Osmar Terra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Osmar Terra
Deputado Federal pelo Rio Grande do Sul
Período 1º de fevereiro de 2015
até atualidade [a]
28 de maio de 2001
até 31 de janeiro de 2003
Ministro da Cidadania do Brasil
Período 1° de janeiro de 2019
até 14 de fevereiro de 2020
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor Cargo criado
Sucessor Onyx Lorenzoni
Ministro do Desenvolvimento Social e Agrário do Brasil
Período 12 de maio de 2016
até 6 de abril de 2018
Presidente Michel Temer
Antecessor Tereza Campello
Sucessor Alberto Beltrame
Prefeito de Santa Rosa
Período 1° de janeiro de 1993
até 31 de dezembro de 1996
Dados pessoais
Nascimento 18 de fevereiro de 1950 (70 anos)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Alma mater Universidade Federal do Rio de Janeiro
Partido MDB (1986-presente)
Profissão médico e político

Osmar Gasparini Terra (Porto Alegre, 18 de fevereiro de 1950), é um médico formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro[1] e político brasileiro, filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB). Exerce o sexto mandato de deputado federal pelo Rio Grande do Sul.[2]

Foi ministro do Desenvolvimento Social[3][4] no governo Michel Temer e Ministro da Cidadania no governo Jair Bolsonaro.[5]

Juventude e formação[editar | editar código-fonte]

Osmar Gasparini Terra nasceu na capital gaúcha, filho de William Paim Terra, assessor parlamentar, com Nelly Lúcia Gasparini Terra, servidora pública do INCRA, em 1950, ainda quando ele era criança, sua família se mudou ao Rio de Janeiro. Na adolescência e juventude, foi considerado um bom aluno e se formou em medicina na UFRJ, ainda no período ele se associou aos movimentos estudantis e ao Partido Comunista do Brasil, fazendo oposição a ditadura militar brasileira.[6][7][8]

Durante o seu período como militante, ele conhece a presidente da DCE da PUC-RJ, a estudante de psicologia Mônica Tolipan, com quem se apaixonaria e mais tarde casaria, tendo dois filhos. A sua então namorada seria perseguida pelo regime militar, sendo presa três vezes e, após uma passeata de mais de 6 mil estudantes, foi torturada por Carlos Alberto Brilhante Ustra, não sendo torturada além por suas ligações com a PUC e o bispo Ivo Lorscheiter.[9][8]

Após Mônica ser liberta, o casal decidiu sair da cidade, primeiramente escolhendo São Paulo, onde conheceu e desenvolveu uma amizade com Jaques Wagner, depois se exilaram em Buenos Aires, onde Osmar trabalhou numa clínica popular. Nos anos 80, voltaram para o Rio Grande do Sul, morando em Porto Alegre e, por medo de perseguição da ditadura, se mudando para Santa Rosa, abrindo um consultoria e se associou aos grupos sindicalistas médicos, na época Terra buscou se distanciar da política, porém com a chegada da redemocratização ele voltou a se associar com os movimentos de oposição ao regime, dessa mais ao centro político.[7][8][10][11]

Trajetória política[editar | editar código-fonte]

Filiou se ao Movimento Democrático Brasileiro em 1986, na época sendo concursado do INAMPS (atual INSS), aderiu a greve de residentes contra os dirigentes, mais tarde sendo nomeado chefe da superintendência, no cargo ele, junto com o seus antigos correligionários do Partido Comunista do Brasil e as alas esquerdistas do MDB, fez campanha por reforma sanitário, algo que culminou na criação do SUS na Assembleia Nacional Constituinte de 1987. Nas eleições municipais no Brasil em 1988, ele buscou sem sucesso ser eleito prefeito de Santa.[6][8]

Terra foi prefeito de Santa Rosa de 1993 a 1996. Ocupou como suplente uma cadeira na Câmara Federal, de 28 de maio de 2001 até 2003. Nas eleições de 2002 havia ficado novamente na suplência para a Câmara, assumindo em janeiro de 2005. Em 2007 assumiu uma cadeira como titular, mas afastou-se para assumir como secretário de saúde no governo do Rio Grande do Sul. É completamente contra a legalização ou descriminalização das drogas.[4][12][13][14][15].

Foi reeleito deputado federal em 2014, para a 55.ª legislatura (2015-2019). Votou a favor do Processo de impeachment de Dilma Rousseff.[16] Em agosto de 2017 votou pelo arquivamento da denúncia de corrupção passiva do presidente Michel Temer.

Ministro do Desenvolvimento Social de Michel Temer[editar | editar código-fonte]

Como ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra foi responsável pela criação e implantação do programa Criança Feliz,[17] de atenção à primeira infância. Segundo os seus formuladores, o programa se baseia nas descobertas mais importantes da neurociência. Todas as semanas, visitadores do Criança Feliz vão até as casas das famílias para mostrar aos pais a maneira correta de estimular o desenvolvimento emocional e cognitivo dos filhos. Crianças bem cuidadas e estimuladas no período chamado primeira infância, que vai da gestação aos seis anos de idade, chegam à escola com maior capacidade de aprendizado, são menos violentas e tem melhores condições para superar a pobreza.[18][19][20]

Outra ação conduzida por Osmar Terra no Ministério do Desenvolvimento Social foi o aperfeiçoamento da gestão de programas sociais. O Bolsa Família passou por um pente-fino que identificou milhares de pessoas que tinham renda superior ao exigido pela legislação para receber o benefício. Essas pessoas foram excluídas do programa abrindo espaço para quem realmente precisava, mas aguardava na fila. Em governos anteriores, ela chegou a ter mais de 1 milhão de pessoas, hoje a fila do Bolsa Família está zerada.[21][22]

Terra também criou o Plano Progredir, uma estratégia com objeto de levar capacitação profissional, estimular o empreendedorismo e auxiliar os beneficiários de programas sociais a ingressarem no mercado de trabalho. Terra afirma que o Progredir não vai substituir o Bolsa Família, mas dar condições para que as famílias conquistem autonomia e não precisam mais do complemento de renda.[23]

Teve uma resolução apresentada, aprovada pelo Conselho Nacional de Políticas Sobre Drogas (CONAD), que fundamenta a prevalência da abstinência e das chamadas Comunidades Terapêuticas, suprimindo a política de Redução de Danos, aprovada em 2005.[24]

Ministro da Cidadania de Jair Bolsonaro[editar | editar código-fonte]

Foi anunciado em 28 de novembro de 2018 pelo presidente eleito Jair Bolsonaro como ministro da Cidadania,[25] pasta resultante da fusão dos ministérios da Cultura, do Esporte e do Desenvolvimento Social. Osmar ficou até 14 de fevereiro de 2020, quando foi substituido por Onyx Lorenzoni, retomando ao cargo de deputado federal.[26]

Pandemia do Covid-19 no Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 no Brasil

Opinião controversa[editar | editar código-fonte]

Durante a pandemia de COVID-19, Osmar Terra sustentou, mais de uma vez, que o isolamento social aumentava o número de casos e defendeu o isolamento vertical[27], contrariando grande parte da comunidade científica.[28][29][30] O Twitter chegou a dar uma sanção em um de seus comentários.[31] Segundo a agência de checagem "Lupa", a opinião dele não teria respaldo científico.[32] Osmar Terra foi o parlamentar que mais divulgou notícias falsas sobre o COVID-19, segundo um levantamento feito pelo Radar Aos Fatos lançado em abril de 2020.[33] Terra ainda disse que a pandemia terminaria em junho de 2020.[34]

"Osmar Trevas"[editar | editar código-fonte]

Por causa de suas afirmações expressando um negacionismo científico com previsões equivocadas e teses que não se sustentam, Osmar Terra ficou conhecido pejorativamente por "Osmar Trevas", sendo chamado assim até mesmo pelo ex-ministro da saúde Henrique Mandetta.[35][36]

Cogitado para o cargo de Ministro da Saúde[editar | editar código-fonte]

Por sua posição, durante o boato de demissão do Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta[37], que teria sido evitada pelos ministros militares[38], foi o principal cogitado para o cargo.[39]

Notas

  1. Licenciado entre 12 de maio de 2016 e 6 de abril de 2018 para assumir o Ministério do Desenvolvimento Agrário e Social, novamente licenciado entre 1° de janeiro de 2019 e 14 de fevereiro de 2020 para assumir o Ministério da Cidadania.

Referências

  1. «Quem é Osmar Terra ?». 23 de agosto de 2017. Consultado em 9 de agosto de 2019 
  2. «Biografia do(a) Deputado(a) Federal Osmar Terra». Câmara dos Deputados. Consultado em 6 de abril de 2020 
  3. «Biografia - OSMAR TERRA - PMDB/RS». Câmara dos Deputados. Consultado em 12 de maio de 2016 
  4. a b «Osmar Terra - Deputado Federal». osmarterra.com.br. Consultado em 21 de abril de 2018 
  5. «Osmar Terra é anunciado para Ministério da Cidadania». G1. Consultado em 1 de janeiro de 2019 
  6. a b Brasil, CPDOC-Centro de Pesquisa e Documentação História Contemporânea do. «TERRA, Osmar». CPDOC - Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil. Consultado em 13 de fevereiro de 2020 
  7. a b «Perfil: Quem é o ministro da Cidadania, Osmar Terra» 
  8. a b c d «Do comunismo ao bolsonarismo: a trajetória de Osmar Terra». 26 de outubro de 2019 
  9. «Brazilian Students Assail Government». The New York Times (em inglês). 17 de abril de 1973. ISSN 0362-4331 
  10. «Quem é Osmar Terra, o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário» 
  11. «Quem é Osmar Terra, o ex-comunista de Bolsonaro que faz sombra a Mandetta». 11 de abril de 2020 
  12. Reinaldo Azevedo. «Um manifesto contra a legalização das drogas no Brasil; se concordar, assine». VEJA. Consultado em 12 de maio de 2016 
  13. «Ministro Osmar Terra defende endurecimento na política nacional sobre drogas». MDS. Consultado em 28 de abril de 2018 
  14. «Epidemia de drogas tem assinatura de liberacionistas, diz Osmar Terra». PODER360. Consultado em 28 de abril de 2018 
  15. «Osmar Terra: Dependência química é doença». Folha UOL. Consultado em 28 de abril de 2018 
  16. G1 (2 de agosto de 2017). «Veja como deputados votaram no impeachment de Dilma, na PEC 241, na reforma trabalhista e na denúncia contra Temer». Consultado em 11 de outubro de 2017 
  17. [1]
  18. «Criança Feliz». Ministério do Desenvolvimento Social. Consultado em 21 de abril de 2018 
  19. «Osmar Terra: investir nas crianças é fundamental para a superação da pobreza». Consultado em 21 de abril de 2018 
  20. «Para ministro, programa Criança Feliz trará mais igualdade social». Consultado em 21 de abril de 2018 
  21. «Bolsa Família incluirá 800 mil famílias e fila será zerada». Jornal O Globo 
  22. «Osmar Terra, a opção pelo desenvolvimento humano para reduzir a desigualdade». UOL Economia 
  23. «O Plano Progredir». Ministério do Desenvolvimento Social. Consultado em 21 de abril de 2018 
  24. «Governo aposta em guinada rumo à abstinência no combate às drogas». Carta Capital. Consultado em 28 de abril de 2018 
  25. «Bolsonaro indica Osmar Terra, ex-ministro de Temer, para pasta da Cidadania». UOL. 28 de novembro de 2018. Consultado em 28 de novembro de 2018 
  26. «Bolsonaro anuncia Onyx na Cidadania e general Braga Netto na Casa Civil». Folha. 14 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  27. «Osmar Terra defende isolamento vertical e condena quarentena – Jovem Pan». 26 de março de 2020 
  28. «Twitter coloca aviso de sanção em post de Osmar Terra que critica isolamento» 
  29. «Especialistas não endossam críticas de Osmar Terra e Sergio Camargo ao isolamento para conter coronavírus» 
  30. «Ex-ministro vira contraponto de Mandetta e referência de bolsonaristas na pandemia». 1 de abril de 2020 
  31. «Twitter coloca aviso de sanção em post de Osmar Terra que critica isolamento» 
  32. «[Agência Lupa] Análise de Osmar Terra sobre efeitos da quarentena na Itália não tem respaldo científico». 4 de abril de 2020 
  33. Redação (15 de abril de 2020). «Osmar Terra é o parlamentar que mais publica fake news sobre covid-19, aponta levantamento». Congresso em Foco. Consultado em 19 de abril de 2020. Cópia arquivada em 19 de abril de 2020 
  34. «Osmar Terra on Twitter: "A curva de contágio da Covid 19 já passou pe…». 2 de junho de 2020. Consultado em 9 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2020 
  35. «Mesmo errando, Osmar Terra insiste em previsões 'furadas' em rede social | Maquiavel». VEJA. Consultado em 9 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 9 de setembro de 2020 
  36. «Mandetta chama de 'Osmar Trevas' ex-ministro convidado para reunião de Bolsonaro com médicos». O Globo. 3 de abril de 2020. Consultado em 10 de setembro de 2020. Cópia arquivada em 6 de abril de 2020 
  37. «Bolsonaro decide demitir Mandetta ainda nesta segunda-feira». 6 de abril de 2020 
  38. «Bolsonaro ameaça, mas desiste de demitir Mandetta hoje» 
  39. Megale, Bela. «Sem Mandetta, Bolsonaro faz mais uma reunião com ministros e Osmar Terra sobre covid-19» 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]