Antônio Vicente da Fontoura Xavier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde setembro de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Antônio Vicente da Fontoura Xavier GCC (Cachoeira do Sul, 7 de junho de 1856Lisboa, 1922) foi um jornalista, tradutor, poeta e diplomata brasileiro. Sua poesia é parnasiana, e foi fortemente influenciada pela obra de Charles Baudelaire.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Gaspar Xavier e Clarinda da Fontoura, fez seu curso primário em Cachoeira e o secundário no Rio de Janeiro.[1] Entre 1876 e 1877 cursou a faculdade de Direito em São Paulo, mas não chegou a concluí-la. Entre os anos de 1874 e 1891, aproximadamente, colaborou nos periódicos Besouro, Gazeta de Notícias, Repórter e Revista Ilustrada, do Rio de Janeiro.

Traduziu poemas de Edgar Allan Poe, Baudelaire, Jean Moréas, Sully Prudhomme e Shakespeare. Foi um dos fundadores, em 1880, do jornal Gazetinha, com Artur de Azevedo e Aníbal Falcão. Foi redator do jornal carioca A Semana, em 1883, e colaborou na revista Atlântida[2] (1915-1920). O seu nome também consta da lista de colaboradores da Revista de turismo [3] iniciada em 1916. Em 1884, publicou o livro de poesia Opalas. Em 1887 lançou, no Rio de Janeiro, o panfleto em versos O Régio Saltimbanco, contra a monarquia.

Entre 1885 e 1922 serviu como diplomata nos Estados Unidos da América, Cuba, México, Suíça, Argentina, Guatemala, Inglaterra (durante toda Primeira Guerra Mundial), Espanha e Portugal.[1]

É patrono de uma das cadeiras da Academia Rio-Grandense de Letras.

A 2 de Agosto de 1919 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo de Portugal.[4]

Referências

  1. a b SPALDING, Walter. Construtores do Rio Grande. Livraria Sulina, Porto Alegre, 1969, 3 vol., 840pp.
  2. Atlântida : mensário artístico literário e social para Portugal e Brazil (1915-1920) [cópia digital, Hemeroteca Digital]
  3. Jorge Mangorrinha (16 de janeiro de 2012). «Ficha histórica:Revista de Turismo: publicação quinzenal de turismo, propaganda, viagens, navegação, arte e literatura (1916-1924)» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de Maio de 2015 
  4. «Cidadãos Estrangeiros Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "António de Fontoura Xavier". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 26 de março de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.