Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tereza Cristina
Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil
Período 1° de janeiro de 2019
até a atualidade
Presidente Jair Bolsonaro
Antecessor Blairo Maggi
Deputada Federal pelo Mato Grosso do Sul
Período 1º de fevereiro de 2015
até 1° de janeiro de 2019
Secretária de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo do Mato Grosso do Sul
Período 1º de janeiro de 2007
até 7 de abril de 2014
Antecessor João Crisóstomo Mauad Cavallero
Sucessor Paulo Engel
Dados pessoais
Nascimento 6 de julho de 1954 (64 anos)
Campo Grande, Mato Grosso do Sul
Alma mater Universidade Federal de Viçosa
Partido DEM
Profissão Engenheira Agrônoma e empresária
linkWP:PPO#Brasil

Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias ou simplesmente Tereza Cristina (Campo Grande, 6 de julho de 1954) é uma engenheira agrônoma, empresária[1] e política brasileira filiada ao DEM. É deputada federal, líder da Bancada Ruralista[2] e atual Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo de Mato Grosso do Sul durante o governo de André Puccinelli (MDB).Ela foi uma das lideranças que defenderam a aprovação do Projeto de Lei 6.299, que flexibiliza as regras para fiscalização e aplicação de agrotóxicos no país.[3]

Nas Eleições estaduais de Mato Grosso do Sul em 2014 foi eleita deputada federal com 75.149 votos.[1]

Em janeiro de 2017 foi eleita para liderar a bancada do PSB na Câmara dos Deputados, derrotando o deputado Tadeu Alencar (PE) por 22 a 14 votos. Com isso passou a liderar um grupo de 36 deputados.[4]

Deixou em outubro de 2017 o Partido Socialista Brasileiro, por discordar da posição contrária que o partido passou a adotar frente ao Governo Temer. Foi acompanhada por outros membros do PSB que também apoiavam o governo de Michel Temer: os deputados Fabio Garcia (MT), Adilton Sachetti (MT) e Danilo Forte (CE), além do ministro Fernando Coelho Filho.[5] Em dezembro ingressou no Democratas (DEM).[carece de fontes?]

Em 2018, como líder da Bancada Ruralista, foi uma das principais responsáveis pela aprovação do projeto de lei nº 6.299/2002, que regulamenta o processo de registro de agrotóxicos no Brasil.[2]

Em 2018, o presidente eleito Jair Bolsonaro, anunciou que Tereza será a futura ministra do Ministério da Agricultura[6] e ela é a primeira mulher escolhida para integrar o novo governo que começará em janeiro de 2019.[7] Ela foi indicada por um grupo de 20 integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA).[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]