estrangeiras Agraciados com Ordens Nacionais». Resultado da busca de "Jorge Konder Bornhausen". Presidência da República Portuguesa (Ordens Honoríficas Portuguesas). Consultado em 1 de março de 2016 
  9. A rigor, foi Secretário de Governo da Presidência da República entre 2 de abril e 11 de setembro de 1992.
  10. Entrevista - Jorge Bornhausen (Revista Veja, 9 de janeiro de 2006)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Jorge Bornhausen


Precedido por
Francisco Dall'Igna
Vice-governador de Santa Catarina
1967 — 1971
Sucedido por
Attilio Fontana
Precedido por
Antônio Carlos Konder Reis
Governador de Santa Catarina
1979 — 1982
Sucedido por
Henrique Córdova
Precedido por
Marco Maciel
Ministro da Educação do Brasil
1986 — 1987
Sucedido por
Aloísio Guimarães Sotero