Aluísio Pimenta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Aluísio Pimenta (Peçanha, 9 de agosto de 1923Belo Horizonte, 9 de maio de 2016) foi um farmacêutico, educador, reitor da Universidade Federal de Minas Gerais e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aluísio Pimenta
Nome completo Aluísio Pimenta
Conhecido(a) por reitor da Universidade Federal de Minas Gerais
Nascimento 9 de agosto de 1923
Peçanha, MG
Morte 9 de maio de 2016 (92 anos)
Belo Horizonte, MG

Formou-se em 1945 pela Faculdade de Odontologia e Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Foi aprovado no concurso para livre docente em Química Orgânica e Biológica na Faculdade de Farmácia da UFMG (1947), professor catedrático de Química Orgânica e Bioquímica da Faculdade de Farmácia da UFMG (1951), professor catedrático da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da UFMG (1952). Em 1953 e 1954, realizou os estudos de doutorado e desenvolveu trabalhos de pesquisa no Instituto Superior de Saúde, em Roma. Com base nos concursos realizados e em sua defesa de tese, recebeu o título doutor em Química Orgânica e Biológica pela UFMG.

Em fevereiro de 1964 foi eleito pelo conselho universitário para a lista tríplice e nomeado reitor da Universidade de Minas Gerais, hoje Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Foi o mais jovem reitor da UFMG até aquele momento. Modernizou o ensino universitário com as reformas da universidade, deu importantes passos para a implantação do Campus Universitário da Pampulha,e defendeu e lutou pela autonomia universitária.

Entretanto, em fevereiro de 1967, deixa o cargo de reitor da UFMG. Aposentado compulsoriamente pelo AI-5, passou 17 anos fora do Brasil, onde teve a oportunidade de participar de vários projetos na área da educação, ciência e tecnologia, nas Américas, Europa, China e Japão.

Entre 1967 e 1968 esteve como professor visitante no Instituto de Educação da Universidade de Londres (Inglaterra), onde realizou o curso de especialização em Administração do Ensino Superior. Foi contratado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) como especialista setorial para Educação, Ciência e Tecnologia para o Chile e o Peru, em 1969. Nesse período ocupou vários cargos importantes no BID e, em 1982, tornou-se professor visitante, por dois meses, na área de Recursos Humanos e Administração na Universidade Cristã Internacional de Tóquio (Japão).

Retorno ao Brasil[editar | editar código-fonte]

Em 1983, a convite do governador de Minas Gerais Tancredo Neves, retorna ao Brasil e assume a presidência da Fundação João Pinheiro, e depois eleito presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento/Seção Minas Gerais.

Em 1985, em 29 de maio, é nomeado e empossado ministro de estado da Cultura pelo presidente da república José Sarney. Em 1989, pelo Partido Liberal, foi candidato à vice-presidência da República na chapa de Guilherme Afif Domingos.

Em 1991 assume, a convite do governador de Minas Gerais Hélio Garcia, a reitoria da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), com o desafio de concretizar a implantação da universidade, dois anos após a sua criação. Foi ainda assessor especial do governador de Minas Gerais Aécio Neves.

Aluísio Pimenta foi presidente da Associação Mineira de Farmacêuticos - AMF, foi fundador e vice-presidente do Conselho Federal de Farmácia (1960), fundador e presidente do Conselho Regional de Farmácia de Minas Gerais (1962). Foi escritor e articulista de jornais diários na capital de Minas.

Morte[editar | editar código-fonte]

Na manhã do dia 9 de maio de 2016, Aluísio Pimenta faleceu na capital Belo Horizonte em decorrência de um acidente vascular cerebral, aos 93 anos. Seu corpo foi velado na Academia Mineira de Letras e encontra-se sepultado no Cemitério Parque da Colina.[1]

Em ocasião de sua morte, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), divulgou nota de pesar: “Foi com pesar que recebi a noticia do falecimento do professor Aluísio Pimenta, ex-reitor da UFMG, com quem tive a honra de conviver. Minas Gerais perde uma referência acadêmica e uma pessoa sempre sintonizada com as causas sociais e com a defesa da democracia. Aos familiares, manifesto minha solidariedade neste momento”.[2]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

No dia 6 de dezembro de 2000 recebeu a Medalha de Honra da UFMG[3]. Foi doutor honoris causa da UERJ, membro da Academia Mineira de Letras e membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, e membro da Real Academia de Farmácia de Madrid (Espanha) e da Ordem Nacional do Mérito da França. Medalhas - Infante D. Henrique de Portugal - Inconfidência - Santos Dumond - Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais - Mérito Educacional do Ministério da Educação do Brasil

Referências

  1. Minas, Estado de; Minas, Estado de (9 de maio de 2016). «Morre, aos 93 anos, professor Aluísio Pimenta». Estado de Minas. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  2. MG, Do G1 (9 de maio de 2016). «Morre em Belo Horizonte, aos 93 anos, professor Aluísio Pimenta». Minas Gerais. Consultado em 25 de setembro de 2019 
  3. https://www.ufmg.br/copi/sempre-internas.php?p=submenu&menu_key=2&cont_key=18

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
José Aparecido de Oliveira
Ministro da Cultura do Brasil
1985 — 1986
Sucedido por
Celso Furtado