Sérgio Sá Leitão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Sérgio Sá Leitão
Ministro da Cultura do Brasil
Período 25 de julho de 2017
até atualidade
Presidente Michel Temer
Antecessor João Batista de Andrade (interino)
Dados pessoais
Nascimento 10 de março de 1967 (51 anos)
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro

Sérgio Sá Leitão (Rio de Janeiro, 10 de março de 1967) é um jornalista e gestor público brasileiro, atual Ministro da Cultura do Brasil.

Jornalismo[editar | editar código-fonte]

Sérgio Sá Leitão é graduado em jornalismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Foi repórter e editor do Jornal do Brasil e da Folha de S.Paulo, e na década de 2000 migrou para a carreira política.

Foi repórter, colunista e editor da Folha de S. Paulo e do Jornal do Brasil, além de diretor de redação do Jornal dos Sports.

É co-autor dos livros "Futebol-arte: a cultura e o jeito brasileiro de jogar" (1998) e "Marketing esportivo ao vivo" (2000), entre outros.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Entre 2003 e 2006, Sá Leitão foi Chefe de Gabinete do então Ministro da Cultura, Gilberto Gil, e Secretário de Políticas Culturais do MinC. Em maio de 2006, assumiu o posto de assessor da presidência do BNDES, atuando na criação do Departamento de Economia da Cultura e do Programa de Apoio à Cadeia Produtiva do Audiovisual (Procult)[1]. No MinC, coordenou os programas Copa da Cultura, Música do Brasil, CulturaPrev e Economia da Cultura, entre outros.

Em 2007, foi nomeado assessor de diretoria da Agência Nacional do Cinema (Ancine). No ano seguinte passou a diretor do órgão, com mandato até 2010.[2] No entanto, em janeiro de 2008 deixou o cargo para presidir a RioFilme, a convite do prefeito Eduardo Paes.

Entre 2009 e 2014, a RioFilme investiu cerca de R$ 180 milhões em mais de 300 projetos de empresas cariocas de audiovisual, nos segmentos de desenvolvimento, produção, distribuição, exibição, capacitação e serviços. Com isso, o Rio de Janeiro se tornou a capital brasileira que mais investe no setor audiovisual. Também foi secretario municipal da Cultura do Rio de Janeiro entre 2012 e 2015.

Assumiu o Ministério da Cultura (MinC) no governo Michel Temer em 25 de julho de 2017.[3][4]

Em outubro de 2018, envolveu-se em uma troca pública de acusações com o artista Roger Waters, em turnê pelo Brasil, acusando-o pelo Twitter de ter recebido R$ 90 milhões para "fazer campanha disfarçada de show" no segundo turno das eleições presidenciais. A acusação de Sérgio Sá Leitão foi considerada censura ilegal contra o fundador do Pink Floyd por usuários da rede social. [5]

Sá Leitão havia afirmado que estava "de saco cheio de manifestações políticas em shows". “Eu estive lá, conversei com o empresário dele antes. Confesso que, pensando como público (sic), como fã, eu estou de saco cheio. A gente não consegue mais ir a um show ou ver um filme sem que haja algum tipo de manifestação política. Muitas pessoas estão com essa sensação.” Waters afirmou, então, que ele estava "no emprego errado".[6]

Com a repercussão negativa, o Ministro da Cultura afirmou que a sua declaração anterior não era “fake news”: “Obrigado a você que chamou de fake news meu post sobre Roger Waters. Prova de incoerência. Por muito menos, acusou Bolsonaro de caixa 2 e campanha ilegal. Sem provas. E o que eu disse é verdade: ele recebeu R$ 90 milhões por shows/entrevistas; e está em campanha contra Bolsonaro”. [7]

Referências

  1. «Quem é Quem». FilmeB. Consultado em 27 de maio de 2011 
  2. «Sérgio Sá Leitão é nomeado diretor da ANCINE». ANCINE. Consultado em 27 de maio de 2011 
  3. «Sérgio Sá Leitão é o novo ministro da Cultura». MinC. Consultado em 20 de julho de 2017 
  4. Amaral, Luciana. «Sérgio Sá Leitão é o novo ministro da Culturacmpid=copiaecola». UOL. Consultado em 20 de julho de 2017 
  5. «Ministro da Cultura acusa Waters de 'campanha eleitoral disfarçada de show'». Poder360. 21 de outubro de 2018 
  6. «Ministro da Cultura rebate Roger Waters e o acusa de fazer campanha ilegal». Folha de S.Paulo. 21 de outubro de 2018 
  7. «Ministro da Cultura acusa Waters de fazer "campanha disfarçada de show" - Jornal A Palavra Mato Grosso». Jornal A Palavra Mato Grosso. 22 de outubro de 2018. Consultado em 25 de outubro de 2018 


Precedido por
João Batista de Andrade (interino)
Ministro da Cultura do Brasil
2017–atual
Sucedido por